História Actors - (BTS) - Kim Taehyung - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, V
Tags Drama, Novela, Romance
Visualizações 29
Palavras 1.348
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Poesias, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura, leia as notas finais. (menor que 3).

Capítulo 2 - "Se você começa algo, você termina."


Fanfic / Fanfiction Actors - (BTS) - Kim Taehyung - Capítulo 2 - "Se você começa algo, você termina."

1                        
 



"A Humanidade precisa de sonhos para suportar a miséria,

nem que seja por um instante."  - Oscar Niemeyer


 

P.O.V (S/N)


 

Eu ainda estava em transe, isso para mim era tão surreal. Já perdi as contas de quantas vezes eu incomodei a aeromoça só para perguntar se tudo aquilo era real. E ela, me olhava com o cenho franzido, como se eu fosse uma lunática.

Apertava meus punhos, castigando-os, inquieta. Uma camada fina de suor que insistia em permanecer ali, minha respiração ofegante e precipitada, conseguia dar todos os sinais de meu nervosismo.

As pessoas me olhavam de relance, sem se preocupar em esconder a cara feia por uma pessoa como eu, estar na primeira classe. Uma pessoa como eu.. 

O triste e tão conhecido enredo clichê. Uma menina pobre, e seus sonhos. Conseguia distinguir alguns múrmuros sobre minha pessoa, alguns como "Que diabos ela faz aqui?!" ou "Olhe ela, mal tem dinheiro para comprar roupas decentes!". No fim eu apenas ignorava, sabia que aquilo não passava de más balelas.

Até que minha ficha de fato caiu, e consigo carregava diversas preocupações. E se tudo foi um mal entendido? E se eu apenas voltar pra estaca zero...? 

Oras! Não há mais tempo para hesitar, me recordo bem do que meu pai sempre dizia "Se você começa algo, você termina." Ele sempre foi como um herói pra mim. Ah papai, que saudade você faz... Há muito tempo você me deixou, mas sempre sinto você ao meu lado. Aqui, agora. Segurando minha mão como nos velhos tempos.

Eu olho para as estrelas, procurando forças para suportar as barreiras, sempre está ali. Ele, meu príncipe, meu pai. Sua estrela brilhava sempre que podia, era assim que nos comunicávamos. Sempre que estara triste, era incrível como aquela estrela conseguia se destacar dentre as outras.

- Você está comigo aqui, agora. Não está? - Pensei comigo ditando as palavras como um suspiro trêmulo. Eu fechei os olhos, imaginando-o sorrindo, e me abraçando. Seria tudo mais fácil se você estivesse aqui.. - Deixei uma lágrima persistente cair sobre minhas bochechas rosadas, em seguida a limpando. Pendi a cabeça para trás, à procura de descanso e conforto em minha poltrona. "Só mais algumas horas"




                                                                    Aeroporto Incheon, Coreia do Sul - 19:30h 




Abri meus olhos vagarosamente, percebendo que as pessoas dali já estavam desembarcando, me levanto um pouco aflita pela tamanha ansiedade que estava sentindo. Com a visão um pouco turva desembarco junto com as outras pessoas. Quando me dou por mim eu já estava fora, observando o local com admiração. Quando olho de relance avisto uma moça de estatura média, segurando uma placa com meu nome, carregando um sorriso contagiante com a mesma. Sem pensar duas vezes vou até sua direção.

Algo duro e grande me faz cambalear e perder os sentidos de meus pés, fazendo com que eu vá de encontro ao chão. - Aish, será que você não olha por onde anda garota?! - Um homem que carregava um semblante nervoso, gritou. Atraindo olhares por toda parte. - Hã... Eu peço perdão senhor. Realmente sou muito desastrada. - Ditei com a cabeça baixa. Um gargalhada irônica e nervosa se fez presente no local. - Você é realmente inútil, huh? - Ele deu um tapa em minha cabeça, me fazendo ir para trás. Sinto seu olhar repugnante sobre meu corpo, e antes dele dizer mais alguma coisa, a garota de segundos atrás com a placa na mão, empurrou o maior com certa força, me fazendo arregalar os olhos. - Yah, você não deveria mexer com alguém do seu tamanho? - Sinto que se essa situação não fosse tão séria, eu estaria rindo, a garota era praticamente menor que eu. 

- Huh?! Responde otário, se não te quebro aqui mesmo. - A garota já fazia uma posição estranha de luta, como se estivesse pronta pra ir pra cima do mesmo. Antes de mais nada, me senti obrigada a entrar no meio deles e a puxar para longe, a mesma relutava ditando algumas coisas como "me segura", "vou te pegar na saída". 

Quando vimos o homem pigarreou na tentativa de disfarçar seu constrangimento, sem dizer mais nada, colocou sua bolsa em suas costas e enrijeceu seu corpo, passando por nós como se nada tivesse acontecido. - Aish, essas pessoas me causam enjoo. - Disse com o semblante de repugnância. - Ah, bem... - Ela coçou sua nuca - Olá, como vai? Meu nome é Jisoo, e o seu? Estava ensaiando à horas essa apresentação, mas aquele mal amado atrapalhou com tudo. - Arregalo os olhos, nossa. Ela fala demais. Dou um sorriso simpático. - Hã... - Pensei em uma resposta adequada, enquanto Jisoo estava me olhando ansiosa. - Meu nome é (S/N), obrigada por me defender, as pessoas daqui  parecem não ser acostumados a ajudar.. -

- Que nada, boba. Agora somos como irmãs, eu até ia empurrar ele na frente do avião se não fosse você. - Solto uma risada alta e constrangedora, e a mesma me acompanha, quebrando o clima tenso entre nós duas.

- Ahh, e parabéns, que sortuda, não? Eu sempre quis ser protagonista de um drama, mas acho que não nasci com esse dom, ela solta um sorriso ladino, fazendo-me me recordar do porquê estar aqui. Em seguida deixando um sorriso largo escapar de meu rosto, podia sentir meus olhos brilharem. - Eu estou tão ansiosa! Poderia saltar de um prédio de tanta felicidade Jisoo. - A mesma me olha com o senho franzido, como um "oi?" - Yah! Nem é pra tanto, seus novos fãs te aguardam viva, em carne e osso. Agora vamos! - Ela diz em um tom brincalhão, me puxando para dentro de um táxi.

Notei que Jisoo estava me observando, deixando-me nada confortável. - O que foi? - Sem me segurar, decido perguntar. Oras, será que eu estava com um feijão no dente e não percebi.

         - Você fez alguma cirurgia plástica? Como o nariz ou.. - Franzi o cenho. - Não, não que eu saiba.. Por que? - A mesma continua me olhando especulativa.

- Você parece uma boneca, não sei, você não é uma, certo? Ou é? - Dou uma risada alta com o seu comentário. - Claro que não, Jisoo! Eu achava que eu era louca antes de te conhecer, agora pode ter certeza que não penso o mesmo.

- (S/N), por acaso você acha que sou doida? - Ela espremeu seus olhos fazendo com que eles fiquem minúsculos, percebi o seu tom brincalhão. - Eu não acho, eu tenho certeza! - Dou uma risada após ela me dar um tapa fraco no braço. - Yah, doeu. - Fiz um bico pequeno, abaixando minha cabeça.

- Minha nossa, desculpa. Você tá legal? - Dou risada levantando a cabeça como um "te peguei". - Boba! - Ela diz, resmungando. - Jisoo.. - Disse, atraindo sua atenção. - Você por acaso sabe com quem eu vou contracenar? 

- Claro que eu sei, mas é surpresa, só vou te dizer quando você ficar cara a cara com ele. Mas, posso te dar uma dica, ele tem uma fama absurda de galinha, cuidado para não se apaixonar, hein.


- Pff, isso é minha especialidade. - Solto uma piscadela fazendo com que Jisoo dê uma gargalhada alta, fazendo com que milésimos depois eu a acompanhe.


Depois de centenas risadas eu me sentia feliz, em tão pouco tempo. Que eu já consideraria Jisoo como minha melhor amiga agora mesmo. Meus sintomas de nervosismo havia desaparecido, mas ainda continha algo que era persistente em não sair. Vasculhava em meus pensamentos essa tal insegurança, e enfim aquilo já estava esclarecido. A dúvida. Quem seria esse tal mulherengo? Suponho que seja alguém gentil, e encantador. Uma pena que seus encantos não vão me fazer efeito algum.


Minutos depois eu e Jisoo chegamos ao nosso novo apartamento. Ele era pequeno, mas continha detalhes graciosos que mereciam um sentimento júbilo sobre tal. Havia duas janelas que iriam de encontro à varanda, com uma vista bruxuleante, pelo céu majestoso e estrelado de Seul. E deixo um suspiro pesado escapar, relaxando meu ombros consigo. É amanhã. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, realmente não tive tempo de revisar então perdoa meu desleixo rsrsrs.
Próximo capítulo tem encontro dos dois passarinhos, bjss.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...