História Addictec to you (Jungkook-BTS Imagine) - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Imagine, Jungkook, Namjin, Sexo, Vhope, Yoonmim
Exibições 299
Palavras 2.909
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi meus pudins! 🍮
Volteiii!🙌
Bom, desculpem a demora, eu fiquei de recuperação e estou em semana de provas, mas mesmo assim, fiz um capítulo para vocês!
Espero que gostem!
Nos vemos lá embaixo😘😘😘🍮💜

Capítulo 21 - Vigésimo: Não há mais esperanças.


Fanfic / Fanfiction Addictec to you (Jungkook-BTS Imagine) - Capítulo 21 - Vigésimo: Não há mais esperanças.

(Yasi On)

[…]

 

- Adeus, Jeon Jungkook. - Abro a porta e saio do carro.

[...]

Eu corri pelas ruas de Seul, sem me importar com as lágrimas que caiam pelo meu rosto e nem aí para quem visse ou batesse em mim. Tudo que eu queria era sair dali, de perto dele, para longe daquela realidade, distante daquilo que um dia eu considerei felicidade com a pessoa que eu achava que era certa para mim. . .

"Por que isso está acontecendo comigo?"

Eu me perguntava enquanto corria pelas ruas escuras da cidade e derramava lágrimas incessantes de meus olhos.

Com certa dificuldade, consegui chegar ao meu prédio, passando feito um furacão por entre as pessoas e indo em direção às escadas, tentando, sem êxito, limpar meu rosto e deixá-lo menos borrado.

Com a respiração acelerada, ofegante, um rosto vermelho, e , possivelmente, roupas completamente encharcadas das gotas salgadas que caiam de meus olhos, eu alcancei meu apartamento e entrei, fechando a porta com força. Encostei-me nela e deslizei até cair sentada no chão, segurando minhas pernas, e colocando minha face entre elas.

As lágrimas não cessavam de maneira alguma e não conseguia me controlar, eu literalmente gritava:

 - Por que você fez isso comigo Jeon Jungkook? Por que?

E continuava a chorar feito uma criança que perdeu seu doce, brinquedo favorito, mãe, ou animal de estimação. Nunca pensei que chegaria a ficar assim por culpa de um homem, mas o que eu posso fazer?

- *Sniff* Eu te odeio  Jeon Jungkook. PARA SEMPRE.

Neste momento, eu tinha essas vontades:

1°- Jogar-me de um prédio.

2°- Quebrar tudo à minha frente sem me importar com o que vai acontecer.

3°- Matar Jungkook( a facadas, bem no coração.)

4°- Ligar para a única pessoa que eu sabia que iria me apoiar neste momento.

E a quarta opção seria mais sã, e eu sabia disso pois tinha meus contra argumentos:  cometer suicídio só iria piorar tudo, porque eu não saberia o segredo escondido de mim; quebrar as coisas só aumentaria minha conta, sem falar que perderia a bolsa e o patrocínio da Samsung, e eu precisava manter isso; homicídio só iria me levar presa e nunca voltaria a trabalhar no que quero.

E a última alternativa era  psicologicamente mais saudável, e eu não seria presa e nem enterrada se o fizesse. Tento com todas as minhas - mínimas - porém restantes, forças, levantar-me do chão, contudo, eu acabo não conseguindo por conta do cansaço físico de ter corrido uns 10 km sem me preparar adequadamente, sem contar na desidratação profunda por culpa da quantidade de lágrimas derramadas por meus olhos.

 

"Ah, quer saber? FODA-SE! Já estou no fundo do poço mesmo, para que eu vou me importar com ir dormir em uma cama?"

E com esse pensamento, eu fecho meus olhos lentamente e vou deixando o cansaço me dominar por completo.

[…]

- E ele não te disse nada sobre o que pode ser isso? - Pergunta o castanho, acariciando gentilmente meus cabelos longos, tentando me passar conforto de alguma forma.

- N-não. - Respondi, chorosa.

- Minha Dongsaeng, não chore. Vamos, anime-se. - Dizia o mais velho, em uma tentativa falha de me animar.

- Não consigo, Oppa. - As lágrimas escorrem novamente e ele apenas continua com seu carinho. - Por mais que eu tente, dói. Muito.

Seus olhos negros fixam-se nos meus e sinto sua preocupação comigo. Nunca o vi daquela forma, mas não conseguia evitar a dor, eu queria que ela fosse embora, todavia, quem disse que ela foi?

- Sabe, Jinnie-Oppa. . . - Comecei, sentindo toda a sua atenção em mim. - O que mais me machucou não foi o fato dele estar me escondendo isso e não confiar em mim para contar o que é. . . - Olhei para cima e vi sua expressão confusa, sorri minimamente com aquilo. - O que mais me machuca, é o fato de continuar o amando, mesmo depois de tudo isso. . . Como posso ainda ter sentimentos por ele?

Eu sinto as gotas salgadas trilhando seu caminho por meu rosto vermelho e inchado, de tanto usar minhas glândulas lacrimais. O mais alto suspira e limpa os pingos salobros de minha face. Estava deitada no sofá com a cabeça em seu colo,  os meus  olhos virados para os dele, e o vi sorrindo calorosamente para mim.

- Yasi-Ah, isso é muito simples. - Disse tirando uma mecha de cabelo do meu rosto. - Ele é seu primeiro amor, certo? - Assenti. - Por isso mesmo! É difícil esquecer seu inaugural grande amor. E, por este motivo, não consegue deixar de amá-lo.

Eu o olhei, completamente confusa, porém, depois de um certo tempo, consegui compreender o que dizia. Jungkook foi o primeiro alguém que me fez sentir algo a mais do que um simples amor fraternal. Os sentimentos que tinha por ele, fizeram-me entregar a ele tudo o que eu poderia oferecer, principalmente meu corpo.

Desde o início talvez, eu tivesse sentimentos por ele, só que não sabia se eram positivos ou negativos. Se fossem opostos, daria para suportar, mas não. Meu coração teve que se fazer isso comigo. Ah, mas que droga.

Como eu vou aguentar agora? Nunca senti isso por ninguém, não sei como fazer para passar por cima disso. As lágrimas vem com mais força, e Jin tenta limpá-las. Eu o olhei mais uma vez.

- Eu entendo, mas e se por ele o sentimento já acabou? E se eu sou a única aqui sofrendo? E se sou eu que não consigo superar enquanto ele está se divertindo com outras mulheres? E se só eu sou a burra que clama para que ele volte, mesmo tendo me machucado tanto? - Perguntei, muito mais do que aflita.

- Minha Dongsaeng, - Iniciou, sorrindo da forma mais doce que eu já vi. - ele não faria isso. Veja bem, você me disse que no dia ele também estava chorando, portanto nada disso é real.

Seu sorriso era capaz de me deixar diabética, de tão dócil. Pendi minha cabeça para o lado direito, sem entender o que queria afirmar com aquilo.

- E se estivesse fingindo para tentar me enganar? - Perguntei. Ele ri. - O que foi?

- Você diz isso porque está magoada, mas é incapaz de enxergar a verdade. - Sua carícia em meu cabelo se tornou mais amável. Franzi meu cenho. "Mas afinal, como assim?" - Yasi, ele é mais apaixonado por você do que por ele mesmo. Quando eu via vocês juntos, era impossível não enxergar o quanto o sentimento era recíproco!

Desviei meu olhar do seu e fixei meus olhos no chão, tentando me lembrar. Quando ele fez aquele pedido no meio daquelas pessoas, quando fomos para aquela boate seus olhos eram todos para mim, e no dia em que me pediu em namoro, no telhado. . . Nunca me senti mais feliz e amada por ter ele como meu homem. O fato de ter dito que iria melhorar, pois não se achava merecedor do meu amor. . . Foi tão fantasticamente fofo e amoroso que não sabia mais como não sentir nada por ele. Sorri verdadeiramente com tais lembranças, e outra gota salobra caiu de meu olho, porém não de tristeza. . . uma lágrima de saudade. Olhei apenas mais uma vez para o mais velho, para ter certeza de que pensava o mesmo que eu pensava, levantando bruscamente de seu colo acolhedor e sentando-me no sofá.

- Então por que ele não me conta o que está acontecendo para eu o ajudar? - Perguntei, com a voz embargada pela falta, agarrando minhas pernas e escondendo meu rosto.

- Eu não sei, Dong. - Ele diz, abraçando-me de lado e beijando minha cabeça. - Mas ele não está te traindo, eu tenho certeza disso.

Sinto seu aperto saindo e o corpo sendo afastado de mim, então levantei meu olhar para o dele.

- Como pode ter tanta certeza, Oppa? - Perguntei. Ele sorri, e com uma das mãos, consegue alcançar e acariciar meu rosto.

- Por que ele te ama demais para fazer algo assim, maknae. - Diz, com a maior confiança que consegue.

- Irei confiar em você, Jinnie-Oppa. - Digo, e ele se alegra.

- Ótimo! - Disse. - Agora, vou fazer algo para você comer, deve estar com fome.

Quando ia contra argumentar, minha barriga ronca alto, denunciando meu estado, e eu o ouço rindo.

- Vou fazer algo reforçado para minha Dongsaeng. - Diz ele, e por algum motivo para, olhando para o rádio que tem ali. - E que tal escutarmos uma música qualquer para alegrar o seu dia?

Ele faz aegyo e eu riu do meu Oppa, que mais parece uma criança. Aceno positivamente e ele liga o aparelho, colocando no volume máximo. Ligamos em uma estação de k-pop e começamos a cantar ao som de "Ice Cream Cake - Red Velvet".

Decidi ajudá-lo a cozinhar, afinal, ele veio até aqui para me ajudar nessa minha questão amorosa . . . Isso era o mínimo que eu poderia fazer para agradecer pelo apoio.

Brincamos muito enquanto Jin preparava panquecas para mim e eu arrumava algumas coisas na mesa e para beber. Foi um momento agradável e me senti um pouco mais confiante.

Após o animado café da manhã com meu Oppa, sentamos um pouco no sofá e assistimos programas aleatórios que passavam na TV. Rimos muito, pois a maioria era de comédia. No final de tudo, eu o abracei com força.

- Obrigada por tudo, Jin. - Digo. - Você realmente é como um irmão mais velho para mim.

- Não há de quê, Dongsaeng. - Disse ele, apertando-me. - Você precisava de apoio e eu vim.

- Obrigada mesmo. - Repeti, e o olhei. - Por favor, não conte isso para ninguém, os outros não merecem saber disso. - Digo.

- Eu sei. Pode deixar, minha boca é um túmulo. - Disse e eu sorri.

Ficamos abraçados por mais algum tempo e ele decidiu ir embora. Eu fui com ele até a saída do prédio, mesmo vestindo apenas uma lingerie branca com rendas pretas. Todos ficaram me olhando, porém eu não fiquei incomodada com isso. Decidi que não estava nem aí.

Só tinha uma coisa me afligindo, e ela tinha nome, endereço e CPF:

Jeon Jungkook.

"Quando ele vai me contar a verdade?"

Eu me perguntava enquanto voltava para meu apartamento e olhava feio para quem me ficava me “secando”.

[…]

Eu ia para a Universidade e voltava com Jimin e Yoongi. Jin e Namjoon se ofereceram para ir me deixar, e até mesmo Hoseok queria me ajudar, só que pelo visto, Jungkook tinha pedido isso a Jiminnie, que aceitou sem perguntar nada, mas eu sabia que ele iria me atazanar quando me visse.

Uma semana havia se passado desde a última vez que falei com Jeon. Nem mesmo me cumprimentar ele fazia. Era estranho, porque ele desviava de caminho se estivesse no mesmo que o meu. Não entendia isso muito bem, e se eu perguntasse ao loiro( lê-se Jimin, sim, ele pintou o cabelo denovo), ele não iria me contar. Mas me infernizava para saber o que estava acontecendo.

Eu estava descendo para encontrá-los no carro. Vestia uma calça jeans rasgada, uma blusa azul rendada, um sapato marrom e minha mochila. Cheguei até o carro e os cumprimentei.

- Annyeonghaseyo, Oppas. - Digo. - Bom dia.

- O que houve entre você e Kookie? - Pergunta Jimin, direto.

- Jimin! - Grita Yoongi. - Annyeonghaseyo, Yasi.

- E quando você vai me contar o por que dele pedir para vocês tomarem conta de mim? - Pergunto, no mesmo tom. - Enquanto você não falar eu não vou falar também!

- Eu não sei! Já disse! - Essa era a sua desculpa, mas eu sabia que tinha algo. - Ele não me contou, apenas pediu para ser feito!

- Então não me pergunte o que houve entre nós dois! - Digo, olhando para o lado oposto ao dele.

- Yasi. . . - Ele iria começar, porém Yoongi o corta.

- Jimin, já chega. Ela não vai falar sobre o que houve, então não adianta. - Diz ele e o loiro resmungou. - Agora vamos para a Universidade, ok?

- Está bem. - Dizemos juntos e o mais velho dirige pelas ruas movimentadas de Seul.

[…]

O resto do dia foi corrido, e cheio de brigas entre mim e Park. Ele estava muito abusivo em relação a querer saber o que houve comigo e Jeon.

 

*Vocês estavam tão bem juntos, e de repente, simplesmente pararam. O que houve?*

*Se ele estiver te traindo eu juro que vou matá-lo!*

*Poxa Yasi, eu só quero te ajudar, sabe, você estava feliz com ele, e aquele desgraçado  te deixou triste, só quero saber o que aconteceu com a minha amiga.*

As palavras dele rondavam na minha mente, assim como a lembrança do que Jin havia me dito naquele dia. . .

*Yasi, ele era mais apaixonado por você do que por ele mesmo!*

*[…] quando via vocês dois juntos, dava para ver que o sentimento era recíproco!*

*Ele te ama demais para fazer algo assim, maknae.*

Mesmo assim eu me sentia tão confusa. . . De um lado, eu ainda o amava e tinha esperança de que viria até mim se explicar sobre o que estava ocorrendo com ele. De outro, eu queria que nunca mais viesse para perto de mim novamente, que me esquecesse e que nunca mais o visse na minha vida.

Os dois lados estavam em conflito e gritavam:

AME-O! / O ODEIE!

PERDOE-O / O ESQUEÇA!

LEMBRE DA FELICIDADE QUE TEVE! / ELE SÓ TE CAUSOU DOR!

Eu não sabia qual lado escolher, aceitar, lembrar para sempre. . .

Não queria mais chorar, e não iria permitir que fizesse isso. Eu só queria um sinal do que eu deveria escolher, e que fosse certo. Uma confirmação de que ainda posso ter esperanças, ou qualquer coisa, só queria saber o que fazer agora!

De repente, ouço o meu telefone tocar. Com certa insegurança eu pego o aparelho e vejo o visor:  Kookie❤

Engulo em seco, mas atendo o telefone.

- A-Alô? - Pergunto. 

*Yasi? Sou eu, Jungkook.*

- Sim, eu sei quem é. O que você quer?

*Olha, eu queria pedir desculpas por tudo que eu fiz, e dizer que precisamos conversar. Vou te contar o que está acontecendo.*

Eu gelo. "Isso está acontecendo mesmo? Finalmente o que eu queria?"

*Yasi? Está aí? - Pergunta. - Eu sei que não mereço o seu perdão e que fui um idiota, mas por favor, me deixa explicar tudo... *

- Jungkook. . . Eu. . . - Sinto as lágrimas vindo. “Nada de chorar.” - Eu não sei se estou disposta a te dar outra chance. Já dei chances demais.

*Eu sei. . . Mas por favor, eu te imploro, só me deixa falar o que houve, deixa eu tentar explicar, por favor. . .*

Eu o ouço fungar. Talvez estivese chorando, e isso fazia meu coração apertar forte. Tudo que eu queria era uma explicação, vê-lo, tocá-lo, beijá-lo. . . Eu o queria e precisa dele.

- Jungkook. . . - Respiro fundo, tentando me acalmar. - Eu. . . Vou te dar só mais essa oportunidade.

*Obrigado, juro que vou falar tudo. Eu prometo. - Diz. Uma longa pausa. - Eu. . . Posso ir aí agora então, para explicar. . . ?*

E com essa última frase meu coração parou.

 

"E-ele quer vir aqui agora? Eu nem sei o que fazer. . ."

- Claro, pode vir aqui sim. - Digo, tentando não parecer ansiosa por vê-lo.

*Certo, eu estou indo para aí. Logo, logo eu vou chegar. - Ele parecia estar contendo sua ansiedade também. - Annyeong.*

- Annyeong. - Digo. Segurei o aparelho e apertei contra meu peito com força.

Por Deus, pareço uma colegial apaixonada quando é notada pelo senpai. Precisava me acalmar, mas não dava. Estava mais ansiosa do que de costume. Corri para o banheiro ver meu estado. Eu estava usando um vestido branco rodado e acinturado de alcinha. Meu rosto estava inchado, então tratei de me maquiar o mais rápido possível. Passei corretivo, base, rímel e lápis de olho. Um brilho labial rosinha e saí do banheiro, fui ao meu guarda roupa e coloquei um perfume com cheiro de Jasmim, assim como as flores que ele havia me dado. Arrumei meu cabelo e saí do quarto quando ouvi batidas na porta.

- Fica calma Yasi, vai acabar tudo bem. - Digo à mim mesma e vou caminhando pela sala.

Paro olhando para o jarro de flores que tinha na cozinha, abrindo um largo sorriso, e sem nem mesmo olhar no visor, eu abro a porta e me deparei com a pior cena da minha vida.

Jeon Jungkook estava aos beijos com uma garota loira, e parecia que não iria parar nunca. O beijo para e a garota se vira para mim, sorrindo.

- Oh, eu sinto muito meu bem, ele te trocou por mim. Mas, se serve de consolo, ele vai ficar muito mais feliz comigo. - Disse ela, e Jeon nem fez questão de me olhar nos olhos. - Tchauzinho.

Ela mesma fechou a porta dando um sorrisinho debochado para mim.

Naquele instante, eu só ouvi o barulho de algo dentro de mim se partindo, e eu sabia muito bem o que era:

Meu coração.


Notas Finais


Bom pudins, foi isso. Não me matem! 🙏🙏🙏🍮🍮🍮🍮
Eu voltarei logo mais com outro capítulo. 😉😉😉
Vou deixar aqui o link da fic com o Jimin-ssi:
https://spiritfanfics.com/historia/she-wolf-imagine-bts-jimin-7166027
Beijinhos até a próxima! 😘😘🍮🍮🍮


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...