História Adota o shiba Chan, vai! - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O
Tags Chansoo, Híbrido!au, Shiba!chan
Visualizações 357
Palavras 1.850
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Famí­lia, Fluffy, Universo Alternativo

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


heyehyehey
como o ksoo adotou o chan???? leia e descubra!!!! /parei
a história de como o soo adotou o chan que ninguém pediu mas eu fiz mesmo assim

boa leitura e espero que gostem~

Capítulo 1 - Capítulo Único


Kyungsoo só estava ali por insistência de Baekhyun, na verdade; Baek cismou de querer adotar um híbrido, “tô precisando de companhia”, e arrastou Kyungsoo junto sob a desculpa de “cê também, seu chato! Vai ficar um velho ranzinza e sozinho!”.

Apesar de rolarem pequenas feiras de adoção durante o ano todo, era no outono que todos os híbridos, de todas as raças e idades e tipos diferentes, ficavam expostos jogando charme para os humanos. Então não foi surpresa quando os dois amigos entraram no pátio do orfanato de híbridos local e viram um monte deles pulando para lá e para cá, fazendo os humanos rirem e se derreterem com seus encantos. A maioria eram crianças, alguns ainda bebês, mas tinha um ou outro adolescente — que eram ignorados, pois os humanos queriam os mais novinhos.

Baekhyun desembestou a andar por todo lado, enlouquecido atrás de algum híbrido de gato que lhe fizesse o coração bater mais rápido. Kyungsoo, perdido e sem muito interesse, saiu caminhando tranquilamente, sorrindo para os nenéns híbridos; ele não se via cuidando de um daqueles de jeito nenhum, mas admitia estar se sentindo um pouco solitário naquele apartamento... e bom, dinheiro ele tinha, já que era chefe do setor comercial de uma empresa de tecnologia da área.

Kyungsoo andava distraidamente pelo corredor, pensando na vida, quando seus olhos captaram um híbrido todo encolhidinho num pufe azul; o híbrido parecia ser bem grande, tinha cabelos revoltos e cacheadinhos e um rabinho enrolado para cima. Kyungsoo não soube identificar qual a raça dele, mas percebeu na hora que não era uma criança. O híbrido notou que estava sendo encarado e arregalou os olhos negros e marejados, piscando-os na direção de Kyungsoo e erguendo a cabeça, suas orelhinhas pontudas destoando por entre os cachinhos.

— É, oi...? — Kyungsoo tentou com um sorriso. — Tá tudo bem?

— N-não... — O cacheado fez um bico. Kyungsoo julgou que o menino devia ter chorado um bocado, já que sua face estava toda vermelha e sua voz estava embargada e trêmula.

— O que houve? — Kyungsoo se agachou para ficar no mesmo nível que o outro.

— Ninguém me quer... — murmurou, todo tristinho. — Eu vou ficar sozinho pra sempre...

O coraçãozinho de Kyungsoo se quebrou inteiro.

— Ô, meu bem, não vai não... — Kyungsoo esticou uma mão para fazer um carinho fraco nos cabelos do híbrido, que fechou os olhinhos e se inclinou todinho para cima do humano, querendo mais contato. Kyungsoo se surpreendeu com o ato; não esperava que o menino já confiasse nele assim, de cara. — Qual o seu nome?

— Park Chanyeol.

— E qual raça você é?

— Um shiba...

— Oh, um cachorrinho! — Kyungsoo sorriu, bagunçando os cachinhos de Chanyeol. — E tem quantos anos?

Chanyeol fez outro bico e hesitou um tantinho antes de responder:

— ...Dezessete... mas faço dezoito em novembro.

— Ah, já tá grandinho.

Chanyeol lacrimejou e fungou.

— Q-quando eu fizer dezoito... — balbuciou. — E-eu vou ser obrigado a sair...

— Como assim? — Kyungsoo arregalou os olhos.

— Eles não têm espaço pra todo mundo... — Chanyeol enxugou as lágrimas. — Então os mais velhos têm que sair.

— E você vai pra aonde?

Chanyeol fez uma careta e deu de ombros, indicando que também não sabia. Kyungsoo franziu o cenho, preocupado e triste; como assim Chanyeol não tinha para onde ir? Como ele ia ficar? Não podia deixar o híbrido sofrendo na rua...

— Me fala um pouco de você, Chanyeol — Kyungsoo disse, pegando nas mãos do shiba-humano, notando que o menino provavelmente era muito maior que ele próprio... não que isso fosse muito difícil (tosse).

— Eu sou muito tagarela e alegre. Gosto de passear e de aprender um monte de coisa. É... — Entortou a cabeça, pensando, e o coração de Kyungsoo falhou numa batida; Chanyeol era fofinho demais! — Eu gosto de usar a internet, apesar de não poder fazer muito isso aqui... gosto de brincar e de carinho, muito carinho! E... já tá bom?

— Tá ótimo. — Kyungsoo alargou o sorriso, olhando fixamente para Chanyeol. — Vem, levanta.

Chanyeol ficou de pé e Kyungsoo levou um susto com a altura dele. Chanyeol riu da diferença entre eles e Kyungsoo bufou e balançou a cabeça, apesar do sorriso nunca deixar seus lábios.

— Que acha de ir pra casa comigo? — Kyungsoo perguntou por fim, fazendo uma carícia no rostinho de Chanyeol. O menino ruborizou e esbugalhou um pouco os olhos.

— V-você... não é nenhum... t-tarado, né? — perguntou baixinho, como se contasse um segredo. — P-porque eu li uma vez que tem homens que adotam híbridos pra... — Escondeu o rosto com as mãos, morto de vergonha. Kyungsoo gargalhou.

— Claro que não, que horror! — exclamou, puxando delicadamente as mãos de Chanyeol. — Eu só quero cuidar de ti e ter sua companhia. Prometo que não vou fazer nada de estranho. Ó, de mindinho. — Estendeu o mindinho na direção de Chanyeol, que enlaçou-o com seu próprio mindinho. — E, se por algum motivo você não gostar de morar comigo, eu... sei lá, pago outro lugar pra você ficar.

— Como assim? V-você vai pagar tipo... tudo que eu precisar?

— Isso. Mas só se você me odiar muito.

— Tipo um sugar daddy... — Chanyeol sussurrou para si mesmo, absorvendo a promessa de Kyungsoo.

— Quê? — Kyungsoo ergueu uma sobrancelha e Chanyeol despertou do transe e balançou rapidamente a cabeça.

— N-nada, nada!

Kyungsoo sorriu de canto; bom, não era como se Chanyeol fosse uma criança, né? E ele disse que gostava de ficar na internet...

— Ainda não sei nada sobre você — Chanyeol disse.

— Me chamo Do Kyungsoo e tenho vinte e quatro anos — apresentou-se, fazendo uma breve reverência.

— E o que mais?

— Hm?

— O que mais sobre você?

— Ah... — Kyungsoo desviou o olhar, pensando. Quando fora a última vez que teve que falar sobre ele mesmo? Naquele encontro falho com o bonitão novato, não? Ah, os traumas... — Eu... sou chefe do setor comercial da... — começou, mas achou melhor parar quando viu Chanyeol entortar a cabeça em confusão. — Eu... gosto de... computadores...? É, e... de cozinhar, eu acho...

— Acha? — Chanyeol riu.

— Eu não sei bem o que falar, desculpa — Kyungsoo admitiu, sorrindo minimamente. Pegou na mão de Chanyeol de novo, puxando-o rumo à ala da papelada da adoção. — Tudo bem vir comigo, né?

— P-pera, você tava falando sério? — Chanyeol estacionou no meio do corredor, atônito. Kyungsoo confirmou com a cabeça e os olhinhos de Chanyeol se encheram de lágrimas de novo. — N-não acredito! Eu vou mesmo ser adotado!? — Outro aceno por parte do Do. Chanyeol começou a rir e chorar ao mesmo tempo. — O-obrigado! — E pulou em cima de Kyungsoo com tudo, abraçando-o como nunca antes... e levando ambos ao chão. Kyungsoo até tentou se levantar, mas Chanyeol tratou de agarrá-lo pelos ombros e encher a cara dele de lambidas, e Kyungsoo riu e se rendeu, abraçando Chanyeol de volta e deixando um beijo bem estalado na bochecha dele.

Aí foram acertar os papeis todos, com Chanyeol pulando todo animado porque “finalmente vou ter uma casa! Finalmente!” e Kyungsoo o achando a coisinha mais adorável do mundo. Quando, enfim, ficou tudo certo, Kyungsoo levou Chanyeol para seu carro, jogou sua mochilinha de roupas no banco de trás e afivelou o cinto no híbrido — e deixou que ele abrisse a janela toda e botasse a cara para fora, porque Chanyeol era uma gracinha e merecia todos os mimos do mundo.

Quando chegaram no apartamento de Kyungsoo, Chanyeol ficou todo deslumbrado; nunca tinha entrado num lugar tão arrumadinho e chique e aconchegante e...! Ficou parado com cara de bobo, olhando tudo em volta, fazendo Kyungsoo rir.

— Vem, vou te mostrar a casa.

Mostrou a sala e a cozinha, mostrou o banheiro, mostrou sua suíte, e, por fim, mostrou o quarto de hóspedes raramente usado — “é aqui que você vai dormir”. Chanyeol hesitou um tantinho e mordeu o lábio inferior, abanando o rabinho em ansiedade.

— É... — Chanyeol balbuciou, encarando a cama no quartinho. — S-sozinho?

Kyungsoo afirmou com a cabeça e Chanyeol engoliu em seco e abaixou a cabeça.

— Algum problema, Chanyeol?

— É que... eu nunca dormi sozinho... nunca, nunquinha...

— Você tem medo?

Chanyeol corou de levinho e confirmou com a cabeça, os cachinhos saltitando com o ato. Kyungsoo se derreteu todinho.

— Ô, meu bem, não tem problema — disse, fazendo carinho nas orelhinhas pontudas de Chanyeol. — Você dorme lá no quarto comigo, tá?

Chanyeol acabou corando mais — vai saber por que... —, mas balbuciou um “t-tá!” e se jogou todo para cima de Kyungsoo para ganhar mais carinho, e o assunto foi resolvido ali.

Depois de apresentar os elementos essenciais da casa a Chanyeol — “o chuveiro liga assim, o micro-ondas liga assado, suas roupas podem ficar aqui, precisa de uma escova nova, né?” —, Kyungsoo mandou Chanyeol chispar pro banho enquanto ele preparava um jantar para os dois. Chanyeol, após umas quantas rabadas no box e demais estabanagens, conseguiu sair do banho inteiro e cheirosinho, a tempo de ir ajudar Kyungsoo a pôr a mesa. Comeram enquanto conversavam sobre várias coisas, se conhecendo melhor e acertando a rotina, e Kyungsoo disse para Chanyeol ir se familiarizar com a televisão na sala enquanto o humano lavava as louças.

Kyungsoo foi para a sala minutos depois, vendo Chanyeol enroladinho no sofá, todo felizinho assistindo a um desenho animado qualquer. Kyungsoo se sentou do lado dele e o chamou baixinho, embrenhando a mão nos cachinhos dele para fazer-lhe um cafuné, não demorando para que Chanyeol se amolecesse todinho e deitasse no colo de Kyungsoo, de olhinhos fechados e sorriso largo, abanando a cauda e mexendo uma das pernas. Kyungsoo riu baixinho e fez carinho pelo rosto do híbrido, descendo até a barriga, e Chanyeol soltou uma gargalhada de pura felicidade.

Kyungsoo foi parando os carinhos aos poucos quando percebeu Chanyeol se aconchegando demais, fazendo o mais novo piscar devagar os olhos e ruborizar de vergonha.

— D-desculpa! — falou, se escondendo. Kyungsoo franziu de leve o cenho.

— Pelo quê?

— P-por... reagir desse jeito... — Fez um biquinho, fitando Kyungsoo temerosamente. Soo riu.

— Tudo bem, bebê — respondeu doce, acarinhando o queixo de Chanyeol. — Tá com sono?

Chanyeol confirmou com a cabeça, todo bobo pelas carícias e pelo apelidinho. Kyungsoo se levantou e puxou Chanyeol para o quarto, mandando-o deitar na cama e ficar à vontade, cobrindo-o com um edredom azul quentinho e cheiroso. Perguntou se Chanyeol estava confortável e avisou que estava indo se banhar ao ouvir a confirmação.

Kyungsoo saiu do banheiro para encontrar um Chanyeol enroladinho em sua cama, os olhos pesando de sono e um sorrisinho brincando na boca. Soo se enfiou na cama e ficou bem no cantinho, para dar bastante espaço para Chanyeol, mas o híbrido foi se chegando para mais perto até estar quase inteiro em cima de Kyungsoo.

— Tem algo errado, Chanyeol? — Kyungsoo sussurrou, observando o menino se hospedar em seu peito.

— Não — Chanyeol respondeu. Jogou os braços e uma perna por cima de Kyungsoo, prendendo-o num abraço de shiba, e soltou uma risadinha. — Eu ainda não acredito que fui mesmo adotado...

Kyungsoo sorriu e afagou os cachinhos de Chanyeol, ouvindo-o soltar mais risinhos baixos. Kyungsoo também não acreditava que tinha adotado um híbrido, assim, de repente, mas... algo no coraçãozinho amolecido dele lhe dizia que Chanyeol ainda lhe traria muita alegria.

(E, é claro, seu coraçãozinho não podia estar mais certo).

 

FIM


Notas Finais


aqui a gente abraça shibas e abraça o ksoo também que ele merece https://twitter.com/domksoo 💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...