História Aeromoça do meu destino - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Angélica Vale, Jaime Camil
Personagens Angélica Vale, Jaime Camil, Personagens Originais
Visualizações 20
Palavras 2.577
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Até quando?


Seguimos trabalhando, eu não entendi o que ela quis me dizer... Carlos era muito chato, no começo nem tanto, mas depois... Nossa.

O vôo foi calmo, durou apenas alguns minutos até a próxima cidade. Ao pousar, observei a sinalização. Logo todos desembarcaram, Carlos não deixava a Letícia chegar perto de mim, ele estava muito estranho... Pegamos nossas malas e seguimos para fora, Letícia me olhava todo o tempo. Eu estava com uma sensação boa, talvez... Ao sair do aeroporto, fui para um hotel próximo dali. Caio também, ele era muito divertido, gostava muito dele. Ele ficou no quarto ao lado do meu, eu entrei no meu, e me deitei na cama... Logo meu celular tocou, peguei e atendi, era ela.

Fernando: Oi!

Letícia: Fernando?

Fernando: Fala...

Letícia: Eu quero falar com você.

Fernando: Negativo.

Letícia: Por que?

Fernando: É impossível, se não falo com você, é pra evitar qualquer coisa.

Letícia: Fez certo, mas não mudou tanta coisa.

Fernando: Eu faço idéia.

Letícia: Ele não me deixa falar com você...

Fernando: Tá mais que certo, conversa com o seu namorado.

Letícia: Não...

Fernando: Eu vou desligar.

Letícia: Não...

Fernando: Lety, vai caçar o que fazer.

Letícia: Eu te amo!

Fernando: Ama nada...

Letícia: Eu juro. Eu não quero ficar com ele.

Fernando: Vou desligar.

Letícia: Fernando... Já tem alguém em mente?

Fernando: Tenho, uma loira maravilhosa...

Letícia: É?

Fernando: É.

Letícia: Ela te ama como eu?

Fernando: Não sei.

Letícia: Hum... Você tá me deixando triste!

Fernando: Tá, tchau! (Desliguei)

- Menti feio agora.

Ela ligou novamente, desliguei e fui me trocar... Caio apareceu lá, resolvemos ir para a praia, ficava em frente. O dia estava bonito, eu e ele ficamos sentados conversando e tomando água de coco, ele não gostava de me ver separado da outra, fazer o que?! Quando ele viu a Letícia, disse que iria pegar uma onda. Fiquei sério, Letícia se aproximou e me olhou sorrindo.

Fernando: Ah não!

Letícia: Posso sentar?

Fernando: Não!

Letícia: Ah! (Sentou)

Fernando: O que você quer?

Letícia: Conversar.

Fernando: Não tem tempo pra falar com ele não?

Letícia: Fernando!

Fernando: Fala logo e vai embora.

Letícia: Eu quero voltar pra você.

Fernando: Não!

Letícia: Deixa...

Fernando: Presta atenção, você tá dormindo com outro e vem me falar isso?

Letícia: Por favor, foram poucas vezes...

Fernando: Obrigado pela resposta, tô me sentindo bem!

Letícia: Ele não é legal, ele me proíbe de tudo.

Fernando: E daí?

Letícia: Você disse que ia me ajudar, que estaria sempre ali, pra mim. (Começou a chorar)

Fernando: Lety?

Letícia: Eu não quero ficar mais com ele, eu realmente te amava!

- Me ajuda...

Fernando: Não posso.

Letícia: Por que?

Fernando: Impossível.

Letícia: Eu te amo!

Fernando: Não diga isso. (Olhei para o mar)

Letícia: Me leva com você.

Fernando: Não. Letícia eu não quero ter compromissos.

Ela abaixou a cabeça e chorou muito, fiquei calado, a olhando. Meu coração cortou.

Letícia: Eu quero você!

Fernando: Por que está com ele?

Letícia: Ele não me deixa em paz.

Fernando: Como assim?

Letícia: Ele sabe que eu te amo, mas não se importa.

Fernando: O Lety...

Letícia: Eu estou sofrendo!

Fernando: Me perdoa!

Letícia: Eu tenho medo... Medo de te ver com outra.

Fernando: Eu não tenho outra, era mentira.

Letícia: Eu tenho saudades de você!

Fernando: Eu também!

Letícia: Você é muito diferente, você é doce... divertido.

Fernando: Ele também pode ser.

Letícia: Não.

Carlos: Muito bem! (Se aproximou)

Letícia: Ah!

Carlos: O que foi?

Letícia: Nada.

Carlos: Não me esperou, você aqui?

Fernando: É

Carlos: Vem comigo! (Puxou a Letícia)

Fernando: Opa, deixa ela aí.

Carlos: Cala a boca.

Fernando: Você vai deixar ela ou vai ficar me olhando?

Carlos: Por que?

Fernando: Porque tô falando com ela, uai.

Carlos: Aff, eu vou para o hotel. (A soltou e saiu depressa)

Letícia: Fernando!

Fernando: Ele é estúpido.

Letícia: Huhum.

Fernando: Já te bateu?

Letícia: Não!

Fernando: Não?

Letícia: Não, ainda não.

Fernando: Nossa... Vem aqui.

A puxei para sentar ao meu lado, ela me abraçou forte e me olhou, seus olhos brilhavam tanto, eu queria ela, mas não podia voltar atrás.

Letícia: Meu amor.

Fernando: Xi...

Letícia: Volta comigo.

Fernando: Chega!

Letícia: Eu preciso... (Beijou meu pescoço)

Fernando: Lety, calma. O seu namorado agora é outro.

Letícia: Foge comigo.

Fernando: Esta louca?

Letícia: Eu sou totalmente sua, apenas sua.

Fernando: Você é, eu sei que é.

Letícia: Por favor.

Fernando: Não! (Beijei sua testa)

Letícia: Então... dorme comigo?

Fernando: Traição não é meu forte.

Letícia: Aham!

Fernando: Você quer alguma coisa?

Letícia: Não, eu só vim te ver.

Fernando: Tudo bem!

Letícia: Eu não sei se é loucura...

Fernando: Você só tem que ser feliz... Não é bom estar com ele?

Letícia: As vezes.

Fernando: Ele provou que te ama. 

Letícia: Sim!

Fernando: Talvez ele tem motivos para ser ruim.

Letícia: É...

Fernando: Sou seu amigo, vamos continuar nos vendo, a diferença é que nós não vamos conversar muito.

Letícia: Isso é ruim.

Fernando: Eu sei.

Letícia: Tá... Entendi! (Prendeu o cabelo)

Fernando: Não seja irônica...

Letícia: Estou normal.

Fernando: Ah!

Letícia: E a Erica?

Fernando: Ela não fala mais comigo, somente o necessário.

Letícia: Assim.

Caio: Aí... Vocês não querem aproveitar?

Letícia: Não, tenho que ir embora.

Caio: Fica aí com a gente.

Letícia: Não posso, o Carlos vai ficar bravo.

Caio: Que fique! (A levantou)

Letícia: Caio?

Caio: Vamos nos divertir, é tão simples.

Letícia: É sério.

Fernando: Calma, não tenha medo.

Caio: Vamos pegar uma onda?

Fernando: Não!

Caio: Vamos sim, quero os dois lá.

Letícia: Eu não vou, tenho que voltar... (Se afastou)

Caio: Ele é mal?

Letícia: Não!

Fernando: Eu vou te levar pra lá.

Letícia: Não... 

Fernando: Eu vou, vamos ver se vai dar zebra. (Me levantei)

Caio: Tô arrepiado.

Letícia: Fernando.

Fernando: Vamos!

Letícia: Ele não vai gostar...

Fernando: Você não fez nada de errado.

Caio: Arrasa...

Letícia: Ah!

Fernando: Já volto.

Caio: De boa.

Eu caminhei com a Letícia pela areia, depois pela calçada, quando estávamos atravessando a rua, um carro deu ré, puxei a Letícia depressa para a calçada. Ela me olhou assustada, permaneci sério.

Letícia: Obrigada!

Fernando: Por?

Letícia: Por isso.

Fernando: Normal...

Letícia: Não.

Fernando: Reflexo.

Entramos no hotel, encontramos o Carlos no caminho, ele ficou bravo, falou um monte pra mim e levou a Letícia para o elevador, arrastada, fui também, afinal era o mesmo hotel. Eles começaram a discutir dentro do elevador, ele parecia ser agressivo, apenas observei.

Carlos: E você?

Fernando: Ela só conversou comigo, cara relaxa.

Carlos: Não tem que conversar, tem que esquecer...

Letícia: Deixa ele.

Carlos: Calada.

Fernando: Fala direito com ela.

Carlos: Cuida de você, eu cuido dela.

Fernando: Ela é minha mesmo.

Carlos: O que é?

Fernando: Tá surdo?

Carlos: Repete.

Fernando: Não sou gravador... Te dei liberdade para amar ela, mas parece que você só gosta de machucar ela. Cuidado com as coisas.

Carlos: Quer me ameaçar?

Fernando: Não!

O elevador parou, para minha felicidade, como estavam em minha frente, eu olhei para a Letícia, ela estava mais atraente, digamos...

Fernando: Nossa, sua namorada tá diferente.

Carlos: Tá gostando do que tá vendo?

Fernando: Tô não.

Letícia: Ah? (Me encarou)

Carlos: Ela está sendo muito bem tratada, não é amor?

Letícia: É verdade.

Fernando: Ah, o que anda recebendo?

Letícia: Fernando...

Fernando: Fiquei curioso.

Carlos: Amor, só amor e muito carinho.

Fernando: Assim!

Carlos: E aquela sua amiga?

Fernando: Tá ótima.

Carlos: Continua dando bola pra ela?

Fernando: Sempre, a mulher mais bonita que já vi... (Ri)

Letícia: Márcia?

Fernando: Ela mesma, gosta dela?

Letícia: Gosto, não imaginei que desse bola a ela.

Fernando: Nem eu.

Letícia: Já falaram de amor?

Fernando: Já, ela quer casar.

Carlos: Maravilha...

Fernando: Acho que vou aceitar.

Carlos: Tá brincando?

Fernando: Não, agora eu estou falando sério.

Letícia: Impossível...

Fernando: O que, amada?

Letícia: Isso. Eu não compreendo.

Carlos: Ainda bem.

Letícia: Hum. (Me encarou)

Fernando: E você, parece que não sabe tratar uma mulher.

Carlos: Eu sei, diferente de você.

Fernando: Ah! 

Carlos: Que abandonou ela.

Fernando: Não vou discutir com você.

Carlos: Não precisa.

Assim que o elevador abriu, Carlos saiu andando na frente, fiquei olhando ele.

Fernando: Uai.

Letícia: Ele tá bravo.

Fernando: Vai descansar.

Letícia: Fernando?

Fernando: Tem medo?

Letícia: Você não sabe como ele é.

Fernando: Ele é legal, as vezes...

Letícia: Não! (Chacoalhou a cabeça)

Fernando: Tchau!

Letícia: Espera. (Segurou minha mão)

Fernando: O que foi?

Letícia: Qual é o seu quarto?

Fernando: Não vou falar.

Letícia: E se eu precisar?

Fernando: Tem ele... Entenda.

-- Letícia --

Ele logo saiu andando, fui para o outro lado... Ao entrar no quarto, Carlos encostou na mesa e riu (Irônico)

Carlos: O que queria?

Letícia: Eu não fiz nada, apenas o encontrei lá.

Carlos: Engraçado, você falou com ele antes.

Letícia: Não, não com ele.

Carlos: Sim... E o encontrou do nada? 

Letícia: Foi, sim.

Carlos: Para de mentir. (Se aproximou depressa)

Letícia: Ah!

Carlos: O que ele disse? Ouviu o que queria Letícia?

Letícia: Não, não é nada disso... Foi uma conversa normal.

Carlos: Eu não disse? Ele não vai voltar pra você. (Me sentou na cama)

Letícia: Eu sei! 

Carlos: Se ele te amasse tanto, não teria te deixado. Você viu, ele anda conversando com outra... Te esqueceu, você entendeu? (Gritou)

Letícia: Para de gritar comigo, eu não fiz nada demais. (Comecei a chorar)

Carlos: Dói?

Letícia: Para!

Carlos: Você é minha agora, ele   entregou e você o deixou, se lembra quando gritou com ele?

Letícia: Eu me lembro, eu me arrependo de ter feito àquilo. Eu me arrependo de ter ficado com você, eu te odeio! Odeio!

Carlos: Cala a boca... (Me deitou)

- Não sei porque tá assim, vamos ficar calmos, só nos amando.

- Eu sei que se arrepende, mas agora é tarde demais... (Beijou meu pescoço)

Letícia: Não é. Eu fiz o que ele queria, agora tudo pode se acertar.

Carlos: Impossível, não acha?

Letícia: Não!

Carlos: Ele não te ama mais.

Letícia: Ama sim!

Carlos: Não vai voltar.

Letícia: Vai...

Carlos: Como é tola.

Letícia: É a verdade, eu o desejo todo o tempo, é nele que eu penso todas as vezes que me deito com você.

Carlos: De que me importa? (Se levantou)

- Eu tenho você, ele não, eu sou seu namorado.

Letícia: Porque ele não quer, se quisesse estaria comigo. (Me sentei)

Carlos: Impossível. Não se deu conta do que ele fez?

Letícia: Pelo meu bem.

Carlos: Te fazer sofrer?

Letícia: Era diferente.

Carlos: Claro que sim. Quer saber, fique aí, eu quero que pense em tudo o que aconteceu.

Letícia: Onde vai?

Carlos: Espairecer.

- É bom ser correspondido.

Letícia: Eu odeio você!

Peguei uma taça e joguei na direção do Carlos, ele riu e saiu do quarto do mesmo jeito. Eu me deitei na cama e fiquei chorando igual louca. A cada lembrança...

Carlos sumiu o dia todo, voltou de madrugada, contente demais pro meu gosto, bebeu também! Na manhã seguinte tivemos que ir para o aeroporto, ele estava um grude, todo apaixonado, motivo? Vai saber... No aeroporto, Fernando passava longe de mim, acho que ele estava com raiva de mim, eu o olhava menos, era o jeito, eu tentava fazer o possível, mas era difícil... Amava ele, de verdade. Tivemos que seguir trabalhando.

O Fernando me irritava muito quando falava com todos menos comigo, tá certo que eu tinha um "namorado" mas não era pra tanto. Talvez tinha medo de acontecer qualquer coisa. Um dos passageiros me chamou, um homem muito bonito por sinal, me aproximei dele e sorrimos.

Senhor: Olá, eu quero algo pra beber.

Letícia: Assim!

Senhor: O que tem?

Letícia: Muitas coisas, temos uma bebida muito pedida.

Senhor: Qual?

Letícia: Delparri's...

Senhor: Assim, gosto muito. Por favor? (Sorriu)

Letícia: Claro... Um momento.

Fui buscar sua bebida, ao voltar, o entreguei e observei. Ele realmente gostava.

Senhor: Bom... Obrigado!

Letícia: De nada, qualquer coisa é só chamar alguém.

Senhor: Pode ser você?

Letícia: Aham.

Senhor: Ótimo!

Caio: O Carlos quer água. (Passou por mim)

Letícia: Aí.

Fui levar a água para o Carlos, estava silencioso na cabine, Carlos tomou água e ficou me olhando.

Letícia: O que é?

Carlos: Nada... Quer Fernando?

Fernando: Ah... Jura? (Me olhou rapidamente)

Carlos: É.

Fernando: Estou bem ocupado, não acha?

Carlos: É sim.

Fernando: Mas aceito, vem aqui por favor?!

Letícia: Tudo bem!

Fui até ele e dei água para ele, quando terminou de beber, Carlos riu.

Fernando: Graça?

Carlos: Ontem era eu, hoje é você.

Letícia: Agradeça a ele.

Carlos: Eu? Por que?

Letícia: Se esta comigo é graças a ele.

Carlos: É, e já falou que é graças a ele que você chora todas as noites, que é graças a ele, que você sofre?

Letícia: Não a necessidade, ele sabe e se me quer assim, que assim seja... Terminou?

Carlos: Claro.

- Cuidado!

Fernando: Eu não quero isso.

Letícia: Ok, mas não fique com a consciência pesada, depois que me encontrar pior do que está vendo.

Fernando: Esta muito bem.

Letícia: Por fora Fernando... Por fora eu sou o que você quiser.

Carlos: Eu te deixaria, mas ele não te quer... Então vai ficar.

Fernando: Da um tempo os dois.

Letícia: Eu odeio vocês dois... São idênticos, não é à toa que ficaram com a vadia aqui. Né, Fernando?

Fernando: Me perdoa!

Letícia: Não... Não perdôo. Eu não perdôo por nada... Esse avião podia...

Fernando: Letícia, não.

Carlos: Não...

Letícia: Podia cair e matar nós três.

Fernando: Que diabos acha que está dizendo? (Gritou)

Letícia: Não temos nada a perder.

Carlos: Louca, somos gente.

Fernando: Mas não tem que dizer isso.

Letícia: É... felizmente estamos nas mãos do Senhor Fernando.

Fernando: Sai daqui agora!

Letícia: Como quiser...

Carlos: Letícia, calma.

Fernando: Saia de uma vez e aceita.

Letícia: Jamais!

Sai depressa de lá, praticamente joguei as coisas sobre a bancada, fiquei olhando para a janela do avião, respirando fundo... O nervosismo tomou conta de mim naquele momento. Após horas dentro do avião, eu me acalmei, faltava pouco, eu achava. Quando ouvimos a voz do Fernando, ficamos quietos, apenas ouvindo.

Caio: Que isso?

Fernando: Peço que todos sentem e coloquem o cinto.

- Ouve um problema... Repito, peço que todos sentem e coloquem o cinto.

Caio: Cara, vamos morrer... (Gritou)

Letícia: Claro que não.

Erica: É agora.

Patrícia: Por que vamos sentar? Nunca aconteceu isso antes...

Todos se desesperaram quando o avião virou, nos seguramos ao redor e olhamos para as janelas, algo estava muito errado... O avião balançava muito, Carlos disse que estava tudo bem. Ninguém acreditou...

Caio: Eu não vou sentar...

Luna: Gente!

Letícia: Ah!

Patrícia: Respira.

Caio: O que foi?

Patrícia: Não dá pra ver nada.

Caio: Senhor eu não quero morrer.

Corri até a cabine, ao entrar vi apenas nuvens, assim que vi que o avião estava descendo, me arrepiei.

Letícia: Meu Deus!

Carlos: Satisfeita?

Letícia: Eu não queria isso.

Carlos: Graças a sua boca, vamos morrer.

Letícia: Não...

Fernando: Se eu errar, eu vou matar todo mundo.

Letícia: Fernando não deixa isso acontecer.

Fernando: Eu não estou conseguindo.

Letícia: Não... Você pode fazer isso!

Carlos: Jesus!

Letícia: O que está acontecendo?

Fernando: O vento... Vai sentar, vai precisar.

Letícia: Por favor, promete que vai nos salvar.

Fernando: Eu não posso!

Carlos: Você não vai pousar agora, Fernando... 

Letícia: Vai nos matar.

Fernando: Esse é o problema, eu vou ter que fazer isso.

- Vai logo Letícia!

Carlos: Deus nos ajude.

- Estamos chegando no chão.

Letícia: Desculpa...

Fernando: Meu amor? (Gritou)

Carlos: Como?

Letícia: Sim?

Fernando: Corre Letícia!

Letícia: Ok.

Sai depressa da cabine, avisei todos, nos sentamos e colocamos os cintos, feito isso coloquei a mão no rosto, o avião fez um barulho assustador, e começou a virar. Caio estava rezando como algumas pessoas, eu me arrependi muito. As janelas foram fechadas, eu ia morrer do coração se ele errasse... Após um tempo, ouvimos o Carlos. Em seguida, Fernando saiu da cabine, ficamos observando, ele me olhou e passou a mão no lábio.

Caio: Quem tá pilotando?

Fernando: Ninguém!

Patrícia: Vamos morrer.

Fernando: Já pousamos pessoal, estamos no aeroporto já.

Luna: Como assim?

Erica: Não estávamos quase caindo?

Fernando: Não, chegamos seguros. Esta tudo bem, como o comandante disse.

Caio: Graças a Deus!

Patrícia: Milagre.

Assim que a porta foi aberta, nos levantamos e observamos todos desembarcarem... Feito isso, Carlos saiu do avião com a Erica, Fernando continuou me olhando.

Caio: O que foi aquilo?

Fernando: Eu pousei e levantei, o vento atrapalhou, por isso chacoalhou.

Caio: Sério?

Fernando: Sim!

Caio: Por que não pousou?

Fernando: Nossa pista era outra.

Caio: Cara, parabéns! (Saiu do avião)

Fernando: Normal. (Se aproximou de mim)

Letícia: O que é?

Fernando: Atrai coisa ruim...

Letícia: Desculpa!

Fernando: Faltou pouco, eu poderia ter realizado seu desejo.

Letícia: Não foi intenção.

Fernando: Da próxima vez você deixa pra falar isso quando estivermos só.

Letícia: Me mataria?

Fernando: Não, mas tinha pessoas inocentes aqui.

Letícia: Tá... Você é muito bom, é capaz.

Fernando: Uma hora da errado, acredite.

Letícia: Estaremos juntos? 

Fernando: Com certeza!

Letícia: Fernando!

Fernando: Eu sei de tudo, infelizmente não posso te ajudar.

Letícia: Sim!

Fernando: Ele me contou, ele é louco.

Letícia: Eu tenho medo!

Fernando: Fica calma, tudo vai se resolver...

Ele aproximou nossos lábios um do outro e ficou calado, por um tempo.

Letícia: Fernando?

Fernando: Meu amor, eu ainda estou aqui.

Letícia: Até quando?

Fernando: Quando quiser...

Letícia: Um dia eu vou cansar de implorar pra você.

Fernando: Desse dia em diante, eu passarei a fazer isso.

Letícia: Não demore!

Fernando: Paciência.

Letícia: Aham!

Ao beijá lo, o puxei contra mim, ele retribuiu o beijo e mordeu meu lábio inferior.

Fernando: Eu te desejo! 

Letícia: Adoraria ir com você.

Fernando: Eu também...

Letícia: E agora?

Fernando: É sua vez de ser mulher. Coloque ele no seu lugar.

Fernando: Não importa o que aconteça, eu vou ficar com você do mesmo jeito. Você é só minha e de ninguém mais.

Carlos: Letícia?

Letícia: Sim! (Me afastei)

Carlos: Vamos almoçar?

Letícia: Claro.

Carlos: Vem também?

Fernando: Aham.

Carlos: Ok!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...