História Afinal, quem sou eu? - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Bangtan Boys (BTS), Big Bang, EXID, IKON, Lee Hi
Personagens B.I, Bobby, Cl, G-Dragon, Hani, J-hope, Jin, LE, Lee Hi, Minji, Park Bom, Rap Monster, Sandara Park, T.O.P
Tags Kpop
Exibições 10
Palavras 1.670
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


"E se não estivermos sozinhos no mundo?"

Capítulo 2 - Second chapter


Fanfic / Fanfiction Afinal, quem sou eu? - Capítulo 2 - Second chapter

– Droga! – Exclama a garota, fechando a aba do computador. – Por que tinha que acabar agora? Eu iria descobrir quem é a garota que o Choi vai dizer, estou lendo essa história a seis anos, acompanho desde o início, é injusto o ahjussi não concluir logo isso!  

X, uma garota bonita, atraente aos olhos de todos, mimadas por seus pais, e com um amor um tanto estranho, manhwa online. Dentre eles um se destaca, ele conta a história um personagem, e até hoje não foi finalizado. Mesmo o criador dizendo que tem parado de postar, o manhwa a cada semana é lançado no site, chega a ser estranho. 

 X se levanta, e arruma seu quarto, ela está aguardando uma visita, seu namorado. Ele faz faculdade de medicina, e ela está no último ano do ensino médio. 

 – Amor?! – Chama o rapaz na escada, ele também é bonito, mas algumas coisas ele esconde a 7 chaves. 

– Já vou, estou terminando de me arrumar... – Ela coloca um tênis que brilha em baixo, arruma seu cabelo em um rabo de cavalo, passa um pouco de maquiagem e pigmenta um pouco seus lábios com um batom vermelho claro. Ela desce as escadas com calma, vendo seu namorado a aguardar lá em baixo, eles já haviam saído do básico na relação, mas a mãe da garota ainda não sabia, e só saberia quando ela se casasse. Os olhares dos dois se encontram, para ela aquilo já não era mais especial, porém, sempre que tentava acabar, alguma coisa acontecia com ele, ele sumia, ou alguém de sua família ficava doente, assim fazendo com que eles nunca chegassem realmente ao fim. 

 Ele se chama hoseok, ou como todos o chamam, j-hope. Ele é um homem bonito, seu rosto não mostra quem ele realmente é, ele aparenta ser um anjo de tão bonito, fora seus músculos, que por baixo de toda aquela roupa, estão presentes. 

 – Nossa amor, você está linda, como sempre! – Ele diz, observando a garota descer lentamente as escadas, até chegar no último degrau, o fazendo correr para abraça-la. Mas ela recusa o abraço, com uma desculpa que hoje estava com uma dor, uma dor muito forte na barriga. 

– Ah, hoje eu estou com muita dor, não me aperte, talvez isso me machuque mais do que já estou machucada. – Então ele afirma com a cabeça, e segura a mão da garota, a guiando para fora da casa. – Hoje tenho algo muito sério para falar com você, então não suma, preciso fazer isso antes que seja tarde de mais para nós dois. 

 – Tudo bem, vamos hoje ao restaurante, então você pode dizer o que quer, estarei à ouvidos. – Ele concorda, solta a mão da garota, abre a porta do carro para que ela entre. Assim que ela entra, ele fecha a porta e vai para o do motorista. – Bem, hoje fazem três dias que não temos nada mais íntimo, que tal irmos para um motel agora? – A garota suspira, não teria como negar, ele sempre conseguiria tudo que quisesse, por bem, ou por mau. Mas esse sofrimento teria fim, pelo menos era isso que ela esperava. 

– Tudo bem, hoseok, mas você sabe que eu não quero isso, apenas estou fazendo por fazer, então me trate bem, apenas hoje, eu te peço. - O garoto nem responde, apenas liga o carro e vai para o motel que já estavam habituados a irem. 

 O céu estava lindo, as poucas nuvem davam uma visão linda do céu, decoravam o quadro como X costumava dizer. As folhas com alguns tons, anunciavam que o outono chegara. As pessoas na rua, conversando, escutando música, alguns casais de mãos dadas, e outros atrevidos que chegavam até a dar um selinho ali. X por um momento pensou que sua vida pudesse ser assim, mas logo foi tirada de seus pensamentos com a voz de J-hope. 

 – Você não vai tirar a roupa? - Oras, os pensamentos da garota a levaram para outro mundo, assim como se encontrava todos os dias. Um mundo que só ela conseguia ver ou enxergar, era como algo curioso, ninguém conseguia ver as coisas como ela, parecia que ela podia ver mais cores em um mundo que só existem as cores primárias. 

 – Sim, já vou. – Ela começa a tirar suas roupas, como se tivesse tirando para tomar banho, ela já sabia o que iria acontecer naquele quarto de motel, sabia que seria sadomizada, como já fora antes. Ela olha para o lado e já vê o garoto com algumas coisas que ultilizaria, algumas coisas que ela já estava acostumada a sentir. 

 – Você já sabe o que deve fazer, então faça, antes que eu lhe encha de tapas, sua puta. - A tortura havia começado, agora ela teria de aguentar ele por mais tempo, mas algumas horas na verdade, mas ela estava disposta a acabar e mesmo que isso pudesse a fazer sofrer, ela estaria disposta a sofrer por isso. 

 ~ALGUMAS HORAS DEPOIS~

 O rapaz havia dormindo, e ela já tinha tomado banho e feito todas os tipos de higiene pessoal para se livrar de toda aquela esperma. Ela estava cansada, mas mesmo assim continuaria com o plano de acabar, ou melhor, de ser feliz sem ele. Em outros momentos, ela nunca terminaria com ele, tudo parecia um sonho, uma história romântica, onde o mais rico se apaixona pela mais pobre, mas no começo foi assim, e ela sabe. Talvez um dos motivos dela nunca ter pensando antes em terminar antes era esse, ele no começo era um cavalheiro, que lhe tratava bem, que usava das boas palavras para a conquistar. Mas isso foi a certa de seis anos atrás, quando ela tinha treze , e ele com dezesseis anos. Ele tinha sido a sua primeira paixão, seu primeiro beijo, seu primeiro namorado, e único na verdade. 

 – Amor, hoje você foi incrível, eu adorei o seu choro, chegou a parecer real... – Mau sabia ele que, aquele choro foi verdadeiro, que ela realmente estava sofrendo, e que ela realmente queria que ele parece com toda aquela tortura, que ele tanto ama. 

 – Ah, sim, obrigada! – Essas foram as únicas palavras que ela conseguiu expressar, ela estava com nojo dele, e mais decidida que nunca a terminar aquilo que eles estavam tendo. O rapaz já tinha se levantado, já tinha colocado suas roupas, já que para ele era tudo mais simples. Ele não tinha marcas por todo o corpo, afinal quem sentia toda a dor, era sua parceira, mas ela nunca reclamava, e isso o dava mais ânimo de continuar com todos os tipos de tortura sexual, e mesmo que reclamasse, ele continuaria. 

 – Estou pronta, vamos? – Ela coloca a sua volta em seu ombro e segue para o carro. Graças a sua base e corretivo inseparáveis, ela pode esconder as marcas que estavam em seu pescoço. 

 – Sim, vamos para o restaurante, depois de te fuder daquele jeito, minhas energias parecem que acabaram. - as palavras dele a machucavam, mas ela continuaria até o fim, teria coragem de lutar até o fim, como se algo dependesse daquilo. 

 – Hm... – Ela apenas se expressou com um som nasal, e respirou fundo, analisando toda a situação em que se encontra. 

 ~JÁ NO RESTAURANTE~

 Ele tinha reservado um restaurante onde só pessoas finas iam, um lugar que era tão bonito que quando X chegou, pensou em não terminar com ele, mas como já disse antes, ela estava determinada a fazer isso. 

Ele a leva para a mesa, puxa a cadeira para ela se sentar e ela se senta. Logo depois ele se senta na cadeira em frente à ela, pegando o cardápio, escolhendo o vinho mais caro que tinha disponível, custava cerca de cento e cinquenta dólares. O garçom traz em poucos minutos, nos serve, mas ela não queria beber, então deixa de lado e apoia o cotovelo na mesa, olhando para ele. 

 – Eu quero acabar! - O rapaz que estava degustando o vinho acaba se engasgando, mas depois começa a rir, pensava que tudo não passava de uma brincadeira de mau gosto. 

 – Pare com isso, por um minuto pensei que estava falando sério, mas depois percebi que uma mulher como você não conseguiria viver sem meu dinheiro! - ele diz rindo, bebendo mais um pouco de vinho, colocando o colo vazio sobre a mesa. – Agora beba o vinho, ou então... 

 – Ou então o que? Você irá me bater, como já fez antes? Eu cansei, cansei mesmo, agora por favor, me esqueça. - ela se levanta, e então sente seu braço sendo puxado com toda a força para baixo, ela sente dor, mas não demostra. – Me solta! – ela tenta mais uma vez se soltar, mais como não consegue, chuta o rapaz e corre em direção ao banheiro, se tranca no box, e começa a chorar. – Eu só queria ir para outro mundo, e esquecer tudo que tem nesse! - a garota escuta vozes femininas, mas quando entrou não havia ninguém, e ela também não havia escutado a porta se abrindo. 

 – Você viu como o Choi é bonito? Ah, eu daria tudo para passar uma noite com ele... - diz uma das vozes. 

 A garota se desespera, e então fecha e abre seus olhos rapidamente, as pessoas já tinham ido embora. Ela então sai correndo do banheiro e chega até a mesa novamente, onde havia apenas um bilhete.

“Não acabou, até que eu diga, você ainda é minha. Te darei um tempo para pensar, quando estiver de cabeça fria me ligue.
 
 Ass: Hoseok, seu namorado.”

Ela joga aquele bilhete fora e volta para casa, fecha todas as portas, as janelas e vai até o seu quarto. Observa que existe um novo capítulo, ela clica ali e começa a ler, quando derrepende se depara com um desenho de um grupo de garotas no banheiro, ela continua observando aquele quadrinho, até que desce, e se depara com algo que ela não entende. As mulheres haviam falado a mesma coisa que ela tinha escutado no banheiro, ela então desliga o computador e se deita. 

 Onde, você está? – a garota escuta essa pergunta, mas não liga, e então dorme.


Notas Finais


Eu voltei pessoas do meu coração, sei que estava sumida e coisas do gênero, mas ainda não se passou um mês, estou dentro do prazo.

Algumas considerações finais...

Primeiro, "X" é uma mulher, ela não vai ser identificada agora, só depois.
Segundo, manhwa é tipo um "Gibi" coreano.
Terceiro, como vocês não sabem quem é X, ela vai ser movimentada em terceira pessoa, até descobrirem quem é, Ok? Ok!

Me perdoem por qualquer erro de escrita, mas eu fiz tudo hoje. Qualquer coisa pode falar nos comentários.

Obrigada a quem leu! ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...