História Afire Live - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Daryl Dixon
Tags Daryl, Twd
Exibições 136
Palavras 726
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


♥️

Capítulo 10 - X - Falsehood


  A menina estava deitada com Carl, desde que ele interrompera seu sono porque estava com medo.  

 A medida que ela respirava, a cabeça do menino que estava apoiada em seu peito, subia e descia. Tranquilamente. 

 Ela já pensou em acordar o menino diversas vezes, mas ela o amava demais para fazer isso. Não que a questão do amor fosse algo que iria interferir, talvez ela ficou com dó de acorda-lo tão sereno. Queria proteger o menino de tudo, afinal, já haviam perdido as esperanças em Sophia, Carl era tudo que ela tinha. 

 O menino se arrumou em cima da menina novamente, mas ali era o fim da jornada dele, qualquer movimento que ela fizesse, o acordava. 

 Um cafuné para relaxar um corpo relaxado e distrair o corpo tenso. 

– Com dia — O menino levantou, limpando os olhos com a manga comprida de sua blusa. 

– Bom dia — A menina sorriu compreensiva para ele — Se quiser dormir mais alguns instantes... 

 Ele nem deixou ela terminar de falar e já se agarrou a o pescoço dela, relaxando o corpo novamente. 

– Nossa! No meu pescoço — a menina riu. 

... 

– Vamos levantar?! — Carol abriu a portinha da barraca. 

– Só mais cinco minutinhos mãe — A menina disse em um meio rosnado. 

– Não! Agora! 

– Aaaaw, você é má! — Ela resmungou e a mulher riu. — Acorde Carl! 

– Só mais cinco minutinhos tia — O menino disse em um meio rosnado. 

– Não! Agora! 

– Aaaaw, você é má — Ele resmungou e a menina riu. 

{...}

– Meu deus tia Patsy! Você é maravilhosa! — A menina disse feliz após receber uma caneca quente de chá de pêssego. — Obrigada! 

– Disponha. — a mulher disse sempre sorrindo gentil. 

 Gritos do lado de fora chamaram a atenção da menina. Curiosidade sempre foi algo essencial na personalidade da jovem Rose, ansiedade também, coisa que ela acabou levando muito a sério alguns anos antes fazendo com que parasse no hospital. Personalidade fortíssima, desde criança. 

 Quando finalmente conseguiu ter uma visão ampla do local onde acontecia o maior alvoroço (Que seria um caos se o mundo não tivesse acabado), viu Rick e Hershel segurando dois caminhantes em uma espécie de coleira e Shane totalmente descontrolado. 

– O que está acontecendo — ela perguntou a T-dog. 

– Shane está surtando com esses caminhantes no celeiro. Você sabia disso, menina Rose? 

– Não — a menina engoliu seco ao mentir. 

 Mentir também nunca foi um dote de Rose, não sabe mentir, esconder sentimentos... Coisas do tipo. 

 O clima ficou mais tenso quando Shane abriu o celeiro, e as outras pessoas, matando os bichos que saiam de lá. 

 Beth correu desesperada ao cadáver da mãe, que depois de instantes quis saborear suas entranhas. Era uma boa mulher. Uma pobre mulher que havia perdido para a bosta desse mundo.

 O mundo da ruivinha parou quando um único grunhido saindo do celeiro chamou a atenção de todos. 

 A tão jovem Sophia, tão linda, porém zumbificada saiu de lá. 

 E a saudade de você não vem mais em ondas, elas são mais como marés de tsunamis em seus olhos. E é quando o corpo não consegue conter ele se desliga totalmente todos seus vínculos com a mente e obedece o coração, e o que o coração da menina queria era Sophia. 

 A única coisa que era capaz de se ouvir foi o grito cheio de angústia de Carol, e depois disso, são só ruídos. 

 Depois de tudo que aconteceu, a menina ama Sophia mais agora. 

 Em uma tentativa desengonçada de correr até o corpo da tão amada criança, que a menina já a considerava tanto, algo forte a puxou sua cintura fazendo-a cair no chão e céus! Aquela sensação era terrível. 

 Uma lágrima após a outra lembrava as doses de tequila que a menina tomava em puro desespero. 

 Um tiro com certa frieza de Shane acabou com a vida da morta-viva, deixando apenas o cadáver para ser velado. 

 E ela juntou toda as suas forças para levantar-se do chão, mas os mesmos braços fortes que envolvia sua cintura a prendiam com certa força. O corpo da menina não se conteve, virou-se contra os braços de Daryl — que descobriu que era o homem só pelo seu simples toque, que tinha um efeito e tanto na moça — e pelo pescoço o abraçou. Ação sincera, que logo depois de um tempo, depois de certa relutância, foi retribuído, e lá, ela pôde ter certeza que estava no melhor lugar do devastado mundo. 
 


Notas Finais


♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...