História After All - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Lysandre
Exibições 61
Palavras 2.201
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oii pissouinhas dançantes, esse é um cap diferente, como eu não faço a certo tempo, um cap narrado pelo Lys senpai, bom só preciso dar um avizinho rápido, a fic tá no fim, mas calma, pq?, tem gente que já sabe, mas eu vou falar aqui e no ultimo cap eu vou fazer de aviso, VAI TER TEMP 2 AEEEE!! mas eu n posso falar nada, eu nem sei se eu podia ter falado agora, mas se nun podia, fazer o que já falei né?
Boa leitura
Bjs Max anonima

Capítulo 36 - Save Me


Lysandre POV on

Todos foram embora e eu fui dormir.

Acordei ofegante, sentei na cama, limpando o suor que escorria por minha testa, esse sonho definitivamente o mais estranho de toda a minha vida, embora eu não me lembre de boa parte dela, me senti culpado por um momento por ter esse tipo de sonho com ela, e a pior parte é que eu realmente desejava isso na vida real, depois desse sonho e como se eu parasse de ver ela como apenas uma amiga, cruzei as pernas, apoiei os cotovelos nos joelhos e a cabeça nas mãos, estava confuso, como disse me sentia extremamente culpado por ter esse tipo de sonho com ela, me sentia extremamente culpado também por querer isso, minha mente estava uma bagunça, mas ela me olha e falava comigo de uma forma tão adorável e... Pare com isso Lysandre.

FlashBack on

Eu sentia o vento bater no meu rosto e uma sensação de tranquilidade, como se todos os problemas não existissem, cheguei até a coelheira e Leigh logo depois.

-GANHEI!- falei animado, Rosa chegou logo depois (Max: para quem não sabe nessa fic a Rosa era amiga de infância do lys e do Mc Leitinho).

-Assim não vale- ela disse cruzando os braços ofegante- Leigh e mais velho e você parece que toma fermento.

Eu e Leigh rimos bagunçando o cabelo da Rosa, ficamos a tarde toda no celeiro brincando e conversando, vez ou outra soltávamos os coelhos e ficávamos brincando com eles.

 

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estava de noite, eu estava no porão da escola, de repente ouço Castiel entrar dizendo.

-Ei! Lysandre, vem cá, tem uma pessoa que eu quero que você conheça- ele disse, eu abaixei um pouco o bloco de notas e vi ele descendo as escadas rapidamente, olhai mais para cima e vi uma garota loira descendo as escadas timidamente, olhando para todos os lados, deixei meu bloco de notas em cima de um caixote e fui até ele.

-Lysandre Lucinda, Lucinda Lysandre- ele disse apontando para mim e para ela.

-Oi- ela disse timidamente segurando o próprio braço, ela tinha cabelos loiros com as pontas verdes e os olhos cinzas como os de Castiel, ela parecia realmente fofa.

-Olá, prazer em conhece-la- disse beijando a mão dela.

-O prazer é todo meu- ela disse com um sorriso envergonhado corando de leve.

Conversamos por mais um tempo, ela e o Castiel parecias realmente próximos,  depois de um tempo Castiel foi levar a Lucinda em casa por já ser tarde e eu fui para a minha própria casa.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Onde está? Caramba vi a tão pouco tempo, pensava, estava procurando o maldito bloco de notas, se alguém ler o bloco de notas suicídio vai se tornar um dever não uma opção, rodei por quase toda a escola, droga onde estava? Tive um estalo, ainda não tinha ido no porão, desci as escadas, quando cheguei lá embaixo olhei envolta, me assustei ao ver Lucinda  sentada em cima de um caixote, ela estava de olhos fechados e um fone de ouvido, cantarolando baixinho enquanto batia a mão de leve na coxa, de repente ela abriu os olhos e olhou em volta quando percebeu que eu estava ali ela sorriu para mim simpaticamente e disse.

-Oi, desculpa, não vi você ai, está ai a muito tempo?- ela perguntou corando de leve, percebendo a possibilidade de eu estar ouvindo ela cantar.

-Não muito- disse me aproximando- viu um bloco de notas por ai?

-É esse?- ela perguntou tirando meu bloco de notas  do bolso de trás da calça- estava aqui em cima do caixote.

-Sim e esse, muito obrigada- eu disse pegado o meu bloco que ela estendia para mim-espera, você leu?- perguntei desconfiado.

-Não- ela disse confusa.

-Realmente obrigada, por ter achado e por não ter lido, a curiosidade é um péssimo defeito- disse guardando o bloco de notas no bolso, nesse mesmo momento o sinal tocou- vamos?- perguntei estendendo a mão para ajuda-la a levantar do caixote.

-Obrigada pela gentileza, mas acho que vou ficar aqui, eu não estou me sentindo muito bem- ela disse, eu me despedi e fui para a sala.

Algo nela, tinha algo nela que me deixava curioso, algo que me fazia querer saber mais, eu só não sabia o que

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estávamos nas férias do meio do ano, semana passada tinha sido o último dia de aula, Rosa e Leigh me arrastaram para a praia, achei que ficaria entediado, mas por acaso encontramos a Lucinda lá, foi muito bom poder vê-la em um outro ambiente, nem parece que isso foi a alguns dias atrás, pois, agora está chovendo muito e bastante frio, eu estava sentando em um dos bancos do parque, apenas rabiscando no meu bloco de notas.

-Buu- dei um pulo ao ouvir alguém sussurrar em meu ouvido e tocar de leve meus ombros, estava tão perdido em meus próprios pensamentos que tomei um enorme susto, olhei para trás e vi a Lucinda quase não se aguentando de rir, eu comecei a rir junto dela, quando ela parou de rir ela respirou fundo, parecia com falta de ar- porque está rindo?- ela perguntou.

-Você tem uma risada gostosa acabou  me contagiando- falei.

-Ahm, obrigada, eu acho, a maioria das pessoas diz que minha risada é estranha- ela disse- não queria te assustar-- ela disse sentando do meu lado.

-Então porque fez Buu- perguntei.

-Tá, eu queria te assustar- ela disse e fez uma pausa- você estava tão fofo distraído, eu não resisti- ela disse eu senti minhas bochechas esquentarem, ela riu um pouco- não precisa ficar com vergonha, isso foi um elogio- ela disse me dando uma cotoveladinha de leve no braço, e eu correi mais ainda e ela riu- você fica corado por muito pouco-ela disse.

Passamos mais um tempo conversando, mas ai começou a chover fomos correndo para debaixo do toudo de uma loja, rimos do nosso estado, estávamos completamente encharcados, no fim era só uma chuva passageira, fomos cada um para a sua casa.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estava na sala, um pouco atordoado com o que Nathaniel acabará de me falar, rabiscava qualquer coisa no meu bloco de notas, palavras soltas sem sentido, quando vejo Lucida entrar na sala eu vou até ela.

-...Acabei de ver o Nathaniel, ele não parecia bem... Pelo que ele me falou, você se escondeu no vestiário dos rapazes apenas para ver a minha tatuagem- eu disse e ela corou mais do que eu acho que era possível.

-E-eu- ela gaguejou corando mais ainda.

-Você realmente fez tudo isso só para ver a minha tatuagem?- perguntei sério, o rosto dela estava corado em níveis estratosféricos.

-B-bem- ela disse gaguejando e em seguida ficamos em um silêncio constrangedor.

-Apenas para ver minha tatuagem?- perguntei forçando um pouco, mas ela permaneceu em silêncio, extremamente corada, suspirei e peguei ela pelo pulso levando até o vestiário- você é realmente uma garota difícil de entender, mesmo Rosa não tentou algo desse tipo. Se queria tanto saber como era a minha tatuagem, devia ter me perguntado, ao invés de criar tantos problemas- eu disse tirando a jaqueta e em seguida a camisa, ela parecia querer perguntar o que eu estava fazendo, mas acho que preferiu não dizer nada, estava um pouco chateado, mas não podia dizer que estava bravo, acho que nunca conseguiria ficar realmente bravo com ela, tirei a camisa virando de costas para ela e mostrando a tatuagem- Sua curiosidade está satisfeita agora?- perguntei e ela acetil, seu rosto que agora já estava voltando a cor normal ficou novamente muito vermelho, senti um de seus dedos encostar instintivamente na pele das minhas costas, senti um arrepio passar por todo o meu corpo, ela contornava a minha tatuagem com os dedos, depois de uns segundos ela afastou as mãos e eu coloquei de volta a blusa e a jaqueta.

-Obrigada pro me mostrar Lysandre- ela disse e me abraçou e eu fiquei sem reação.

-De nada, mas me prometa que da próxima vez vai me perguntar diretamente- disse retribuindo o abraço, nós despedimos e ela saiu do vestiário saltitando para ir para a aula, eu não vi mais ela naquele dia.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu me sentia ridículo com aquelas roupas, onde Rosa estava com a cabeça quando costurou os figurinos para o show, espantei esses pensamentos e me concentrei na música.

Já estávamos na 5° música, eu olhei para a multidão, meus olhos procuravam algo que eu não sabia o que era, de repente vejo e Lucinda sentada em um dos caixotes, com um copo de bebida na mão, rindo de algo que Alexy acabará de dizer, isso me fez sorrir bobo per um momento, mas logo voltei ao que estava fazendo, de algum jeito essa menina mexia comigo de uma forma que Einstein não saberia explicar.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Debrah havia voltado para a escola, eu estava tentando arranjar um jeito de que ela se afastasse do Castiel, não queria que ele se machucasse de novo, estava andando pelo corredor em direção ao pátio quando sinto alguém bater de leve contra as minhas costas, no segundo seguinte vejo Lucinda desviar de mim e passar a minha frente tentando correr para o pátio com as mãos no rosto, eu seguro ela pelo pulso e pergunto.

-Lucinda? Tudo bem?- eu pergunto.

-E-eu tô bem, não precisa se preocupar- ela disse gaguejando e em  seguida fungando o nariz, eu podia ver que ela estava segurando o choro, Castiel me disse uma vez que ela odiava chorar na frente dos outros, quando ela acabou de dizer fez menção de ir correndo para o pátio de novo, mas eu segurei ela pelo pulso novamente.

-Por favor, me diz o que está acontecendo- eu disse e pude ver uma única lágrima de atrever a descer pelo seu rosto.

-Nada está bem Lysandre!- ela disse e eu pude ver mais uma lágrima rolando por sua pele clara- Castiel acabou de dizer para eu nunca mais me aproximar dele... Ele ele- ela dizia com a voz embargada por causa do quase choro.

-Talvez ele só estivesse com raiva- disse para tentar acalma-la.

-Não ele, ele estava falando sério... Tudo está ruim e cada vez pior, eu só queria que... Eu só queria que todo mundo visse quem é a Debrah de verdade, eu só queria que...- ela dizia triste , em desespero, quase chorando, parecia perdida, completamente desnorteada, me dava pena de vê-la assim, ela era tão alegre e auto astrau.

-Calma, não fique assim nesse estado- eu disse tentando reconforta-la.

-Mas, Castiel....- ela disse e eu interrompi dizendo.

-Vem comigo- eu disse puxando ela contra mim pelo braço, a abraçando, ela pareceu sem saber o que fazer,

-Nós vamos encontrar uma solução, eu prometo- quando eu disse isso ela me abraçou e começou a chorar, deixei ela chorar até se acalmar - melhor?- perguntei quando ela se desvencilhou de mim.

-Um pouco- ela disse, pedi que ela explicasse a história do balde de água e assim ela fez, quando ela acabou eu disse.

-Isso vai mudar, não se preocupe. Mas para isso quero que você me prometa não chorar mais, não gosto de te ver assim e você tem um sorriso tão bonito- eu disse.

-O-Obrigada- ela disse corando, Rosa logo chegou, elas começaram a conversar, eu preferi não interromper então fui embora.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estava na no andar de cima da escola, eu ia para o gínasio, de repente vejo a Lu subindo as escadas, ela se surpreende ao me ver.

-Você...Você vai para o ginásio?- ela perguntou.

-Vou sim- disse normalmente.

-Po-posso te acompanhar?- ela perguntou um pouco sem jeito.

-Claro- eu disse, começamos caminhar lado a lado, eu estava viajando em meus pensamentos quando ela disse.

-Algum problema?- ela perguntou

-Sim- eu disse educadamente- a reação do seu pai no sábado passado...Eu não vou negar que não foi nada agradável- eu disse

-Eu entendo perfeitamente- ela disse- eu sinto muito pela maneira como ele falou com você, mas não foi por sua causa...- ela disse, suspirou e continuou- bem, meu pau parece ter um problema com todos os rapazes que se aproximam de mim...- nós nos aproximamos da escadaria-mas eu que provoquei tudo isso- ela disse sem jeito.

-Como assim?- perguntei parando no meio da escadaria, ela quase esbarrou em mim, quase.

-Bom...Eu não estava autorizada a sair com vocês no sábado, por isso...Quando eles me viram, ficaram furiosos!

-Estou começando a entender melhor, eles deviam estar preocupados-disse normalmente.

-Eu queria muito ir...Eu pensei...Pensei que...- ela parou e não conseguiu dizer mais nada, depois de certo tempo eu senti sua mão encostar no meu ombro timidamente.

-Eu fiquei feliz de te ver lá- disse calmamente.

-E-eu também não me arrependo de ter ido...-ela disse corada, nós estávamos ainda parados no meio da escadaria, bem próximos para dizer a verdade, de algum jeito aquilo tirava a minha sanidade.

FlashBack POV off

Várias imagens da minha vida passaram na minha mente, elas passavam rápido, mas eu consegui distinguir uma da outra, vi minha vida toda de trás para frente, mas parou em uma parte do ensino médio, quando eu estava na escadaria com a Lu, era como se eu tivesse um bloqueio dai para frente, eu realmente queria saber o que estava para acontecer, tinha que investigar isso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 


Notas Finais


Comentem o que acharam amores, não me matem, provavelmente ainda vai ter um cap hoje, mas não é certeza pq eu tenho que estudar para a prova de História que inclusive é amanhã,se quiserem pedir algo como um hentai, uma especial diferente, ou igual aos que eu costumo fazer aproveitem a fic está na reta final, mais alguns eps e bom, é
Bjs Max Anonima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...