História After happily ever after- Interativa - Capítulo 3


Escrita por: ~

Exibições 30
Palavras 1.602
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá, pessoas! Tudo baun?
Espero que sim.
Neste capítulo, não coube todos os personagens, pois ficaria realmente cansativo de se ler, então eu dei algumas citadas, mas no próximo capítulo, se Deus quiser, eu vou fazer dos nossos queridos "exilados'' (gente, isso é tão rei leão).

Vou deixar vocês curtindo o capítulo agora :v Ou não, sei lá.

Capítulo 3 - A proclamação


Fanfic / Fanfiction After happily ever after- Interativa - Capítulo 3 - A proclamação

 

Isso era definitivamente uma guerra declarada. E ele não poderia sair perdendo.

 

 Foram longos meses de puro suor, de ambos os lados de Trumbool, porém, depois de tanta desconfiança se os reinos levariam realmente a melhor, a paz já estava novamente restabelecida em seu doce lar, e os rejeitados, juntamente com os maus, foram exilados para a floresta protegida.

 Agora realmente poderiam ter seus felizes para sempre... ou não.

8 anos depois

Corra. Era o único pensamento lógico que o homem tinha enquanto tentava chegar novamente ao castelo. Ele não sabia ao certo do que estava fugindo, mas desde que saiu da aldeia na qual estava cobrando os impostos, sentiu estar sendo observado enquanto andava a cavalo por aquele lugar escuro que era aquele campo. 

Como ele queria ter recebido com o maior carinho a escolha de ir acompanhado, mas sabia que se hoje resolvesse ir junto, seria mandado embora por já ser de idade. E o seu cavalo? Ele nem ao menos sabia onde estava, pois tinha sido puxado para o envolto de árvores, no momento em que decidiu sair de cima dele para pegar seu pingente de ouro caído.

Olhando para frente, sorriu feliz, por estar vendo o final daquele horrível pesadelo, e o começo do muro do grande prédio. Porém, o fim parecia ter chegado para o criado real. Sentindo sua perna ser puxada aos poucos, pegou o pingente de ouro que tinha desde a infância e jogou-o para frente. Isso agradou a criatura que queria que soubessem que os ataques não eram somente exclusivos ao povo das vilas. A guerra não acabou. Ela não tinha nem começado.

........................................................

-PAI! Quer parar de andar e fingir que não está me ouvindo?- A loira dizia com passos largos, fazendo com que os saltos altos fizessem estralos no chão de mármore. Sunrise, hoje cedo, estava radiante com a ideia de volta as aulas, já que pretendia por em prática, tudo o que em seus meses de férias estava planejando. Adorava ser adorada pelos outros alunos, como uma das mais belas princesas que aquele reino pode ver. Mas agora, com essa nova ideia de seu pai e de todos os reis de Trumbool, estava aterrorizada de pensar em dividir seu quarto com um possível exilado.

   -Sun... Se acalme, ninguém aqui é surdo- Disse Philip, que não havia mudado muito desde o resgate da doce princesa Aurora, apenas pelos fatos dos cabelos em algumas partes, tinham ficados grisalhos e que deixou sua visão turva o suficiente para ter que usar óculos diariamente- Não é o fim do mundo.

Era sim, Sun pensou. A princesa já não suportava ter que dividir seu colégio com "filhos de coadjuvantes"- como dizia com os amigos, muito menos com antagonistas.

Bufando alto, sentou-se m umas das poltronas do largo corredor, sua postura ainda estava impecável, mesmo com a birra digna de uma criança de colo. Seu pai, tirando os olhos do papel, olhou a filha um tanto decepcionado, mas o fato de ser tão parecida com a mãe, por fora, o dava esperanças de que mudasse também por dentro.

Sentando ao seu lado, sendo separados apenas uma mesinha, checou a lista dos alunos, que estudariam em Naliy. A lista era grande demais para um começo, mas o que poderia fazer? Não era somente sua decisão que importava. 

-Estou atrapalhando a DR com eu e eu mesmo?- Dizia Naveen todo sorridente, sentando no lugar de Sunrise, que havia saído a muito tempo sem que o pai visse.

O rei olhou para o amigo de cima a baixo.

-Sabe que você tem um compromisso daqui uma hora, não sabe?- Disse ao moreno que estava sim, com uma camisa social, mas nem de longe, era uma adequada para a proclamação.

Ele deu de ombros, fazendo com que o outro risse e checasse novamente os papeis que estava na mão. Jogando os nomes de lado, foi olhar as fichas de cada um dos novos estudantes, se deparando com um que Phil, sabia que o amigo reconheceria. Passando a ficha para ele, Naveen olhou sem mostrar muito espanto, mesmo que esperasse que no dia dos pais, não ocorresse visitas pessoalmente.

Arthur Keeran Facilier, era o nome das primeiras fichas da ordem alfabética. O garoto da foto, parecia indiferente.

Assim como todos, ele teve que usar um uniforme cinza, para tirar a "foto currículo", que era composto por uma larga regata e calça simples, mostrando que o garoto de cabelos escuros, tinha duas tatuagens, uma no braço e outro perto do ombro. A do ombro, fez o príncipe sapo, ficar um tanto receoso. Se lembrava muito bem dos pequenos e assustadores bonecos vôodus, que viu quando era jovem.

Coçando a nuca, o rei deu um sorriso torto se dirigindo a Philip.

- Pessoas mudam, não é?

- É o que eu espero- disse suspirando.


...................................................................

 

Enfileirados no grande salão, se encontravam nobres de todas as espécies, enquanto sua população assistia tudo pelo lado de fora, em grandes telas, admirando os caros vestidos e ternos de luxo, mesmos os de condição favorável. Scarlet, revirava os olhos com tanta alienação, mas ficou quieta em seu canto, ao lado da mãe que a abraçava feliz.

Do lado de dentro, reis e rainhas, ficavam sentados nas principais fileiras juntamente com seus filhos, todos arrumados e com postura exemplar. Carmella, ria  na primeira fileira, vendo seu pai tentando loucamente frouxar o nó que a mãe fizera muito forte. Bela balançava a cabeça enquanto escondia o rosto.

- O que foi, mãe?- Mell, sussurrou - Não da nem pra notar o desespero.

A mais velha semicerrou os olhos para a mesma, que logo em seguida, fez um bico e piscou os lindos olhos azuis, o que fez a mãe rir e a cutucar para olhar para frente, já que logo dariam um anúncio real.

Do lado esquerdo do palácio, Ella, olhava para os lados extremamente nervosa por ter apenas quatro de seus cinco filhos sentados. Mas onde estava, Luca?, pensou.

Logo que terminou a frase, o moreno apareceu pegando sua irmã Alice, no colo para poder se sentar no seu lugar. A loira conhecida como uma rainha de estrema bondade, olhou para o filho e fez menção de enforca-lo até sentir seus dedos estrelarem. Luca, apenas levantou as mãos para o alto e mandou um beijo silencioso digno de um Charming.

A pequena Alice, riu, mas logo se calou ao ouvir ao som da trombeta tocar.

- Meus presados amigos- Começou o rei Julian, com um largo sorriso- Primeiramente, eu queria lhes agradecer pela visita ao meu humilde lar, já que reconheço que muitos por aqui, moram muito longe e que somente vieram por ser de estrema importância o comparecimento de todos- Simpaticamente os olhava, enquanto continuava a falar- Porém, antes de chegar ao ponto, eu queria que a diretora da nossa doce escola Naliy, dissesse algumas palavras sobre a melhoria do local, já que as aulas começam em poucas semanas.

 Dando passagem a pequena senhora, Julian fechou o largo sorriso por alguns instantes, antes de se virar para frente novamente. Branca, era a única rainha que estava de pé juntamente com o marido, já que a cortesia era dela desta vez. Amava receber visitas tão grandes como as da última semana, mas estava tão cansada por tantos imprevistos e acontecimentos que nem ao menos sorrir, conseguia. O marido percebeu isto e tratou logo de apertar seu braço, para que se recompô-se.

Julian, detestava o que estava prestes a fazer; tanto quanto odiou a entrada de "camponeses" na escola. Em sua época, quando seu pai era rei, somente filhos de nobres e alguém de alto porte, poderia estudar em Naliy, porém, por conta dos mesmos problemas assombrantes de agora, todos os que tinham um reconhecimento mínimo que fosse com a realeza, poderiam matricular seus filhos.

Fadas, duendes e outras criaturas mágicas, para ele eram todos estranhos e preferia ter feito uma escola para eles, porém isso não agradaria o povo que gostava da opinião que certo caçador teve a respeito. Lembrando-se disso, olhou fixamente para o homem alto parado indiferente perto a um dos pilares. Paul, era comandante real desde que ajudou na guerra dos reinos, e seria até mesmo antes, por ajuda-lo a encontrar a garota envenenada por Grimhilde, que antes tinha sido sua chefe.

Tremeu ao pensar que o filho de Evil, estaria tão perto dali.

Enquanto a senhora continuava a falar, Jaynne, ao lado de Ariel dormia, sem ao menos saber da escolha da mãe de finalmente a matricular na escola também. Eric não havia contado para a mesma da decisão que ficou sabendo a poucos dias trás, mas sabia que não receberia muito bem, pensando duas vezes antes de coloca-la ali.

Tomando o controle novamente do microfone, Julian, sorriu docemente para a mulher, que se sentou retribuindo. Respirando fundo disse em poucas palavras, o que havia ensaiado muito para dizer mais cordialmente.

- E a última e grande surpresa que temos a vocês, meus amigos, é que daremos a oportunidade de misericórdia aos pobres filhos exilados, que viram a ter conosco, em breve.

Ouve-se um silêncio grande; Olhos espantados- tanto os sentados ali, quanto os lá de fora. Algumas criaturas aladas, pararam de voar alegres. Donzelas, dentro do castelo, chegaram a passar mal. Scarlet olhou para mãe espantada, enquanto Mariah sentiu vontade de chorar.

Julian soltou o microfone e se posicionou logo atrás, fazendo com que a Adam tomasse o controle da bomba jogada depressa, e desce mais um motivo para que Bela afundasse o rosto nas delicadas mãos.

- E é só isso por hoje pessoal. Os salgadinhos no jardim, estão uma delícia. Bon appetit!


Notas Finais


Eai, gostaram? críticas construtivas são muito bem vindas!
Gostaram de quem? Não gostaram de quem?
Julian de uma de político, não é? kkk

Kissus e fiquem com Deus!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...