História Agora e Sempre (SwanQueen) - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~notsodeardiary

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Swan Queen
Visualizações 122
Palavras 1.924
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hi, galerinha! Sentiram minha falta? Então, resolvi publicar essa história curtinha antes de começar a próxima fic que prometi à vocês. Espero que gostem!

Boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo Único


New York, JFK International Airport

 

― Regi, atende, por favor!

Mais uma vez o toque de chamada adentra por seus ouvidos, fazendo a loira apertar o celular contra o mesmo, seu lábio é mordido e seus olhos se perdem em algum ponto a sua frente.

― Alô?

― Regina, me escuta, eu...

― Você ligou para Regi e Zel, já sabe o que fazer...

Emma suspira, sorrindo triste e bobamente ao ouvir aquela voz doce e rouca ecoar em seus ouvidos. Seu coração acelera de forma estúpida e intensa, a mão se perde por entre os cabelos e seu corpo pende para frente, apoiando seu braço sobre seus joelhos.

― Olha, eu só tenho alguns minutos...

Respire fundo, feche os olhos.

Se despeça e tente voltar a viver.

― Já estou no aeroporto. Não sei se Zelena te contou que eu estava indo embora e... ― deu uma pausa respirando profundamente ― Bom, caso ela não tenha te falado, eu estou indo, sabe? ― soltou uma leve e forçada risada ― Vou assumir uma das empresas do meu pai em Boston e... ― fechou os olhos por alguns segundos ― Droga, Regina, eu sei que você está ai me ouvindo! Por favor, atende a merda desse telefone ― silêncio ― Eu só queria... eu só queria me despedir.

― Sei que estou sendo covarde ― a loira sorriu forçadamente mirando o chão entre seus pés ― Sei que estou fugindo e...eu não consigo mais, Regi! Sei que quando começamos, disse que não importava se você não me amava da mesma forma que eu te amava. E... querida, realmente não importava porque meu amor era o bastante por nós duas… era suficiente por nós duas, mas... Droga, Regina! Já faz três anos! Pensei que podia, eu pensei mesmo que podia amar por nós duas, mas eu não posso ― Emma se remexeu na cadeira inquieta, sentindo como tanto suas narinas como seus olhos sofriam uma leve ardência delatando que logo ela já não seria capaz de controlar as lágrimas que com muito esforço havia conseguido deixar de derramar ― Demorou, meu bem, mas eu percebi que amor não é suficiente, eu finalmente entendi que não posso amar por nós duas, meu amor. Eu simplesmente já não posso mais. ― uma lágrima escorreu por seu rosto sem permissão o fazendo fechar os olhos com força e respirar fundo tentando controlar-se ― Sei que alguns minutos são muito pouco para poder falar tudo o que é preciso, mas você sabe, Regina. Eu sei que sabe, querida, que eu te amo, sempre amei e sempre amarei. ― sorriu emocionada, mordendo com violência o lábio inferior ― Mas esse amor está me matando pouco a pouco! Eu...

― Senhores passageiros do voo 2172, com destino à Boston-MA, embarquem no portão 2C.

― Toda vez que eu fecho os olhos, querida é para te encontrar e isso está me deixando louca, não durmo mais, Regina, não como direito e... ― sua respiração se alterou junto a sua voz que falhava denunciando claramente o choro duramente contido ― Nossa, morena, o que você fez comigo? Eu não penso em nada mais além de você e isso já ta virando obsessão, é isso ― murmurou como se falasse consigo mesma ― Eu devo estar obcecada por você porque tudo isso que eu sinto não é normal, é uma necessidade inexplicável como se eu não fosse capaz de respirar sem você por perto ― seus lábios se curvaram em um pequeno sorriso e seus olhos se fecharam permitindo que sua mente viajasse pela lembrança dela ― Eu sinto falta de acordar e te encontrar ali do meu lado toda encolhida nos meus braços, sinto falta daquele seu jeito de acordar toda manhosa subindo em mim e me beijando pelo rosto, tentando me convencer a ficar mais cinco minutinhos na cama e... Deus, morena, como você faz questão desses cinco minutos a mais na cama ― uma baixa risada escapou por seus lábios ― Sinto saudades de nunca encontrar minhas camisas porque você rouba todas para dormir ― ela mordeu os lábios negando com a cabeça ― Sinto saudades de fazer amor com você, Regina, de sentir seu corpo colado no meu, saudades do seu beijo e sinto saudades principalmente do seu cheiro...Oh, eu morro de saudades do seu cheiro, moreninha.

Respire fundo e diga o que tiver que dizer.

De todas as formas seu orgulho e seu coração já estão no chão.

De todas as formas não há mais nada que possa fazer.

Senhores passageiros do voo 2172, com destino à Boston-MA, embarquem no portão 2C.

― Eu preciso ir agora. Regina, eu te amo ―a voz firme ecoou pelo telefone enquanto ela respirava agitadamente ― Eu te amo e eu sempre vou te amar, você sabe disso, eu sei que sabe, meu amor. Eu lamento, querida, eu só lamento que você não tenha sido capaz de me amar pelo menos a metade do que eu te amo porque se tivesse amado..Oh, Regina teríamos sido tão felizes, eu teria sido tão feliz, minha rainha ― lágrimas rolaram por sua face e logo as mesmas foram secadas com impaciência pela mão da mulher loira ― Eu espero que você fique bem e que seja feliz, com quem quer que seja, e que um dia...que um dia você ame alguém e que esse alguém te ame como eu te amo.

― Atenção, última chamada! Senhores passageiros do voo 2172, com destino à Boston-MA. Embarque imediato no portão 2C.

― Adeus, Regina.

Adeus...Adeus

Aquilo dói como deveria doer, aquilo dói bem mais do ela julgou ser capaz de aguentar.

O telefone foi desligado enquanto seus olhos se fechavam deixando que suas lágrimas caíssem sem mais tentar impedir. Jurou para si mesma que seriam as últimas lágrimas que derramaria por ela. Ao subir naquele avião, deixaria para trás tudo que havia vivido ao lado dela, deixaria para trás todo aquele amor e principalmente toda aquela dor que lhe matava todo dia um pouco mais. Respirou fundo passando suas mãos pelo rosto e sorriu, balançando a cabeça negativamente, caçoando de si mesma por realmente acreditar que poderia simplesmente esquecer tudo que estava relacionado aquela maldita morena.

A mochila foi pendurada nas costas, os óculos escuros foi posto na intenção de esconder os olhos vermelhos e um tanto inchado e então caminhou lentamente em direção ao portão de embarque. Em sua cabeça, Emma permitiu passar cada momento vivido ao dela, cada frase dita e cada carícia trocada. A loira se permitiu esse último ato de tortura, pois assim que aquele avião decolasse, ela faria o impossível para apagar qualquer lembrança, qualquer coisa que pudesse ser relacionado a Regina Mills.

E que Deus a ajudasse a conseguir.

As pessoas da fila diminuíam cada vez mais rápido, deixando-a cada segundo mais próxima ao portão de embarque. Seu coração se apertava a cada passo dado e seus olhos miravam algum ponto fixo se controlando ao máximo para não virar as costas e sair correndo daquele aeroporto e ir até sua amada. Como queria simplesmente esquecer-se de tudo e passar o resto de sua vida trancada em seu quarto com Regina deitada entre seus braços e nunca mais soltá-la.

Mas não faria isso, oh não ela não poderia mais suportar olhar em seus olhos e ver ali claramente que era a única a amar naquela relação, ela não aguentaria mais aquela dor que lhe tomava por inteiro, já havia sido masoquista por demais, por ter seguido com ela mesmo sabendo que a causadora daquela dor imensa era Regina e apenas ela, já não aguentava mais saber que a morena jamais a amaria.

Porque Regina jamais a iria amar...e isso era um fato.

Mais um suspiro e Emma estica seu braço entregando seu ticket de embarque para a funcionaria. Outro suspiro e um passo, seus olhos miram o chão e seus lábios são mordidos. Tenha coragem. Mais um passo e ela atravessa aquele portão, e tudo fica para trás.

Regina fica para trás, e todo seu amor...toda sua dor...todo seu amor.

― Emma!!!

A voz ecoa, rouca e desesperada, por todos os cantos daquele aeroporto fazendo seu estúpido coração pular dentro de seu peito como um louco, estúpido coração. Seu olhar vira na mesma direção de onde veio aquela voz e então a encontra, correndo em sua direção enquanto desvia de todos que estão em seu caminho, com os cabelos curtos, na altura dos ombros, esvoaçando e os lábios entreabertos por conta da respiração ofegante. Emma sorri, porque nesse momento, ela sabe que tudo ficará bem, sua mochila cai ao chão e seus pés lhe leva em direção a morena mantendo seu olhar preso ao dela, ela também sorri porque sabe que não chegou tarde demais, não era tarde demais.

Seus braços se abrem e Regina se joga neles passando suas pernas em volta de sua cintura, a apertando pelo pescoço enquanto seus lábios procuram os dela para se beijarem com toda a saudades que sentiam uma pela outra. Suas línguas se entrelaçam e suas respirações se mesclam numa forma tão simples e antiga de selar algo tão simples e tão doloroso como a pura saudades.

Emma afasta seu rosto o suficiente para olhá-la nos olhos enquanto passa uma de suas mãos pelo delicado e avermelhado rosto da mulher que ama e suspira profundo, sentindo como todo seu corpo parece flutuar apenas por tê-la ai a seu lado. Regina então derrama infinitas lágrimas e funga enquanto beija todo seu rosto de forma desesperada, segurando o mesmo com ambas as mãos.

― Me perdoa, meu amor, me perdoa por tudo o que eu fiz, por tudo que deixei de fazer, pelo que eu deixei de sentir ― Regina encara mais uma vez com aqueles olhos cheios de medo, lágrimas e arrependimento, fazendo a loira sorrir enquanto a coloca no chão e seca cada gota que cai daqueles olhos e deslizam pela sua bochecha. Regina funga mais uma vez, deixando seu nariz ainda mais vermelho, dando aquele ar de criança que tanto encanta ― Me perdoa por permitir que meus medos fossem maior do que eu sentia por você, eu sinto... Oh, Emm, eu sinto tanto que..

― Três palavras, querida ― a olha firmemente encostando sua testa a dela enquanto ambas mergulham em um universo apenas delas, enquanto suas bocas se curvam no mais lindo sorriso possível e suas mãos tocam o rosto uma da outra, explorando cada pedaço em uma carícia terna ― Três palavras, Regina, é tudo o que eu quero ouvir de seus lábios.

― Eu amo você.

Regina diz de simples e sem demora porque é o que seu coração por tanto tempo gritou em silêncio, ela diz porque é a pura e mais doce verdade e já não há mais motivos para temer revelar aquilo que foi negado para si mesma por tanto tempo. Emma então a beija porque naquele momento é tudo o que precisa ouvir dela, a beija porque sabe que tudo está como deveria estar desde o dia em que olhou aquela mulher pela primeira vez. Emma a aperta em seus braços enquanto sua língua explora cada canto da boca daquela mulher fazendo ambas gemerem diante daquele beijo, porque Swan sabe que pertencem uma a outra e isso nunca mudaria.

Porque Regina a amava.

 

Regina a amava

Ela amava Regina.

No final das contas tudo estava como deveria estar.

No final das contas Regina estava exatamente onde deveria estar.

E Emma finalmente poderia aquietar seu coração.

Porque a partir daquele momento Regina seria sua...agora e sempre.


Notas Finais


Gostaram? Comentem, me deixem saber a opinião de vocês, por favor.
Obrigada por acompanharem essa história.

Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...