História Agora é sua vez de sofre, Garu! - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pucca
Personagens Personagens Originais
Tags Abyo, Amor, Ching, Dada, Garu, Pucca, Ring
Exibições 84
Palavras 1.691
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Leiam as notas finais, please.
Vestido da Pucca.
Boa leitura ^^

Capítulo 3 - 2° passo: Devolver.


Fanfic / Fanfiction Agora é sua vez de sofre, Garu! - Capítulo 3 - 2° passo: Devolver.

— E então Garu, como se sente? Não esta feliz por finalmente ter se livrado da Pucca. — Ring-Ring pertubava Garu.
A azulada queria ver a cara de desprezo de Garu ao mencionar à morena que assim como Ching-Chig ainda separavam as coisas de Garu e as coisas que era sobre ele ( uma tarefa que parecia não ter fim).
— Garu, meu filho você tem que ouvir a suave voz da Pucca, embora a voz dela estivesse um pouco rouca quando ela falou, ainda sim e linda! — A Sra. Li chegou em casa tagarelando o assunto que no momento era o mais falado na vila de sooga.
— Rum, a voz dela não deve ser lá essas coisas. A minha e 100 vezes melhor que à dela. — Ring olhava para as unhas das mãos tentando esconder a inveja que sentia de Pucca.
— Ring querida, não e por nada não mas a voz dela e melhor que a sua sim. — A Sra. Li recolhia algumas roupas sujas que Garu usou para treinar logo depois se retirando do lugar indo até à área de serviço.
Aquele assunto estava deixando Garu entediado.
" Eu estava melhor treinando, este papo não me levará a lugar nenhum! " E foi pensado nisto que Garu começou a se levantar.
— Garu, aonde você vai? Não vai nem aceitar minha cesta de frutas? Eu a fiz com tanto carinho, para você. —  Garu não deu ouvidos a azulada, ele simplesmente deu as costas e saiu andando indo para o local onde ele treinava.
Em um só movimento Ring se levantou também, olhou vermelha de raiva para Garu e disse sussurrando:
— Então é assim que a Pucca se sente. —  E por um mísero segundo Ring-Ring sentiu pena da morena. — bem feito, tomará que ela sinta isso sempre. Garota idiota. —  A azulada sorriu maldosa achando graça do sofrimento de Pucca.
Garu mesmo não estando tão perto assim de Ring pode ouvir o que ela disse, um pouco falho mas ouviu e se sentiu mal, e lá no fundo de seu coração, ele sentiu um aperto seguido por uma sensação de vazio.
— Garu eu deixarei a cesta aqui. — Ring-Ring apontou para a mesa redonda. — até mais. —  Mesmo Garu estando de costas para ela, a azulada ainda mandou um beijo para ele.
Garu deu de ombros escutando os passos de Ring-Ring cada vez mais baixo, significando que: ela estava se distanciando em passos lentos rumo a porta principal da casa.
— Filho, eu vou ir cuidar da feira, e talvez eu volte só mais tarde. Tchau —  Sra. Li apareceu assim que o barulho da porta fechando se fez presente.
Garu virou o tronco para trás, olhou para linda mulher que continha algumas rugas no rosto ressaltando o fato de que o tempo havia castigado-lhe e que a vida lhe forá ruim em alguns marcantes momentos e assentiu com a cabeça sem nenhuma expressão aparente.
A Sra. Li era feirante e se orgulhava muito dessa profissão.  Trabalhar na feira para ela era a melhor coisa; lá ela se divertia com os clientes, ficava a par das fofocas, estava sempre com um sorriso no rosto e era considerada uma das barraquinhas mais produtivas dali. O dinheiro que ela ganhava não era lá uma fortuna, mas dava para sobreviver e também ganhava mais um pouco com a venda de legumes, frutas e verduras para o restaurante Goh Rong.
Garu tentou voltar a treinar mas não estava conseguindo se concentrar direito, alguma coisa nele estava errado, algo lhe faltava, mas a pergunta é: o quê? Bom, ele não sabia então resolveu ignorar, na verdade ele fazia isso com todos os sentimentos inexplicáveis para ele. Ignorar era tudo o que ele fazia.
Depois de minutos tentando se concentrar o máximo possível, ele parou o treino. Deitou na cama e resolveu cochilar um pouco.
(...)
— Ufa. Finalmente terminamos! — A gota de suor que insistia em cair da testa de Ching foi limpa, que assim como Pucca estava cansada.
— Obrigada, Ching pela ajuda agora eu vou tomar um banho e dormir um pouco. — Pucca se levantou da cama com dificuldade ao qual estava espalhada junto com Ching.
— Não, depois do banho você tem que logo ir tratar de devolver as coisas dele. — Um frio gélido de nervosismo passou pela barriga de Pucca.
— Err... Já são 19:00 horas, acho melhor eu devolver amanhã ou você podia entregar por mim. — Pucca olhou para Ching com um olhar de súplicas em pé de frente para a mesma.
— Pucca eu sei que você está nervosa com isso — um olhar amável foi mandado para Pucca de Ching. — mas isso e necessário para você esquecê-lo o mais rápido possível. Quanto mais você adiar, mais machucada você vai ficar. — O olhar amável se transformou em um olhar compreensível ao ver a cabeça de Pucca se abaixar sendo acompanhado por um olhar triste.
Sem dizer mais nenhuma palavra Ching levantou-se da cama branca da garota e a abraçou já sabendo que a torneira que havia nos olhos de Pucca voltariam a jorrar.
Cerca de 25 minutos depois Pucca parou de chorar e Ching foi embora com o coração apertado e raiva de Garu por ele ser tão insensível.
Quase se arrastando Pucca pegou uma peça de roupa limpa e foi tomar banho. Dentro do banheiro ela se despiu lentamente por causa da perna quebrada e se olhou no espelho mas tudo o que ela viu foi o vazio de seus lindo olhos castanho escuro e a vermelhidão, suas bochechas estavam com rastros de lágrimas secas e vermelhas, assim como suas narinas, ela estava com um semblante cansado com uma pitada de desespero e tristeza.
Após se analisar no espelho por longos minutos, a morena finalmente entrou dentro do boxer do banheiro colocando na água gelada e entrando debaixo do chuveiro cuidadosamente.
" Será que ele vai sentir falta de mim? Aposto muito que não mas, não me custa nada acreditar." Um pequeno sorriso esperançoso surgiu nos lábios da morena mas logo sumiu.
" Como eu terei coragem de olhar naqueles olhos profundos dele? Eu vou ter que mudar drasticamente, muito mais do que parar de correr atrás dele. Acho que ele deve estar muito feliz." Uma lágrima de tristeza rolou pela bochecha esquerda de Pucca.
A cada gota gélida de água que cai do chuveiro, passava pelo corpo dela e enfim tocava o chão, era uma lembrança dela com Garu. Aquilo poderia até ser considerado masoquismo mas ela não conseguia parar, era algo automático assim como suas lágrimas que há essa altura do campeonato já caiam abundantemente se misturando com a água do chuveiro que descida pelo ralo.
" Agora é oficial, eu vou esquecê-lo, Garu não merece minhas lágrimas." Aos poucos as lágrimas de Pucca foram parando.
O restante do banho se passou arrastado e seu término se deu com uma verdadeiramente, nova Pucca-Pucca.
Enrolada na toalha, Pucca foi guardar a blusa vermelha e a calça preta para caçar uma outra roupa, algo novo. Ela optou por um vestido azul escuro simples, deixou o longo cabelo preto solto, colocou uma tiara vermelha, escolheu uma sapatilha branca, passou um batom rosa claro e se perfumou. Pucca não fez isso tudo para agradar Garu ou chamar a atenção, ela só queria se reinventar.
Enchendo seus pulmões de ar Pucca pegou uma grande caixa de papelão grosso e saiu do quarto, seguiu por um pequeno corredor, desceu a escada com todo o cuidado do mundo para não tropeçar e quebrar a outra perna.
— Aonde você vai, Pucca? — Linguini perguntou de costa para Pucca assim que ela pisou os pés no andar de baixo.
— Eu vou me livrar dessa coisas. —  Pucca preferiu não dar muitos detalhes a Linguini que se virou para trás para conferir o que era.
— Uau que linda! Pucca é você mesmo?! — Dada pergunto boquiaberto assim como Linguini, ambos estavam admirados com a beleza da garota.
— O que está acontecendo aqui? — Tio Dumpling apareceu com Ho e assim como Dada e Linguini eles ficaram boquiabertos.
— Mas é claro que sou eu rapazes. — Uma risadinha leve foi solta por Pucca. — Se me dão licença, eu tenho que ir, volto logo logo.
Ninguém ali a impediu, eles estavam surpresos de mais para tal ato, principalmente Dada que não controlou seu coração de disparar levemente.
Andando pelas ruas de Sooga, Pucca era olhada por todos que cruzavam seu caminho, boquiabertos e admirados. A garota muito gentil cumprimentava a todos com um lindo sorriso meigo. Ao longo do caminho Pucca escutou muitas coisas como: " os boatos são verdadeiros." Ou " que linda." E até algumas cantadas como " ei gata, Garu não te quis mais eu quero. " E para todos os cochichos escutados Pucca apenas ignorava.
Finalmente Pucca havia chegado ao seu destino. Ela deu três batidas na porta e aguardou por alguém.
" quem será dessa vez?" Garu se perguntou já enfrente a porta pronto para abri-la.
Um pequeno arregalar de olhos foi tudo que Pucca recebeu de Garu, e a muito custo a garota se manteu de pé.
— Eu vim lhe devolver essas coisas. — Pucca manteve seu olhar firme para Garu tentando o máximo possível não gaguejar e demonstrar seus sentimentos.
O garoto pegou a caixa com uma extrema facilidade facilitando sua visão de Pucca. Sua reação não apareceu.
O moreno já ia fechando a porta porém Pucca voltou a falar e ele por educação parou para escutá-la.
— Sabe Garu você me machucou muito. — Lágrimas já ameaçavam cair. — Mas eu não o culpo. Na verdade a única culpada nesta história sou eu, por achar que algum dia você iria me amar. — Uma solitária lágrima caiu. — sei que você não se importa mesmo, mas saiba você que eu nunca mais representarei o papel de trouxa que você me deu. — Com uma mão ela limpou a lágrima solitária que nem o seu coração.
— e antes de eu ir embora eu queria saber se: você algum dia já me amou?


Notas Finais


Esse saiu mais cedo em. Vocês notaram que a fic está de capa nova? Enton foi a @MySecretMy que fez pra mim, deem uma passadinha no perfil dela por mim.
Eu fiz uma one shot do nosso amada casal Pucca e Garu e queria que vocês descem uma lidinha rápida a one e curtinha.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...