História Águas de Março - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Sr. Gold (Rumplestiltskin)
Tags Emma Swan, Regina Mills, Swan Queen
Exibições 91
Palavras 998
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Hentai, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boas novas, pessoal: Capítulo para vocês!
Boa leitura, cravíneos!
Provavelmente vão ficar chateadíneos com Emmínea!

Capítulo 4 - Capítulo 4


>Regina

Eu teria uma consulta marcada hoje. Precisava acompanhar o desenvolvimento de Henry. Henry, como eu tinha tanta certeza de que é um menino? O meu filho está um pouco maior do que uma jujuba e eu já lhe dei um nome.

Passo mais algumas folhas do catálogo telefônico. Estava procurando algum médico para ir. Não podia me dar o luxo de esquecer-se do meu bebê. Finalmente achei um número com bastantes avaliações positivas. Peguei o meu iPhone recém comprado e liguei para o consultório.

Em pouco tempo consegui explicar toda a situação E a recepcionista prontamente me encaixou em um horário vago na agenda do Dr. Hoyer. Depois de encerrada a ligação, pesquisei por uma agência do meu banco pelas redondezas do shopping onde tinha ido com Swan e Alfred. Encontrei e finalmente poderia retirar meu dinheiro. Finalmente meus cartões e mais alguns documentos chegaram pelo correio hoje.

Levantei da cama e fui ao banheiro me preparar para sair. O único horário vago é daqui duas horas e eu preciso passar no banco e depois ir ao consultório.

>Autora.

Regina chegou ao shopping com a ajuda de Alfred. Ainda não tinha dinheiro para pagar um táxi e não quis pedir à Swan. Claro que não pediria!

Depois de caminhar por alguns metros para dentro do shopping, Regina encontrou a agência bancária e em pouco menos de meia hora estava saindo de lá com uma boa quantia dentro da bolsa.

Rumou à saída do shopping e finalmente pode pegar um táxi para o consultório.

...

Chegando ao consultório, Regina sentou-se em uma das confortáveis cadeiras da sala de espera. O local é aconchegante é várias gestantes também aguardavam para serem atendidas.

Enquanto corria os olhos pelo lugar, Regina reparou na quantidade de homens acompanhando suas esposas e se sentiu pequena por estar sozinha. Queria tanto que Emmett estivesse ali com ela. Respirou profundamente e ouviu seu nome ser chamado.

Prontamente a morena se levantou e seguiu a simpática jovem que lhe indicava o caminho até a sala do doutor.

Seguiram pelo corredor até estarem de frente a uma porta com a placa  "Anthony S. Hoyer"

A jovem abriu a porta e pediu que entrasse. Fez o que foi pedido e passou a última hora dentro da sala fazendo o pré-natal.

*-*

>Regina

Já estava de volta à mansão Swan, estava entrando pelo portão depois de ter que me identificar com um dos seguranças quando ouvi o ronco de uma moto.  Meu coração pareceu sair pela boca e por um momento pensei ser meu noivo. Virei na direção do ruído e vi aqueles olhos pela pequena área aberta do capacete. Meu coração foi na garganta e voltou, por mais um momento eu achei que fosse ele, contudo quando o capacete foi tirado e as madeixas enormes reveladas, soltei a respiração que estava guardando ao ver que não era ele. Era ela.

Virei o rosto e caminhei o mais rápido que consegui. As lágrimas já pulavam para fora do meu rosto e quando entrei no quarto e me joguei na cama, permiti que um grito abafado pelo travesseiro escapasse por entre meus lábios.

Passei um longo tempo chorando até que me perdi em um sono longo.

Duas semanas depois.

O tempo esfriou durante essas semanas. A neve já começava a dar sinais. Esse ano ela demorou mais do que o esperado. Normalmente neva de dezembro até março, contudo a neve começou em março. Observo os flocos caindo por todos os lados, cobrindo as rosas que estão mais vivas por conta do meu trabalho.

Vejo pela janela do quarto Emma Swan chegando. O seu carro para de um jeito um tanto quanto inusitado, o automóvel está atravessado, com o fundo para fora do local onde deveria estar estacionado. Segundos depois, Swan está correndo para fora do mesmo.

A corrida que Emma deu foi tão rápida que eu pensei que o mundo estava acabando e estava.

Minutos depois, a porta do quarto foi aberta com força. Swan pisou tão fundo em minha direção que o assombro foi inevitável.

― Quando você iria nos contar? ― Swan agarrou meu braço com força, a dor foi sentida imediatamente.

― Contar o que? Você está louca?! Me solte! ― Tentei puxar o meu braço do seu aperto e suas unhas arranharam com força meu antebraço. ― Olha o que você fez sua bruta maldita!

― Quando você contaria que está grávida?!

― Quem te disse isso? Está maluca?

― Não sei do que você está falando. Eu não estou grávida!

― O obstetra que você consultou é meu primo! Filho da irmã de papai. Por um acaso eu o encontrei na rua e ele me perguntou como minha mãe estava se sentindo sendo avó!

E logo depois me esclareceu a situação toda. ― Empalideci. Onde estava o sigilo entre médico e paciente? Agora tudo estava mais claro. Anthony S. Hoyer. S de Swan!

― O filho não é de Emmett.

― Você acha que eu sou tola?

Instintivamente coloquei uma mão sobre as marcas das unhas que Emma fez em mim.

― Eu não quis contar porque eu não quero que o meu filho tenha contato com vocês! Ele agora é só meu! ― Berrei contra Emma.

― Você quem se engana! Eu tenho o mesmo DNA que o meu irmão! Você querendo ou não, esse filho que você carrega é meu também e eu quero todos os direitos como mãe dele!

Me joguei sobre Emma e a soquei nos ombros enquanto berrava contra suas palavras. Gritei diversas vezes dizendo que o filho era meu e somente meu, mas Emma não pareceu se abater com minhas palavras. Agarrou-me pelos pulsos e parou meus ataques.

Só agora notei uma figura na porta. Margareth esteve ali o tempo inteiro.

― Eu tenho ao meu lado os melhores advogados desse país. Arrancarei esse filho de você. Meu Emmett iria querer que eu o criasse!

Emma finalmente me soltou e eu pude cair de joelhos no meio do quarto.


Notas Finais


O que Emma disse para Regina sobre o DNA e quanto a poder pedir a guarda do bebê saiu da minha cabeça. Pesquisei em vários sites e não encontrei muita coisa sobre então se for muita asneira, saibam que foi da minha imaginação.
Entãozíneo? Me façam parar com isso, socorríneo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...