História Ah coisas tão complicadas - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 27
Palavras 1.962
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 33 - Chapter 32


Fanfic / Fanfiction Ah coisas tão complicadas - Capítulo 33 - Chapter 32

Meu coração parou por segundos, minha cabeça rodava e eu o olha estática de olhos arregalados 

    -O-o que? 

 Vini: Por que você não me conto que eu tinha, tenho uma filha? 

 -Como você descobriu?

 Vini: Não importa como eu descobri Sarah, eu quero saber o por que? 

 -Porque você já tinha uma vida, estava na faculdade e uma criança iria mudar os seus planos, foi você que disse que não queria ter família agora, meu Deus, é uma criança Vinicius

 Vini: Mas não deixa de ser minha filha, eu mudava a minha opinião, assumia, sei lá, fazia algo, ela tem 5 anos e eu não tive nenhuma presença na vida dela... 

 -Desculpa, eu sei que você está chateado, eu estava nervosa, com medo e não pensei direito, quando te ligava você estava ocupado e da última vez que conversamos por mais de 4 min, você disse que tinha que sair, quando nos vimos pela a primeira vez, você estava namorando, você acha que eu ia ter coragem de chegar e falar "Oi Vinicius, você tem uma filha", Não me julgue, mas não consegui contar

 Vini: Sarah, eu entendo, mas você deveria ter me contado, foi estupidez achar que eu não aceitaria a Lunna, eu quero fazer parte da vida dela a partir de hoje, por favor não me prive disso, eu quero conhece-la, ouvir ela me chamar de pai 

-Eu não vou, me perdoe

 Vini: Tudo bem, você teve seus motivos pequena -ele me abraçou de lado e beijou o topo da minha cabeça. Ficamos olhando a Lunna correndo, quando vejo ela ir para o lado do balanço, me levantei com o Vinicius já em alerta, a Lunna foi pra parte de trás, o balanço com a criança subiu e se descesse a machucaria feio, Vinicius foi correndo até ela a pegando no colo e se jogando no chão, corri até o encontro deles é me ajoelhei onde a Lunna estava sentada

 -Você está bem meu amor? -Perguntei e ela assentiu

 Vini: O meu amor, tem que ter cuidado pequena

 Lunna: Desculpa papai -ele a abraçou e sorriu 

 -Vem, vamos pra casa, você se sujou -estiquei a mão e ela me olhou 

Lunna: Mamãe, posso ir com o papai?

 -Papai?

 Lunna: É, eu sei que o tio Vinicius é o meu papai, eu vi uma foto em que vocês estavam abraçados e sorrindo 

Vini: É meu amor, eu sou seu papai 

 Lunna: E onde você estava todo esse tempo? -A inocência e a tristeza foi possível perceber 

 Vini: Eu estava estudando 

 Lunna: Mas só quem estuda é criança, você não é mais criança

 -Meu amor - me ajoelhei e ela me olhou -não é preciso ser criança para estudar, tem vários adultos que estudam, eu fazia faculdade, eu também estudava Vini:É e quando você crescer, vai ter que continuar estudando até se formar

 Lunna: Eca! Quero não, é chato estudar -sorri com tamanha sinceridade e a abracei e o Vinicius deu um beijo na cabeça de cada uma 

 -Você pode ir sim com ele pequena -disse e ela sorriu, olhei para o Vinicius -Você trás ela daqui 30 min 

Vini: Tudo bem 

 -Ela é alérgica a lactose, e se ela quiser comer, compra um remédio, não dá mãos de um porque ela pode ter reação alérgica, normalmente o remédio faz efeito durante 3h, mas também não exagera no leite, se você achar algo que não tenha, compre, é mais fácil e menos... -Ia terminar de falar quando ele me interrompe com um beijo, um simples selar de lábios que desperto um turbilhão de sentimentos, um simples selinho demorado quando ele se sparou estava com um sorriso 

Vini:Não se preocupe, ela vai ficar bem

 -Você também, cuidado Vini: Eu vou, prometo

 -Tchau meu amor -dei um beijo nos seus cabelos e fui para o carro

 (...)

 Já se passaram uma semana desde que fomos para a chacara o Vinicius trouxe a Lunna meia hora depois, ele mora comigo a alguns dias, está a procura de algum emprego de meio período, me ajuda com a criação da Lunna, um verdadeiro pai Era por volta das 21:30 quando cheguei em casa, tinha um catálogo para reorganizar e isso ocupou muito do meu tempo, deixei minha bolsa e as chaves do carro em cima da mesa que tinha ao lado da porta, a cozinha estava escura e a sala só estava iluminada pela a TV mas não tinha ninguém, subi para o segundo andar, a porta do quarto da Lunna, me aproximei aos poucos e escutei a voz do Vinicius

 Vini: O príncipe colocou o sapatinho na Cinderela e quando ele viu que entro, a pediu em casamento e eles viveram felizes para sempre, fim 

 Lunna: Papai, quando você e a mamãe vai se casar?

 Vini: Quando eu pedir e ela aceitar, aí todos nós seremos uma família completa e viveremos felizes para sempre

 Lunna: Vai demorar muito? 

 Vini: Vai ser em breve meu amor, em breve... -dei dois toques na porta e coloquei metade do meu corpo pra dentro 

 -Olá meus amores 

 Lunna: Mamãe! Vem cá -adentrei o quarto rosa, com uma cama de solteiro grande no meio, uma cômoda marrom com um abajur de luz rosa e com desenhos de cavalos, as paredes desenhadas com unicórnio e o teto era um céu com estrelas, me sentei do outro lado na cama e a abracei de lado 

 -O que foi pequena? 

 Lunna: Mamãe, você e o papai um dia vão se casar?

 -Meu amor, isso é conversa de gente grande, talvez possamos, talvez não 

 Lunna: Ah 

 -Vamos dormir que amanhã você tem aula -Vinicius se levanto e eu a cobri, dando ambos um beijo na cabeça dela e desejando uma boa noite, deixei o quarto seguido do Vinicius 

 -Quer uma taça de vinho? 

 Vini: Eu aceito -abri a geladeira e peguei o vinho e no armário duas taças, me dirigi até o terraço, e ele me seguiu, lhe entreguei uma taça já com o vinho e comecei a beber 

 -Sabe, você ainda não me disse como descobriu sobre a Lunna

 Vini: O Leo me conto -disse coçando a nuca, dei um riso pequeno e uma golada do líquido do copo -achava que ela era do Lucas

 -Depois daquele dia, fiquei te esperando, achando que voltaria, e quando a gente conversou e você disse que estava ficando com uma garota, me obriguei a tentar te esquecer, foi aí que eu e o Lucas começamos a sair, ele é um amor de pessoa, legal, educado, simpático, bonito, muito bonito, inteligente e muitas outras coisas, ele até queria assumir a Lunna, colocar o seu sobrenome nela, só que eu disse que era melhor não, depois de um tempo terminamos lhe disse que não dava pra namorar alguém que considerava um irmão, ele intendeu e disse que se eu precisar ele estará lá, como amigo e como irmão, desde então não me envolvi com ninguém

 Vini: Eu sinto muito 

 -Não sinta 

 Vini: Hm... Bom, eu quero muito te beijar, deve ser efeito do álcool

 -Mal tem álcool isso

 Vini: Então o efeito é meu mesmo, eu tenho que dar voz aos meus desejos -ele deixou a taça de lado e se proximou, colocou uma das mãos na minha nuca e a outra permaneceu no chão, ele me beijou, um beijo calmo e sem pressa, mas que logo foi tomado por ardência e necessidade Deixei a taça de lado, e me sentei em seu colo, colocando uma perna de cada lado, ele passou a mão por dentro da minha camisa e as deixando na minha cintura onde alisava, com muito esforço separei nossos lábios

 -Vamos. Pro. Meu. Quarto -falei entre pausa absorvendo a sensação dos lábios dele no meu pescoço e a fricção entre nossas intimidades cobertas

 Vini: Claro -em um movimento rápido ele se levanto e me puxou para outro beijo, passei minhas pernas em volta da sua cintura e comigo em seu colo ele subiu as escadas a caminho do meu quarto. Assim que ele tranco a porta, me jogou com certa força em cima da cama fazendo com que eu soltasse um gemido baixo, ele subiu em cima de mim e começou a morder e mordiscar meu pescoço, inverti as posições agirá ficando por cima, retirei a minha e a sua camisa jogando em algum canto do quarto, beijei e mordisquei o lombo da sua orelha, logo passado pelo seu maxilar descendo pelo o seu pescoço, comecei a rebolar sobre o seu colo vendo ele jogar a cabeça para trás e gemer, desci os beijos para o seu peitoral, barriga e um pouco abaixo do umbigo, retirei suas calças vendo ele de box azul e o seu membro bem marcado, retirei aos poucos sua cueca vendo seu membro saltar para fora, dei um sorriso malicioso e me aproximei mais, o peguei em mãos em seguida fazendo movimentos lentos de vai e vem, o vi gemer mais e murmurar coisas sem anexo, beijei a cabeça vermelhinha, molha de pre-gozo, e fui descendo pela a extensão, voltei a dar atenção a glande que estava inchada, mordia de leve e dava beijos molhados 

 Vini: Porra Sarah! Anda logo com isso -implorou em quanto me via rodear com a língua aquela parte, quando ele jogou a cabeça para trás, o abocanhei, coloquei o que cabia dentro da boca e o resto masturbava, ele juntou meus cabelos fazendo um rabo de cavalo desajeitado assim começando a ditar os movimentos, o senti se aproximar do ápice, indo mais fundo que conseguia, então ele me afastou e me jogou na cama, retirou todas as minhas peças de roupas me deixando totalmente exposta, abriu minhas pernas então passou um dedo, agora era a minha vez de jogar a cabeça para traz, ele acariciava e beliscava minha intimidade, começou a provocar meu clitóris, soltei um gemido alto e arrastado quando senti ele me penetrar com os dedos 

 Vini: Shii baby, você não quer que a Lunna acorde -ele continuo me provocando e quando estava perto ele parou 

 -Ooh, por favor, me foda -implorei e o mesmo deu um sorriso malicioso 

Vini: O que você quer baby? -Pergunto ainda provocando lentamente 

-Que você me foda -falei arrastado  

Vini: Não entendi 

 -ME FODE COM FORÇA PORRA! 

Vini: Claro princesa -ele colocou uma camisinha em seu membro e me penetrou sem nenhum aviso, logo fez como pedido, sem delicadeza ou carinho, era com força e brutalidade, estocadas fundas e gostosas, escondi meu rosto no travesseiro e gemi, oh como gemi, gritava por mais, gemia como uma cadela no cio, uma verdadeira vadia. Ele tirou o travesseiro e disse que queria me escutar gemer seu nome enquanto me derramava em volta do seu pau, e foi o que eu fiz, assim que cheguei ao meu ápice, gritei o seu nome, sorte que foi abafado pela a sua mão que foi amanhã boca, algumas estocadas depois, ele urrou e jogou a cabeça para trás, gemendo o meu nome. Ele se retirou e jogou a camisinha fora, se deitou ao meu lado e me puxou para o seu peito 

 -Melhor tranza que já tive 

 Vini: Concordo

 -Precisamos repetir isso o mais rápido possível

 Vini: Amanhã, depois de deixar a Lunna na escola, antes de você ir trabalhar 

 -Vai demorar, que tal agora?

 Vini: Com certeza Ele subiu em cima de mim novamente e o segundo round começou

 Elise P.o.v

 Era de tarde, a Laura e a Lorena tinha acabado de chegar da escola, enquanto o Pietro estava na aula de boxe. Lorena foi correndo para a cozinha e Laura veio falar comigo 

Laura: Mamãe, eu fiz um novo amigo hoje, ele é muito legal 

 -Sério meu amor? Qual é o nome dele? 

 Laura: John, ele disse que te conhece e que quer te ver e finalmente acabar a com o que começou...


Notas Finais


:)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...