História Ainda bem que você existe. - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Bia, Castiel, Charlotte, Dajan, Dakota, Debrah, Dimitry, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Nina, Peggy, Personagens Originais, Priya, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Violette
Tags Amor Doce, Nathaniel
Exibições 28
Palavras 1.066
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ta aí mais um capitulo gente, espero que gostem e se emocionem bastante.

Capítulo 13 - Emoção


Fanfic / Fanfiction Ainda bem que você existe. - Capítulo 13 - Emoção

     Dentro da piscina eu não alcançava o chão, Nath segurava em minha cintura evitando que eu afundasse aqueles olhos âmbar da mesma cor que os meus me passavam tranquilidade e confiança, aos poucos eu fui perdendo o medo de afundar e ganhando autoestima para conseguir aprender a nadar, até o fim da aula eu consegui aprender a nadar, não sou uma profissional, mas o Nath conseguiu realizar a missão impossível:

     -Parabéns pelo sucesso na missão impossível soldado. 

     -Obrigada bela dama – nós demos risada – Sabia que você está me devendo uma coisa?

     -E o quê é?    

     -Na quadra você me disse que me dava mais um beijo daquele – fala fazendo biquinho, nós ainda estávamos dentro da água.

     -Ah é isso – mergulhei debaixo da água e nadei um pouco para trás me afastando dele.

     Ele mergulhou também me procurando, voltei à superfície e esperei ele voltar também, ele estava demorando um pouco, quando vou atrás dele de novo, ele sobe me surpreendendo, me levantado pela cintura, eu coloco minhas mãos em seu rosto e o beijo da mesma forma que o beijei enquanto estávamos na quadra:

     -Está pago.

     -Sim.

     Bate o sinal e nós vamos nos trocar para ir para as próximas aulas da tarde. Após todas as aulas eu subo para meu quarto e me deito um pouco para relaxar a mente, enquanto eu estou relaxando meu poder finalmente volta (caramba, a Melody colocou uma boa dose de mel naquela bebida), assim que recuperei meu poder de volta eu ouso ir até o quarto de Melody, já faz quase uma semana que eu ia falar a sério com ela e não consigo, ela me evita a todo custo, fui até a porta de seu quarto e bati:

     -Melody?

     -O quê você quer?

     -Posso entrar?

     -Não, fala logo o que você quer.

     -Eu queria falar com você, uma conversa séria, sem brigas.

     -Tá entra.

     -Licença – falo abrindo a porta – quarto bonito.

      -É você teria vindo aqui antes se não estivesse namorando.

      -Eu sei, eu quero pedir desculpas.

      -Já é tarde demais. Você não acha?

     -Nunca é tarde demais para se desculpar.

     -Tá, mas eu não te perdoo.

     -Tudo bem eu te entendo, você gosta de um garoto e sua amiga começa a namorar com ele.

     -Se é que você pode dizer amiga né.

     -Mas, eu sou sua amiga e você pode contar comigo para qualquer coisa, eu sei que isso não foi legal da minha parte, porém eu gosto muito do Nath e eu nunca gostei de ninguém como eu gosto dele, eu o amo. Você entende?

     -É claro que eu entendo, pois eu também o amo, mas eu o conheço há mais tempo e já faz mais de um ano que eu estou tentando algo com ele sem sucesso, daí você chega e em menos de uma semana vocês começam a namorar, vocês tinham acabado de se conhecer, você não entende meu lado – ela fala e eu ainda estou de pé na porta do quarto dela.

     -Eu posso sentar? – ela assentiu com a cabeça e eu fechei a porta me sentando – eu te entendo sim. Pode não parecer, mas eu entendo sim. Mas nós não começamos a namorar com apenas alguns dias depois de se conhecer. Para ser sincera eu já o conhecia fazia uma semana.

     -Como assim?

     -Uma semana antes de começar as aulas eu o conheci, eu estava no parque e desmaiei e por sorte minha ele estava passando por lá e me ajudou, foi nesse dia que nos conhecemos.

     -Mesmo assim foi pouco tempo, você não sabe o quanto eu batalhei, eu tentei várias coisas com ele, várias vezes e foi só você chegar que roubou o coração dele, você não imagina o ódio e a tristeza que me consumiu quando vocês começaram a namorar, eu fiquei muito mal.

     -Me desculpe. Eu não quero fazer ninguém sofrer e nem nada, mas eu não pude evitar, eu não escolhi gostar dele e também não foi escolha minha que ele goste de mim também; eu sinto muito, muito mesmo pelos seus sentimentos não terem sido correspondidos e os meus sim. Eu também sofro por pensar nisso, poxa nós somos amigas e eu fico realmente muito triste por ter te magoado, eu só não queria perder a sua amizade – meus olhos começam a encher de lagrimas – eu nunca tive amigos para ser sincera, eu sempre fui uma menina sozinha que ficava o dia todo em casa e não podia sair para lugar nenhum, eu na minha vida toda tive aulas particulares, meus professores que iam até minha casa para dar aula, eu sempre dei esse trabalho aos meus pais, eles pagavam caro para o meu ensino, pagavam caro em médicos, em consultas, em psicólogos, em psiquiatras; eu vim para esse internato por escolha, eu não aguentava mais ficar em casa, presa e sem conhecer ninguém.

     As lágrimas começaram a escorrer nos meus olhos e nos de Melody, ela estava chocada e não falava mais nada, então eu continuei.

     -Eu ainda dei sorte, aqui eu consegui fazer amigos, me dei bem com todos, eu quando cheguei não sabia como agir e nem o que fazer era a minha primeira vez, eu nunca tinha socializado com muitas pessoas... – desabei a chorar me lembrando de uns anos atrás umas meninas que me fizeram sofrer – me desculpe, eu vim me desculpar por tudo e acabei contando uma grande história sobre mim, se não quiser me perdoar eu vou entender.

     -Eu te perdoo Vitória, obrigada por me fazer entender e sinto muito, pois eu não sabia de tudo isso.

     -Então amigas?

     -Sim, amigas.

     Abraçamo-nos e eu sai do quarto e me deparei com Nathaniel indo até minha porta:

     -Nath? – eu o chamei enquanto fechava a porta do quarto de Melody, eu ainda estava chorando, com os olhos cheios de lagrimas.

     -Está tudo bem? Melody te fez algo?

     -Sim Nath, agora está tudo bem.

     -Por que está chorando amor?

     -Eu falei com Melody e me lembrei de umas coisas que aconteceram há alguns anos e acabei me emocionando... Pera... Você me chamou de amor?

     -Sim.

    Ele mal acabou de falar e eu o beijei andando para sair de frente do quarto da Melody, vai que ela resolve sair e nos vê.

     -Pelo visto você gostou – ele me disse sorrindo.

     -Muito.

     Nós fomos para o meu quarto e eu o contei sobre a conversa com a Melody, depois descemos para tomar café da tarde.


Notas Finais


Quero ver quem se emocionou, comenta lá. O que acham que vai acontecer no próximo capitulo? Comenta lá.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...