História Airplane - Capítulo 17


Escrita por: ~ e ~badblood_27

Postado
Categorias Girls' Generation
Personagens Hyoyeon, Jessica, Seohyun, Sooyoung, Sunny, Taeyeon, Tiffany, Yoona, Yuri
Tags Taeny, Yoonhyun, Yulsic
Exibições 253
Palavras 4.765
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente, então, eu sumi, eu sei, mas eu precisava de um tempo pra colocar minha cabeça no lugar... Muito obrigada pelos comentários no capítulo anterior, acabei não respondendo nenhum, mas saibam que cada pessoa que comentou me ajudou muito a passar pela crise terrível! Minha psicologa disse que eu preciso procurar apoio nas pessoas que gostam de mim e que estão sempre comigo, e, por incrível que pareça, essas pessoas são vocês, então eu só tenho ao que agradecer!
Agora, vamos ao que interessa, BOA LEITURA!!

Capítulo 17 - Job


Movi meu corpo, confusa, meus olhos indo para o rosto surpreso, mas animado de Yoona.

“Poderiam me explicar o que está acontecendo?” Perguntei na dúvida, olhando para Jessica que parecia pensativa, mas satisfeita.

“Oh, é uma longa história...” Jessica sussurrou olhando para Yoona que concordou, mas se levantou para cumprimentá-la e abraçar. Eu fiquei completamente intrigada, de todas as pessoas de Busan, para Jessica conhecer, ela já conhece Yoona. Loucura.

“Eu adoro longas histórias.” Falei soltando-me de Jessica e envolvendo Yoona em um abraço agradável, Seohyun se ergueu, me abraçando também e eu acenei.

“Eu também gostaria de saber dessa.” Seohyun sussurrou em apoio a minha idéia. Yoona sorriu um pouco e voltou a sentar ao lado de Seohyun, enquanto eu ajudei Jessica a se aconchegar e sentei ao seu lado, ficando de frente para Yoona e Seohyun e Jessica lateralmente.

“Bem, quando eu tive que começar a fazer meu curso de comissária em Busan, eu precisei de advogado na época, aconteceu alguns problemas com certos documentos meus, pela minha descendência americana. E Wendy me indicou ela, Wendy que era amiga dela, elas se conheciam há muito tempo, e ela me ajudou muito sobre aquilo, até hoje eu sou extremamente grata, foi aí que a nossa aproximação se deu certa, uma amiga, não tão próxima, mas que me ajudou muito quando eu precisei.” Jessica falou com um sorriso genuíno para Yoona que a olhava na mesma intensidade. Eu suspirei olhando para Seohyun que tinha um olhar profundo.

“Espere, vamos recapitular. Americana?” Perguntei arqueando a sobrancelha. Jessica me olhou atenta e abriu um sorriso enorme no rosto, eu até tive que prender a respiração, tamanha espontaneidade.

“Sim... Eu nunca contei?” Perguntou de maneira honesta. Eu neguei levemente com o rosto a olhando encantada.

“Há muitas coisas sobre você que eu ainda preciso descobrir, Senhorita Jung.” Sussurrei a olhando fascinada. Ela assentiu, corando um pouco com o meu olhar firme e pretensioso.

“Não vou negar, existe mesmo.” Respondeu levemente. Escutei o barulho de garganta sendo limpa, e virei meu rosto para encarar as duas mulheres na nossa mesa, ambas nos encaravam com uma expressão de curiosidade e malicia. Apertei o maxilar.

“Como estão?” Perguntei levemente mudando o rumo do assunto, já que percebi claramente os olhares de vários sentidos direcionados a nós duas. Seohyun umedeceu os lábios e mexeu com leveza nos cabelos castanhos escuro. Ela tinha os olhos marcados, com um batom em tom neutro de vermelho, sua beleza é uma daquelas diferentes, rara, talvez esse seja o diferencial dela no ramo. Ela é diferente, única.

“Bem, fiquei surpresa sobre a sua ligação e sobre as suas intenções, achei que aquele dia, no bar, você falou em tom de brincadeira, e não em algo sério e concreto.” Ela falou calmamente se aconchegando e me olhando firmemente. Os olhos escuros, quentes, ela engolia a alma também. Desconcertante em alguns pontos se fosse algo amoroso, mas não era, é algo mais firme, concreto, real. A firmeza do seu olhar era o que eu chamava de firmeza da verdade.

Apenas uma pessoa segura de si, de suas verdades, olha para outra pessoa dessa maneira, ela sabe o que fala e faz. Meu contato sempre foi com Yoona, desde a adolescência. Seohyun é uma grata surpresa nesse momento.

“Eu não minto, Seohyun, falei sério, você vai ser uma peça importante nessa nova onda de renovação da minha empresa. E antes que cite que eu estou lhe entregando uma colher de chá por ser amiga de Yoona, não, eu a escolhi por que vi o potencial, posso me enganar se mostrar mais tarde, mas isso é apenas uma possibilidade remota. Tenho certeza que cada pessoa nessa mesa caiu no seu olhar e compreendeu o porquê de eu escolher você.” Falei levemente cruzando as pernas, sentindo o olhar de Jessica em mim. Virei meu rosto para ela e ela arqueou a sobrancelha, surpresa, mas logo focou em Seohyun, que pareceu um pouco lisonjeada, mas manteve a postura. Claramente como previa.

Foquei meu olhar em Yoona, que me encarava com um sorriso torto nos lábios. Ela sabia que o que eu estava fazendo era o que eu sempre fazia, colocar a prova a minha verdade, na ponta da língua, como eu fazia com Jessica. Eu estava sendo honesta ao extremo, e eu sou exatamente assim, sem tirar nada. Deixei um sorriso pousar em meus lábios.

“Ela é sempre assim?” A voz aveludada de Seohyun sobressaiu, o olhar focado em Jessica. Eu arqueei a sobrancelha e virei meu rosto para Jessica que bufou um pouco.

“Totalmente, no começo eu achei que era tática para me seduzir, mas é real, ela é assim sempre, é autêntico. E eu concordo com ela.” Jessica sussurrou me fazendo sorrir abertamente. Pousei minha mão em seu ombro e apertei levemente em uma caricia. A senti pousar a mão sobre a minha e eu me senti protegida pela cumplicidade.

“Estamos certas, agora?” Perguntei. Seohyun cerrou o olhar mais sorriu e trocou um olhar com Yoona, longo, cheio de perguntas. Eu ainda não perguntei da relação que elas claramente aparentam ter, mas é química sobre química.

“Totalmente, mas o que planeja, como vai ser?” Ela perguntou interessada. Eu me senti animada.

“Oh, eu tenho algumas idéias, mas precisamos comer um pouco para entrarmos nesse tópico, certo? Apenas esperem Tiffany, minha parceira da empresa chegar, vocês vão adorá-la, e conhecê-la finalmente, pela primeira vez.” Falei educadamente animada.

“Ah, então finalmente vamos conhecer Tiffany... Que interessante.” Yoona falou desviando o olhar e sorrindo torto. Eu cerrei o olhar, petulante, como sempre.

“Ela também é morena?” Seohyun perguntou levemente.

“Sim...” Respondi vagamente.

“Baixa?”

“Também.” Afirmei.

“Usa alta costura e um óculos escuros de gatinho?” Perguntou intrigada. Eu franzi o cenho.

“Acho que sim, que tipo de perguntas são essas?” Perguntei confusa. Seohyun deu de ombros apontando para a esquerda.

“Acho que a nossa magnata acompanhante chegou.” Ela sussurrou. Eu segui seu aceno e sim. Tiffany estava caminhando lentamente a procura de nós. Óculos escuros ainda cobrindo-lhe os olhos e a bolsa em mãos.

“Ah, é essa mesma.” Confirmei me movendo para que ela avistasse a mim. Ela acenou discretamente e caminhou firmemente até nós, parecia avoada e apressada. Sorri, quando ela se aproximou da mesa e retirou os óculos nos olhando sentadas.

“Oh, desculpe a demora gente, o trânsito daqui não é dos melhores.” Ela pediu levemente. Eu revirei os olhos e ela se aproximou de Yoona e Seohyun que se levantaram para ela. Abraços e beijos trocados.

“Tiffany, essas são, Yoona e Seohyun, as amigas que falei.” Sussurrei enquanto Tiffany terminava de abraçar Yoona.

“É um prazer finalmente, depois de anos, conhecer vocês.” Tiffany falou dócil, daquela maneira afetiva dela. Jessica se ergueu educadamente abraçando Tiffany, esse abraço foi mais longo, elas aparentam se dar muito bem. Como tinha que ser.

“É ótimo te ver, mulher.” Ela sussurrou com intimidade controlada. Eu ri e a cumprimentei, logo ajudando a se acomodar ao meu lado enquanto eu me sentava de novo. Trocamos um olhar cúmplice e ela suspirou sorridente.

“Você tem uma cara diferente do que definem.” Yoona comentou para Tiffany. Eu a olhei surpresa, dessa eu não sabia.

“Tenho? Como assim?” Ela perguntou intrigada. Eu voltei a entrelaçar meus dedos nos de Jessica enquanto olhava a interação delas sem interferir.

“Yuri, eu sabia um pouco sobre, ela mudou bastante em alguns aspectos desde o colegial, mas é a mesma personalidade forte, firme, isso eu já sabia, agora você, principalmente em Busan, eu só ouvia boatos sobre, nunca concreto, alguns falavam que você é o lado dócil da Yuri, mais tranquila, outros diziam que era a que fazia acontecer e controlava a firmeza dela, outros citavam como incontestável, são muito comentadas na cidade.” Yoona falou, eu dei de ombros, não que nunca tivesse ouvido algo do tipo, me colocando como megera e Tiffany mais tranquila, era fato. Eu sou a bruxa má e ela a complacente. Mas chamar Tiffany de firme era novidade, acho que foi definitivamente a aposta mais certeira.

Não vamos dizer que Tiffany é como eu, não, ela é diferente, balanceada. Mas raramente perde alguma batalha verbal. Ela consegue ser mais firme do que eu, sem perder o tom e a aparência tranquila. Tiffany é incógnita, ela pode estar brava, morrendo dos nervos, mas ela sempre vai colocar um semblante calmo, uma voz firme, e vai manter a postura impenetrável de sanidade. Eu não sou assim.

Não sou descontrolada, mas eu não consigo mascarar. Se eu estou brava com você, por exemplo, pode ter certeza absoluta que a minha expressão, minha voz, e a minha postura completamente defensiva vai me entregar, não cito como desvantagem, é claro. Nesse aspecto eu digo que amedronto mais. Mesmo sabendo que eu e ela somos consideradas duas mulheres intimidantes, cada uma de sua maneira.

“Oh, e isso interferiu no seu julgamento inicial? Como me vê?” Tiffany perguntou levemente, seu olhar sagaz em Yoona.

“Eu vejo que é uma mistura, o contato inicial prova que a sua parceira de trabalho é uma rabugenta.” Yoona sussurrou olhando para mim e rindo. Eu cerrei o olhar.

“Impressionante a sua audácia...” Sibilei para Yoona e logo não consegui conter um sorriso. Ela deu uma piscadela e desviou o olhar. Eu movi o corpo para o lado encarando Jessica que tinha uma expressão indecifrável no rosto.

“O que?” Perguntei baixo, a olhando de perto, meus olhos encarando seus lábios.

“Você pode até não reparar, mas não é tudo isso de mal não.” Ela sussurrou me olhando firme, o olhar doce. Eu sorri lisonjeada.

“Obrigada...” Sussurrei aproximando dela de maneira inconsciente e beijando ela na bochecha firmemente. Sentir meus lábios em sua pele foi delicioso, e o cheiro dela invadindo minhas narinas me fez apertar os olhos. Até me afastar e voltar meu foco à mesa, Seohyun já entrava em uma conversa com Tiffany e Yoona, e nós duas entramos na conversa enquanto chamávamos o garçom para começar o nosso almoço.

Tiffany e Seohyun aparentaram ter mais afinidade instantânea, o que me surpreendeu, por que Tiffany é reservada quando quer, mas não foi esse o caso, elas trocaram assuntos rápidos, e logo entraram no trabalho, onde nós realmente queríamos.

“Eu conversei com Tiffany sobre a reformulação de comercial. Não sei se sabem, mas costumamos deixar o marketing em responsabilidade de cada sede. A daqui, nas mãos do setor de marketing da Ásia, a sede Italiana, nas mãos deles, e assim por diante. Eu tento pedir que deixem um formato parecido, mas não limito nada, confio nas equipes para fazer o melhor de acordo com o formato mais aceitável de cada País. Mas eu quero mudar isso um pouco. Posso citar um exemplo claro, a sede Brasileira, por exemplo. O marketing de lá é baseado em popularidade, colocar alguém conhecido apresentando o produto, ou em uma cena pequena, utilizando do produto, e as pessoas compram pela influência de quem está apresentando o produto. Pode parecer óbvio, e o formato mais aceitável, mas não é verdade. Mesmo sabendo que utilizar de gente famosa para divulgar um produto seja algo racional, já que aqui também fazemos isso, não me agrada mais está idéia, por isso estou querendo mudar o rumo, me indicaram não usar gente conhecida, apenas uma boa lábia. E eu também não quero fazer isso.” Falei calmamente, bebericando vez ou outra do vinho que o garçom havia nos servido. Tiffany estava calma, confirmava as minhas afirmações e vez ou outra eu buscava seu olhar para seguir com a nossa linha única de raciocínio.

“Não é querendo soar pessimista ou inferior, mas acha que eu tenho porte suficiente para sustentar essa posição?” Seohyun perguntou baixo, seu olhar firme em mim, ela estava fazendo uma pergunta sincera. Que eu vou responder de maneira sincera.

“Bem, eu posso enumerar de maneira fiel aos meus pensamentos, ou isso vai assustar?” Perguntei levemente tocando no material da taça. Ela apertou o maxilar e sem tirar o olhar de mim acenou positivamente, firme.

“Certo, olhe bem para você, eu sei que faz muito disso, mas olhe profundamente. Você é nova no ramo, faz sucesso em Busan já, local pelo qual mais me importa procurar foco, é a minha sede principal, onde eu me preocupo mais, onde mais eu quero agradar. Onde mais exijo, se conseguiu conquistar lá, o mundo é fácil para você. Segundo, por que eu, Yuri, vou ser estúpida e gastar dinheiro com gente famosa, cheia de luxos, de exigências, se eu posso utilizar alguém tão bom quanto? No mesmo nível, com uma visão de carreira brilhante? E terceiro, como alguém como você vai negar uma proposta dessas? Não me gabando, mas a minha empresa e de Tiffany vai abrir portas para você que sequer pode imaginar. Yoona pode ir lhe dando adeus, por que roubada da minha empresa que você não vai ser. E eu nem dou dois meses para sua ascensão. Confie em mim. Eu costumo saber o que estou falando.” Falei firmemente calma. Ela parecia ter sido derrubada da escada, tinha uma expressão meio chocada. Ri sozinha sentindo um cutucão de Tiffany.

“Ela é assim mesmo, vai lá no fundo e suga a cabeça das pessoas com a lábia dela, relaxe que eu cuido de você, estará em boas mãos.” Tiffany comentou com Seohyun que me olhou vez ou outra, ela parecia querer perguntar algo, mas deixou no ar, e eu fiquei tranquila me recostando, sentindo a mão de Jessica pousar em meu joelho. Ela estava calada, assim como Yoona, apenas observando a interação de nós três.

“É quase uma lavagem cerebral, mas verdade, até demais. Como consegue?” Seohyun falou olhando para Jessica. Eu arqueei a sobrancelha a olhando ficar sem graça e dar de ombros.

“Eu gosto.” Foi a única coisa que ela falou me fazendo engolir em seco. Desviei o olhar, me focando em Tiffany novamente, sentindo meu coração acelerar, não que eu estivesse precipitando, mas se ouvisse aquelas três palavras de Jessica, meu mundo partiria em dois. Falo sério.

“Estamos bem sobre as propostas, vai pensar? Tem dúvidas?” Tiffany perguntou a Seohyun que mexeu nos cabelos levemente, em sinal de pequena ansiedade e respirou fundo. E lá veio o olhar dourado brilhante para mim. Sabe o que eu vejo? Grande vontade de dar certo, enorme necessidade de ascensão, ambição, desafio. Não costumo deixar o amoroso, ou amizades afetarem meu julgamento profissional, mas essa mulher tem um tom que eu vejo como necessidade de jogar nos holofotes. Ela vai dar certo, eu assino embaixo. Ela é a minha aposta.

“Eu não tenho dúvidas sobre aceitar algo assim, há apenas aquelas pequenas inseguranças de uma mudança radical.” Ela falou calmamente, olhando de mim para Tiffany. Mordi o interior da minha bochecha e estalei a língua.

“Creio que já nasceu preparada para isso, só precisa apertar seu gatilho.” Comentei brevemente. Ela assentiu levemente. Tiffany me olhou.

“Sua honestidade um dia vai me matar.” Comentou me olhando torto. Revirei os olhos pegando na taça e levando aos lábios.

“Então agradeça, vai ser um ótimo motivo para morrer.” Sibilei rindo torto em tom de brincadeira. Ela negou rindo e focando em Seohyun que também tinha um leve sorriso nos lábios.

“Que mulher você se tornou hem...” Yoona comentou me olhando.

“Nós já falamos sobre isso, querida, não me venha jogar no foco da conversa, vamos comer e falar sobre besteiras agora. Já utilizei da minha cota profissional com vocês hoje.” Sibilei apertando o maxilar, tranquila.

“Fale sobre você Jessica, desde quando é sempre tão calada? Não lembro de ser assim sempre...” Yoona perguntou a olhando. Eu suspirei calmamente olhando para minha companheira ao meu lado.

“Oh não, estava apenas por fora do assunto profissional que realmente não cabe muito aos meus comentários. E sua memória sobre mim é das boas.” Ela falou calmamente, em seu tom rouco. Não que eu fosse uma mulher insegura antes, mas ter ela do meu lado melhorou muito disso, em um ponto que até eu me surpreendia. Ela me dá poder, mais do que já tive, ou tenho.

“Oh sim, fale sobre você, com o que trabalha?” Seohyun perguntou curiosa. Eu umedeci meus lábios, lá vem o assunto delicado.

“Eu sou aeromoça.” Respondeu dócil.

“Oh, que interessante, me conte, em qual setor? E para qual rota?”

“Sou da Korean Airlines, trabalho na primeira classe, e previamente com vôos para Busan, saindo daqui.” Jessica falou tranquila. Ela não parecia incomodada em falar sobre isso, Yoona parecia realmente interessada, mesmo sabendo muito sobre Jessica, o que me surpreendeu, mas estava animada, assim como todas da mesa.

“Ah, por que eu e Seohyun não vimos você no vôo para cá? Nós chegamos ontem pela primeira classe da Korean Airlines.” Yoona comentou curiosa.

“Oh, é por que eu subi uma função, vou pegar vôos para a Europa de agora em diante, foi realmente um acaso, se fosse dias atrás, consequentemente me veria trabalhando.” Ela comentou amistosa, o tom rouco, a tranquilidade, a mão pousando em mim.

"Está explicado então! Diga-me, o que acontece na primeira classe, fica na primeira classe?” Seohyun perguntou interrompendo a linha interna de Yoona e Jessica. Nessa eu tive que rir um pouco focando em Jessica.

“Oh não, isso é mais coisa de ficção, não é assim também...” Jessica respondeu.

“Hmmm, e vocês se conheceram como?” Yoona perguntou olhando entre nós duas. Parecia mais um inquérito do que qualquer coisa.

“No avião.” Comentei calma, bebendo mais.

“Que diferente... E foi instantâneo?” Perguntou. Eu revirei os olhos.

“Como vocês estão interessadas na minha vida amorosa hem?” Perguntei de maneira duvidosa, cerrando o olhar. Elas riram.

“Querida, estamos arranjando assunto, sua vez vai chegar para fazer perguntas.” Yoona falou dando uma piscadela. Oh, isso é bom, vou poder saber qual a real entre essas duas.

“Não e sim, Yuri consegue ser muito insistente quando ela quer...” Jessica comentou.

“Oh, eu sei disso, pode ter certeza que sei, sinto na pele, ela deve ter lhe ganhado pela insistência.” Seohyun comentou me fazendo rir um pouco, mas me sentindo ansiosa, sobre ouvir Jessica falar sobre mim pela primeira vez, e na minha frente.

“Inicialmente sim, mas, a insistência dela me fez a conhecer, e creio que isso mudou a minha visão. Ela podia ter desistido logo de cara, eu creio que não fui muito sociável.” Jessica sussurrou, o tom grave. Eu apertei o maxilar tentando conter o sorriso bobo.

“Impressionante...” Foi o único comentário de Yoona para aquilo. Tiffany me olhou, aquele tipo de olhar quando nós temos que fazer uma decisão importante dentro da sala de reuniões, e sequer precisamos levantar de nossas cadeiras e nos isolar, por que nós lemos o olhar uma da outra. Era como se ela estivesse me dizendo que estava orgulhosa de mim. Eu senti minha garganta secar e mordi meu lábio inferior.

Quando estava prestes a dizer algo, o garçom se aproximou de nós trazendo os nossos pedidos, salva novamente. As vezes eu fico impressionada com a minha sorte.

A refeição foi calma, algumas trocas de informações, provocações recorrentes entre eu e Yoona, o que claro, ocasionou na minha duvida do momento. E eu não sou do tipo que leva duvida para casa duas vezes.

“E vocês? O coração para por alguém?” Perguntei delicadamente terminando meu prato. Yoona pareceu entender o que eu queria. Mas ela usou daquilo para ferrar Seohyun, e não ela, o que eu achei mais como um teste interno entre as duas de afirmação, do que uma provocação.

“Parece reunião de casais em que Tiffany segura vela.” Seohyun sibilou focando novamente na comida. Direta, sem pestanejar. Jessica a olhava curiosa, enquanto eu ri levemente, tão fácil... Tiffany pareceu engasgar. Eu a olhei.

“Se for o caso... já estou terminando, pessoal.” Ela falou pegando a taça de água bebericando com firmeza. Eu ri mais.

“Não foi o que eu quis dizer. Só estou tentando deixar sua companheira de trabalho com vergonha.” Seohyun sibilou me olhando. Eu cerrei o olhar.

“Não tenho vergonha alguma, nem tente. Já suspeitava, só não queria voltar para casa com essa dúvida, como iria viver?” Sussurrei irônica. Seohyun negou o rosto me olhando com aquela expressão de “você realmente não existe”

“Posso dizer? Boa sorte para você, querida.” Seohyun falou encarando Jessica. Isso me fez rir mais.

“Ela vai precisar.” Provoquei bebendo mais do vinho.

“Ela fala assim, mas se derrete completamente.” Tiffany alfinetou. Eu fiquei calada. Era verdade, eu brincava, e provocava, mas aquela era eu. Quando eu amo, não há uma polegada minha sequer que fica de fora, eu fico completamente dentro, sem pés fora, sem dúvida.

Senti as mãos de Jessica me envolver e sua mão direita pousar em meu ombro esquerdo enquanto ela me envolvia em um abraço lateral, eu sorri a olhando.

“Oi...” Sussurrei a olhando de perto. Ela sorriu para mim e eu senti cada fibra minha feliz, aliviada. Se isso for um sonho, não me acorde. Ela está tão afetiva, tão doce. Pousei minha mão direita em suas costas ficando abraçada com ela enquanto olhava para Yoona e Seohyun que falavam sobre Busan e me davam as boas novas, era a maneira perfeita para terminarmos o nosso almoço.

E terminamos com a certeza de que Seohyun estava comigo agora. E demoraria a voltar à Busan, ela tem muito trabalho aqui agora.

-

Dirigi para o aeroporto com Jessica, era o primeiro vôo internacional dela, o que me deixava ansiosa e tensa, assim como penso que ela também.

“Seu uniforme mudou?” Perguntei casualmente enquanto dirigia pela via expressa que dava ligação lateral do aeroporto em Incheon.

“Sim, alguns detalhes na roupa. Mas a cor se mantém.” Ela comentou movendo a bolsa nas mãos tocando no zíper, deslizou a parte de cima do terninho de trabalho me mostrando. Alguns detalhes dourados foram inseridos, e a roupa parecia menor, mais colada ao corpo. Assenti, bonito, mal posso imaginar ela nisso.

“Vai se trocar no aeroporto mesmo? Certeza absoluta?” Perguntei duvidosa. Ela assentiu.

“Onde? Banheiro?” Perguntei preocupada com o que ela faria. Ela assentiu. Bufei.

“Desculpe sobre ter te atrasado, se não fosse nós, você teria ficado em casa mais tempo para se arrumar.” Falei com pesar. Ela revirou os olhos.

“Pare com isso, eu adorei ter almoçado com vocês, é lucro.” Elogiou.

“Eu então, nem posso falar muito, foi ótimo ver toda a interação.” Sussurrei agradecida. Ela me olhava dirigir.

Entrei no estacionamento e parei o carro em uma vaga livre próxima da entrada do aeroporto. Bufei olhando para fora do carro e virei meu rosto para a olhar.

“Saiba que eu não me sinto perfeitamente feliz sobre ter você longe, mas sinto-me feliz se souber que está feliz com essa decisão.” Falei honestamente a olhando. Ela sorriu levemente se aproximando de mim e tocando em meu rosto, o olhar segurando o meu, o polegar acariciando minha bochecha.

“Eu estou, obrigada por me apoiar, mesmo sabendo que me quer perto. Eu fico segura e feliz, e tudo vai dar certo.” Ela falou sorrindo abertamente, me esquentando. Aproximei dela roubando um beijo leve de seus lábios, caloroso. Pousei minha testa contra a sua tocando sobre sua mão em meu rosto.

“Eu vou com você, vamos lá, não quero te atrapalhar.” Pedi baixinho. Ela assentiu e me beijou levemente antes de se afastar e eu retirar a chaves do carro saindo rapidamente. Ela saiu no mesmo momento, fechando a porta, enquanto eu ativava o alarme do carro. E nós duas começamos a caminhar juntas para dentro do aeroporto. Abaixei o olhar e assobiei levemente para ela.

“Vem, tive uma idéia, não vou deixar você se trocar dentro de um banheiro de aeroporto.” Falei segurando levemente em seu pulso, ela não resistiu e apenas me seguiu. Eu solicitei a sala especial e rapidamente me auxiliaram para entrar com ela. Essa é a vantagem de se ter poder.

“Você exagera as vezes, sabia?” Ela falou quando eu fechei a porta atrás de nós. Eu revirei os olhos.

“Não mesmo, trocar de roupa em local público é uma das coisas que se eu puder, eu não vou permitir que faça, querida.” Falei cruzando os braços. Ela pousou a bolsa sobre o sofá e se virou de costas para mim mexendo nos cachos negros com calma enquanto os amarrava em um coque bagunçado. Apoiei minhas costas contra a porta e a olhei tocar nos botões do vestido na nuca. Desabotoou todos sem pedir sequer minha ajuda, eu continuei de braços cruzados a olhando.

Prendi a respiração quando ela moveu a alça do vestido e ele deslizou pelo seu corpo a deixando apenas de roupas intimas, que eram em um tom escuro de azul, rendado. Eu apertei o maxilar, a olhando, calada, sem mover uma polegada. Ela pousou o vestido sobre o sofá e pegou o uniforme de trabalho, colocando a saia e ajeitando na cintura, ficou perfeita, colada em suas pernas e em seu corpo.

Ela se virou para mim, me encarando, eu mantive meu olhar nela, esperando que terminasse. Ela puxou a blusa de algodão, colocando as mangas e ajeitando a gola.

“Quer ajuda com os botões?” Perguntei baixo. Ela ergueu o olhar me encarando e assentiu. Logo, eu tranquei a porta com um giro e caminhei para ela, me aproximando de seu corpo e puxando a blusa branca e os botões delicados. Não foquei nos botões, e sim mantive meu olhar em seu rosto, ela me olhava abotoar tudo com calma e maestria. O olhar firme em mim.

“Você é linda demais, por deus.” Sibilei como se fosse quase um xingamento. Ela não mudou a reação até meus dedos tocarem levemente na pele de seu pescoço e ela tremer levemente, não rompendo minha visão séria.

Terminei com a sua blusa e ela moveu puxando o terninho azul marinho sobre a blusa de algodão ajeitando firmemente e acenando para os botões. Eu a ajudei novamente abotoando todo o terninho. Até alisar para ajeitar nela e dar um passo atrás a olhando. Ela retirou os saltos negros da bolsa e colocou nos pés trocando os sapatos. Eu engoli em seco me afastando um pouco para dar espaço para ela se arrumar.

“Agora é a parte mais chata.” Ela brincou soltando os cabelos e os alisando com os dedos até puxar com firmeza os ajeitando em um coque perfeito, sem um fio sequer fora do lugar. Era muito tempo de prática para isso, tenho certeza. Eu olhava tudo com admiração não contida.

“Já posso ter inveja de quem vai para a Europa com uma aeromoça assim atendendo?” Perguntei fazendo careta. Ela revirou os olhos e eu apertei os lábios.

“Prometo que quando chegar eu fico com você.” Ela falou retocando a maquiagem com delicadeza, o olhar no pequeno espelho nos dedos.

“Isso é verdade? Se estiver tentando me iludir eu vou ficar extremamente brava Senhorita Jung.” Falei a olhando. Ela ergueu o olhar e riu.

“Falo sério, Senhorita Kwon. Me aguarde.” Ela falou séria voltando a passar seu batom. Eu respirei fundo me sentindo um pouco insegura, mas tentei não transparecer aquilo para ela, aquele sentimento ruim de proteja quem você ama, algo sempre pode acontecer. Aproximei dela lentamente a envolvi em um abraço firme, pousando meu rosto no vão de seu pescoço, respirando fundo.

“Volte para mim, logo.” Pedi baixo contra seu pescoço. Ela me envolveu com firmeza, os braços me apertando enquanto acariciava meus cabelos. Movi o corpo um pouco a deixando arrumar sua bolsa para que pudesse ir sem enrolar demais. Mesmo sentindo todas aquelas sensações confusas. Ela terminou de se arrumar e se virou para mim ajeitando a saia e bufando.

“Bom, eu tenho que ir.” Ela falou. Eu assenti e beijei seus lábios levemente, sem querer tirar seu batom, e ela pegou a bolsa.

“Vamos.” Liderei nossa saída da sala e caminhamos pelo aeroporto com calma.

“Eu vou te avisar, sério, se qualquer coisa acontecer, me ligue imediatamente, certo?” Pedi assim que aproximávamos mais do setor de companhias aéreas.

“Pare de falar assim, nada vai acontecer, foque nas suas coisas aqui, faça um bom comercial com Seohyun, e resolva as coisas com Tiffany, aproveite Yoona, saia, não fique em casa. Logo eu volto. Eu amei conhecê-las, e conhecer mais sobre sua vida.” Ela falou tocando em minha mão discretamente. Eu sorri e assenti.

“Faça uma boa viagem, querida, bom trabalho.” Desejei. Ela sorriu para mim e começou a caminhar mais firmemente para entrar na Korean Airlines com um sorriso no rosto. Colocou a boina sobre os cabelos finalizando o uniforme e pisou firme, segurando a bolsa na mão. Eu podia avistar o anel em sua mão, e sorri levemente, sabendo que onde ela estivesse, eu estaria com ela.

E lá se foi Jessica Jung, levando uma parte minha.


Notas Finais


MEU SENHOR
JESUS
MARIA
JOSÉ
E TODOS OS SANTOS
ESSE YulSic SÓ SABE F*DER COM MINHA VIDA!!
E AI GALERA, DEMOREI, MAS VALEU A PENA, NÃO VALEU?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...