História Airplanes - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Kris Wu
Personagens Kris Wu, Lay, Suho
Tags Krisho, Sukris
Visualizações 28
Palavras 3.880
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


desculpa a demora!!

Capítulo 2 - Segundo encontro


 

O chocolate quente esquentava seu corpo de dentro para fora, algo que era muito apreciado no frio que fazia. Olhou pela janela de vidro a alguns metros da mesa onde estava sentado e suspirou ao ver a neve cair e as pessoas andando apressadas com seus guarda-chuvas abertos – era inverno e a temperatura estava abaixo de zero. Voltou seu olhar para o garoto sentado a sua frente, que colocava mais açúcar em seu chocolate quente. Sorriu por um momento, sentindo seu coração ficar mais quente.

“Fanfan ge...” o garoto chamou, enquanto mexia a pequena colher de plástico na bebida “Você tem certeza de que é isso o que quer fazer?” seu tom era baixo e sério, seu rosto impassível enquanto usava sua língua materna.

Yifan suspirou outra vez.

“Eu quero, mas não sei se devo.” respondeu em inglês levantando os ombros por alguns segundos, suspirando antes de falar novamente a frase em chinês para que o outro pudesse entender.

“Porque não?”

“Eu não sei, Yixing...” balançou a cabeça “Eu não sei se ele me quer lá. Ou se ele ainda se lembra de mim.” outro suspiro “Foram poucos dias, nós mal nos conhecemos... Eu posso ter me apaixonado por ele assim fácil, mas será que ele sente o mesmo?”

“Você só vai descobrir se falar com ele, ge.” disse tentando não revirar os olhos “Se você quer mesmo saber a reação dele, não fale pra ele sobre seus planos, no dia que você pousar na Coreia você manda uma mensagem pedindo pra se encontrarem porque estão no mesmo país.” deu de ombros, tomando um longo gole de seu chocolate quente, sorrindo de forma contente ao colocar a xícara em seu pires.

“Eu não sei, Yixing...”

“Ge, se você quiser eu posso ir com você, mas tem que ser durante as minhas férias de verão. Não ficaria surpreso se você desse uma de covarde e desistisse de encontrar esse cara quando chegar na Coreia.”

“Sua fé em mim é brilhante.” Yifan fez uma careta, balançando a cabeça.

“Não, Fan ge, eu só sei como você é.”

 

 

 

 

 

 

“Como anda suas aulas de chinês?”

O jovem levantou o olhar com surpresa, sua boca parando de funcionar por um momento enquanto mastigava. Piscando rapidamente algumas vezes, acabou engolindo a comida que estava em sua boca, quase se engasgando quando desceu dolorosamente em sua garganta. Fechou o livro que estava na mesa ao lado de seu prato de comida e o afastou enquanto o outro ria de sua reação.

“O que você quer Jongdae.” murmurou em tom manhoso.

“Vim deixar o relatório da contabilidade que você pediu.” deu de ombros “Hyung você anda trabalhando demais esses últimos meses e ainda resolveu aprender chinês?” balançou a cabeça “Parece que você quer se matar de exaustão.”

“Não precisa se preocupar comigo, Jongdae-ah, eu sei me cuidar bem o suficiente para não ficar doente.” sorriu “Mas eu vou ter que ir para China no começo da primavera e preciso saber pelo menos o básico para não passar vergonha.”

Jongdae suspirou ao olhar seu irmão ajeitar os papéis em sua mesa.

“Tudo bem hyung, só não se esqueça da sua própria família, ok?”

Joonmyeon suspirou, fitando a porta fechada de seu escritório por onde seu irmão mais novo havia acabado de passar. Se recostou em sua cadeira e a girou para encarar a grande janela de vidro que dava para outro prédio espelhado, a neve caindo lentamente, quase dançando com o vento que a espalhava pelas ruas.

Lembrou-se do homem que conheceu alguns meses atrás em uma de suas viagens de negócio, seu sorriso fácil, sua voz grossa, seu jeito brincalhão e como ele não parava de falar quando se empolgava com alguma coisa. Sorriu com as lembranças, virando sua cadeira o suficiente para abrir uma de suas gavetas e tirar seu celular de lá, digitando uma rápida mensagem em um dos aplicativos que tinha em seu aparelho.

 

Queria estar em Paris agora...

 

Olhou para a mensagem com o mesmo sorriso, antes de desviar o olhar para sua mão. Seu sorriso diminuiu aos poucos até morrer, um suspiro pesado escapando de seus lábios.

 

 

 

 

 

 

Olhou para a tela de seu celular com um sorriso sonolento, havia acabado de acordar quando viu a mensagem que o outro lhe enviara algumas horas antes. Seu coração batia acelerado, um sentimento caloroso se alastrando por seu peito enquanto borboletas voavam livremente em seu estômago. Era um ótimo jeito de acordar e lidar com a manhã fria do inverno. Seu sorriso aumentou quando se deitou de costas na cama, jogando seus membros para os lados como se fosse uma estrela do mar enquanto se espreguiçava. Virou novamente na cama e começou a digitar uma mensagem de volta.

 

Bom dia Joonmyeon~

 

Bloqueou o celular e o apoiou em seu peito enquanto encarava o teto com uma expressão serena. Esperava que sua mensagem surtisse o mesmo efeito no coreano que a mensagem que havia recebido teve. Balançando a cabeça com seus pensamentos, bocejou e se levantou lentamente, calçando suas pantufas quentinhas, tinha trabalho lhe esperando em sua mesa no escritório.

 

 

 

 

 

 

Joonmyeon brincava com o anel em suas mãos, a bijuteria grande demais para seus pequenos dedos. O chinês nem percebera que havia esquecido um de seus anéis no quarto de hotel do outro quando passaram a noite juntos alguns meses antes. Sorriu com a lembrança. Preferiu não dizer ao outro, esperando que lhe perguntasse sobre o paradeiro do objeto, o que nunca aconteceu.

Uma memória, disse a si mesmo.

Algo para guardar e lembrar-se dos bons momentos de liberdade que passara ao lado do outro. Um sorriso triste brotou em seus lábios, levando o anel até eles e o beijando delicadamente.

“Yifan...” sussurrou.

Guardou (escondeu) o anel dentro de sua gaveta de relógios, o colocando debaixo do que menos usava, olhando ao redor do closet para ver se não havia alguém lhe observando, mesmo sabendo que estava sozinho em casa naquela noite.

 

 

 

 

 

 

Olhou para a bicicleta pintada de branco em um mural colorido, obviamente uma obra de arte urbana, e sorriu. Tirou o celular do bolso e abriu a câmera do aparelho, se afastando um pouco para poder fotografar o que via, apoiou seu copo descartável de café no chão ao lado de seu pé e mexeu o celular tentando encontrar um bom ângulo para a foto. Satisfeito com o resultado, pegou seu café e continuou sua caminhada, o sorriso nunca deixando seus lábios.

Alguns minutos depois, do outro lado do oceano, um coreano sorria com a mensagem que acabara de receber. A legenda era fofa, o outro dizendo que sentia sua falta e que aquela obra de arte o lembrou de quando passearam pela cidade luz fazendo turismo.

“Canadá parece ser tão legal...” murmurou, respondendo a mensagem rapidamente antes de desejar boa noite ao outro e desligar o aparelho.

“Canadá?”

“Sim...” respondeu com um sorriso.

“Bem, fica do lado dos Estados Unidos, então deve ser legal.”

O coreano suspirou.

 

 

 

 

 

 

[Joonmyeon]

O que você sente sobre mim?

[Yifan]

Como assim?

[Joonmyeon]

Só.. responda

[Yifan]

Eu gosto de você

[Joonmyeon]

E...?

[Yifan]

Eu realmente gosto de você...

Não como um amigo... entende?

Eu sino a sua falta, nunca imaginei que eu sentiria algo assim por alguém

Pelo menos não tão rápido hahaha

Uma semana...

Só demorei uma semana pra me apaixonar por você

Joonmyeon, eu gosto de você

[Joonmyeon]

Eu também gosto de você, Yifan

Uma semana foi tempo o suficiente para nós dois

 

 

 

 

 

 

“O que você acha de passar as férias no Canadá?”

“Por que você está tão obcecado com o Canadá, Joonmyeon?”

“Eu tenho um amigo que mora em Vancouver.”

“Que amigo? Eu conheço os seus amigos e todos eles moram aqui em Seoul.”

“Eu o conheci em uma das minhas viagens de negócios.”

“Oh.”

Silêncio.

“Tudo bem, então.”

“Quando você quer ir?”

“No Chuseok, por favor.”

 

 

 

 

 

 

Estava com as passagens em mãos, seu coração palpitava de nervoso. Olhou para os papéis em cima de sua mesa no escritório sem realmente enxergar. Estava fazendo isso. Nem conseguia acreditar que era real, que havia tomado uma decisão e iria correr atrás dela. Soltou um longo suspiro, se jogando contra a cadeira de couro preto, levando suas mãos para sua cabeça. Olhou para o teto e deixou que sua mente se esvaziasse, apenas deixando que a informação registrasse.

“Eu vou para a Coreia.” murmurou, fechando os olhos e sorrindo.

 

 

 

 

 

 

Faltavam dois meses para a viagem e Yifan já estava nervoso. Lavou sua mala cuidadosamente e começou a colocar algumas roupas dentro. Sem pensar duas vezes, acabou comprando algumas lembrancinhas turísticas de sua cidade e país para entregar ao coreano, que nem sonhava que estava indo ao seu encontro.

Toda vez que contava sobre isso para seu irmão por uma das várias ligações de vídeo que faziam, Yixing gargalhava e o chamava de exagerado, dizendo que estava mais animado para ver seu namoradinho do que estava quando fugiu da China depois do enterro do pai deles. Yifan riu, concordando.

“Fan ge, você não acha engraçado termos o mesmo nome? Yi? E nem foram seus pais que escolheram.” Yixing disse aleatoriamente “Porque minha mãe disse que você nasceu Jiaheng e quase todo mundo te chamou por esse nome aqui. E eu ainda era um bebê quando você mudou de nome.”

“Eu acho que é isso o que chamam de destino.” deu de ombros.

“O destino, então, sabia que a gente ia ser próximos?”

“Talvez?”

“Então foi o destino que fez você conhecer o Joonmyeon ge. E o destino que vai fazer vocês dois ficarem juntos.” sorriu contente com sua teoria.

Yifan o observou atentamente pela pequena tela de seu celular antes de abrir a boca.

“Você acredita nisso?” seu coração batia insistentemente em seu peito, o implorando para que acreditasse no que seu irmão dizia.

“Fanfan ge... Somos chineses, temos que acreditar um pouco em magia e destino, não acha?” riu.

O mais velho riu alto, levando sua mão livre para seu rosto, balançando a cabeça.

“Talvez você tenha razão.” assentiu.

 

 

 

 

 

 

Yifan e Yixing iriam se encontrar no aeroporto internacional de Incheon, seus voos tendo uma diferença de pouco mais de duas horas, e iriam pegar um taxi direto para o hotel onde ficariam em Seoul. A temperatura dentro do aeroporto estava agradável por causa do ar condicionado, mas o chinês sabia que do lado de fora estaria quente. Sentou-se em uma mesa pequena em um café perto da sala de desembarque, pedindo um sanduiche para comer e um café expresso.

Estava exausto da viagem, mesmo que tenha tomado remédio para dormir, parecia que ficara as doze horas de voo acordado. E mesmo com a escala no Japão, parecia que sua mão não conseguia parar de tremer por conta de seu medo. Por isso havia decidido seguir uma carreira que não o faria viajar muito longe.

Assentiu para o garçom que havia colocado seu pedido na mesa, seus dedos deslizando sobre a superfície macia da xícara de porcelana.

Levantou-se lentamente quando seu irmão se aproximara, o rosto alegre e excitado contrastando com a sua expressão séria e mal-humorada. O abraçou fortemente, quase jogando seu corpo em cima do outro de tão exausto que estava e feliz por ter dado tudo certo até o momento.

“Vamos começar a nossa aventura, Fan ge!” Yixing exclamou animadamente quando saíram do aeroporto a procura do ponto de táxi.

“Depois de dormir, por favor.” Yifan assentiu, arrastando sua mala pelo piso de concreto.

 

 

 

 

 

 

Joonmyeon estava finalizando um papel, pronto para voltar a sua casa depois de um dia puxado no trabalho, quando recebeu uma mensagem de texto de Yifan por um aplicativo que gostavam de usar. Deu de ombros, achando que era uma mensagem normal e voltou para o seu trabalho – queria muito chegar logo em casa para tomar um banho de água fria e se aconchegar no sofá para assistir o novo episódio do drama policial que acompanhava.

Salvando o documento terminado, Joonmyeon o enviou por email para seu chefe, mandando uma cópia para ouro email seu. Se espreguiçou um pouco na cadeira de rodinhas, girando um pouco seus ombros e os ouvindo estalar dolorosamente. Iria acabar precisando ir ao médico fazer fisioterapia de tanto tempo que passava digitando na frente do computador. Com um suspiro, pegou seu celular e abriu a mensagem que recebera.

 

[Yifan]

Estou em Seoul

Não estou brincando, eu estou mesmo em Seoul

Podemos nos ver?

 

Joonmyeon não podia acreditar no que estava lendo.

“Joonmyeon hyung! Vamos voltar juntos!” uma voz animada o chamou da porta de seu escritório “Hyung aconteceu alguma coisa? Você está pálido...”

“Jongdae-ah...”

 

 

 

 

 

 

“Ele visualizou e não respondeu.”

Yixing olhou para seu irmão mais velho com curiosidade.

“Por que ele não responderia?”

O mais novo revirou os olhos.

“Ele sempre responde...”

“Fan ge, ele deve estar ocupado, relaxa.”

“Mas...”

“Nada de ‘mas’, vamos sair e procurar um restaurante para jantar. Você dormiu a tarde inteira e não vi nada da cidade.”

“Ok...”

 

 

 

 

 

 

“O que eu respondo?!”

“Hyung, eu acho que você precisa se acalmar primeiro.” Jongdae colocou suas mãos no ombro do mais baixo, suas sobrancelhas franzidas em preocupação “Pergunte por que ele está aqui, o que ele está fazendo. Simples.”

“Não é tão simples assim e você sabe muito bem disso, Jongdae.”

“Só manda a mensagem.”

Joonmyeon hesitou um pouco antes de encarar a tela de seu celular em silêncio.

 

 

 

 

 

 

 

[Joonmyeon]

Você está aqui?????

Por que você está aqui??

Por que não avisou que viria????

 

“Ele respondeu!”

Yixing pegou o celular da mão do irmão antes que ele pudesse digitar uma resposta, lendo o que o outro havia lhe enviado.

“Pela quantidade de exclamações, acho que ele não te respondeu por que estava ocupado surtando.” riu “Deixa que eu respondo por você.”

“Com seu inglês ruim?”

“Cala a boca.”

 

[Yifan]

Férias

Vim com meu irmão

 

“Escrevi certo?” devolveu o aparelho para o mais velho.

“Impressionante.” assentiu.

“Meu cursinho é bom.” deu de ombros.

 

[Joonmyeon]

Oh...

Entendo

Você quer se encontrar comigo?

[Yifan]

Sim, quando você está livre?

[Joonmyeon]

Quando você chegou?

Podemos almoçar juntos amanhã?

[Yifan]

Hoje de manhã

Ok

Onde?

[Joonmyeon]

Por que não me avisou?

Eu vou te mandar a localização

Espero que não seja difícil de encontrar

É perto do meu trabalho

[Yifan]

Eu esqueci

E depois quis fazer surpresa

Qualquer coisa te mando uma mensagem se eu me perder

Até amanhã

[Joonmyeon]

Até~

 

 

 

 

 

 

Joonmyeon estava nervoso demais para se concentrar no trabalho naquela manhã. Seu coração parecia que não queria se acalmar, acelerando toda vez que lembrava do compromisso que havia marcado para o almoço. Yifan estava em seu país, ele iria se encontrar com Yifan depois de meses. Estava animado. E com medo. E se descobrissem sobre seu caso com o chinês? A Coreia não era a das mais tolerantes, muito menos seus pais aceitavam esse tipo de vida. Seu irmão era o único que sabia e assim continuaria.

Olhou para suas mãos e suspirou, sentindo-se culpado.

Mentir é ruim, pensou consigo mesmo, se odiando um pouco. Mas é que tenho que fazer.

 

 

 

 

 

 

Yifan estava sentado no pequeno café aconchegante em uma rua estreita com um café expresso a sua frente enquanto fazia anotações do texto que lia no próprio papel. Tentava não pensar no motivo de estar ali, não só naquele café como naquele país. Olhou para o relógio do celular e suspirou, Joonmyeon estava cinco minutos atrasado.

Virou a página e deu uma pausa, se recostando na cadeira e fechando seus olhos que ardiam por ficar tanto tempo sem piscar. Girou a cabeça de um lado para o outro, ouvindo e sentindo seu pescoço estalar. Estava tenso.

“Trabalhando?” veio uma voz masculina do outro lado da mesa, fazendo Yifan abrir os olhos.

“Joonmyeon?” chamou, como se estivesse incrédulo que o outro estivesse do outro lado da mesa.

“Em carne e osso.” riu “Olá, Yifan.” sorriu docemente.

“Oi.” sem perceber, estava sorrindo como um idiota, encarando o belo rosto do coreano que ficava cada vez mais sem graça, antes de piscar e voltar a si “E sim, estou trabalhando.”

“Acho que a gente nunca conversou sobre trabalho...” Joonmyeon comentou, apertando o botão no canto da mesa “Você trabalha com o que?”

“Livros.” sorriu.

O garçom chegou à mesa dos dois com um sorriso educado enquanto perguntava se estavam prontos para pedir. Joonmyeon logo falou o que queria, demonstrando que frequentava o café por tempo o suficiente para decorar o cardápio. Yifan pediu um dos pratos mais ocidentais que havia encontrado no meio dos típicos coreanos – uma tigela de salada.

“Como assim livros?”

“Eu trabalho em uma editora. Leio livros e decido se são bons o suficiente para serem impressos e vendidos em livrarias ou online.”

“Ah parece ser um trabalho interessante. O meu é bem mais chato.”

“E com o que você trabalha?”

Joonmyeon pareceu hesitar antes de responder “Sou gerente em uma empresa familiar que tem diversos negócios e preciso ficar viajando para monitorar as nossas franquias no exterior e fora da capital.”

“Parece cansativo.”

“E é.” assentiu.

Ficaram conversando trivialidades durante todo o almoço, o coreano perguntando o que o outro estava achando da capital e quanto tempo ele iria ficar. O chinês perguntava sobre sua vida, como estava desde que se viram pessoalmente, se gostava das fotos que enviava aleatoriamente. Yifan sorriu satisfeito quando o outro elogiou seu novo tom de cabelo – castanho escuro com um undercut. Não demorou muito para que o horário de almoço de Joonmyeon acabasse e ele tivesse que voltar para a empresa, hesitando antes de se despedir do outro.

Yifan o observou andar pela calçada cheia de pessoas apressadas, logo o perdendo em um mar de homens de terno.

Suspirou.

Por que Joonmyeon parecia tão distante?

 

 

 

 

 

 

“Ele deve ter se assustado com você aparecendo assim do nada na cidade dele.” Yixing comentou enquanto mexia em algo no seu notebook.

Yifan contemplou por um momento a resposta de seu irmão. Fazia sentido.

“O que você acha de ir a um show de kpop?”

“O que é isso?”

“Fanfan ge... Bem. Comprei nossos ingressos, no dia você descobre.”

 

 

 

 

 

 

“Eu estou fodido, Jongdae.”

“Como assim, hyung?”

“Ele está mais lindo do que nunca com esse cabelo novo... Como posso resistir?”

“Não é que você tenha resistido alguma vez com ele...” o mais novo deu de ombros, voltando sua atenção para o celular em suas mãos “Mas eu sei o que você quer dizer e, sim, meu irmãozinho querido, você está fodido.”

Joonmyeon grunhiu, afundando seu rosto na almofada que estava em suas mãos.

“O que eu faço?”

“Eu sinceramente não sei hyung, porque não estou e espero nunca estar na mesma situação que você. Mas olha pelo lado positivo, consegui três ingressos pro show que você queria ir.”

“Isso não é uma notícia muito boa no momento.” murmurou petulantemente.

“Você sabe muito bem o que eu penso sobre isso, hyung.”

“Que eu sou um covarde...”

Uma batida na porta.

“Joonmyeon?”

“Bem vindo de volta à vida real.” Jongdae murmurou baixinho.

 

 

 

 

 

 

Estava de noite, os dois andavam lado a lado no caminho de concreto no meio do parque com um nome que Yifan não conseguia pronunciar direito, por mais que Joonmyeon lhe ajudasse. Já era o terceiro encontro deles em solo coreano e ambos estavam contentes, mesmo que não pudessem ficar muito juntos em público. Conversavam sobre suas famílias, contando histórias engraçadas de infância.

“Suas fotos me fizeram ter vontade de passar férias no Canadá.” Joonmyeon comentou.

“É? Eu posso ser seu guia particular.”

Os dois riram.

“Ah, estamos chegando perto do estacionamento de novo...”

“O que acha de fazer uma loucura?”

“Loucura?”

“Me siga.”

 

 

 

 

 

 

Luzes coloridas batiam contra os corpos desnudos na cama redonda, o lençol fino de cetim estava jogado no chão junto com alguns travesseiros extras. Murmúrios, sussurros e gemidos ressoavam no cômodo.

Uma loucura, o coreano dissera.

Para Yifan aquilo era quase um sonho sendo realizado – estar nos braços de seu amante mais uma vez.

 

 

 

 

 

 

“Como você conseguiu esses ingressos, mesmo?”

“Uma menina tava vendendo na internet.”

“Oh.”

Os dois chineses estavam em pé na fila para entrar no estádio onde o show aconteceria, pareciam ser os únicos do sexo masculino ali e as fãs faziam questão de tirar foto e apontar, algumas até mesmo aproximando e puxando conversa.

Ouviram murmúrios de que havia outra dupla de irmãos mais para frente da fila e se sentiram curiosos. Yixing deixou o irmão para trás e foi passear pelo local, atento aos detalhes de onde estava para não se perder. Acabou achando a barraca onde os produtos oficiais estavam sendo vendidos e ficou por ali, observando tudo e acabando comprando dois fanlight depois de algum esforço para se comunicar com a pessoa sem saber coreano.

“Você está dando cem mil wons a mais.” alguém comentou em chinês ao seu lado.

“Cem mil?” olhou para as notas em sua mão e tirou uma delas, olhando para o homem ao seu lado, que assentiu, antes de entregar para a pessoa encarregada de receber o dinheiro “Obrigado. Seu sotaque é estranho, você é coreano?”

“Uh...” o olhou confuso por um momento antes de assentir “Sim, eu sou coreano. Kim Joonmyeon.” apontou para si mesmo.

“Kim Joonmyeon? Você não seria o namorado do meu irmão, seria?”

O coreano arregalou os olhos assustado, seu rosto ficando pálido por um momento.

“Eu sou Zhang Yixing, irmão do Wu Yifan.”

“Oh.”

“Joonmyeonnie você já comprou o que pedi?”

Yixing se virou para a mulher que colocava suas mãos ao redor do braço de Joonmyeon, não entendendo o que ela falava.

“Você fez um amigo?”

“Ele é irmão daquele meu amigo canadense que eu te falei.”

“Aquele que chegou de surpresa?”

“Sim. Ah... Zhang Yixing, essa é Jeon Chohee, minha... esposa...” sorriu sem graça.

“Esposa?”

“Onde esse seu amigo ta? Quero conhecê-lo.” Chohee comentou com um sorriso adorável.

“Você tem certeza?”

“Claro que sim.”

 

 

 

 

 

 

Yifan estava distraído enquanto ouvia a menina da sua frente lhe contar sobre o que já havia passado para ver a boyband ao vivo toda vez que faziam um show. Pensou consigo mesmo que era interessante o quanto essas garotas gastavam de tempo e dinheiro para apoiar aqueles cantores.

“Oh, não é seu irmão vindo ali?”

Virou para a direção que a garota apontava e sorriu ao ver seu irmão, porém sua expressão séria o alertou para o que estava por vir. Desviou um pouco o olhar e viu Joonmyeon caminhando ao lado dele, sua mão segurando a de uma garota que conversava animadamente com outro rapaz. Seu coração pareceu congelar no mesmo momento enquanto encarava aquela cena.

Não era possível.

“Fan ge.” Yixing o cumprimentou.

“Joonmyeon...” o chamou baixinho, fingindo surpresa por vê-lo para disfarçar seu nervosismo.

“Oi Yifan...”

“Você deve ser o amigo que o Joonmyeon fala tanto.” o rapaz sorriu, se curvando em uma reverência, seu inglês era bom apesar do sotaque “Sou o irmão mais novo dele, Kim Jongdae.”

“Prazer.” assentiu, forçando um sorriso.

“Yifan, essa é Chohee... Ela... Uh...”

“Ela é esposa dele. Eles são casados. Há mais de dois anos.” Yixing disse com uma voz doce, tentando não demonstrar sua raiva – a mulher era inocente e não sabia da traição do marido, não queria ser aquele que contaria a ela e muito menos em uma situação como aquela, em público.

“Esposa.” assentiu “Prazer em conhecê-la.”

Por fora dava seu sorriso mais charmoso. Por dentro seu coração se quebrava.

Era possível. Aconteceu.

 


Notas Finais


próximo capítulo talvez seja o último~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...