História Akai Ito - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Akai Ito, Dove Cameron, Michael Johnston, Sofia Carson, Thomas Doherty, Thomas Sangster, Troye Sivan
Visualizações 6
Palavras 3.376
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá a todos que estão acompanhando a fic.

Espero que estejam gostando do andamento dela e que estejam ansioso pelo rumo que ela irá tomar no futuro. Eu podia estar dormindo, podia estar saindo, podia estar vendo Shawn Mendes ao vivo no Rock In Rio, mas infelizmente a crise não me permite.

Que esse capítulo agrade a vocês da mesma forma que me agradou, é bom ter a companhia de vocês.

Capítulo 3 - The Adventure Began


Fanfic / Fanfiction Akai Ito - Capítulo 3 - The Adventure Began

London, UK~

 

Logo que acordei, desejei permanecer imóvel naquela cama o resto do dia do que ter que encarar o frio que martelava do outro lado da janela. O relógio marcava [08:40] da manhã enquanto levava as mãos aos olhos, esfregando em meu rosto enquanto me sentava na cama, balançando o cabelo enquanto terminava de acordar. Desviei o olhar até a janela, vendo o tradicional céu nublado cobrindo toda a cidade, com algumas gotas d’água escorrendo pequenas pela janela enquanto me levantava.

Em um pulo, fui até o banheiro fazendo minha higiene rapidamente enquanto voltava para o quarto, buscando alguma roupa quente e confortável. Vesti um moletom preto e justo, uma blusa fina e um casaco um pouco mais grosso que tinha conseguido trazer comigo, como o resto não coube na mala. Calcei um par de meias antes de sair do quarto, esfregando uma mão contra a outra enquanto fechava a porta, sentindo a maçaneta congelante dentro da minha mão.

Virei meu corpo rapidamente, chocando-me contra um corpo que vinha na direção contrária, fazendo com que o meu fosse levemente empurrado na direção da porta. Levei a mão a cabeça, coçando o local do impacto enquanto a pessoa na minha frente passou a mão sobre o peito, amenizando a dor do local.

- Bom – dia para você também, Elizabeth. – Alex estava com um casaco grande, além de uma calça preta cobrindo suas pernas.

O garoto riu, meio sem-graça enquanto eu sentia meu rosto arder levemente após aquela trombada enquanto ajeitava as mangas do casaco em meu pulso. O garoto me observava em silêncio, as mãos nos bolsos e os lábios levemente pressionados.

- Acordado a muito tempo? – Ele levou a mão até a nuca, coçando o local antes de responder à pergunta.

- Na verdade, sim. Fui no treino mais cedo hoje como combinamos todos de sair e voltei a alguns minutos. Só estava passando para acordar Thomas e estava vindo ver você já tinha acordado.

- Bom, foi meio difícil levantar com esse frio. Confesso que preferia ter ficado na cama. – Ri do meu próprio comentário, desviando o olhar por um instante. “Que bonito, ele vai pensar que eu sou uma folgada ou coisa do tipo. “

Ele deu uma risada, mantendo um sorriso que deixava seus dentes à mostra, enquanto percebi que estava um pouco encabulado. Era isso mesmo, ou eu que ainda estava delirando enquanto dormia?

- Então, eu presumo que ainda não tenha tomado café.

- Definitivamente não. -Ele sorriu, pegando o telefone e vendo alguma coisa na tela. Guardou o aparelho no bolso, voltando sua atenção a mim.

- Então, vamos? – Acenei com a cabeça, seguindo o garoto escada abaixo, chegando até a cozinha onde o garoto começou a verificar a geladeira e os armários, pegando algumas coisas.

Alex começou a colocar algumas coisas na bancada, começando a arrumar alguns produtos sobre a bancada, então me aproximei ao seu lado, ajeitando algumas coisas quando ele tirou as coisas da minha mão, enquanto olhava confusa para seu rosto.

- Hoje você não cozinha. -Disse ele, sem desviar a atenção do que fazia.

- Como assim? Eu não tenho problema em ajudar...

-Não precisa. -Interrompeu-me rapidamente, antes que pudesse terminar minha frase. – Você é nossa convidada.

Fiquei meio confusa com aquilo, indo até a cadeira na cabeceira da mesa e sentando-me de frente par ao garoto, vendo-o de costas enquanto arrumava as coisas na bancada a sua frente.

- Então é assim que os ingleses tratam seus convidados? -Perguntei, sorrindo enquanto ele desviava sua atenção até mim por alguns instantes.

- Na verdade, nem tanto. Os ingleses podem ser bem hospitaleiros, mas não deixam de ser bem reservado quanto algumas coisas. Esse é um costume que herdei dos meus avós, no tempo que morei com ele em Copenhague.

- E vai me dizer que foi você puxou toda essa maneira gentil de ser?

Ele me olhou, com um sorriso no rosto enquanto ria da minha pergunta, voltando a atenção à bancada. Ele continuou preparando as coisas, ajeitando em um pote enquanto eu observava seus movimentos.

- Por incrível que pareça, Thomas puxou bem mais o lado inglês do que eu, o mimo da mãe. -Ele riu do comentário, enquanto continuava a arrumar as tigelas na sua frente. – Eu acho que sou uma mistura dos dois, as vezes puxando para lá, outras para cá.

Acenei com a cabeça vendo o garoto retornando a mesa enquanto colocava uma tigela na minha frente, com cereais, frutas e um pouco de mel dentro. Ele deixou a colher do lado, enquanto colocava um bule no fogo e ia até a geladeira, pegando o vidro de leite e colocando ao meu lado, enquanto sentava na cadeira ao lado da mesa, comendo um pouco do conteúdo da tigela.

Estava meio sem – graça com tudo aquilo, mas peguei a colher e comecei a comer. Estava realmente bom, e por um momento cheguei a me lembrar dos cafés que tomava em casa, quando acordava cedo para arrumar Owen e ajudava minha mãe com o café pois ela tinha que sair cedo para conseguir ir até a feira e comprar os melhores ingredientes para o dia no restaurante. Meu pai quase sempre já tinha saído para o hospital, isso quando não aparecia correndo na cozinha enquanto arrumava uma xícara de café e se despedia de mim enquanto pegava um lanche que minha mãe deixava preparado.

Uma lágrima escorreu do meu rosto, limpando-a rapidamente com a mão antes que o garoto a percebesse, voltando a comer o cereal. Senti seus olhos sobre mim por alguns instantes, enquanto ele se levantava pegando a garrafa de leite com a mão.

- Pode deixar que eu levo. -Disse, direcionando minha mão até a garrafa quando vi o conteúdo virar sobre o casaco do garoto, a garrafa caindo novamente sobre a mesa enquanto o mesmo dava um passo apara trás, com o líquido branco encharcando metade do seu casaco.

-AH MEU DEUS ALEX, EU SINTO MUITO.

Minha cara caiu de uma altura de um metro direto no chão enquanto ficava em pé, pegando um pano do balcão e tentando secar o casaco do garoto. O mesmo freou meus movimentos, tirando o casaco pela cabeça e segurando-o em um dos braços.

- Não foi nada. Vou colocar para lavar enquanto você termina o café. Thomas já deve estar descendo.

O garoto se retirou da cozinha, deixando me em pé ao lado da pequena poça de leite no chão e a garrafa caída sobre a mesa. Sentei-me na cadeira novamente, sentindo o rosto arder enquanto segurava a colher com a mão. Ouvi um barulho vindo da escada, seguido por passos que vinham até a cozinha quando Thomas adentrou o local, se deparando com aquela pequena bagunça, intercalado seu olhar do chão para mim enquanto voltava a olhar para um ponto fixo à sua frente.

- Parece que o café aqui já começou animado. -Senti meu rosto arder um pouco mais enquanto o garoto ia até o bule no fogão, colocando o mesmo sobre a bancada enquanto pegava o café no armário.

- Foi um acidente, a culpa foi minha. Alex só foi colocar o casaco dele na lavadora e já volta.

O garoto preparou o café, servindo em uma xícara enquanto se sentava na cadeira ao meu lado, tomando um gole da forte bebida, cujo cheiro por um momento preencheu todo o cômodo.

- Como foi sua primeira noite longe de casa? - Perguntou, tomando mais um gole da bebida enquanto levava mais uma colher de cereais a boca.

- Fria. -Disse a primeira coisa que veio na minha cabeça, arrancando uma risada do garoto que deixou a xícara sobre a mesa.

- Você se acostuma. Pode parecer clichê porque já moro aqui a um certo tempo, mas logo você se adapta ao nosso “clima temperado”.

Sorri enquanto terminava de comer, afastando a tigela da minha frente, apoiando as mãos sobre a calça. O garoto desviou o olhar um tanto confuso até mim, abrindo um sorriso ao me ver encarando a peça de cerâmica à minha frente.

- Ele não deixou você fazer nada, não foi? -Meus olhos se voltaram ao garoto, me deparando com seu rosto enquanto olhava para ele confusa.

- Ele costuma fazer muito isso?

- Não tanto quanto antes. A última vez que me recordo foi durante um intercâmbio que fizemos nos Estados Unidos e ficamos em uma casa com dois garotos e três garotas, que estudavam na mesma escola que nós. A convivência lá era super de boa, nos dávamos bem com todos lá e o Thomas quase sempre acordava mais cedo e ajudava a adiantar o café.

- Parece ter sido uma experiência e tanto.

- E foi. Mais do que imaginávamos que poderia ser, na verdade.

Senti uma pequena alteração na sua voz e estava pronta para perguntar outra coisa quando Alex surgiu na porta, vestindo o mesmo casaco, agora limpo e seco. Ele se apoiou na lateral da porta, intercalando seu olhar entre nós dois enquanto cruzava os braços.

- Fazendo fofocas de mim logo cedo, irmão? Só coisas boas, espero.

- Como se tivesse restado algo de bom para dizer.

Alex entrou, dando um leve peteleco na cabeça do irmão enquanto pegava a garrafa caída ao meu lado, deixando-a sobre a bancada e voltando até a mesa, sentando sobre uma das cadeiras que havia lá.

- Então, o que você quer fazer primeiro hoje? – O garoto perguntou, enquanto olhava para os dois à minha frente, apoiando os braços sobre a mesa.

- Não sei. Surpreendam-me. -Disse, com um sorriso no rosto.

 

                                               ~

                Horas Depois     

 

Estava sentada ao lado de uma estátua, o corpo encolhido por dentro do casaco enquanto os pés balançavam sincronizados no ar, tentando manter as pernas aquecidas. Depois de um passeio pelo bairro em que os garotos moravam, nós fomos almoçar em um restaurante típico de Londres e ficamos caminhando pela cidade até pararmos para “respirar”.

 Os olhos percorriam a imensidão da Trafalgar Square e as pessoas que trafegavam por ali em todas as direções, algumas conversando enquanto caminhavam pela praça, turistas contemplando e tirando dezenas de fotos para guardar de recordações e alguns casais juntos na beirada da fonte, os dedos entrelaçados, a cabeça da garota descansando no ombro do rapaz enquanto ele rodeava sua cintura com o braço livre. Apertei os braços contra o corpo, tentando minimizar o calor enquanto me ajeitava sobre o frio mármore que se erguia sob mim.

Desviei o olhar para o lado, vendo os garotos se aproximando com copos nas mãos, enquanto conversavam um com o outro. Alex estava esbarrando no ombro do irmão, enquanto o outro ria, devolvendo o gesto com a mão livre enquanto vinham até onde eu estava. Apoiei os cotovelos sobre os joelhos, observando eles se aproximarem quando olharam para mim.

- O que foi? – Perguntei, curiosa enquanto eles se entreolhavam. Alex passou a língua pelos lábios enquanto Thomas passava a mão livre pela nuca. “Nada”, responderam em uníssono, mas não tinha me conformado com aquela resposta, mas apenas deixei para lá enquanto tentava ver o que tinha no copo.

- O que vocês foram buscar? Estou esperando aqui a séculos e vocês me abandonam aqui. Que bons anfitriões vocês são.

- Nós te convidamos, mas você mesma disse que não queria sair andando no frio. Não me culpe pelas suas ideias. -Disse Alex, erguendo os braços enquanto dava um sorriso.

Lancei um olhar mortal para ele, vendo Thomas rindo da situação enquanto tomava um gole da bebida em seu copo.

- Me ajuda a descer daqui, Alex. -Disse, vendo o garoto rir enquanto olhava para o meu rosto.

- Ué, se você deu conta de subir aí pode muito bem dar conta de descer. -Disse o garoto, em meio a risadas. Abri a boca, olhando para a cara dele enquanto Thomas apenas balançava a cabeça negativamente.

- Que belo cavalheiro é você, Alex. Desse jeito vai se dar muito bem com as garotas mesmo. -Comentou Thomas, enquanto observava a expressão no rosto do irmão.

O garoto mostrou a língua entre os dentes para o irmão, rindo depois do comentário. Senti um leve desconforto com aquela brincadeira, mas permaneci quieta apenas levantando meus braços e olhando para a cara do garoto, segurando os dois copos nas mãos.

Ele fez uma careta, entregando um copo para o irmão e deixando o outro apoiado na bancada ao lado enquanto suas mãos seguravam minha cintura. Pulei da bancada, sentindo suas mãos me segurando logo sobre o osso da minha cintura enquanto me colocava no chão rapidamente, fazendo minha cabeça dar uma batida no seu queixo. O garoto levou a mão ao local, reclamando enquanto dava um passo para trás.

- Auch! Mas você é bem delicada mesmo.

- Nem vem com gracinhas, Alex. Você bem que mereceu.

Fiz um biquinho, vendo o garoto passando a mão no local ainda com uma careta no rosto. Dei um passo na sua direção, dando um beijo na minha mão e colocando na sua bochecha. O garoto paralisado enquanto me olhava retirar a mão do seu rosto, sentindo a bochecha corar.

O garoto levou o dedo até o queixo e disse.

- Na verdade, você deu com a cabeça aqui.

Balancei a cabeça negativamente, empurrando seu corpo enquanto ria, virando de costas para ele, observando o movimento que estava tendo na praça. Vi um copo surgir ao meu lado, levando minha mão até ele enquanto virava meu corpo até a direção do garoto, que estava logo atrás de mim.

- Obrigada. – Levei o copo até a boca, sentindo o líquido quente escorrer pela minha garganta enquanto um leve arrepio descia pelo meu corpo, como se todos meus músculos se relaxassem ao mesmo tempo.

- Então, aonde vocês vão me levar hoje? – Alex olhou para Thomas, que se aproximou com o copo do irmão enquanto se entreolhavam.

- O que você acha de andarmos pela cidade de ônibus? Talvez seja bom relembrar algumas coisas da cidade. - Thomas comentou logo após tomar um gole do copo e jogar o mesmo em uma lixeira, assim como eu e Alex. Ele desviou o olhar para mim, como se esperasse alguma resposta e eu apenas acenei com a cabeça.

- Eu ia gostar muito. Vamos então?

 

                                       ~                                    

 

        O dia estava bem tranquilo, como era de costume naquele horário. Logo que acordamos, seguimos andando pela cidade para oferecer um pequeno “tour” de recordações à Elizabeth, já que as coisas mudaram bastante em mais de uma década na cidade. A garota também parecia um tanto abatida depois de passar a primeira das próximas noite fora de casa e perder as referências que tinha onde morava, então eu e Thomas decidimos oferecer uma boa distração para ela, de forma que se sinta confortável daqui em diante.

Seguíamos caminhando pela calçada praticamente vazia, com algumas correntes de ar atravessando nossos corpos. A garota ao meu lado andava um passo a cada minuto, tentando se esconder atrás do meu corpo para não ser atingida pelo vento que passava pela rua, enquanto Thomas seguia andando, enquanto desviava o olhar para nós algumas vezes.

- Desse jeito nós só vamos chegar lá à noite. -Comentou o garoto à frente. Acelerei o passo, sendo seguido pela garota que acabou me ultrapassando, assim como o garoto e escorando o corpo em uma cabine telefônica.

Aproximei de onde ela estava, enquanto Thomas ia comprando os ingressos para o passeio, apoiando meu ombro na parede.

- Você está praticamente em pânico. Parece que está fugindo da polícia ou algo do tipo.

- Hahaha, muito engraçado, Alex. Eu estou quase congelando aqui, praticamente não sinto os meus dedos.

Olhei para ela de cima a baixo, enquanto pensava em alguma coisa. Afastei-me da parede, tirando meu casaco enquanto ela me encarava como se estivesse vendo alguma insanidade enquanto entregava o casaco para ela.

- MAS O QUE VOCÊ TÁ FAZENDO, SEU LOUCO? VAI ACABAR CONGELANDO AQUI! – Disse a garota, tentando me devolver o casaco. Segurei seus braços, até que ela parou de “surtar, dando novamente o casaco para ela.

- Só usa ele e pronto, ok? -Ela abriu a boca como se fosse dizer algo, mas apenas se calou, vestindo o casaco e dando um pequeno sorriso.

- Obrigada, A. – Ela me abraçou, meio desajeitada com aquele casaco maior que ela cobrindo seu corpo. Retribuí o gesto, olhando para seu rosto e sorrindo quando a vi com o casaco.

- Você tá parecendo um smurf com esse casaco. -Disse sorrindo, enquanto ela me encarava com raiva, dando pequenos murros em mim.

- VOCÊ NÃO VALE NADA, ALEX. -Bloqueei seus movimentos com os braços enquanto ela cessava o pequeno ataque contra mim, cruzando os braços com um biquinho no rosto, enquanto tentava conter o sorriso.

Thomas se aproximou, olhando para nós e mostrando os ingressos.

- Vocês já querem ir ou preferem continuar se estapeando por aqui?

Dei um passo na sua direção, dando um peteleco na sua orelha, vendo o garoto tentar me afastar de si. Pegamos nossos ingressos e fomos em direção ao ônibus, prontos para começar o passeio.

 

                                       ~     

 

O ônibus estava um tanto vazio naquele dia, com apenas um pequeno grupo que tinha vindo do Brasil para conhecer a cidade e algumas pessoas que, como nós, estavam apenas passeando pela cidade e conhecendo algumas partes que ainda não tinham visto. Aquele passeio era sempre um dos mais procurados por turistas quando visitavam a cidade, pois você conheceria grande parte das atrações sem fazer muito esforço de locomoção e com um valor acessível a maioria.

Mesmo após ter reclamado tanto do frio e tudo mais, Liz insistiu para que subíssemos até o segundo andar, onde ficava a parte descoberta do ônibus e teríamos uma vista de 360º de tudo lá de cima. A garota seguiu até um dos assentos no final do ônibus tão próxima a beirada, enquanto olhava tudo ao seu redor que parecia estar prestes a cair a qualquer momento, que até tinha parecido se esquecer do frio que sentia a poucos momentos atrás.

Sentei-me ao seu lado, apenas observando a felicidade estampada em seu rosto ao observar tudo aqui de cima enquanto permanecia em silêncio, com as mãos no bolso. Thomas estava sentado no banco da frente, com o corpo levemente virado para nossa direção enquanto intercalava o olhar da garota até mim, em silêncio como eu estava no momento.

- Então, o que está achando? Muito diferente de treze anos atrás? – Perguntei, passando o braço por trás do seu corpo enquanto a garota intercalava sua atenção entre nós e a vista até que se ajeitou sobre o assento, as mãos sobre os joelhos enquanto arranhavam levemente a calça.

- É um pouco estranho, na verdade. -A garota rio espontaneamente, puxando uma mecha para trás da orelha. – Eu me lembro de várias coisas até, para ser sincera. Mas ainda é um pouco estranho.

- É só um terror de início porque chegou de mudança agora. -Comentou Thomas. – Já já você se acostuma.

Liz acenou com a cabeça, abrindo um sorriso discreto, apoiando seu ombro discretamente em meu braço. Senti um leve arrepio percorrer meu corpo, por baixo do fino casaco que cobria meus braços enquanto ajeitava minha postura ao seu lado.

- Você já me disse isso, Thomas. -Disse, escondendo o rosto da brisa que passou próxima a mim.

- E ele não estava mentindo. -Completei, enquanto seu rosto se virava na minha direção. – Aqui você não precisa ter nada a temer. Sempre vai ter alguém para poder contar, e se uma pessoa não fosse bastante, nós dois estamos aqui para o que você precisar.

Pude vê-la abrir um enorme sorriso, envolvendo-me com um de seus braços enquanto fazia o mesmo com meu irmão, que esticou um pouco mais de seu corpo para caber naquele “abraço”.

- Valeu gente. Vocês são incríveis.

Permanecemos assim por alguns instantes, antes dela nos liberar de seus braços, ajeitando o pequeno corpo sobre o assento ao meu lado. O céu sobre nossas cabeças escurecia rapidamente enquanto o ônibus retornava para o ponto de partida, finalizando o passeio.

-É, pelo visto a aventura acabou. Hora de irmos para casa. -Comentou Liz, escondendo as mãos embaixo dos braços.

- Não acabou não. -Seus olhos foram até os meus. -Está apenas começando.

 

                                       ~


Notas Finais


Não tenho muito a dizer aqui, apenas que espero que gostem do que estou fazendo.

A coisa que realmente me importa é fazer o melhor que posso a oferecer para todos vocês e eu torço para que esteja fazendo a coisa certa e que todos deem suas opiniões que são mais que bem - vindas, são pedidas.

Amo vocês, galera. Um beijo e um abraço para melhorar o dia.

Peace


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...