História Akai Ito - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga
Visualizações 21
Palavras 822
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi mores
eu disse q ia postar mesmo com a demora tamo aí né
boa leitura

Capítulo 30 - For the Love of a Daughter


Fanfic / Fanfiction Akai Ito - Capítulo 30 - For the Love of a Daughter

Hoseok estava deitado em minha cama, e eu, fazendo café. Nunca gostei muito de café, porém, Hoseok gostava, então, eu tive que fazer nesse dia.

Assim que o café ficou pronto, coloquei em uma xícara, a mesma que Hoseok me deu e colocou um dos papéis para o pedido de namoro, levei para o quarto com o máximo de cuidado para não derrubar nada.

Entreguei, cuidadosamente, pra ele, recebendo um agradecimento fofo e um beijo com gostinho de café. Só não falo que foi ruim pelo gosto, porque foi Hoseok que me deu.

Meu celular, com o toque irritantemente insuportável, tocava repetidamente. O peguei, sem paciência, atendendo a ligação.

Y: Alô?

Eu disse, sem paciência. Quem em pleno sábado de manhã me ligaria? Se não fosse uma emergência, eu explodiria.

D: Oi, Yumi. Aqui quem fala é seu pai, Daichi.

Ouvi a voz do meu pai que soava chorosa, ele parecia estar desesperado.

Y: Ah, bom dia, pai. O que houve?

Eu respondi, olhando pra Hoseok, que me encarava, parecia estar se perguntando o que estava acontecendo.

D: Sabe, eu não vim aqui pro Japão pra trabalhar, eu vim pra ver sua avó. Eu queria me reconciliar com ela para que você consiga se aproximar dela novo, sabe? Era uma surpresa.

Ele falou, sua voz parecia tão desesperada quanto antes. Eu sorri, imaginando o quanto seria bom rever minha avó.

Y: Ah, eu te amo muito. E aí, o que houve?

Eu respondi, enquanto Hoseok me fez experimentar um pouco de seu café. Eu realmente não gostava de café.

D: Vim até onde sempre foi sua casa, achando apenas minha tia, irmã dela. Yumi, sua avó faleceu. Lembra do seu acidente? Sua avó foi a mulher velha que morreu quando tentou desviar de você, acertando o poste.

Ele falou, e meu mundo caiu. Hoseok, que brincava com meu cabelo, me olhou, enquanto eu já estava aos prantos.

D: Eu sinto muito, Yumi. Eu sei que a culpa do acidente foi toda minha, eu te fiz passar por aquilo e fiz sua avó morrer, e você não tem noção do quanto isso me dói.

Ele disse, e eu comecei a sentir raiva, juntamente com a tristeza, e esses sentimentos juntos me fizeram chorar intensamente. Hoseok não entendia o que estava acontecendo, porém me abraçou, secando minhas lágrimas.

D: Yumi, fala comigo! Fujiwara, estou falando com você e você tem que responder.

Ele gritou, e eu afastei o celular de meus ouvidos. Eu só sabia chorar de tristeza e raiva, ao mesmo tempo.

Y: Pra quê? Pra agir pensando em você, de novo? Vou procurar a minha mãe, pedindo para que ela me deixe virar emancipada, e se ela não for de acordo, eu prefiro morar com ela do que viver com um egoísta como você.

Eu gritei de volta, desligando o celular. O joguei pra longe, provavelmente, fazendo uma rachadura na tela. Eu gritei de raiva, e Hoseok me olhou, assustado. Me joguei em seus braços, enquanto ele me abraçava forte.

Expliquei a ele tudo que havia acontecido, e ele ficou com mais raiva do meu pai ainda. Meu pai me mandou várias mensagens dizendo que estaria em casa amanhã para conversarmos, e eu não queria nunca mais vê-lo.

Hoseok insistiu para que eu ficasse em sua casa, pedindo ajuda em sua mãe e Jiwoo, que também insistiram para isso. Aos poucos, eu aceitei bem.

Arrumei todas as minhas coisas em malas gigantes, com a ajuda de Jiwoo e Hoseok. Deixei apenas uma carta, e fui para casa deles.

"Espero que tenha uma outra filha futuramente, e que não seja ruim com ela, ou, melhor ainda, não tenha ninguém. Você é egoísta e idiota demais pra ter qualquer vínculo com qualquer tipo de ser humano, só agora eu imagino o porquê de minha mãe ter te deixado há dezessete anos atrás."

Chegando na casa de Hoseok, fui bem recebida pela mãe dele, que estava elegante e bem arrumada, aparentemente, para sair.

Mandei uma mensagem pro Jin, explicando o que havia acontecido com meu pai e eu, e ele disse que passaria um tempo na casa do Yoongi, então que eu não precisava me preocupar.

Felizmente, eu tenho o Hoseok. Ele é tudo que eu tenho, mesmo. Provavelmente, se ele não estivesse comigo nessa situação, eu já teria enlouquecido e feito coisas incontroláveis, até mesmo suicidas.

A verdade é que toda dor, angústia, raiva, mesmo intensa, é diminuída quando você está com o amor da sua vida, e eu agradeço por essa pessoa ser o Hoseok.

Passamos o resto do dia em seu quarto, ele tentando me reanimar, dos jeitos mais idiotas até os mais bonitos, fazendo piadas sem graça e me dando carinho.

Não há sentimento grande o bastante pra definir o que eu sinto por ele. Acho que somos tão perfeitos um para o outro que criamos nosso próprio sentimento que é maior que todos os que todas as pessoas já sentiram.


Notas Finais


Até o próximo cap
kisses


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...