História Akai Ito - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Naruhina, Outros Casais, Personagens Originais, Sasusaku
Visualizações 36
Palavras 2.510
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Voltei rapidinho.

Peço desculpas por haver muitos passatempos, porém por enquanto é necessário, logo, logo irá terminar isso.

Boa leitura!

Capítulo 2 - O fio da ingenuidade...


Fanfic / Fanfiction Akai Ito - Capítulo 2 - O fio da ingenuidade...

~ Capítulo 2

          By: MegamiMel ~

Dizem que as crianças são a pureza do mundo. Por isso as cative, entregue-lhes todo o amor e mostre que também existe ódio em algum lugar, para que elas possam o vencer. Crianças que se transformarão em bons adultos, são aquelas que tiveram como criador, um adulto determinado a dar seu melhor. Oh, ensine a criança a ser criança, mesmo aos trinta... Não perca sua pureza, linda criança, linda pureza. Oh, não perca, seja criança...

— Nunca mais vou ver sua cara azeda. — A menina de cabelos rosas disse sorridente e então mostrou a língua para sua prima. 

— Oras sua... — Ino preparou-se para dar algumas tapas na menina, porém seu pai lhe puxou. — Papai, foi ela que começou, essa testuda feia! 

— Vocês vão sentir muita falta uma da outra, não é!? — O homem perguntou tristemente. 

— Eu não! — Afirmou Ino, rapidamente. — Por que sentiria falta dessa traidora que está me abandonado? — Os olhos azuis encheram-se de água. — Ela que vá pra São Paulo ou qualquer outro lugar. Agora não vou mais precisar limpar minhas bonecas, porque não haverá mais nenhuma testuda feia para sujá-las. — As lágrimas desciam pelo rosto redondo da menina. — Não quero que venha para meu aniversário de nove anos, não volte nunca mais, não, não, não! Não deixarei você pegar nem um pedaço do meu bolo de princesa. — Dito isso, a loira correu para sua casa e trancou-se em seu quarto. 

Sakura também chorava, então sua mãe lhe confortou dizendo que Ino poderia visitá-la nas férias. 

                           ⚫⚫⚫

Para Sakura, a grande São Paulo não parecia tão diferente do Rio de Janeiro, porém algo lhe entristecia, sua mãe dissera que ali não havia praias e ir para praia com Ino era sua diversão favorita. 

   Agora não há nem Ino, nem praia.

A pequena pensou, enquanto isso, olhava pela janela do carro os grandes prédios e a quantidade de pessoas nas ruas. 

⚫⚫⚫

Era um dia ensolarado e a pequena Haruno aproveitou para dar uma volta de bicicleta em sua nova rua, "Apenas até a esquina, não quebre a regra", a voz de sua mãe ecoava. Tudo bem para Sakura, ela nunca passava dos limites, porém ela queria ver o garoto de cabelos negros que morava na rua debaixo, ela sempre o observava, contudo ele nunca a notou. Seu nome era Sasuke, foi o que o amigo loiro dele disse, com a promessa de que não falaria que ela perguntou, "Eu não quebro promessas, tô certo!", foi o que o loirinho bonito disse e Sakura confiou nele. Nas três semanas que se passaram na nova cidade, Sakura todo dia via o garoto e ele nunca olhou para trás, nunca olhou para ela... 

"Como assim ele não nota uma garota de cabelo rosa?" 

Ela se perguntava enquanto pedalava de volta pra casa. Hoje Sasuke estava brincando - Ou se matando? - com Naruto, o loirinho lhe viu e mandou uma piscadela e Sasuke nada. 

— Será que sou invisível para ele? — Perguntou-se. — Quando completar doze anos e for estudar na sua escola, você com certeza vai me notar. — Então a menina sorriu, enquanto contava mentalmente quantos anos faltava até os doze. 

"Quatro anos." 

Ela contou feliz. Quando chegou no quintal de sua nova casa, jogou a bicicleta de qualquer jeito no gramado e entrou saltitante em casa, sentiu o cheiro de seu bolo favorito; cenoura com calda de chocolate, e saltou ainda mais até a cozinha. 

⚫⚫⚫

— Você não é mais a minha testuda. — Ino gritou. — Quem é você? 

Sakura tão pouco se importou com a gritaria de Ino, apenas olhou para as unhas bem lixadas e entrou em seu quarto. 

Dona Mebuki; mãe de Sakura, olhou triste para o comportamento da filha. 

— Acredito que São Paulo não fez bem a Sakura. — A mãe de Ino e irmã de Mebuki, disse. — Porque ela está assim? 

Ino apenas escutou a conversa da mãe e da tia, encolhida no sofá. Quando sua prima se mudou, a loira ficou realmente triste e gritou ao vento que não queria nunca mais vê-la, Ino se arrependeu daquilo assim que as palavras saíram de sua boca. Nas primeiras férias que passou na atual casa de Sakura; quatro anos atrás,  sua prima já estava meio distante, não queria nem brincar com ela, tudo que fazia era andar de bicicleta e ficar observando a casa de um garoto, garoto esse que até hoje, não conhece a existência de Sakura. Na segunda temporada de férias, Ino observou Sakura; durante todo o mês, observar o garoto de longe. Cansada de toda aquela observação unilateral, Ino resolveu que quando fosse pra terceira temporada de férias, faria alguma coisa e foi aí que tudo desandou. A Yamanaka foi conversar com o garoto e falou-lhe que havia uma garota que estava apaixonada por ele há anos. Sasuke em sua pior fase dos doze anos, apenas fingiu não escutar nada, então Ino lhe segurou pelos braços com raiva e o sacudiu, os dois caíram e rolaram pelo quintal do Uchiha. Para alguém que observava de longe, nem parecia que os dois brigavam, mais sim que eram um casal de adolescentes. Sakura; observadora determinada que havia se tornado, viu tudo de longe e tirou conclusões precipitadas. Desde aquele fatídico episódio, Sakura começou a odiar a prima, e a loira descobriu que a Haruno estava totalmente obcecada pelo garoto. 

Neste ano, Ino disse para si própria - Se olhando no espelho - que ou iria reatar sua amizade com Sakura ou então deixaria de vez. Como seus treze anos de idade, Ino era uma garota muito inteligente e educada e bastante determinada para conseguir o que quer. Por isso a loira tentou de várias formas conversar com a prima, porém Sakura parecia nem lhe notar, assim como a prima parecia invisível pro garoto da rua de baixo, Ino se transformou em transparente para Sakura também. Foi aí que a Yamanaka percebeu que apenas ela tinha consideração por aquela amizade e então desistiu. 

— Irei embora mais cedo este ano, comprei as passagens para hoje a noite. — Mag informou. — Parece que a amizade das nossas meninas realmente acabou. — Falou triste.  

Mebuki segurou as mãos da irmã, carinhosamente. 

A irmã mais velha apenas balançou a cabeça negativamente. 

— Ino me disse que nunca mais passaria as férias aqui. — Sussurrou baixinho. —  Ela não quer vir e Sakura não quer que ela venha. Vamos esperar elas fazerem isso sozinhas, ok!? 

— Ok! 

⚫⚫⚫

Sakura observou o relógio de pulseira rosa no pulso e saiu do quarto rapidamente. 

Ino; que estava no sofá, pronta para ir pra casa, observou a prima descer sair de seu quarto eufórica. A loira arrumou a coluna no sofá, sentindo seu coração pular de alegria e esperança, então rezou mentalmente:

 "Me peça desculpas, me peça desculpas, por favor." 

— Filha! Estou indo levar sua tia na rodoviária, você vem? 

Assim que Mebuki finalizou sua frase, a porta principal da casa foi aberta. Sakura passou rapidamente pelo cômodo e saiu da casa sem dar explicações. 

— Onde vai essa hora... Sakura! — Mebuki ainda tentou gritar, porém a garota já havia saído. 

— Vá atrás dela. — Mag pediu. 

— Ela foi pra casa de Shion, uma amiga dela. — A mulher suspirou pesadamente. — Ela vai lá toda noite, assim que voltarmos da rodoviária irei pegá-la. 

Mag olhou seriamente para a irmã mais nova e ficou incrédula com sua irresponsabilidade perante a filha de apenas doze anos. Ino, com seus treze anos, jamais faria aquilo. Olhou para Ino e percebeu não era o momento para falar sobre a responsabilidade - ou melhor, a falta dela - de Mebuki. 

⚫⚫⚫

— Naruto! — Sakura chamou pelo garoto, que foi rapidamente ao seu encontro. — Você, que nunca quebra promessas, realize o que me prometeu. — Ela mandou. 

— Claro, claro! — Ele sorriu. — Haverá uma condição... Já faz quatro anos que se falamos, você sabe meu nome e eu nunca soube o seu. Me diga seu nome. 

Sakura revirou os olhos. 

— Ok, ok, assim que me passar as informações, lhe direi meu nome. — Ela falou, ansiosa. 

— Bem... — Naruto resolveu ser direto. — Sasuke gosta de garotas com olhos claros, sabe, tipo, azuis... — Pensou um pouco. — E de cabelos longos e... Iguais o da falecida vó dele, negros ou meio que negros... E também gosta de... — O menino colocou as mãos retas abaixo do pescoço e fez uma grande curva até metade da barriga. — Ele gosta de garotas com peitos grandes. — Sussurrou baixinho, inocentemente. 

Sakura olhou para o próprio corpo e choramingou. 

"Acho que umas espumas podem ajudar."

— E o maior segredo de tudo é que ele gosta de garotas fortes e incríveis. — O loiro sussurrou novamente. 

— Fortes e incríveis... — A menina repetiu em um balbuciar. 

— Sim, sim! — Naruto afirmou com a cabeça. — Agora me diga seu nome. 

— Fortes e incríveis... — Sakura repetiu novamente, perdida em seus próprios pensamentos. 

A menina pegou a bicicleta, encostada em um arbusto, e pedalou determinada a ir até a casa de Shion. 

— Eii, Eiiiii. — Naruto gritou, observando a menina se afastar.

Ele merecia saber o nome dela, afinal sofrerá muito para perguntar os gostos do Uchiha e ele nem sequer o deu atenção. Por isso que Naruto resolveu ir pelo caminho mais fácil. Sua mãe lhe disse que todas as pessoas tem ao mesmo uma coisa em comum e como ele e Sasuke nunca tiveram nada em comum, acreditou então que o gosto para garotas deveria ser igual. 

 — Seu nome... Você prometeu. — Naruto terminou a frase com um suspiro.  

⚫⚫⚫

A grande cidade; sempre bem movimentada, estava ainda mais fervorosa hoje, afinal no primeiro dia de aula; na maioria das escolas paulistas, era evidente que o trânsito estaria caótico em plenas sete da manhã. 

A Haruno se olhou no espelho novamente e respirou fundo. Os cabelos, tingidos em um negro escuro, iam até abaixo da cintura. As lentes de contato azuis, pareciam pinicar seus olhos, porém ela já havia se acostumado a sensação. A maquiagem bem feita, deixava seu rosto ainda mais bonito. Seu corpo não era muito avantajado, porém estava ótimo para uma garota de sua idade, - quinze anos - afinal desde os doze, a Haruno entrou em uma dieta firme e até hoje seguia assim. 

— Linda! — Sakura disse para seu reflexo e deu uma voltinha segurando a barra da saia curta. — Hoje ele não escapa. — Sorriu debilmente. 

Pegou a mochila escolar e saiu do quarto. A mãe e o pai estavam tomando café da manhã. Sakura sequer olhou para eles, somente pegou uma maçã e partiu rumo a escola. 

Hizashi balançou a cabeça negativamente, percebendo que todos os conselhos dados para a filha na noite anterior, não surtiram efeito. 

— Será que está tarde demais para recuperarmos nossa menina? — Mebuki perguntou chorosa. 

A mulher sentiu-se inútil novamente, ela tentou, tentou e tentou fazer Sakura parar de agir erroneamente, porém parecia que a filha havia caído em um poço fundo, fundo demais para ela alcançar. 

— Nunca é tarde demais para passar conhecimentos aos filhos e ensiná-los o caminho certo. — Hizashi suspirou. — Me desculpe por ter sido um pai e marido pouco presente. — Baixou a cabeça, totalmente envergonhado. — Serei um homem melhor apartir de agora. — Prometeu. 

Mebuki não suportou as lágrimas, levantou-se da mesa, foi até o marido e o abraçou. 

— Me desculpe por jogar todas as responsabilidades da casa e da nossa filha para você. 

— Eu sempre fui fraca demais. — Ela confessou. — Agora, juntos, faremos tudo dar certo. 

⚫⚫⚫

Para Sakura, o dia não podia estar mais lindo. Ela cantarolava, enquanto seguia para a rua de Shion. Elas sempre iam e voltavam juntas do colégio. Quando chegou à casa dela, tocou a campainha e esperou, enquanto isso a vizinha ao lado saia de casa. 

— Hoje é o seu grande dia! — Shion afirmou, assim que viu a amiga. 

— Meu grande dia, aí amiga, tô tão nervosa. — De forma dramática, Sakura colocou a mão em frente ao coração. — Nem acredito que vou me declarar para ele. 

— Respira fundo e vai na fé. — Shion tentou ajudar a garota. — Você vai conseguir, afinal... — Ela olhou cúmplice para a amiga e as duas falaram em uníssono:

— Sakura Haruno, a garota determinada... — Uma pausa dramática. — Ela não vai desistir até conseguir! 

E as duas sorriram ao finalizar. 

— Me diga Haruno o que é que você quer. — Shion cantou, balançando a cabeça. 

— Não me pergunte essa bobagem, você já sabe o que é... — Sakura acompanhou com a música improvisada. — Eu quero é Sasuke Uchiha, Yeeee! 

— O coração de gelo... Hoje vou se derreter, derreter, derreter...

As duas continuaram cantando até chegarem ao portão do colégio e avistaram as duas maiores nerds da escola. 

— Olha só o que vejo. — Shion começou a provocação.

— A desarrumada gaguinha e outra que mesmo com maquiagem não tem jeito. — Sakura completou, percebendo que Karin usava um pouco de maquiagem. — Oh, veja isso Shion, a feiosa está usando maquiagem. — Apontou para o rosto da garota. 

Karin se encolheu assustada. 

Hinata, tentou puxar a amiga, porém Shion se colocou na frente delas, atrapalhando a passagem. 

— Não me diga que está tentando conquistar o Sasuke, não, será? — Shion gargalhou. 

Sakura deu um passo a frente e puxou os cabelos ruivos de Karin. 

— Você está ficando louca? — Sussurrou no ouvido dela. — Está tentando roubar o meu namorado? Hein? 

— Ele. — Karin respirou fundo, tentando conseguir coragem. — Ele não é seu! — Disse num rompante. — Ele te odeia!

Hinata tremeu ao escutar as palavras da amiga. 

Sakura ergueu a mão, pronta para desferir um tapa na ruiva. 

Karin fechou os olhos, esperando a dor da tapa, dor essa que não veio. 

— Não deixarei... — Hinata apertou o punho de Sakura com força, enquanto falava sem gaguejar e com determinação. Sim! A garota tremia muito, porém sua voz não demonstrou tal nervosismo. — Não deixarei bater em minha amiga. 

Sakura puxou a mão e Hinata esperou tudo acontecer, mesmo o que se sucedeu. Shion e Sakura apenas riram, tanto que a loira colocou a mão sobre a barriga, tentando recuperar o ar. 

— A gaguinha nem gaguejou dessa vez, que ousadia! — Shion afirmou, ainda sorrindo. — Não perca seu tempo com elas. Hoje é seu grande dia, vai que você quebra uma unha ao tapear essa ridícula. Venha, venha. — Puxou o braço fino de Sakura e entrou no colégio. 

— Deus me livre quebrar uma unha...

— Haruno! 

Sakura se sobressaltou ao escutar seu sobrenome ser chamado por aquela voz. 

— Sasukezinho meu amor. — A Haruno sentiu seu coração palpitar ao ver, pela primeira vez, Sasuke lhe olhar. — Você finalmente, finalmente... 

Oh, Sakura quase alcançou os céus quando o Uchiha colocou as mãos sobre seus ombros. Ela sorriu, todo o trabalho para pintar os cabelos mensalmente, o pinicado das lentes diários, as dietas e a academia, tudo que deixou de fazer por ele, finalmente seria recompensado. Ele estava ali... Pela primeira vez, Sasuke Uchiha viu Sakura Haruno.

"Me olhe Sasuke, me olhe." 

A ânsia de receber o primeiro beijo fez o corpo da menina tremer e o coração disparar. 

Ela molhou os lábios. 

"Me beije Sasuke, me beije." 

— Eu te... 

— Peça desculpas para a Karin... AGORA! —  E a voz de Sasuke saiu áspera e cortante. 

E as suposições de Sakura desmoronaram. 

Uma camada foi retirada... 

E o fio da ingenuidade se partiu..

Continua... 


Notas Finais


Gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...