História Akaibara 赤い薔薇 (Red Roses) - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 65
Palavras 1.047
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 10 - O início de uma longa viagem.


Fanfic / Fanfiction Akaibara 赤い薔薇 (Red Roses) - Capítulo 10 - O início de uma longa viagem.

Não faltava muito para o sol se pôr com maestria, um dos mais bonitos pôr do sol.

Pudera, era verão, minha estação do ano favorita. Quando eu dizia que minha estação do ano favorita era o verão, diziam que era porque eu tinha um coração bom e quente.

"Hanyu Nowaki é um garoto muito educado e gentil. Um príncipe." Era o que todos diziam.

E foi uma surpresa para todos que eu me tornei um general do exército.

Mas só fiz isso para proteger minha família. Coisa que, infelizmente, não deu certo e eu a perdi inteira, de uma vez, numa noite cálida em que minha irmã mais velha havia me escondido dentro de um cesto num fundo falso do armário. Eu tinha dez anos.

Caminhei até meu quarto, arrumando uma duas pequenas bolsas com tudo que eu achei necessário levar.

Voltei à cozinha, fazendo pequenos bolinhos de arroz recheados com carne de porco.

Um odor bom subia à casa toda quando a carne se fritava sobre a grelha de pedra e, talvez por conta do cheiro, vi Yuki se aproximar da porta com um sorriso doce.

Caminhou ao meu encontro e me beijou delicadamente.

-O cheiro está ótimo... O que está fazendo? - me perguntou.

-Onigiri... - Sorri. -Recheado com carne de porco.

-Hm... Pode por alga? - Ele deu um sorriso pedinte.

-Será que eu posso? Não sei... - Fiz uma cara de dúvida, forçada.

-E o que eu deveria fazer para ter meu pedido atendido? - Brincou.

-Um beijo... Um beijo de amor. - Brinquei.

Yuki riu baixo e breve, abraçando-me o pescoço e beijando meu pescoço, meu maxilar e minha bochecha, logo, meus lábios.

Yuki mostrava uma delicadeza que era praticamente inexistente antes e eu me sentia especial por ele abrir suas portas para mim, para eu acessar seu sentimentos e fazê-lo feliz.

Segurei sua cintura com firmeza porém logo nos separamos, quando dei um pequeno beijo na ponta de seu nariz.

-Termine de arrumar suas coisas, ok? Irei terminar por aqui... - Disse, baixo.

Yuki apenas assentiu, e não nos demoramos muito, já estávamos saindo.

Me preocupava deixar Shuuji, meu antigo empregado, à cuidar da casa. Eu não sabia se alguém poderia invadí-la ao me procurar, novamente.

Me preocupava também algum perseguidor nos encontrar durante algum ponto da estrada. A viagem era algo arriscado, que apenas aceitei por Yuki, para ficarmos mais íntimos.

Balancei minha cabeça levemente, afastando as hipóteses amedrontadoras e dolorosas, encarando Yuki-kun, que dormia com a cabeça deitada sobre minhas pernas, naquela carruagem escura e fria.

O vidro estava meio aberto e o boi que a puxava fazia menção de parar em determinado momento.

Estávamos andando por horas, o animal merecia um descanso.

O cocheiro abriu uma pequena janela em minha frente, me encarando e logo dizendo:

-Tudo bem se pararmos por algum momento? Ele está cansado e está ficando meio tarde...

-Claro. - Dei um sorriso adocicado. -Não acha mais prudente pararmos num lugar mais seguro? Fora da estrada?

O cocheiro assentiu, fechando a pequena janela retangular e voltando à andar, dessa vez para uma clareira. Havia um som de queda de água e pequenos grous, como se saudassem nossa entrada.

Passaríamos a noite ali.

E quando paramos, pude ver Yuki se despertar aos poucos, coçando os olhos e me encarando, sonolento.

-Já chegamos...? - Sua voz estava embargada.

-Ainda não... - Acariciei sua nuca e beijei sua testa levemente, sorrindo fraco. -Vamos passar algumas horas aqui... Pode sair, se quiser, estamos numa clareira... Está com fome?

Yuki riu baixo e beijou minha orelha, mordiscando e brincando com meu lóbulo.

-Você se preocupa demais, sabia...? - Levou a mão até meu peito e o acariciou, até meu abdome e meu membro, o apertando com a mão cheia. -Não quer relaxar um pouco, não...?

Lhe lancei um sorriso provocante, acariciando seu rosto e o beijando profundamente, acariciando suas costas, pescoço e braços.

Abaixava seu yukata, de forma a deixar seu tronco nu. Beijei seu pescoço e o lambia com fervor, com sofreguidão, com necessidade.

Yuki subiu ao meu colo, porém, nesse momento, o cocheiro bateu a abriu a porta da carruagem.

O rosto de Yuki queimou em vergonha, enquanto saía do meu colo e eu me recompunha, mantendo uma expressão natural.

-Tem uma fonte termal aqui... - O cocheiro dizia. -Acabei de sair de lá, a água está ótima para que tomem um banho.

-Ah, claro. Obrigado. - Sorri. -Vamos lá, não vamos, Yuki-kun?

-Separadamente? - Yuki perguntou, envergonhado.

-Juntos, Yuki-kun, juntos... - Eu acariciei sua nuca.

Descemos da carruagem, a grama estava seca, o céu estava escuro e havia um insistente e acolhedor choro de cigarras.

Abri o maleiro, buscando duas toalhas, yukatas limpos e uma sacola de papel, e logo fechei o compartimento, voltando para o cocheiro, que estava em seu assento costumeiro, abrindo um obento e comendo arroz com omeletes e sopa miso.

-É só seguir por aquela pequena trilha. - O cocheiro apontava um caminho. -Tem uma pedra grande, é só dar a volta nela e estará na fonte.

Eu agradeci fazendo uma pequena referência e um sorriso, segurando a mão de Yuki e seguindo pela pequena trilha.

Era escura e cheia de folhas pelo chão, com alguns pequenos insetos, como grilos, cigarras e besouros.

Estava inegavelmente escura, senti Yuki se apertar um pouco ao meu corpo e eu lacei sua cintura com o braço, beijando o topo de sua cabeça.

Então, ao ver a pedra, um clarão se abria, a luz forte da lua, vagalumes e as estrelas iluminavam a pedra e a fonte, que não era muito grande e um pouco funda, com a água fumegante e totalmente limpa.

|Yuki|

Despi-me de meu yukata até os cotovelos, que foi quando senti a presença de Nowaki atrás de mim, segurando minha cintura e levando os lábios até o meu pescoço.

Minha cabeça pendeu um pouco para o lado, eu fechei os olhos e suspirei, num momento de prazer.

-Podemos continuar o que começamos na carruagem, o que acha...? - Nowaki sussurrou.

Eu sorri, me virando de frente para ele e o beijando, abraçando seu pescoço e me deleitando em Nowaki, em tudo que ele me dava de si.

Então, me dei conta.

Seria aqui e agora, que eu teria Nowaki em perfeita união comigo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...