História Alejate de Mi - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias MasterChef Brasil
Personagens Henrique Fogaça, Paola Carosella
Tags Henrique Fogaça, Masterchef Brasil, Paola Carosella
Visualizações 143
Palavras 2.038
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Heeeellooo !! Obrigada a todas que comentaram, espero que gostem desse capítulo! Bjss 😚🌚

Capítulo 4 - Você Me Causa Algo



Henrique após sair do quarto de Luxury encaminhou-se direto para saída onde encontraria Patrício, ao chegar ao local esperou mais alguns minutos e logo o amigo apareceu animado.

- E aí ? Como foi ? - o amigo indagou um tanto eufórico 

- Foi ótimo.- ele tentou transparecer um pouco de animação, mas sem sucesso.

- Só isso ? Só isso que vai dizer depois de ter transado com a mulher mais cara da boate? - Patrício questionou um tanto quanto "revoltado"

- Patrício, foi ótimo, ela é maravilhosa, realmente, tudo aquilo que falam é verdade.- inventou.- Agora podemos ir ? Temos que trabalhar amanhã.- olhou o relógio que já marcavam 04:00 da manhã.- Ou melhor, temos que trabalhar daqui a pouco.- concluiu e o amigo assentiu.

[...]


O dia clareou rapidamente e Henrique quase não dormiu, já estava se vestindo para sair de casa e enquanto ajeitava sua gravata de frente ao espelho, se lembrou de Paola, se lembrou da beleza encantadora e da voz fascinante que ela tinha, se lembrou do corpo bem desenhado e da pele branca.

Seu celular tocou e ele logo despertou de seus pensamentos balançando a cabeça como quem quisesse espantá-los.

O homem dirigiu-se ao escritório, e ao chegar logo foi abordado por sua secretária Carine.

- Bom dia sr. Henrique, aqui estão os relatórios que me pediu.- entregou os papéis nas mãos de Henrique.- E o senhor tem uma reunião com alguns fornecedores daqui a 1 hora.- avisou e ele assentiu.

- Obrigado Carine, avise ao Patrício também, ele sempre esquece as reuniões.- pediu já em frente a porta de sua sala.

- Sim senhor.- ela disse e viu o homem bater a porta da sala.- Esse homem ainda vai ser meu.- ela falou para si com um sorriso nada amigável.

Henrique agora se mantinha concentrado em seus relatórios, ou pelo menos tentava, sua cabeça vagava ainda pela noite anterior, não entendia o porque de se sentir tão balançado e atraído por aquela mulher, sequer se lembrava da última vez que havia se sentido assim, ele batia a caneta na mesa e os pés no chão no mesmo ritmo.

- O que essa mulher fez meu Deus ? - indagou para si ou para Deus, não sabia ao certo.

Tentou se concentrar mais uma vez, mas dessa vez fora interrompido por Patrício que entrou na sala.

- Bom dia parceiro.- cumprimentou e se sentou na cadeira a frente dele.

- Bom dia, espero que já esteja tudo pronto pra reunião.- o tatuado falou.

- Está tudo pronto chefão.- falou e viu o amigo se distrair.- Henrique ? - chamou.- Fogaça porra ! - gritou e o amigo se assustou.- Acorda, o que aconteceu ? - indagou.

- Não houve nada, não aconteceu nada.- ele falou rapidamente.

- Sei, te conheço desde pequeno jovem, o que que tá pegando ? - inquiriu.

- Eu não paro de pensar naquela mulher, é louco, eu só a vi uma vez, e ela não sai da minha cabeça.- informou e o amigo já estava de olhos arregalados.

- Você está apaixonado ? Por uma garota de programa ainda por cima ? - expressou-se e Henrique não gostou muito da última frase dita pelo amigo.

- Quem disse que eu estou apaixonado ? E algum problema ela ser garota de programa ? Você mesmo adora aquele lugar, e sempre transa com a mesma mulher, aquela tal de Ana, não sou eu que pareço estar apaixonado.- articulou e Patrício não tinha resposta.

- É diferente, ela me satisfaz, e gosto de me relacionar sexualmente com ela, talvez até goste dela mesmo, mas eu já vou lá há muito tempo, você foi ontem e já está com os 4 pneus arriados pela morena.- falou em tom de zoação e Henrique quis enforcar o homem.

- Você é um idiota, eu só achei ela uma mulher bonita e atraente...

- E gostosa.- interrompeu o amigo que bufou.

- Me poupe dos seus comentários maldosos.- o empresário proferiu fazendo Patrício sorrir disfarçadamente.

- Desculpa, não falo mais da sua garota.- debochou e Henrique revirou os olhos.

- Ela não é minha garota, quer saber, você é um babaca, eu não sei como ainda sou seu amigo.- disse irritado e Pato gargalhou.- Vamos logo pra essa maldita reunião.- falou e saiu da sala seguido do amigo.

[...]


Já se passavam das 10:00 da manhã quando Paola despertou em seu quarto, se levantou e foi direto para o banheiro, fez sua higiene matinal e em seguida entrou no banho, após algum tempo, saiu do chuveiro e se enrolou em seu roupão, enrolou seus cabelos numa toalha e voltou para sua cama, não havia muitas coisas para fazer lá, elas não tinham telefone, apenas uma televisão, saíam da boate apenas uma vez por mês apenas para comprar roupas, poucas mulheres que trabalhavam ali tinham família, as poucas que tinham saíam apenas um final de semana para visitar os familiares. 

Paola tinha 18 anos quando chegou naquele lugar, Henrico acreditou que ela seria a melhor garota de sua boate, e ela foi, seu pai Ernesto era amigo de Henrico na Argentina, porém a amizade se desfez quando Ernesto se endividou por conta do vício em jogos e bebidas, Henrico não o perdoou e não esqueceu sua dívida e Paola era sua única forma de pagamento, já que o pai nunca se importou com a jovem Henrico a trouxe para o Brasil e Paola nunca mais foi a mesma.

A morena folheava uma revista quando se surpreendeu ao ver uma matéria sobre Henrique, o mesmo homem do dia anterior, ela sorriu, sorriu ao lembrá-lo, ao lembrar de como ele era insistente e curioso, lembrou de como se sentiu perto dele e não soube explicar o motivo, nunca havia sentido nada parecido, com seus clientes era só sexo, apenas, nada mais, porém com ele não houve sexo, houve conversa, desabafo e talvez tenha sido isso que  tivesse a tocado tanto, mas não podia negar para si como ele era de fato bonito e atraente, ali na revista de terno e gravata, bem mais formal, não parecia em um milímetro o homem que havia conhecido na noite anterior, tirando a feição brava, essa sim parecia a do mesmo homem e novamente ela sorriu.

- Paola ! - Ana Paula entrou apressada no quarto da amiga que se assustou.

- Que sustou Ana, o que houve ? - indagou preocupada.

- Nada, vim saber como estava e te contar sobre ontem.- a morena mais baixa disse animada e se sentou de frente para a amiga.- Que isso ? - olhou pra revista vendo a matéria que a argentina lia alguns minutos antes.

- Uma revista, esse cara veio ontem aqui, ele que pagou por toda a noite, quer dizer, o amigo dele pagou.- ela falou pra amiga.

- Ele é o melhor amigo do Patrício.- a amiga falou.

- Seu Patrício ? - Paola indagou e Ana assentiu.

- Me conta, como foi ? Ele parece ser ótimo na cama.- ela disse com um sorriso safado e Paola não gostou muito do comentário.

- Foi ótimo, ele é realmente muito bom de cama.- mentiu.- E como foi com Patrício ?

- Foi ótimo, ele é tão maravilhoso, eu acho que estou apaixonada amiga.- ela revelou e Paola arregalou os olhos.

- Aninha...

- Eu já sei o que você vai dizer, mas ele é diferente Paola, e você sabe.- declarou sorrindo fraco.

- Eu só não quero que saia magoada, só quero o melhor pra você.- disse segurando a mão da amiga.

- Eu sei, vai ficar tudo bem.- assegurou a amiga que assentiu.

As duas foram interrompidas quando alguém abriu a porta.

- Ana Paula, está na hora de limpar a boate, só falta você.- a mulher loira com uma cara nada boa chamou a morena que assentiu.

- Volto mais tarde ok ? - avisou a amiga que concordou.

- Vamos querida ? - Ana Paula sinalizou com deboche para a loira que revirou os olhos quando a mais baixa passou por ela.

- Queria entender porque o Henrico te dá toda essa mordomia.- a loira indagou entrando no quarto quando ficou a sós com Paola que não entendeu a pergunta.

- Pergunta pra ele, você não está acostumada a satisfazer as vontades dele ? Talvez ele possa te responder.- respondeu irônica ainda olhando para a mulher.- Sai do meu quarto por favor.- pediu educadamente.

- Você não merece esse título de melhor garota da boate, isso vai acabar Luxury, tenha certeza.- soltou um tanto irritada.

- Tá me ameaçando Karina ? - questionou e se levantou se aproximando da loira.- Por quê se estiver, é melhor pensar bem antes de planejar qualquer coisa, se mete comigo e eu te tiro desse lugar em um estalar de dedos.- avisou e ela saiu afobada do quarto.

Paola bufou e se jogou em sua cama.


[...]



Uma semana havia se passado desde o encontro entre Henrique e Paola, era noite de uma sexta-feira, Henrique já se encontrava em sua casa e admirava a bela vista de São Paulo da enorme varanda de seu apartamento, vestia uma calça jeans e uma blusa azul marinho social, calçava um mocassim e em sua mão segurava um copo de whisky, bebericava o drink aos poucos e mirava a linda noite, uma semana havia se passado e uma semana ele continuou com o rosto de Paola em sua cabeça, tinha vontade de vê-la novamente, parecia uma necessidade reencontrá-la.

[...]


Paola já se preparava para iniciar a noite de trabalho e hoje ficaria apenas em seu quarto aguardando os clientes, sem demorar muito o primeiro chegou, após 1 hora e meia, outro havia chegado, seu trabalho era dar prazer, e ela dava, satisfazia seus clientes, ela mesmo nunca havia sentido prazer com nenhum daqueles homens, continuou seu trabalho, por um momento desejou que Henrique tivesse lá, não sabia o motivo, mas apenas o queria lá.

Henrique largou seu copo em cima da mesa e pegou as chaves do carro, sabia onde iria, precisava vê-la, nem que fosse pela última vez, acelerou pelas ruas da metrópole e rapidamente chegou ao local, entrou na boate que já estava a todo vapor e viu algumas mulheres dançando, buscou por Paola no salão pouco iluminado mas não a encontrou, então visualizou a mesma mulher que havia o levado até ela naquele dia.

- Boa noite, eu queria falar com a Luxury.- abordou a jovem no bar.

- Ela está atendendo, não sei se ela tem horário, vamos, vou te levar até o gerente.- avisou e ele a seguiu.

Os dois subiram pelo elevador parando no 3° andar, a mulher parou de frente a uma porta e informou ao homem que havia um cliente em busca de uma hora com Luxury.

- Pode entrar.- ela avisou ao empresário que agradeceu e entrou na sala.

- Boa noite.- Henrico disse se levantando de sua cadeira.- Henrico.- se apresentou estendendo sua mão. Henrique logo se lembrou do nome, Paola havia pronunciado o nome dele, era ele o homem que havia trazido Paola.

- Henrique.- estendeu a mão e o cumprimentou brevemente.

- Vejo que quer uma hora com Luxury.- o homem expressou e Henrique assentiu.

- Bom, deixa eu ver a agenda dela.- pegou um livro e conferiu os horários.- Ela tem apenas uma horinha vaga, você entra as 02:00 ok ? - informou.

- Obrigado.- disse tirando o dinheiro da carteira e entregando ao mais velho.

- Você estará com a melhor garota, use e abuse, vocês pagam pra isso.- ele falou naturalmente e Henrique sentiu nojo do homem, de como ele se referia a mulher, como se fosse um objeto, se segurou para não partir para cima dele e apenas assentiu saindo da sala em seguida.

Voltou ao bar e pediu um drink, olhou o relógio e faltava apenas 1 hora para encontrá-la. Os minutos passaram rápido e logo foi chamado pela mulher que o atendeu antes.

- Vamos ? - ela indagou e ele se levantou seguindo a ruiva, os dois chegavam ao corredor, quando viram um homem levemente alterado devido ao álcool sair do quarto da morena.
Os dois pararam em frente a porta e Henrique sentiu seu coração acelerar.

- Ela está aguardando.- avisou e deixou o homem em frente a porta.
Ele deu duas batidas de leve e entrou em seguida, olhou ao redor do quarto e não a viu.

- Paola ? - a chamou e a viu sair de dentro do banheiro.

- Henrique ? - o fitou um tanto surpresa com um sorriso tímido nos lábios.





Notas Finais


Volto depois 😙🌚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...