História Além da escuridão - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~Siljin

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Rin, Sesshoumaru
Tags Rin, Sesshoumaru
Visualizações 589
Palavras 1.418
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite e boa leitura a todos :)

Capítulo 5 - Capítulo Cinco


Fanfic / Fanfiction Além da escuridão - Capítulo 5 - Capítulo Cinco

Rin on

Acenei com a cabeça e fui correndo fazer o que meu pai pediu.

A recepcionista rapidamente ligou para a casa dos Taisho e eles ficaram imensamente felizes com a notícia.

Voltei até o quarto, sem saber muito bem o que fazer.

O Sesshoumaru acordou, assim como eu queria que ele fizesse, porém ele não parece saber quem sou.

Respirei fundo algumas vezes e procurei segurar as lágrimas que já se formavam e tentavam, a todo custo, rolar pelo meu rosto.                        

Sesshoumaru on

- Por que estou sentindo essa maldita dor? - Perguntei, enquanto ele me dava um remédio para tomar

- Você tem uma bala alojada na cabeça.

- E por que não tirou ela daqui?

- Não pode. Se tirar, você morre.

Arregalei os olhos.

- E vou viver com isso? Com essa dor?

- Sinto muito em dizer, mas sim.

Fiquei pasmo.

Rin on

Ao entrar no quarto, avisei ao meu pai que os familiares já estavam vindo e ele agradeceu, saindo logo em seguida, pois precisava resolver alguns assuntos.

Fiquei sozinha com o Sesshoumaru, que me olhava sem parar.

Vi que ele tentou sentar na cama, porém estava torto, então me aproximei e comecei a ajeitar seus travesseiros. Eu não o olhava, apesar de ter consciência do seu olhar sobre mim.

Assim que vi que ele já estava confortável, eu me afastei um pouco e o olhei nos olhos, pela primeira vez.

Por um momento, fiquei sem ter o que falar, pois estava perdida em meio ao dourado de seus olhos. Respirei fundo e procurei não me deixar abalar por aquilo.

- Deseja alguma coisa, senhor Taisho?

Permaneci o encarando e tive que ser muito forte para não chorar. O olhar dele demonstrava perfeitamente que ele não me conhecia. Isso me machuca por dentro, mais do que eu quero admitir.

Saber que os últimos cinco meses não significaram nada pra ele, me machuca muito. Só percebi que estava chorando, quando senti algumas lágrimas molharem meu pescoço.

- Me desculpe por isso. - Abaixei a cabeça

- Eu já estou indo. Se precisar de alguma coisa, é só apertar aquele botão e alguém virá atendê-lo. - Apontei para o botão que ficava a sua esquerda.

- Quero que saiba que estou muito feliz por saber que está acordado. Lhe desejo tudo de bom. Adeus Sesshoumaru! - Sai o mais rápido possível daquele quarto

Não olhei pra trás, pois achei que seria melhor e mais fácil desse jeito. Comecei a correr pelos corredores, até que entrei em uma sala e vi que era a sala de limpeza. Não me importei com isso. Apenas fechei a porta, me recostei nela e foi deslizando até o chão, enquanto chorava compulsivamente.

Fechei os olhos e o olhar de confusão do Sesshoumaru me assombrava.

- Eu sou uma total estranha pra ele. - Comecei a falar sozinha - Ele não faz a menor ideia de quem eu seja.

- Claro que ele não sabe! - Meu inconsciente começou a falar comigo

- O que você esperava, Rin? Que um dia, magicamente, o Sesshoumaru acordasse e falasse que te ama? Que quer se casar com você? Oras, é claro que isso não ia acontecer, e você foi absurdamente tola por pensar isso. Contos de fadas não existem, você já deveria saber, e esse tipo de coisa que você imaginou só acontece em contos de fadas. Pare de chorar e comece a agir como a profissional que deseja ser. Nunca mais se apegue a um paciente. Isso é errado e você aprendeu da maneira mais dura e cruel. Espero que tenha aprendido a lição.

Palavras duras foram ditas pelo meu inconsciente, eu sei, mas ele estava certo. Fui tola por ter pensado que o Sesshoumaru estava me ouvindo e que se lembraria de mim. Com certeza eu serei forte e vou seguir em frente, mas não hoje. Quero chorar bastante por hoje, então amanhã começarei a agir assim. E, pra não ter uma recaída, não vou mais atender ao Sesshoumaru. Ele irá embora, então será melhor parar de vê-lo desde já. Foi ruim o suficiente o ver acordar e não me reconhecer, não quero vê-lo partir para todo o sempre.

Não pensem mal de mim. Eu estou feliz que ele tenha acordado, estou feliz mesmo, porém estou triste também. Eu o perdi e acho que qualquer um ficaria triste no meu lugar.

Sesshoumaru on

Por que sinto como se eu conhecesse aquela moça?

O cheiro dela... Era como se ele me fizesse lembrar dela. Aqueles grandes olhos chocolates me hipnotizaram de uma maneira inexplicável.

Meu coração está batendo tão acelerado... Será que é por causa dela?

Estou completamente confuso.

Eu acho que a quero pra mim. Mas como, se não a conheço?

- Mano!!!!! - Despertei de meus pensamentos, ao notar que meu irmão corria para os meus braços

- Meu filho, finalmente!!! - Meu pai veio chorando e Izayoi fez o mesmo

- Acalmem-se. Não podem deixar o paciente alvoroçado. Ele acabou de acordar e precisa de algumas recomendações.

- Minha cabeça ainda está doendo.

- Mais que antes, ou menos que antes?

- Menos.

- Depois mandarei preparar remédios no laboratório, para essa sua dor.                        

Rin on

Como a grande covarde que sou, fiquei um longo tempo chorando sozinha.

Depois disso, eu saí e fui até o banheiro, onde lavei o meu rosto.

Fiquei olhando pro meu reflexo no espelho e vi o quanto eu estava acabada.

Suspirei.

Sesshoumaru on

- Quando vou poder ir pra casa?

- Você terá que permanecer aqui por umas semanas.

- Isso tudo?

- Sim, pois não sabemos o que pode acontecer por causa da bala. Temos que te observar, só assim podemos te liberar.

- Mas eu vou poder ter uma vida normal? Tanto na profissional, quanto na sexual?

- Claro, por que não? Só tenho que recomendar pra não fazer muito esforço. Mas, como irei trabalhar em um remédio para essa sua dor, talvez ela não persista; porém será somente um teste.

- Não vejo a hora de ir embora daqui.

Rin on

Assim que me recuperei, sai do banheiro e voltei até a recepção, encontrando com minha mãe ali.

Sara: Vamos Rin! Seu pai vai mais tarde, pois precisa cuidar do Sesshoumaru.

Concordei com a cabeça e fomos para o carro.

Sesshoumaru on

- Preciso que vocês esperem lá fora. Irei examinar o Sesshoumaru.

- Mas eu queria ficar aqui. - InuYasha, sentado ao meu lado, fez birra

- Não acha que já está gradinho pra fazer birra, seu pirralho? - Dei um peteleco na testa dele

- Ai, mano! Não me bate.

- Continua o mesmo. - Ele me abraçou e eu retribui

- Estou muito feliz que você voltou pra gente. - Começou a chorar

- Também estou feliz.

- Vamos, filho. - Izayoi o chamou

- Pai, trás algo pra mim comer? Odeio a comida daqui.

- Nada disso, Sesshoumaru. Você só pode comer, por enquanto, a comida daqui. - Bankotsu falou e eu resmunguei

- Argh!

Minha família saiu e fiquei a sós com o doutor.

- Quem é aquela moça que estava aqui, quando acordei?

Ele virou pra mim, de sobrancelha arqueada.

- O que você quer com a minha filha? Mal acordou e já está de gracinha?

- Calma! Só queria saber quem era o anjo que estava tão próximo a mim.

- Quê? Mais respeito com a minha filha.

- Calma, Bankotsu! Ela me conhece de algum lugar? Porque tenho a impressão de já tê-la visto.

- Não se conhecem, mas ela era a responsável por cuidar de você. Te fazia companhia e conversava com você, quando estava sozinho.

Ela ficava aqui comigo?

- Aliás, vamos parar com esse assunto sobre a minha filha. Ela acabou um relacionamento recentemente, e não quero que entre em outro tão cedo.

- Eu, hein? Que pai mais estressado... Será que eu poderia vê-la de novo?

- Não se preocupe com isso, pois durante o tempo que você ficar internado, ela estará aqui cuidando de você. Mas por que você está tão obcecado por ela?

- Não é isso, mas eu sinto como se precisasse tê-la ao meu lado. Não fica com raiva, mas é como se eu sentisse... Falta dela. Da voz dela, do toque dela e do... Cheiro dela.

- Pode parar com isso, ou não vou deixar que ela volte.

Cara chato!

Quero vê-la novamente. Preciso olhar bem fundo naqueles grandes olhos chocolates, pra tentar decifrar o porquê que eles me chamam feito imãs.  


Notas Finais


Só sofrência 💔
Obrigada pela presença de todos. Bjs e até o próximo *Sem previsão*

Nova parceria com a @Siljin:
O filho do reverendo: https://spiritfanfics.com/historia/o-filho-do-reverendo-7132202

Outras parcerias recentes:
Meu ginecologista: https://spiritfanfics.com/historia/meu-ginecologista-7027919

Aparência não é tudo (Fic sobre bullying): https://spiritfanfics.com/historia/aparencia-nao-e-tudo-6914634

Meu lado obscuro (Rin-Vampira/Sesshoumaru-Humano): https://spiritfanfics.com/historia/meu-lado-obscuro-6843123


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...