História Além do Limite - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Holland Roden, Jeremy Bieber, Justin Bieber
Tags Holland Roden, Justin Bieber, Romance
Visualizações 68
Palavras 2.964
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Annyeong! Me perdoem a demora, mas, estou de volta!
Boa leitura!

Capítulo 26 - Encontro.


“Quando se trata de você não há crime, então vamos pegar nossas almas e entrelaça-las”.

 

Manhattan ─ Nova Iorque, 23h47min.

 

Roman pende a cabeça para trás deixando um suspiro pesado escapar por seus lábios, ele estava se sentido deslocado e aborrecido depois de tanto tempo.

O tédio se apossava de seu interior e por esse e outros motivos que se martirizava por ter escutado Justin e ido atrás de Thomas, ele pensava que poderia curtir uma ótima noite de domingo em algum barzinho, jogando bilhar e degustando de uma bela cerveja geladinha.

Porém seus planos foram pelos ares assim que pisou na casa dos Hudson’s e encontrou Thomas em um cubículo nos fundos da mansão, mexendo em seus robôs bizarros. Roman sabia que podia ir curtir a noite sozinho, no entanto, nesses dias para cá ele havia se divertido enquanto ensinava suas artes manhas para o quatro olhos.

Thomas lembrava um pouco Justin quando o mesmo tinha seus dezessete anos, um bobão que não tinha conhecimento das coisas boas que esse mundo oferecia.

Mas neste exato momento Roman sentia uma súbita vontade de fincar a chave de fenda que estava ao seu lado em Thomas, pelo simples motivo de já não mais suportar aquele música clássica em seus ouvidos. Ele estava a ponto de se jogar pela janela e sair gritando, seus ouvidos sangravam com aquela maldita sinfonia que durava minutos.

Ele estava a ponto de enlouquecer.

─ Roman me passa a chave inglesa. ─ Thomas pediu.

─ O que diabos você está fazendo? ─ entregando a ferramenta para Thomas, Roman pergunta.

─ Adicionando um módulo de som nos protótipos. ─ responde, se mantendo concentrado ─ Com base de alguns cálculos de algumas pesquisas do centro de pesquisa da ONU, eu posso fazer com que eles consiga interagir com os seres humanos, é algo fácil. ─ ele da de ombros ─ Só vou precisar sofisticar o sistema de navegação.

─ Você invadiu o sistema da ONU? ─ Roman indaga incrédulo.

Apertando o bocal na lateral da cabeça de um dos protótipos com a chave inglesa, Thomas pula do pequeno banco de madeira que fazia com que ele ficasse da altura do robô e olha para Roman ajeitando os óculos no rosto.

─ Apenas dei uma olhada de cinco minutos. ─ tempo bastante para o mesmo decorar algumas fórmulas. ─ Você não tem noção das coisas que esses caras nos escondem!

Ele da às costas á Roman, pegando o controle e pondo o ponto com o microfone no ouvido.

─ Preciso modificar a modulação de voz. ─ Thomas sussurra para si mesmo.

─ Você planeja fazer o que com essas coisas? ─ para Roman aquilo tudo era uma perda de tempo, mas não podia negar que aquelas coisas eram impressionantes. ─ Isso é quase um transformers. ─ ele se aproxima de um protótipo o tocando.

─ Não toca!

─ Você pode fazer eles se transformarem em carros? ─ Roman pergunta eufórico.

─ Que absurdo!

─ Por quê? Você pode ganhar muito dinheiro com essas coisas sabia! ─ Roman partiu para a persuasão assim que as cifras de dinheiro rondavam envoltas de sua cabeça ─ Estamos falando de uma evolução eletrônica meu amigo quatro olhos. ─ ele alisa o titânio ─ O governo pagaria uma fortuna por essas coisinhas aqui.

─ Essas coisas não foram feitas parem ser vendidas a qualquer pessoa, muito menos para o governo!

─ Irônico você dizer isso já que você os criou para o Jake, um herdeiro da máfia de Nova Iorque!

Thomas respira profundamente.

─ Mas que diabos! Desliga essa merda! ─ vocifera Roman apontando para o radio, aquela sinfonia de instrumentos já o irritava.

─ Se veio aqui para atrapalhar o meu trabalho peço que saia! ─ Thomas aponta para a porta de metal com um olhar furioso para cima de Roman que não se abala. ─ Em suas palavras, se manda!

─ Eu até iria, se a porcaria do lugar aonde eu durmo estivesse sendo feito de motel! ─ ele olha para o robô. ─ Então quer dizer que essa lata velha vai poder falar?

─ Essa “lata velha” é feita de titânio! E sim, eles irão poder falar.

─ Jake deve ter gastado uma fortuna nisso tudo.

─ Ele faria de tudo para proteger suas irmãs. ─ murmura Thomas.

─ É sei, sei. ─ Roman abana a mão ainda olhando para o robô, aquela merda era mesmo feita de titânio, era tão brilhante. ─ Conheço uma pessoa que faria a mesma coisa. ─ Roman diz se lembrando de Justin.

─ Só mais um pouquinho e... Pronto. ─ após Thomas apertar o único botão da cor verde no controle, o robô ao lado de Roman acende as luzes e se movimenta, assustando Roman.

─ Mas que merda... ─ murmura Roman abismado.

─ Espero que dê certo. ─ Thomas sussurra engolindo a seco. ─ Olá CJ-01.

─ Olá, eu sou CJ-01. ─ Roman dá um pulo para trás de susto ao ouvir a voz robotizada do pedaço de lata a sua frente. ─ CJ-01 está muito feliz.

─ Ainda está com alguns chiados. ─ Thomas entorta o lábio insatisfeito após o protótipo dar um pequeno curto.

─ Isso é... Incrível! ─ Roman olha do robô para Thomas. ─ Ele responde apenas a sua voz? ─ o robô o olhou e a ficha de toda a vida de Roman desde até seu tipo sanguíneo aparece em seu sistema.

─ Como eu havia dito antes, em base de alguns cálculos de umas pesquisas feitas no centro de.... ─ Roman ignora aquela baboseira toda e se aproxima do protótipo.

─ Eu tenho muitos planos para você meu amigo. ─ o sorriso de Roman é grande, e o robô sem entender apenas acena com a cabeça e se encolhe quando Roman bate em sua lataria estranhando o ato.

─ Eu disse para não tocar nele! ─ brada Thomas.

─ Relaxa quatro olhos.

─ Relaxa quatro olhos. ─ o robô repete e Roman gargalha.

─ Meu amigo eu adorei essa doideira aqui!

 

 

Puxando Justin pela mão até seu quarto, Memphis sente o nervosismo percorrer por todo o seu corpo temendo por ser pega por seu irmão, ela não sabia qual seria sua reação ao descobrir que estava com Justin esse tempo todo e não com Tina, mas previa que não iria ser uma das melhores.

Enquanto Justin se divertia com toda essa situação resolveu a provocar mais ainda.

Parando de andar, o corpo de Memphis impulsa para trás por causa de seu movimento inesperado.

─ O que foi? ─ ela pergunta confusa enquanto o puxava pela mão tentando fazer com que ele andasse. ─ Se Jake nos pegar aqui... ─ sua fala é interrompida quando ele puxa sua mão forçando seu pequeno corpo bater contra o dele. ─ Justin!

Passando seus braços ao redor de Memphis ele a aperta, a impedindo de se movimentar.

─ Está me sufocando! ─ ela murmura quase sem fôlego, seu corpo totalmente espremido contra o dele. ─ Justin... ─ ela suplica, sua voz sai abafada.

Sentindo seu cabelo acariciar o seu pescoço, Justin abre um sorriso afrouxando um pouco o abraço.

Ele se sentia tão bem com ela ali, em seus braços.

─ Agora sim. ─ ele a solta totalmente e ela o olha incrédula.

─ Por que você faz essas coisas?! ─ ela estava ruborizada, Justin ri.

─ Se acostume. ─ ele implica, pegando em sua mão e entrando em seu quarto.

Memphis revira seus olhos, e o assisti se jogar em sua cama de forma despojada.

─ Vou me trocar. ─ ela avisa e ele devolve com uma piscada.

Assim que Memphis entra em seu closet com Justin a observando, ele rapidamente se levanta da cama e começa por analisar as fotos em uma mural ao lado da cama. Era a primeira vez que estava em seu quarto mesmo a conhecendo há anos.

Sorrindo ao ver as fotos de quando Memphis era pequena ele volta á olhar para a porta do closet e de forma cautelosa, porém rápida, toma uma fotografia em mãos. Era de Memphis com Lucy, o que mais deixou Justin encantado era o tamanho do sorriso de Memphis, ele havia adorado esse sorriso.

Guardando a fotografia no bolso da calça ele coça a nuca disfarçando assim que Memphis entra no quarto o olhando por sua atitude suspeita.

─ O que está fazendo? ─ ela se aproxima e Justin se sente nervoso.

─ Nada. ─ ele diz de forma rápida sorrindo minimante.

─ Sei. ─ murmura desconfiada.

A puxando pela cintura ele deposita um leve beijo em seus lábios.

─ Relaxa ruivinha. ─ acariciou sua cintura enquanto puxava seu lábio inferior. ─ Você me deve um encontro, e hoje você será inteiramente minha o dia todo.

─ Só hoje? ─ ela sorri abraçando seu pescoço.

─ Hoje, amanhã, depois de amanhã... ─ diz em intervalo de beijos.

─ É? ─ ele assente sorrindo contra os seus lábios. ─ Fico feliz.

 

Justin Bieber Point of View.

 

─ Você sente falta de sua cidade natal? ─ pergunto desviando minha atenção da direção e a olho.

─ Denver foi o lugar em que convivi com meus pais até eles morrerem. ─ ela suspira ─ De certa forma eu sinto falta sabe? ─ me olhou ─ Mas não penso em voltar para lá. ─ volta a apoiar a cabeça na janela. ─ Não seria a mesma coisa sem eles.

Mesmo depois desse tempo todo eu não sabia o que levou a morte dos pais de Memphis. Em alguns bailes aonde os maiores mafiosos de todos os lugares se encontravam nunca sequer já ouvi algum comentário sobre a morte, que para muitos até hoje é um mistério.

Poucos comentavam sobre o assunto, pois o pai de Memphis era um homem que muitos respeitavam.

Quando vim à Nova Iorque pela primeira vez e conheci Memphis eu havia colocado meu pai contra parede e fiz algumas perguntas, mas a única coisa que ele disse era para mim não me meter nesse assunto, pois as pessoas que estavam por trás disso eram perigosas.

─ Desculpa. ─ pedi baixo, eu não devia ter perguntado porque sabia que isso era algo que mexia muito com ela, eu era um idiota.

─ Não precisa se desculpar. ─ ela sorri e acaricia minha perna. ─ E então, para aonde iremos? ─ pergunta animada.

─ Eu não conheço muito de Nova Iorque, mas alguém me ajudou á encontrar alguns lugares. ─ a olhei e ela sorria com o cenho franzido.

─ Alguém é?

─ Alguém. ─ concordei com a cabeça, não iria dizer á ela que esse alguém era a Siri.

Deixei o carro em uma rua sem saída e saí dando a volta e abrindo a porta para Memphis que sorriu em agradecimento.

─ A gente vai se divertir muito hoje. ─ passei meu braço por seu ombro.

─ Se a gente estivesse assistindo á algum filme no Loft já estaria sendo divertido. ─ ela beija minha bochecha abraçando minha cintura.

─ Não sei se eu conseguiria assistir á algum filme com você. ─ eu a olhei me lembrando da noite passada, nem havíamos conseguido terminar High School Musical. ─ Apesar de que, se a cada vez que assistirmos á um filme acontecesse aquilo eu iria gostar.

─ Eu sei que iria gostar.

─ Na verdade eu iria amar. ─ beijo seus lábios a sentindo rir contra eles. ─ Não está com frio? ─ esfreguei seu braço por cima do sobretudo que ela usava a apertando contra mim.

─ Não, você é quentinho. ─ disse toda manhosa esfregando seu nariz gelado no meu pescoço.

─ Quentinho?

─ Uhum.

─ Sabe onde estamos? ─ lhe perguntei e ela olhou em volta.

─ Chinatown? ─ a surpresa em sua voz é notória ─ Nunca havia vindo aqui antes.

─ Aqui tem algumas comidas orientais bem gostosas. ─ Memphis olhava para tudo encantada. ─ Tenho que alimentar a minha garota. ─ digo próximo ao seu ouvido e ela me olha tímida, com o rosto corado.

─ Que bom, porque a sua garota está morta de fome. ─ abri um sorriso.

─ Ah, então precisamos resolver isso agora mesmo.

Caminhamos abraçados por entre aquelas pessoas, parando uma vez ou outra em uma barraquinha de acessórios.

─ Essa é bonita. ─ comentei com os lábios em seus cabelos a pulseira de couro com um pequeno pingente de panda que Memphis segurava, o cheiro de seu cabelo era maravilhoso.

─ É, queria levar outra coisa. ─ entorta a boca.

─ Tipo?

Memphis demora alguns segundos para responder, até ela apontar para o canto da barraca.

─ Meias? ─ pergunto estranhando sua escolha.

─ São fofas. ─ ela se estica pegando um par me mostrando, era azul claro com um urso panda.

─ Você quer? ─ ela assente timidamente. ─ Tudo bem.

─ Espera. ─ ela segura meu braço assim que ia estender a nota de dinheiro, Memphis estica o braço pegando outro par de meias, só que agora era da cor marrom com um urso pardo. ─ Essa é sua.

─ O que? ─ não consigo segurar a risada, ela se encolhe com o rosto corado. ─ Meias de casal? ─ puxo seu corpo pela mão, ela não me olhava. ─ Tudo bem. ─ ela rapidamente me olha com o cenho franzido.

─ Pensei que não tinha gostado.

─ É engraçado. ─ ela revira os olhos ─ Mas eu gostei. ─ selo nossos lábios. ─ Eu vou levar as duas. ─ entrego a nota para o vendedor. ─ Agora vamos comer?

─ Sim.

Logo na frente avisto a feirinha com barracas de comida, abraço Memphis pelo ombro e sinto minha boca salivar com aquele cheiro de comida diferente, tinha tantas opções.

─ Aquilo ali parece ser bom. ─ levo Memphis até a barraca e leio o letreiro. ─ É comida coreana.

─ Olá. ─ uma senhora já de idade nos cumprimenta ─ Já sabem o que vão querer?

Coço a nuca meio perdido antes de responder, havia um cardápio na minha frente e eu não sabia o que escolher pelo simples motivo de nunca ter visto aquelas palavras na minha vida.

Eu já havia comido comida coreana por causa do JC já que o mesmo é coreano, e meu intuito logo de vir nessa barraca era que eu pensei que poderia impressionar Memphis ao escolher nossa comida, na minha cabeça era só pedir o que eu já havia comido com JC, mas diabos! Por que a droga do nome tinha que ser difícil de lembrar?

─ Isso aqui, é... ─ balbucio e novamente coço a nuca umedecendo os lábios.

A mulher olha para aonde eu apontava no cardápio e sorri.

─ Jjajjangmyun.

─ Jjajjang... O que? ─ tento repetir e escuto Memphis rir.

─ É um prato de macarrão chinês de inspiração. O molho é feito com carne picada e feijão preto. ─ ela nos mostra a imagem do prato ao lado. ─ É também conhecido por ser o prato mais comido pelos solteiros no Black Day.

─ Black Day? ─ Memphis pergunta.

─ Dia dos solteiros. ─ ela explica.

─ Definitivamente não vamos comer esse. ─ digo rápido.

─ Por quê? Parece ser bom. ─ Memphis abraça meu braço.

─ Você é solteira por acaso?

─ Você fez um pedido por acaso? ─ ela retruca e eu olho para o lado soltando uma risada forçada. ─ Alias, é só uma comida.

─ Temos Kimchi, é um prato muito conhecido da cultura coreana. ─ a moça sugere com um sorriso.

─ Pode ser esse? ─ Memphis me olha.

─ Se você quiser. ─ dou de ombros e ela revira os olhos.

─ Pode ser esse. ─ diz Memphis a senhora.

─ Já trago.

Memphis me puxou até uma mesa pequena e sentamos nos banquinhos um de frente ao outro.

─ Está emburrado? ─ ela pergunta e ri.

─ Claro que não.

─ Está sim. ─ eu reviro os olhos ─ Justin, sorri. ─ ela toca minhas bochechas as esticando me forçando a sorrir. ─ Fica tão lindo quando sorri.

─ Só quando sorrio? ─ agora é a vez dela de revirar os olhos.

─ Aqui está. ─ a senhora deposita uma tigela com algo vermelho.

─ Isso é feito do que? ─ as palavras escapam da minha boca.

─ Acelga, rabanete e repolho. ─ ela sorri ─ Aqui está à água.

─ A gente não pediu água, pediu? ─ pergunto a Memphis assim que a senhora sai, ela da de ombros.

Pegando os palitinhos eu olho para Memphis que bebericava a água.

─ Sabe usar os Hashi?

─ Uhum. ─ ela murmura pegando os palitinhos e os mexendo para mim. ─ Viu.

─ Você primeiro ou eu? ─ a pergunto intercalando meu olhar para a tigela e ela.

─ Vamos os dois. ─ ela pega um pedaço do que eu acho ser a acelga e eu faço o mesmo.

Meio hesitante eu coloco na boca mastigando, olho para Memphis que olha para mim e ao mesmo tempo pegamos o copo d’água o levando a boca.

─ Isso é muito picante. ─ Memphis arfa com a boca aberta ao largar o copo.

─ Agora eu entendi o porquê da água que não pedimos. ─ abano minha blusa por conta do calor da comida picante vendo Memphis gargalhar e voltar a pegar o Hashi. ─ Tem certeza que vai querer comer? ─ arqueio a sobrancelha e ela da de ombros.

─ Apesar de ser picante é bom. ─ abro um sorriso a assistindo comer e beber a água em seguida.

─ Então come bastante porque o dia ainda não terminou ruivinha.

Eu iria fazer tudo o que eu havia vindo idealizado por dois anos, e na minha imaginação, Memphis estava envolvida em tudo o que eu queria fazer, ela era a parte principal.

 

Continua.


Notas Finais


Muito obrigada pelos comentários, vocês são tão amorzinhos!
Essa é apenas a primeira parte do encontro, e falta uns quatro capítulos para acabar a primeira temporada!
Eu estou animada, e vocês?
P.S. Será que hoje mesmo chegamos a 100 leitores?
P.S.S. Capítulo não revisado.
Até mais, XOXO.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...