História Além Do Tempo - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time, Reign
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Emma Swan, Lilith "Lily" Page, Milah, Neal Cassidy (Baelfire), Peter Pan, Princesa Aurora, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Ariel, Aurora, Belle, Captainswan, Colifer, Cora, Emmaswan, Eva, Graham, Killianjones, Leopold, Lilly, Milah, Neal, Once Upon A Time, Ouat, Outlawqueen, Peter Pan, Regina, Reign, Robin, Ruby, Rumbelle, Rumpelstiltskin, Zelena
Exibições 26
Palavras 3.638
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Vivendo e aprendendo


Fanfic / Fanfiction Além Do Tempo - Capítulo 2 - Vivendo e aprendendo


França, 14 de janeiro de 1558
- dia do casamento da meia irmã do príncipe da França.
~ Manhã

 



Todas as Ladys, juntas à rainha da Escócia, iniciaram seus preparativos para o evento que ocorreria ao levantar da lua. Com toda graça e paciência passavam suavemente as simples maquiagens da época. O aposento da majestade estava movimentado e repleto de vida, vestidos eram provados e cabelos trançados. Todas, certamente, estavam mais bonitas do que era habitual. 


Regina vestia um vestido azul que descia até pouco atrás de seus pés, mas a calda não era das que arrastavam no chão, era levemente rodada ao seu final final igual as pontas das mangas do vestido que possuía duas listras dourada e vinho bordadas na parte inferior. Ruby, como sempre a mais ousada, usava um vestido que valorizava mais seu corpo. A roupa era em um tom de amarelo bem suave que destacava sua fina cintura, haviam listras bordadas por todo o vestido em um amarelo mais luminoso, a manga cumprida era bufante, porém fechada ao seu final e assim como o de Regina, possuía um toque levemente rodado. Belle era a mais simples entre as amigas, usava um vestido amarelo com desenhos bordados, um colar simples e uma pulseira de ouro, Lilly como sempre era a que menos se importava com todas as vestes pesadas, levava no corpo apenas um vestido verde com alguns desenhos bordados por uma linha grossa na parte superior. E por último, mas não menos bela, estava Aurora com sua veste verde coberta pela saia, com tom lilás fosco, do vestido. Emma vestindo-se com um vestido vermelho grenar dispensou as sonhadoras companheiras que tagarelavam sobre como estavam parecendo mais maduras com as vestes, seus pensamentos eram distantes e questionadores. A jovem seguiu as longas escadas do castelo após a saída de suas damas, subiu cada degrau cuidadosamente segurando o corrimão de madeira ao mesmo tempo que lembranças de sua infância ao lado de Killian ressurgiam sempre que observava melhor os detalhes do local. A imagem dos dois correndo as extensas escadas rindo apareceu quando olhou um quadro que ambos costumavam zombar e um sorriso nasceu em seu rosto.

 

 


'' As inocentes crianças corriam pelas extensas escadarias sem se importar com o alto som das gargalhadas até que Emma para Killian o segurando pelos curtos ombros fazendo com que os olhares se encontrassem e o sorriso, com um dente faltando na frente, do garoto se apagasse de sua face radiante. A pequena de cabelos libertos se aproximou do menino até que parou em seu ouvido.


— Killy é nome de menina— cochichou tentando segurar a risada que fazia seu estômago doer.


— Mentira!— O jovem príncipe fechou o sorriso sentindo-se magoado com o comentário— não quero mais ser seu amigo. Você é má— olhou para baixo magoado. Emma se sentiu culpada, então deu um beijo em sua bochecha que recebeu um tom mais afogueado, Killian sorriu e devolveu o beijo fazendo com que a garota tivesse sua vez de abrasar.


— Desculpe-me, killy. Apenas brinquei, não necessitava levar-me a sério.— pegou sua mão sorrindo e o puxou fazendo com que os dois voltassem a correr deixando tempo apenas para o menino dizer um baixo 'tudo está bem, Emma.' .''


Lembranças iam e vinham fazendo a escada parecer infinita. memórias que antes haviam ido ao vento retornaram de forma tão tranquila e cômoda que chegou ao final da escada com os olhos ameaçando formarem lágrimas. A loira caminhava pelos corredores ansiando o que realmente desejava: seu antigo quarto. Mas quando chegou ao mesmo percebeu que muita coisa havia mudado durante os anos em que ficou dentro da torre, agora o quarto pertencia a Jones que afiava um gancho com calma e atenção até que Emma acabou fazendo, sem querer, a porta se abrir e o barulho o distrair.


— Emma? O que faz aqui?


sua voz soou grossa, diferente da voz que o antigo Killian a tratava, mas a mulher necessitava entender que as coisas haviam mudado, não podia entrar no local que quisesse sem se importar com a privacidade das pessoas, agora o quarto era de Jones, o futuro rei. Não devia entrar sem ao menos ser anunciada.


— Estava passeando. Este era meu antigo aposento, esqueceu-se?


A escocesa possuía um sorriso em sua face, mas nada mais era uma enganação para esconder seu nervosismo. Desde que reencontrou o jovem percebeu que estava diferente, talvez mais amargurado... De qualquer forma, não era seu antigo doce Killy, aquele corpo agora carregava um homem desgostoso com a vida.


— Não lhe pertence mais. Ninguém vem aqui.


Jones suspirou profundamente tentando ser mais educado, mas ter educação, depois de tudo que passou por culpa do noivado com Emma, era uma missão quase impossível. A rainha novamente se hipnotizou pelos olhos azuis e acordou apenas quando percebeu que o encarava demais e Killian já mudava o peso das pernas pela quarta vez.


— Menos você...- a loira engoliu o seco aguardando a resposta de Killian já imaginando a falta de paciência, mas para sua surpresa ele sorriu tímido. Suas bochechas coraram como no dia em que recebera um beijo na bochecha da loira.— O que é isto?- adentrou o quarto indo direto na direção dos instrumentos de navegação sobre a mesa de madeira velha e empoeirada. Haviam bússolas, relógios de areia, mapas de estrelas, uma esfera armilar e espadas.— Tudo isso te pertence?— tocou levemente cada objeto até que parou na esfera. Tudo parecia tão incrível e perfeito.


— Fabrico objetos para que ajudem-me quando viajo. Tento aprender.— O príncipe se sentiu bobo por estar com vergonha de admitir seu hobby, mas Emma era de confiança, pelo menos quando eram mais novos.— isto é uma esfera armilar.— A loira sorriu pela primeira conversa não forçada que estavam tendo depois de anos, mas não entendia o que era aquilo e Jones já imaginava, então se adiantou— todos os navegadores precisam de uma. Nos ajuda, entende?— Emma afirmou com um leve sorriso e depois voltou a olhar cada detalhe dos objetos.


— Este é um novo requisito para rei?


Emma brincou ainda observando tudo com calma e atenção.


— quando fala desta forma faz-me parecer ridículo, sim?


O moreno iniciou uma brincadeira de jogar o pano que estava em sua mão para a outra enquanto se arrependia de ter dado atenção a futura mulher. Na sua cabeça se passou que deveria ser apenas mais uma rainha artificial.


— Não! De forma alguma!— a jovem rainha tentou se corrigir— Para ser sincera, eu acho fantástico...— e mais uma vez se perdeu em seu olhar, mas não era mais a única se perdendo em vistas.— Fez tudo isso...— não era mais uma pergunta, agora era uma observação— Por quê?— sorriu admirada, ele parecia mais independente e era tão encantador.


— Não paro de pensar que todo homem, até reis, necessitam ter alguma habilidade. Algo que os faça únicos.— Jones se pôs ao lado da loira, delicadamente suas mãos tomaram as da moça para ajudar a mulher mexer nas espadas afiadas sem se cortar. Emma o olhou e sorriu, mas Killian se afastou percebendo que havia se perdido por instantes.


— Tornará-se um ótimo rei. Não é suficiente?


A mulher se aproximou consideravelmente do moreno que repetiu o ato os deixando distanciados apenas por centímetros.


— Pretendo. Mas digo algo extraordinário, que não pode ser herdado. Que não deram-me e que não podem me dar.— Emma sorriu sentindo cada vez mais orgulho e com um único passo ficou próxima suficiente para acariciar seu braço em forma de apoio.— Meu irmão... Meu meio irmão— killian se corrigiu revirando os olhos— Graham, tem várias habilidades. Meu outro meio irmão, Neal, está neste momento em uma viajem nos mares, está conhecendo o mundo! Agora minha meia irmã, Mary, irá se casar com quem ela deseja e terá sua casa no local que decidir. uma vida sem preocupações e com escolha própria. Mary ama ensinar coisas novas às crianças das aldeias, sabia? E NINGUÉM a proíbe. Quando eles querem aprender algo, aprendem! Quando desejam ir a algum local, vão... com a benção do meu pai, claro— completou corando levemente.


— Não receiam a morte deles e por isso os deixam viver, acertei?— Swan levantou o olhar sem notar que sua mão permanecia parada no pulso do príncipe— ... Porque eles não podem se tornar rei.— completou. Killian apenas confirmou com a cabeça sem olhá-la deixando um clima estranho no quarto— Eu sei fazer vinho. Quando estava entediada as servas permitiam. Traziam as uvas escondidas, cada uma levava um pouco e juntávamos até ter a quantidade necessária e, então, eu as espremia... Era uma sensação satisfatória— riu da expressão que Killian fez como se perguntasse ''o que?''— E sei cortar lenha para a fogueira— exibiu-se— as servas me ensinaram...— deu de ombros sorrindo envergonhada.


— Impressionante!— o príncipe brincou roubando um sorriso da mulher— Acredito que se houver uma revolta e minha família precisar se esconder, posso ser um ferreiro— abaixou o olhar se reprimindo pelo que havia dito, em sua cabeça soava algo tão patético.


— Eu salvaria você— após a fala da novata um silêncio se instalou. O homem apenas a observava sem acreditar no que ouvira— e iríamos para a Escócia governar— sentiu as bochechas corarem— juntos.


— É uma oferta generosa, mas espero que não passemos por isso— ambos sorriram desconfortáveis apenas se observando— Licença, Emma.— pediu o homem tentando soar gentil com a noiva.


— Ah, claro!— Sorriu e percebeu que ele esperava que ela saísse do quarto— Oh, desculpa— a loira virou e saiu se sentindo completamente patética.


A jovem rainha por não saber o que fazer resolveu sair do castelo para respirar melhor  o ar puro. caminhando entre folhas caídas percebeu logo que deveriam estar no inverno e o coração se alegrou, amava a estação. Era época de renovação... mudanças! O sol dificilmente dava as caras e as flores já não mais cresciam. As neves, claras como a pele da novata, ganhavam um brilho ao final daquela etapa, justo quando começava a derreter, porém aquele era um dos anos especiais, a neve ainda não havia descido. A falta de neve acabou por ser útil, pois a rainha pôde caminhar pelos arredores da moradia e ao final de minutos voados acabou sentando próxima a um lago. Sua mente rodava avaliando cada mudança que estava sofrendo em sua vida, tinha apenas dezesseis anos e já carregava tanta responsabilidade, tinha um país para governar, um para se aliar e no meio disso tudo ainda tinha Killian que só pensava em cuidar. Emma sabia que teria que fazer de tudo por sua nação, mas não era o tipo de pessoa que conseguiria viver sem amor e ele parecia tão diferente, tudo estava diferente, já não eram mais crianças correndo pelo castelo sem preocupações. Agora, Emma era uma líder, mesmo tendo a mãe como regente, killian assumiria o trono assim que Leopold fizesse sua parte na vida e responsabilidades não paravam de os cercar nem por instantes. 


Ao lado de sua cadela, Swan não parava de pensar em Killian, sentia saudades dos velhos tempos, dentro da torre tudo parecia tão distante, mas foi só colocar os olhos no homem que tudo começou a voltar e o coração doía de tanta confusão. 


— O que está acontecendo?— Emma perguntou ao animal que levantou a cabeça que antes repousava sobre as patas para inclinar a mesma e olhar para a loira como se entendesse o que a mulher estava falando.— Minha vida é tão desordeira— respirou fundo alisando com uma mão os claros pelos macios e com a outra algumas pedras que chamaram sua atenção— seria infantil entregar uma para ele?— perguntou ao cachorro que apenas balançava o rabo— eu estou enlouquecendo. Estou a falar com um cão!— bateu na própria testa e o som de um latido se estendeu fazendo Emma se assustar e deixar as pedras caírem sobrando apenas uma em sua mão. O cachorro correu em direção a floresta e sem raciocinar a jovem correu atrás da companheira, mas algo lhe parou quando estava prestes a entrar na floresta desconhecida, ou melhor... Alguém lhe fez parar.— Graham, me solte para que eu possa ir atrás dela!— tentou se soltar de seus fortes braços.


— Emma!— a mulher não o olhou por um momento, apenas tentava, sem sucesso, voltar a correr— EMMA!— Graham a virou brutalmente pelos ombros— jovens rainhas não devem correr em florestas atrás de animais!— sua voz soou rude a fazendo sentir ódio pelo modo como fora tratada, mas não era intencional, ele era assim, era comum.


— Mas é minha! Não posso deixá-la lá. Se não tivesse me segurado eu teria a encontrado!— Swan esbravejou com a bochecha vermelha de raiva pela ousadia do homem, mas principalmente por saber que ele estava certo.


— Ela possui casa, comida... mora no castelo! Irá voltar, não se preocupe.— dessa vez a voz do homem era mais calma, porém Emma ainda carregava o olhar preocupado no rosto— Eu a encontrarei. Prometo-te— abriu um pequeno sorriso ao perceber que ela estava mais calma mesmo que desconfiada.


— Obrigada.


A mulher delicadamente empurrou o peito do homem antes que alguém os visse e pensasse algo impróprio. Graham ao perceber que havia grudado a mulher ao seu corpo na hora da pressa soltou-a imediatamente carregando no rosto um sorriso debochado, ela era linda e era impossível negar que qualquer homem daquele país daria tudo para tê-la e ele estava nessa lista não só por ser um famoso mulherengo, mas também por ter se atraído pela mulher.


— Meu pai mandou que escolhesse algo como presente pelo seu aniversário há alguns dias. Deveria chamar Killian para caminharem juntos já que admira tanto o ar livre...— Graham tentou lembrar que Emma era prometida e que não devia sentir nada (nem atração) pela noiva de seu irmão.— apenas não saia sem companhia, certo?


— Não precisa preocupar-se , Graham— Emma revirou os olhos sorrindo enquanto virava para começar a caminhar em direção ao castelo— Ah!— virou novamente em sua direção— obrigada pela preocupação. Certas vezes acabo por agir sem pensar— e sorrindo seguiu para o castelo onde procurou cada quarto até encontrar o que seu noivo dormia.  Parada em frente a única coisa que os separava, a porta, estava prestes a bater na mesma, mas uma sensação estranha invadiu seu corpo, porém por já estar lá fechou a mão e deixou três toques na porta áspera de madeira escura para instantaneamente se afastar um passo para trás após o ato. Uma brecha surgiu e um belo, mas também estranho Killian apareceu com cabelos desajeitados e blusa larga como se tivesse posto de qualquer forma. Quando olhou para baixo e percebeu que se tratava de Emma trancou o maxilar irritado por ser atrapalhado, porém mesmo irritado se sentiu culpado pelo que estava fazendo com a doce garota de bochechas afoguetadas.


—  Emma.— Jones confirmou para si— o que deseja?— engoliu o seco e olhou para trás brevemente.


— trouxe-lhe algo.— ele a encarou esperando que continuasse— para enfeitar suas espadas ou o...— a loira tentou lembrar o nome do objeto que o nome fugira de sua mente e novamente foi como se o príncipe lesse pensamentos, pois respondeu antes que ela o perguntasse.


— esfera armilar— o homem respondeu sem demonstrar emoções através da voz e a loira apenas afirmou com a cabeça tentando não tirar o sorriso do rosto após ouvir aquele tom estranho e olhar nos olhos que pareciam sucumbidos pelas trevas— não deveria estar aqui— dessa vez, além de grosso foi seco e mesmo sendo uma mulher forte, a rainha não conseguiu esconder a decepção, seu sorriso já não existia mais e a pedrinha branca não estava mais erguida por sua trêmula mão.— deve ser anunciada. meu pagem serve para isto.— seu tom aumentou e ficou mais rouco.— não deveria estar aqui.— finalizou autoritário.


— O-Oh, não entendo...— sua maior vontade no momento era chorar, chorar porque desde nova sonhava com o amor verdadeiro, com um casamento por amor, com um marido que amasse cada batida de seu coração.  Killian parecia o oposto e em sua cabeça passava que deveria ser algum tipo de castigo divino, mas castigo pelo que? nunca fizera mal nem a um animal— killy, não lhe entendo...— com toda sua força segurava as lágrimas, era uma rainha e rainhas não deviam chorar na frente de segundos— killy... está com outra?— sua voz falhou após a possibilidade brotar em sua imaginação. O coração pareceu se comprimir e um certo nojo unido a ódio nasceu dentro de seu ser.


— Futuramente virá a ser a rainha da França e necessita compreender que reis não devem satisfação as suas esposas— Jones fechou a porta sem dá-la a chance de resposta. Não queria ter feito isso, mas era necessário por seu país, seu povo e até mesmo por ela. Obviamente estava desacompanhado, não que nuca houvesse se deitado com outras, mas sua única paixão havia deixado o país há alguns dias e tudo que fazia naquele momento de fraqueza era apenas se tocar até que a jovem apareceu. Sua mente não parava de martelar culpa e já não aguentando mais a dor de cabeça foi atrás de Emma. Abrindo a porta encontrou a mesma, viu que ela continuava ali, apoiada com as costas na parede e cabeça que foi virada para o lado assim que ouviu a porta se abrir temendo que ele a visse com os olhos inchados.— precisamos conversar— agora o príncipe falava mais calmo e delicado tentando não mais magoá-la, queria apenas explicar o motivo de suas ações.


— Ah, agora deseja conversar? 

Emma usou da ironia para esconder a raiva e a vontade de enforcá-lo. Killian apenas pegou sua mão e a encaminhou até seu quarto, encostando a porta para terem mais privacidade.


— não devia tê-la tratado daquela forma... desculpa— os curiosos olhos verdes encararam o homem sem entender— não estava acompanhado. Desejava apenas afastá-la.— ela o encarou sem compreender até aonde queria chegar, sua mente estava uma completa bagunça— sinto complicação em lidar com isto, mas há outros modos de resolver isso— Killian sentou em sua cama indicando que Emma também sentasse.


— com o que? comigo?— riu de certa forma sarcástica fazendo com que ele corasse— entende que iremos casar, certo?— ela levantou uma sobrancelha, segurou o vestido o puxando para se sentar e repousou ao lado de Jones.


— acredite, eu sei.


Ele estava tenso com a tão ansiada conversa.


— não espero que me ame imediatamente, acredite— killian a cortou com um breve ''não se trata disso'', porém ela continuou sem se importar— mas não acha que devemos isso um ao outro?  as nossas famílias? nossos países para terem uma chance?— a jovem disparou rapidamente.


—  NÃO É TÃO SIMPLES!


Jones aumentou a voz mesmo sem desejar, se levantou e começou a andar de um lado para o outro mexendo no cabelo.


— Não é tão simples?— Swan mudou o tom assim como ele, mas não gritou, ainda estava conseguindo se controlar— O que não é simples?— levantou-se ficando frente a frente com o príncipe— estamos noivos desde os oito anos! está tudo pronto! me acha tão horrível para não fazer isso?— sua voz transparecia a incredulidade.


— não é vo-você— killian se embolou— você é inteligente, forte, imprevisível, é linda... não importa— balançou a cabeça se repreendendo por se perder, mas era tarde, a coitada já estava sorrindo iludida— o que importa é o que é correto para meu país.— respirou fundo e o sorriso da moça se foi—a França não é tão poderosa como pensa ou cautelosa—  finalmente voltou a encará-la e teve certeza naquele instante que o olhar decepcionado ficaria marcado em sua memória pela eternidade— talvez você não seja, mas eu sou! Um dia serei rei, responsável pelo meu povo e agora uma aliança coma Escócia acabaria com a França— acariciou seu rosto tentando não magoá-la mais do que já havia conseguido, poucas vezes Emma ficava sem palavras, mas aquela foi a mais dolorosa.


— você realmente não quer casar-se comigo— Emma afirmou com a voz tremula, guardando o choro para quando estivesse a sós. o silêncio que se formou foi a resposta que precisava— não quer mesmo— sem mais aguentar as lágrimas começaram a se formar e o dono dos olhos azuis mesmo com a mão em sua bochecha já não mais a olhava.


— as coisas podem mudar...


O dono dos olhos azuis tentou se enganar, talvez assim se sentisse melhor porque no momento se sentia imundo.


— a decisão não é sua, é de seu pai!


A mulher já não se importava mais com killian, o ódio consumiu seu corpo e agora lutaria apenas pelo melhor para seu país.


— Também não se vê pressionando o casamento?— killian engoliu sua própria saliva— todos os casamentos servem apenas para sustentar alianças, ele acha que precisaremos da Escócia... sei que iremos achar apoio em outros lugares— segurou suas mãos com firmeza, mas Emma as puxou— não é o que você quer ouvir.


— mas não me amará— Emma balançou a cabeça encarando killian— não se permitirá.— concluiu.


— Amor é irrelevante para pessoas como nós!— A rainha o encarava sentindo cada vez mais nojo da pessoa que roubou seu antigo "Killy"— ...E somos privilegiados de várias maneiras por isso. Estou pedindo apenas para esperar... E ver o que acontece.— O jovem finalizou com a voz tranquila, mas por dentro se sentia quebrado e de certa forma incompleto.


— O que acontece com a França!— a escocesa completou lentamente sentindo raiva e cada palavra que saía de sua boca saía contragosto porque no momento a única coisa que queria fazer perto do homem era cuspir em seu rosto.— Acredito que é muito simples. Mas você não é o único com um país para se preocupar— Virou-se e caminhou de cabeça erguida e peito estufado, saiu como uma verdadeira rainha. Não se rebaixaria por ele, não valia a pena. Se não a via suficiente nem para casar iria se arrepender por não querer a aliança.

 


Notas Finais


——————

Hello! Voltei com mais um capítulo. (Jura, Michelle?)
Bem, espero que tenham gostado. Se tiver algum erro que passou despercebido perdoem e se der comentem para que eu possa consertar. Evoluir é a meta :3


Algo que eu gostaria de esclarecer é que estou dividindo a fic (mentalmente) em duas partes. A primeira será bemmmm parecida com a série (mesmo que eu esteja tentando seguir algumas coisas da história real) e a segunda parte não terá NADA A VER com a série ou com a história da Mary Stuart (sério). Espero que não desistam de mim. Beijão <3

~mih~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...