História Algemas do passado. (Imagine Baekhyun & Sehun) - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~Lula_Molusca

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekhyun, Exo, Imagine, Sehun
Visualizações 115
Palavras 2.147
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drabble, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ola unicórnios ^^ espero que estejam bem.
Finalmente um cap, depois de tanto tempo não é mesmo?
Algumas coisa importantes vão der revelada. Sem enrolar mais
Boa leitura

Capítulo 5 - O código


Fanfic / Fanfiction Algemas do passado. (Imagine Baekhyun & Sehun) - Capítulo 5 - O código

Sehun On


Se passou dois dias e nada, lia, relia, e lia de novo aquele papel cheio de números que não faziam o menor sentido para mim. Suspiro mostrando como estava tenso, com aquela porcaria. 


Depois de um tempo a campainha toca, me levanto do sofá e assim que abro em casa uma garota loira pula no meu pescoço, para ser mais exato minha irmã, ela me olhou sorrindo mas logo fechou a cara:


—O que foi Lisa? - Pergunto preocupado, afinal aquele comportamento não era comum dela.


—Estou preocupada... com a (S/n), o apartamento dela ficou aberto, suas coisas ainda estão lá. Se ela tivesse se mudado levaria as coisas certo?.- Ela falava sem parar, de maneira afobado.


—Calma Lisa! - Seguro em seus ombros. —Vem aqui, e se senta, e me fala com calma. - Levo lisa até o sofá onde a mesma se senta.


—Bem. - Ela respira fundo. —Já faz uns 3 dias que não vejo a (S/n), e um homen estranho apareceu lá no prédio, tirando fotos do nosso apartamento pela janel...


—Lisa... por favor toma cuidado. - Me aproximo dela.


—Eu vou... pode me explicar o que está acontecendo? - Lisa ansiosa e com a caa fechada me pede.


—Nem eu sei ao certo, mas tenho minhas teorias. Agora volta para casa! E fica com o papai. - Olho em seus olhos.


—Mas irmão... - Antes que ela ela falasse qualquer coisa a interrompo.


—Mas nada, agora vai e toma cuidado. - Nos despedimos, e logo em seguida a menor passou pela porta.


Droga... sabia que aquele desgaçado do Baekhyun estava ligado a isso! Será que ele esta mantendo a (S/n) em carcere privado? Ou coisa pior! Harh que ódio.


Peguei as chaves da minha moto e fui correndo até o Kai, já que ele era um grande amigo dela. Assim que avisto o estabelecimento estaciono minha moto e entro no café.


Caminho a pessos grandes e apressados, até a sala do gerente onde Kai sempre se encontrava. Abri a porta dando de cara com ele:


—Sehun! A que devo essa visita? - O homem sorriu e veio até mim.


—Bem, creio que sei com quem (S/n) está! - Exclamo um pouco nervoso.


—Com o Byun certo... - Kai estava preocupado seu tom de voz e expressão deixavam isso claro.


—Isso... - Olha para baixo.


—Eu já imaginava. Bem deveríamos chamar a polícia não? - Kai me olha já com o telefone em mãos.


—Seria o mais sensato, mas se fosse simples assim a (S/n) já teria feito certo? - Esta a cheio de duvidas quanto a isso.


—Não custa nada tentar. - Kai ia começar a digitar mas, meu telefone toca com um numero desconhecido. 


*Ligação*


—Eu não ligaria se fosse você... - Uma voz masculina cuja parecia ser modificada por um aparelho se pronuncia, e logo após desliga.


*Ligação*


—Quem era Sehun? - Kai ainda estaca com o telefone em mãos.


—Eu não sei, mas falou que era melhor não ligar, com se estivesse nos ameaçando... - Engulo em seco. —Talvez seja melhor não ligar.


—Besteira, podemos tentar e o que ele poderia fazer? - Kai deu de ombros e ligou para a policia. 


(...)


Não demorou muito até Kai passar todas as informações, para a policia. Mentira! Demorou sim, eu já estava quase batendo minha cabeça na parede para ver se eu desmaiava e o tempo passava mais depressa. 


Mas tirando isso foi bem tranquilo. perguntei ao Kai se eu podia mexer nas coisas da (S/n) em seu armário na verdade. Ele me autorizou, mas disse que ela tinha levado algumas coisas. 


A sala dos armário ficavam atrás da aérea principal, os armários eram todos em tom café e cada um com o nome de seus respectivos donos. Me direciono ao armário dela, e entre todos os lixos e garrafinhas plásticas, havia uma carta muito estranha, com uma foto de uma mansão anexada.


*Carta*


Dia xxx Junho de xxx


Querida Hellin (S/n) 


Estamos a sua espera, por mais que seja difícil espero que nos visite afinal aqui é sua casa. Todos estão a sua espera em especial uma cujo você já deve saber. seu quarto ainda está a sua espera juntamente com os diários no baú, não se preocupe querida ninguém os leu. 


Sei que está muito ocupada mas não custa nada visitar sua família nhe? 


           Atenciosamente Meilin  


*Carta*


Assim que termino de ler a carta estava mais confuso do que nunca. Hellin o sobrenome dela não era Switt? E quem é Meilin? Eu preciso de respostas! Peguei a carta e revirei novamente seu armário mas nada de interessante foi encontrado. 


Me despedi de Kai e fui para casa. Destranquei a porta, assim que entro no local me jogo na cama observando a carta... espera! Tem algo no verso dela. Leio e finalmente algo que ajuda e não complica tudo. " 2-1 = A, 8-3 = U" é como se fosse um telefone.


Peguei o bilhete, um papel minha caneta e comecei a traduzir tudo " A verdade está no diário". Diário... diário, humm vejamos. Tem algo assim na carta. Li novamente a parte específica e parece que se eu quiser descobrir algo terei que ir a essa tal mansão.


Sehun Off


(S/n) On


Argh... que vida é essa, parece que voltei a aquela época cujo eu quero esquecer com todas as minhas forças. Nesse momento me encontrava em um quarto, trancada já que Baek havia saido de casa. Espero que Sehun tenha entendido o código...


Algo em mim diz que algo ruim vai acontecer, o que eu odeio r estou dependendo de alguém para me ajudar. Pois creio que dessa vez não será tão fácil como antes


Comecei a mexer na porta tentando abri-la mesmo sabendo que era quase impossível. Porem meu objetivo não era abrir ela, e sim chamar atenção de um provável guarda que estaria guardando a porta. 


Acerto pois depois de alguns segundos um guarda aparece, meio irritado ri de maneira silenciosa e depois o olho:


—Finalmente! Achei que era surdo. - Falo com a intenção de lhe deixar bravo.


—Não seja tola! Estou armado sabia? - Ele fala tentando me ameaçar e levanta a camisa mostrando uma mera pistola.


—A tanto faz, quero comer algo! Estou morrendo de fome... - Bato meu pé o olhando nos olhos.


—O Byun não autorizou. - Diz ele olhando para o nada.


—Humm... por que todos aqui são tão submissos a ele? Parece piada. - Dou uma leve pausa. —Pense bem, você parece ser muito forte, e talentoso poderia ganhar dez vezes mais do que ganha, poderia estar investindo em algo próprio. Mas em vez disso esta aqui, como um substituível empregado do Byun. Que coisa não? - O olhei e percebo sua cara de incerteza, ele olhava para os lados e mordia o lábio.


—Logo te trago algo. - Diz ríspido e logo em seguida sai do local e tranca novamente a porta. 


Coloco minha cabeça na porta e ouço os passos fundos se distanciarem, percebo que ele tinha saido pego um grampo do meu cabelo, e começo a mexer da fechadura, finalmente ouço o barulhinho e giro a maçaneta.


Assim que coloco um pé para fora, olho para os lados apenas checando as coisas, caminho o mais rápido possível até uma sala dos fundos, eu sabia que ali haveria algo que seria útil para o meu futuro e dos que me rodeavam. 


A porta estava destrancada, comecei a procurar nas gavetas uma chave mestra, tenho certeza que vi o Baek usando uma. Não demora muito e acho aquela chave, solto um riso de aprovação e felicidade. Tinha um cartão velho que tinha escondido caso precisasse, com a caneta contorno a chave no cartão e corto o formato de maneira perfeita. Arrumo tudo como estava e volto para o quarto, com a chave que fiz tranco a porta apenas para testar e deu super certo. Agora é com você Sehun...


(S/n) Off


(...)


Baekhyun On

  

Haa que dia cansativo, mas pelo menos tenho meu brinquedinho de volta, é realmente delicioso saber que (S/n) está sobre meu poder novamente. Ela se tornou muito mais interessante, quanto ela me olha com nojo, com aqueles belos olhos me deixa excitado, pareço um animal, minha vontade é marcar cada parte de seu ser, até que nada mais reste.


Entrei em casa e fui até o quarto em que tranquei ela, a garota se encontrava no fundo do comodo olhando a vista pelas grades, já era bem tarde, duas da madrugada sendo mais exato, ela vestia uma camisola curta de seda vermelha, a luz da lua que iluminava seu semblante a deixava parecendo um anjo, sorri de lado e fui até ela a agarrando por trás, passo meus lábios em seu pescoço subindo até a orelha e sussurro:


—Vamos brincar muito hoje... - Ouvi ela suspirar, como se falasse "Preferia estar morta" mas ela sabe melhor do que qualquer um que isso apenas me deixa mais feliz.


Subo minhas mãos que estavam agarradas a sua cintura para seus peitos, passando por de baixo de sua roupa fina, aperto fortemente seus mamilos com o indicador e o polegar, lhe arrancando um gemido curto, pois ela o segura e morde o lábio inferior tentando impedir qualquer som:


—Se não gemer, vai ter sérias consequências. - A alerto.


Continuo a massagear seus peitos enquanto beijo seu pescoço, mordo o mesmo e o chupo deixando uma marca nele a olho e sorrio com meu feito. (S/n) não gemia me deixando bravo, em um movimento violento a empurro para o chão com a bunda empinada para mim, segurando seu braço para trás como se fosse quebra-lo se ela realizasse qualquer movimento.


Levanto um pouco a camisola vermelha, ainda empurrando seu corpo contra o chão, assim que vejo sua bunda exposta para mim, um sorriso medonho toma conta de meus lábios, com a mão desoucupada desfiro um forte tapa, deixando a marca perfeita da minha mão, e em seguida outro e mais outro, agora ela gritava pedindo para parar, não tem como negar sou um sádico que adora ouvir pessoas gritando e implorando para que EU pare:


—Aprendeu como as coisas funcionam querida? - Pergunto rindo um pouco e dando outro tapa mesma, que gritava.


—Sabe muito bem que... - Antes que ela falasse desfiro outro tapa, mas bem mais forte que os outros. —Hargh! Eu prefiro, receber mil tapas do que obedecer um verme como você! - Ela ria falando ao mesmo tempo que fazia cara de dor, sua situação era bem irônica.


—Ai ai, sabe querida. - A viro para mim e seguro em seu rosto, o aproximando de mim. —Eu adoro quando me dá mais motivos para te machucar! 


Rosso nossos lábios, e mordo o seu inferior com força a ponto de corta-lo, sinto o gosto metálico e inicio um beijo forçado, ela se debatia mas não adiantava.


Calmamente deslizo minha mão até seu pescoço o apertando for força ainda a beijando começo a colar nossos corpos e faze-la deitar-se sobre o chão. Sinto meu membro ficar rijo e uma onda de prazer percorrer meu corpo. Paro o beijo tiro um canivete pequeno da minha calça e lá se vai outra roupa dela, ver ela totalmente a mercer de mim me deixa ainda mais excitado.


A deixo jogada no chão, me livro das minhas roupas e volto minha atenção para ela. Ficando sobre o corpo de (S/n) levo minha mão direita até sua intimidade que estava molhada:


—É mesmo uma vadia masoquista! Olhe isso. - Mostro minha mão, fazendo olhar para o lado e corar. 


Sem pensar duas vezes introduzo quatro dedos em sua intimidade a fazendo contrair as pernas e gritar de dor. Os mexia com rapidez a machucando porem ela sentia prazer apenas olhar para seu rosto conformava isso. Continuava com meus movimentos de maneira constante, aproximei nossos rostos e em seguida choco nossos lábios ditava um ritmo acelerado a deixando sem folego, minha lingua percorria por toda sua boca a explorando e sentindo cada uma de suas partes.


Meus movimentos de dedo pararam em seu lugar coloquei meu membro, de inicio minhas estocadas eram calmas, mas senti-la por dentro só me deixava mais animado e excitado, ela era tão apertada....


Sesso nosso beijo com um selinho, e com meus movimentos violentos que me faziam gemer de tal forma que até quem passava por perto poderia ouvir. Trilho meus beijos até seus peitos, com as mão os aperto dando enfase em seus mamilos, cujo mordia com força, a fazendo gemer e arfar:


—Hummmm Baek... seu... seu... desgraçado. Hummm. - Ela me xingava ao mesmo tempo que gemia, até parece que ela não sabe que isso me deixa apenas mais excitado.


Dei mais algumas estocadas e senti sua intimidade contrair e me apertar, fazendo meu ápice se aproximar. Em questão de minutos tiro meu membro dela e gozo em seu corpo, fazendo (S/n) fazer careta. Ela se levantou quase caindo pois suas pernas estavam bambas. E me olhou com ódio, apenas ri e fui pegar minhas roupas e me vestir, sai do quarto o trancando novamente e meu telefone toca:


*Ligação*


—Chefe acabamos, esta tudo como planejado. - Um dos meus empregados de confiança diz.


—Ótimo, isso fará com que Sehun nunca mais procure a polícia...


*Ligação* 


Baekhyun Off


Notas Finais


Mais uma peça do quebra-cabeça.

Bem espero que tenham gostado^^
Comentam para que eu saiba

Bjs e unicórnios.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...