História Alice e os Deuses Gregos - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Grega, Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Calipso, Cimopoleia, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Dionísio, Eros (Cupid), Frank Zhang, Hades, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Hylla Ramírez-Arellano, Íris, Jason Grace, Leo Valdez, Nêmesis, Nico di Angelo, Niké (Nice), Percy Jackson, Perséfone, Personagens Originais, Piper Mclean, Poseidon, Quíron, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Thalia Grace, Tique, Will Solace, Zeus
Tags Acampamento Meio Sangue, Deuses, Frazel, Jasiper, Mitologia Grega, Olimpo, Percabeth, Perlite, Poseitena, Semideuses, Solangelo
Exibições 83
Palavras 4.012
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Harem, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas da Autora


Oe meus amores!!!! Desculpa a demora para postar, tive alguns problemas aqui, sem falar que fiquei doente, mas aqui estou :3 Vamos aos agradecimentos especias: ~eulove a amante de hots!!! ~Roceira, minha querida Mario aqui novamente!!!! ~Luna49 a amante do Leo!!!! Muito obrigada meninas!!!! Amo vocês e obrigada pelos pedidos!!! <3 <3 <3
Essa foto aí, é só uma ideia de como eu o vejo, só que ele é beeeem mais jovem que o Robert :P

Hey galera, eu tô começando outra fic de Steven Universe, pra quem curte vou deixar o link lá embaixo <3
Enfim, boa leitura!!!! Obrigada pelas mais de 2200 visualizações e 55 favoritos!!!! Amo vocês!!!! <3 <3 <3 <3 <3
Desculpe qualquer erro!!!

Capítulo 18 - Poseidon


Fanfic / Fanfiction Alice e os Deuses Gregos - Capítulo 18 - Poseidon

Alice: 

Ouvir aquilo foi um choque, embora eu não soubesse dizer o por quê tinha me atingido com tanta força, como se fosse mais importante pra mim do que eu imaginava. Fiquei parada olhando Poseidon andar de um lado para o outro, não sabia o que falar ou fazer. Percy se aproximou mais de mim, me olhando, ele parecia tão desesperado quanto Poseidon. 

-Alice... precisamos fazer alguma coisa! -Sussurrou ele. 

Eu olhava de um para o outro, balançando a cabeça, tentando pensar em algo. Eu sabia que precisava fazer alguma coisa, o tridente precisava ser encontrado e trazido à Poseidon o mais rápido possível, mas eu não tinha ideia de como. 

-Ele precisa do tridente, Alice! -Queixou-se Ary, que aparentava cada vez mais nervosa. 

Atena pigarreou, chamando a atenção. 

-Na verdade, só precisamos saber onde está, isso será o bastante para o acalmar. -Explicou ela, olhando diretamente para mim. 

Fechei os olhos por um momento, deixando-me tomar pelos meus pensamentos.  

 

----------------(...)--------------- 

Por que alguém iria querer o tridente supremo de Poseidon? Para começar uma guerra, talvez? Que uma já estava para começar era fato, mas ainda não sabíamos os motivos. Primeiro foi o sequestro de Anfitrite, agora o desaparecimento da arma mais importante para o Deus dos mares, estava na cara que o principal alvo era ele. Espera, e se eu conhecesse alguém que estivesse envolvido nessa guerra? Seria muito mais fácil obter as respostas.  

-Alice? -Chamou Percy, tirando-me de meus pensamentos com um susto. 

-Percy, você sabe onde fica o palácio dele? -Perguntei, sem olhar para ele. 

-Sim, por quê? -Perguntou ele. 

-Ary, ajude Percy a levar Poseidon para o fundo do oceano, ele vai se sentir melhor lá. -Falei, olhando para os dois, que concordaram. 

Eles andaram em direção à Poseidon, Percy colocou o braço dele em torno de seu pescoço, enquanto Ary segurava-o pela cintura. Eles saíram em direção à praia, sumindo rapidamente. Eu estava prestes a me afastar, quando Atena me chamou: 

-Alice, o que pretende fazer? 

-Encontrar o tridente. -Respondi, me afastando. 

Escutei passos de alguém atrás de mim, mas não quis me virar, apenas continuei andando.  

-Só não se esqueça de chegar a tempo para o show! -Gritou Apolo, que já havia ficado para trás. 

Quando já estava alguns metros longe da Casa Grande, me virei para encarar a pessoa que me seguia. Era Atena, ela parou e cruzou os braços, me encarando, como se estivesse esperando algo. 

-O que você quer?! -Perguntei, irritada. 

-Ajudá-la. -Respondeu ela, olhando para o chão. 

-É o que? -Falei, surpresa. 

Ela revirou os olhos, suspirando. 

-Quero ajudá-la a encontrar o tridente de seu pai. -Explicou ela. 

Fiquei pensando naquilo por alguns minutos. Ela estaria mesmo preocupada com Poseidon? Mesmo que eu aceitasse a ajuda dela, não poderia contar que eu conhecia Circe, muito menos levá-la para conversar com ela, ainda mais agora que eu já havia me colocado contra os Deuses.  

-Primeiro: ele não é meu pai, segundo: não preciso da sua ajuda. -Falei, virando de costas e saindo correndo. 

Não queria discutir com ela, algo que era quase impossível de se ganhar, portanto eu teria que agir rápido. Só havia um problema, eu não fazia a mínima ideia de como achar Circe. Corri para dentro do chalé, entrando direto no meu quarto. Peguei uma mochila no closet, coloquei néctar, ambrosia e água, sem falar em uma muda de roupa, depois troquei de roupa rapidamente, colocando uma blusa de manga curta com o rosto da Marceline, uma calça jeans preta rasgada com coturnos também pretos, depois peguei minha jaqueta de couro preta e sai correndo em direção aos estábulos, pretendia pegar um pégaso e voar dali o mais rápido possível. 

 

Julia: 

Ninguém soube dizer o por que de nosso pai não ter tomado café da manhã conosco, assim como os outros Deuses, que também não estavam presentes. Depois que Alice saiu junto dos irmãos, aparentando frustração, os outros chalés se dispersaram pelo acampamento, falando sobre o show que teria hoje à noite, o desafio que Apolo havia lançado para todos. O meu chalé cantaria uma música surpresa, seriam cinco que subiriam ao palco para cantar, era claro que eu não estava entre eles.  

Como nos sábados e domingos as atividades eram livres, eu não tinha nada para fazer, então resolvi procurar pelas meninas, talvez pudéssemos passar o dia conversando. Claro que deu tudo errado, elas estavam muito ocupadas se preparando para hoje à noite, parecia que algumas delas iriam participar, enquanto outros estavam apenas ajudando. Resolvi ir até o chalé de Alice, talvez eu pudesse assistir TV e comer sorvete durante a tarde toda. Quando cheguei lá, dei um encontrão com ela, acabei caindo sentada no chão com o impacto. 

-Julia! Quer me matar do coração?! -Perguntou ela, oferecendo-me a mão para levantar. 

-Como eu ia adivinhar que você estaria saindo às pressas? -Perguntei, passando a mão na roupa para limpar. -Onde você está indo? 

Ela olhou em todas as direções possíveis antes de responder: 

-Vou encontrar com ela, aconteceu uma coisa e eu preciso de respostas.  

Demorei algum tempo para entender do quê ela estava falando, até eu me lembrar da feiticeira, Circe.  

-Espera, o que aconteceu? -Perguntei, fazendo-a parar. 

-Uma arma importante foi roubada, se quiser saber mais, pergunte ao eu pai. -Respondeu ela, correndo para fora da área dos chalés. 

Certo, vou fingir que entendi. Como eu não fazia a mínima ideia de onde meu pai estava, resolvi ficar no chalé de Alice, me deitei no sofá, liguei o vídeo game, peguei um pote de sorvete e alguns cupcakes, pretendia ficar ali por um bom tempo. 

 

Percy: 

Deixamos nosso pai em seu palácio, foi mais rápido do que eu pensava, levamos ele até Dolfin, o conselheiro chefe de guerra, que era um golfinho. Depois voltamos para a praia do acampamento, correndo até o nosso chalé para ver se encontrávamos Alice, mas a única pessoa que encontramos foi Julia, que estava jogada no nosso sofá. 

-O que você está fazendo aqui? -Perguntou Ary, colocando a mão na cintura. 

-A Alice me deixou ficar aqui. -Disse Juh, colocando uma colher de sorvete na boca. 

-Onde ela está? -Perguntei, ignorando completamente a conversa das duas. 

-Ela disse que precisava resolver uma coisa, que algo tinha sido roubado e que iria procurar respostas. -Respondeu Julia, sem tirar os olhos da TV.  

-Droga! -Exclamei, socando a porta. 

Fiquei pensando em onde ela poderia ter ido, mas não conseguia pensar em nada. A verdade era que eu não fazia a mínima ideia do que se passava pela cabeça de Alice, mesmo que nós estivéssemos tão próximos, eu ainda não conhecia tudo sobre ela. 

-Acho melhor esperarmos ela voltar. -Disse Ary, sentando-se no outro sofá. 

-É, talvez você tenha razão. -Respondi, andando desanimadamente em direção ao outro sofá, deitando sob ele. 

Deixei-me ser tomado pelos meus pensamentos, ignorando o barulho da TV, o tempo ia passando devagar, eu comecei a notar o quanto a viagem até o palácio de meu pai havia me cansado, até que eu apaguei ali mesmo. 

 

Alice: 

Eu já estava voando fazia algum tempo, sem ter um local em mente, apenas vagava pelo céu nas costas do pégaso. O cavalo parecia saber para onde ir, nós já havíamos passado por várias cidades e agora nos encontrávamos sobrevoando uma grande floresta, ele fez todo esse trajeto sem falar comigo ou pedir informações, o que eu achei muito estranho, mas não questionei.  

Minha senhora? 

Demorei alguns segundos para notar que era comigo. 

-Hã? Ah, sim, diga. 

Estamos nos aproximando do seu destino. 

-Mas... como você sabia onde eu queria ir? Nem eu mesma sabia! 

Eu não sei minha senhora, eu apenas captei alguns de seus pensamentos conflitantes e meus instintos me disseram para vir aqui. 

-Entendi, continue então. 

Era claro que o pégaso não estava agindo por conta própria, provavelmente Circe havia notado minha frustração de algum jeito, controlando o cavalo e fazendo com que ele viesse até ela. Ele começou a pousar no meio da floresta, descendo entre as árvores, que se abriram em uma grande clareira enevoada.  

É aqui, minha senhora. 

Não se podia ver muito longe, mas eu conseguia senti uma presença divina ali, só estava torcendo para que fosse Circe. 

-Certo, você pode me deixar aqui mesmo, volte para o acampamento. 

Tem certeza, minha senhora? Não quer que eu espere? 

-Não se preocupe, vou ficar bem. 

Eu desmontei do cavalo, acariciando o seu pelo. 

-Uma última coisa, como é o seu nome? 

Eu me chamo Máximus, minha senhora, e estarei sempre disposto a servi-la. 

Fiz uma leve reverência, observando o pégaso partir. Assim que ele sumiu entre o topo das árvores, olhei em volta, tentando enxergar através da névoa. Rapidamente todo o local começou a parecer mais nítido, eu podia ver tudo normalmente, e ali na clareira havia uma grande mansão, toda de mármore branco, com grandes pilares gregos e tochas ladeando a entrada. Em pé, parada na frente da porta, de braços cruzados e uma expressão misteriosa, estava Circe.  

-Sabia que você viria. -Disse-me ela, fazendo sinal para que eu me aproximasse. 

Dei alguns passos lentos, observando-a enquanto andava. Ela estava com um vestido mais curto dessa vez, chegando até o meio das coxas dela, era preto com um decote não muito grande, em formato de V.  

-Precisamos conversar. -Falei, ficando de frente para ela. 

Meu rosto ficava alguns centímetros acima dos seios dela, o que me fazia ter uma visão incrível dos mesmos. Tentei me concentrar nos olhos dela, mas era impossível, ela parecia estar usando aquele vestido de propósito. Ela desceu o rosto de encontro ao meu, selando nossos lábios em um beijo calmo, que não durou muito. 

-Entre, darei todas as respostas possíveis mais tarde, agora eu preciso de você para outra coisa. -Comandou ela, entrando na minha frente. 

Eu a segui, sem tirar os olhos da bunda dela, que parecia rebolar para mim. Não reparei muito no resto da casa, fomos direto para o quarto, que havia mudado desde a última vez que estive ali. Havia uma cama king size no centro do quarto encostada na parede, um tear maior e mais bonito do que o outro no canto esquerdo, um lustre bem decorado pendia do teto, uma guarda-roupa bem grande completava a parede, um espelho redondo estava grudado na parede, havia uma mesinha central com alguns livros em cima e uma porta que provavelmente levava ao banheiro.  

-Gostou? -Perguntou ela, se virando para mim. -Eu disse que aquele outro era temporário. 

Fiz que sim com a cabeça, observando o local. Encostado em um dos cantos do quarto, estava um tridente verde água, ele parecia emitir um brilho e exalava um cheiro de água marinha. Eu não tinha o visto antes, mas de uma coisa eu tinha certeza, era o tridente de Poseidon. 

-O que raios aquela coisa está fazendo aqui?! -Minha voz acabou saindo um pouco mais alto do que eu esperava, assustando-a. 

Ela ajeitou o vestido e respirou fundo antes de me responder: 

-É por isso que preciso de você, quero sua ajuda em algo. 

Aquilo me acalmou e ao mesmo tempo me decepcionou, pensei que ela quisesse outra coisa. Fui até o canto e peguei o tridente com as duas mãos, ele não era tão pesado como eu pensava, eu conseguia sentir a força do oceano nele.  

-Do que você precisa? Por que está com o tridente de Poseidon? -Perguntei, virando-me de frente para ela. 

Eu deveria estar com uma expressão muito estranha no rosto, pois ela se afastou um passo para trás.  

-Embora eu quisesse ver Poseidon morrer de agonia longe de sua arma favorita, quero que dia à ele onde o tridente está. Diga que está com Anfitrite. -Respondeu ela, unindo as mãos na frente do corpo. 

-Anfitrite? Mas o tridente está com você, o que ela tem a ver com isso? O que você sabe sobre ela? -Eu me aproximava mais dela enquanto a enchia de perguntas. 

-Acalme-se! Vou responder à todas as perguntas, mas uma de cada vez! -Reclamou ela, levantando as mãos para cima, fazendo sinal para que eu parasse. -Todos já sabem do "sequestro" dela. Digamos que isso talvez não seja verdade, como eu tinha dito anteriormente, me aliei a alguém para lutar essa guerra. 

Respirei fundo, tentando pensar com clareza, mas eu não conseguia decifrar as palavras dela. Sentei-me na beira da cama, observando-a. 

-Certo, eu falo para ele... mas como vou explicar que sei isso? -Falei, um tanto pensativa. 

-Ah, tenho certeza que você dará um jeito, você é muito inteligente. -Respondeu ela, tirando meu cabelo dos olhos e o prendendo atrás da orelha. 

Dei de ombros, colocando o tridente ao meu lado na cama. 

-Soube que você se saiu muito bem na captura da bandeira de ontem à noite, aprendeu a usar seus anéis, não é? -Perguntou ela, usando as mãos para levantar o meu queixo, fazendo-me olhar para ela. 

-Meu time ganhou, mas como você sabe sobre os anéis? -Falei, surpresa. 

-Tenho meus informantes no mundo inteiro, muitos seres ainda trabalham para mim. Conte-me como você os usou. -Ordenou ela. 

Suspirei, lembrando-me do ocorrido ontem à noite. 

-Eu estava lutando com Atena... 

-Sua mãe. -Ela me interrompeu. 

-Ela não é minha mãe. -Reclamei, irritada. -Enfim, nós estávamos lutando e, em um dos golpes dela, meu anel esquerdo virou um escudo, bem em tempo de me proteger. Ele desapareceu assim que a luta terminou, eu nem tentei ativá-lo novamente. 

Ela pegou minhas mãos e m fez levantar, levando-me para o meio do quarto. 

-Acho que você merece minha ajuda nisso. -Disse ela, com um sorriso travesso nos lábios. -Faça exatamente o que eu mandar, entendeu? 

Revirei os olhos, colocando as mãos na cintura. 

-Sim, senhora! Mais alguma coisa? -Debochei. 

Ela apenas revirou os olhos, fazendo careta. 

-Seu escudo é considerado o melhor do mundo, ele toma a melhor forma para deter aquilo que o atinge, por exemplo: se você for atingida por fogo, ele se transforma em um escudo de água, e por aí vai. -Começou ela. -Para você o ativá-lo, basta girar o anel em seu dedo, ele vai automaticamente aparecer na forma de um escudo de chama cinza pura. 

Assim que ela terminou de explicar, tentei botar em prática o que ela disse. Girei meu anel esquerdo no dedo do meio, que era onde eu o deixava, e ele virou automaticamente um escudo de chama cinza pura, preso por tiras de couro no meu braço. 

-Isso é muito legal! -Exclamei, sem poder deixar de sorrir. 

-Sempre que quiser fazê-lo desaparecer, basta repetir o movimento. -Explicou ela, fazendo sinal para que eu tentasse. 

Eu o fiz e ele rapidamente voltou a ser um anel de bronze celestial com o meio na cor cinza. Pensei em fazer o mesmo com o anel direito, mas nada acontecia. 

-Desse jeito você não vai conseguir nada. -Disse ela, revirando os olhos. -Pense em uma arma, qualquer uma. 

-Qualquer uma mesmo? -Perguntei, duvidando. 

-Foi o que eu disse! -Reclamou ela. 

Demorei um tempo para pensar em alguma coisa, minha cabeça estava meio confusa, mas consegui pensar em uma bazuca. 

-Pronto, e agora? -Perguntei, de olhos fechados, concentrada. 

-Gire o anel, com calma. -Pude ouvir ela se afastar um pouco. 

Eu obedeci e, na mesma hora, pude sentir meu braço ficar mais pesado e algo de metal surgir em minhas mãos. Quando abri os olhos, eu segurava uma bazuca de bronze celestial, com a bandeira dos Estados Unidos na ponta, ela se ajeitava perfeitamente na minha mão. Não me aguentei e comecei a rir, aquilo era extremamente legal. 

-É sério isso? Você não tinha algo melhor em que pensar? -Reclamou ela, colocando as mãos na cintura. 

-O que foi? Isso é muito foda! -Exclamei, apontando a bazuca para ela, que tropeçou, batendo a cabeça na parede. 

-Idiota! Suma com isso! -Ordenou ela. 

Eu comecei a rir da expressão no rosto dela. 

-Como eu faço isso? -Perguntei, sacudindo a arma. 

-Pare! Você vai acabar explodindo tudo! -Disse ela, sua voz saiu algumas notas mais altas. -Apenas gire de novo, vai voltar ao normal. 

Fiz o que ela mandou, com certa dificuldade, mas logo o anel voltou a aparecer, tomando o lugar da arma. Circe pareceu aliviada, respirando fundo para se acalmar. 

-Então, sempre que eu quiser uma arma, basta girar o anel, fazendo o mesmo para o escudo? -Perguntei, ela fez que sim com a cabeça. -Ainda bem! Não aguentava mais ter que usar aquela espada horrível. 

Peguei o tridente de Poseidon na cama, colocando-o novamente no canto do quarto, depois me virei para ela, aproximando-me. 

-Por que precisa disso? -Perguntei. 

-Isso será o que dará início a essa guerra, assim que você disser com quem ele está, os Deuses entraram em colapso, culpando uns aos outros, como eles fizeram com o raio de Zeus. Eles mandaram você em uma missão, e nos aproveitaremos desse momento para atacar o acampamento grego. -Disse ela, sorrindo sombriamente. 

-Eu já deveria estar em uma missão, para trazer Anfitrite de volta, mas parece que a cada dia surge um novo imprevisto, e eu acabo ficando no acampamento. -Falei, ela apenas deu de ombros.  

Ela olhou para uma cômoda que havia ao lado esquerdo da cama, virando-se para mim em seguida. 

-Acho melhor você ir, está tarde e eles podem desconfiar. -Disse ela. 

-Como assim está... seis horas da tarde?! -Exclamei, um pouco alto. -Como o tempo pode ter passado tão rápido?! Eu nem almocei! 

Ela deu de ombros, indiferente. 

-Esqueci de lhe dizer, o tempo é diferente por aqui. -Explicou ela, suspirando. 

-Esqueceu de me dizer?! Você só pode estar de brincadeira! Eu estou a horas aqui! -Reclamei, abrindo os braços. 

-Desculpe, mas enfim, antes de ir, fique com isto. -Ela andou até a cômoda e tirou de uma das gavetas uma caixa branca, me entregando em seguida. -Será melhor para nos comunicarmos. 

Era um celular de última geração, a caixa nem tinha sido aberta, vinha junto com um chip e um número de celular. 

-Pensei que os semideuses não pudessem ter celular. -Falei, ela apenas deu de ombros, como se aquilo fosse algo idiota de se dizer. -Certo... você pretende falar comigo pelo whatsapp?  

Eu tinha dito aquilo de brincadeira, mas ela levou a sério. 

-Essa é a ideia, é um meio de comunicação bem mais rápido, facilita em tudo. -Explicou ela, cruzando os braços. 

-Ok. Acho melhor eu ir então, pode me tele transportar? -Perguntei. 

Ela fez que sim, mas antes que pudesse fazer qualquer outra coisa, roubei um beijo dela, deixando-a surpresa, mas ela não demorou muito para corresponder, puxando meus cabelos para si com força. Separamos o beijo com ela sorrindo, meio sem graça, fechei os olhos e esperei. Senti o ar esfriar e ficar mais denso, quando essa sensação passou, abri os olhos e me vi no meu quarto, no chalé 3.  

Deixei o celular em cima da cômoda, depois corri para a sala, não havia ninguém ali, portanto corri para o refeitório, torcendo para não perder o jantar, meu estômago roncava alto. 

 

Percy: 

Minha tarde tinha sido horrivelmente chata, Alice não aparecia nunca, Ary tinha ficado com Juh na sala, assistindo uma série da época medieval, eu acho. Resolvi dar uma volta, andando até os estábulos, quando cheguei lá, encontrei Leo e Calypso trabalhando juntos em uma das baias, que parecia estar com defeito. 

-Ei, eai cara! -Disse Leo, me cumprimentando. 

-Oi. -Respondi, acenando e me aproximando. 

Calypso apenas sorriu e acenou de volta, parecia concentrada no trabalho. 

-Então, o que estão fazendo? -Perguntei, sem muito entusiasmo. 

-Essa baia não está fechando direito, ela trava o tempo inteiro, então Piper me pediu para ajeitá-la. Como eu e Calypso somos uma dupla incrível, chamei ela para me ajudar! -Disse ele, animado, sorrindo para a namorada, que ria da expressão dele. 

-Bem... boa sorte, então. Acho que já vou indo. -Falei, dando alguns passos para trás. 

-Ei, cara, está tudo bem? -Perguntou Leo, ele parecia preocupado de verdade. 

-Não é nada demais, só estou preocupado com algumas coisas que stão acontecendo. -Respondi, dando de ombros. 

-Acha que essa guerra vai envolver a nós novamente? -Perguntou ele, com a expressão um pouco mais séria. 

-Não sei, estou mais preocupado com a minha irmã. Por falar nisso, viu ela por aí? -Perguntei. 

-Você se apegou rápido a ela, não é? -Disse Calypso, eu apenas dei de ombros. -Mas, desculpe, não a vimos. 

-Tudo bem, obrigada mesmo assim. -Eu estava dando as costas. -A gente se vê por aí! 

 

-----------(...)------------ 

O resto da tarde conseguiu ser mais chato ainda, depois do almoço resolvi correr na praia. Consegui manter o ritmo por umas duas horas, depois acabei desabando na areia e dormindo ali mesmo. Só fui acordar quando ouvi a corneta para o almoço, limpei a areia da roupa e subi correndo até o pavilhão do refeitório, esperava encontrar Alice lá. 

Ary já estava na nossa mesa, esperando por mim, me sentei rapidamente e esperei o jantar começar. Alice apareceu bem em cima da hora, tinha uma expressão de indiferença no rosto, correu para junto de nós na mesa, recuperando o fôlego.  

-Precisamos conversar, vou mandar uma mensagem de Íris para o palácio de Poseidon assim que terminarmos de comer, eu já sei onde o tridente está. -Disse ela, pegando uma grande fatia de carne e colocando inteira na boca.  

-Como você descobriu? Onde você estava até agora? -Perguntei, intrigado e desconfiado. 

-Eu... falei com uma ninfa da floresta, em uma floresta... ela ouviu de uma outra ninfa que o tridente estava com àquela que tinha sido sequestrada. Foi tudo bem misterioso. -Respondeu ela, embora não estivesse muito certa do que dizia. 

Eu estava achando tudo muito estranho, mas resolvi confiar nela, parecia o certo a se fazer. Comemos rapidamente e logo depois Alice se separou de nós, pretendendo enviar a mensagem de Íris, ela parecia querer que Poseidon chegasse a tempo de tocar no show, o que pra mim não fazia diferença nenhuma. Antes de irmos para o anfiteatro, fomos até o chalé para trocarmos de roupa, já que havíamos combinado como iriamos nos vestir. Eu aproveitei para tomar um banho rápido, pois ainda estava um pouco suado e sujo de areia.  

Depois que saí do banho, coloquei a calça jeans preta que Alice havia me mandado colocar, junto com uma camiseta de manga curta azul marinho e uma jaqueta de couro. Achava aquilo um tanto desnecessário, mas não podia mentir, gostava do jeito que as roupas ficavam no meu corpo, era um estilo muito legal. Encontrei com as meninas na sala, Ary vestia um short jeans preto, com umas partes rasgadas, junto com uma regata de alça fina azul escuro e uma jaqueta de couro preta. Alice estava com coturnos pretos, calça jeans rasgada preta e um tomara que caia na mesma cor que a minha camisa, ela também usava uma jaqueta de couro preta, ela estava com uma maquiagem mais escura, que ressaltava os seus lindos olhos turquesa . Parecíamos uma banda de rock, acho que era essa a intenção. 

-Vamos? -Perguntou Alice, amarrando o cabelo em um coque malfeito. 

Fizemos que sim, seguindo-a para o anfiteatro. Sentamos em uma das arquibancadas mais ao alto, esperando a abertura das competições. 

-Nosso pai vai conseguir vir? -Perguntou Ary.

Alice deu de ombros, sem dar uma resposta completa. Ficamos em silêncio por um tempo, esperando o resto do acampamento chegar. Nós não éramos os únicos com a ideia de combinar as roupas, o chalé de Afrodite e Apolo também fizeram isso, mas Alice parecia não dar bola. Esperamos até Apolo subir no palco, se dirigindo ao microfone. 

-Todos prontos?! -Perguntou ele. 

Todos gritaram que sim, alguns mais animados que os outros. Ele sorriu e fez sinal para os filhos se prepararem, colocando-se em posição.  

-Preparem-se para o melhor show das suas vidas! -Disse ele, sorrindo. 

Alice suspirou, revirando os olhos, mas tinha um sorriso de canto nos lábios. 

-Apolo consegue chamar a atenção quando quer, não é? -Disse ela. 

-Você não faz ideia. -Falei, observando o palco. 

O chalé de Apolo começou a tocar as primeiras notas, fazendo o anfiteatro inteiro entrar em um silêncio absoluto, esperando o show começar.


Notas Finais


Ficar uma semana sem postar é um recorde que eu não pretendo bater, mas como estou na última semana de provas, preciso estudar :/ Não sei se postarei muito nessa próxima semana, mas vou tentar... Não esqueçam dos agradecimentos especiais <3 <3 <3 <3 Desculpem pelo capítulo pequeno, prometo fazer um bem maior para recompensá-los :)

O link da outra história... diva e maravilhosa :3
https://spiritfanfics.com/historia/para-toda-a-vida-7169960

Prometo que o próximo HOT não irá demorar :P
Espero que tenham gostado, aceito sugestões e críticas, qualquer dúvida me perguntem!!!!
Beijos e até a próxima... espero que não demore muito :P


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...