História Alice no País das Maravilhas - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland)
Exibições 3
Palavras 1.925
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Bom, eu penso que lugar melhor que aqui, onde as pessoas podem ser sinceras ( eu acho) para mostrar e ver se meu trabalho ficou bom! Espero que goste, beijos
PS: alguns personagens foram levemente alterados, para que a minha ideia de história funcionasse

Capítulo 1 - Capitulo Um: Era uma vez


Em um tarde de clima perfeito para se sentar embaixo de uma árvore e ler ou ouvir boas histórias, Alice e sua irmã mais velha Lucy se sentaram embaixo de um carvalho, Lucy estava muito empolgada com um livro que a pouco havia adquirido cujo título era “Contos do País das Maravilhas”, logo que se sentaram Lucy começou a narrativa em voz alta:

-Olá, nós somos os gêmeos Tweedle-Dee e Tweedle-Doo e vamos ser seus narradores. Como todo livro o primeiro conto é o da criação, formação, este não será diferente. No País das Maravilhas havia o rei Dannel e uma Rainha Galadriel. Eles tinham duas meninas alguns diriam que elas eram totalmente opostas, outras diria que elas eram iguais, a mais velha se chamava Daenerys era doce, calma, seu coração era puro, achavam que por ser tão bondosa seus cabelos eram platinados e sua pele bem alva, já sua irmã mais nova Katherine era uma menina de pavio curto, bem impulsiva suas características marcantes eram seus lábios avantajados e seus cabelos de um vermelho vibrante! As duas irmãs mesmo que com características tão diferentes vivam sempre em harmonia, sempre completavam a fala uma da outra, pensavam da mesma forma, com um simples olhar já sabiam o que a outra falaria...

 Quando Daenerys tinha apenas seis anos e sua irmã Katherine quatro ocorreu um episódio que mudou a vida das duas drasticamente, estavam elas passeando pela Floresta Sem Nome; voltando para o castelo, pois logo iria chover durante a correria das duas irmãs Daenerys ouviu um choramingo um pouco distante e parou abruptamente quase fazendo sua irmã quase cair que irritada por quase estragar seu vestido perguntou:

- Dany por que parou? Sabe que amo esse vestido!- a vestimenta continha pequenos bordados que davam a impressão de cartas de baralho.

- Kathen me desculpe, mas acho que ouvi alguém chorando! Vamos por ali, tenho quase certeza que o som veio dali- Ela foi em direção a uma árvore bem grande, seu tronco era enorme parecia uma espécie similar ao baobá, elas estavam meio receosas, ao se aproximarem d’árvore com passos descuidados fazendo barulhos com folhas e galhos sendo amassados, o barulho cessou e elas também pararam. Dany por ser mais curiosa perguntou:

-Quem está ai? Você esta perdida ou perdido? Podemos te ajudar!- o silencio permaneceu por mais algum tempo então Dany continuou. -Não tenha medo, estamos aqui para te ajudar!- após essas palavras de encorajamento pode- se ouvir barulhos de alguém se levantando, assuando o nariz, ao som deste Kathe riu e logo o barulho cessou. As meninas estavam curiosas para sabem quem ou o que estava ali, então foram devagar em direção ao outro lado do tronco, acontece que a figura também fez o mesmo só que pelo outro lado e ao perceberem isso logo refizeram seus caminhos ao lado do tronco correspondente e também se desencontraram, ao perceber o engano de direções Dany falou: “Pela esquerda.” E ambos as três figuras se encararam, as duas princesas de mãos dadas se viram diante de um menino que parecia ter uns cinco anos e estava sozinho, ele usava um conjunto de roupas espalhafatosas como um paletó marrom, uma calça de listras e uma camisa roxa com um laço enorme que ou já se rasgaram ou não lhe serviam direito e uma cartola icônica com o número 10/6 preso à faixa rosê, logo abaixo da icônica cartola havia um emaranhado enrolado de cabelos alaranjados. Dany logo estendeu a mão para cumprimentá-lo e se apresentar:

-Olá, meu nome é Daenerys, mas prefiro Dany e a propósito adorei seu chapéu e essa é- sua Kathen logo a cortou.

- EU sou Kathen e posso me apresentar sozinha Dany.- Disse já embravecida. O garoto cumprimentou-as:

- Eu sou o... - Fez uma cara confusa- Engraçado juro que eu tenho um nome... - Kathen como sempre se intrometeu

-Você deve ser chapeleiro com essa cartola na cabeça! Como pode esquecer seu próprio nome? Você deve ser Chapeleiro Maluco!- disse isso às gargalhadas e Dany acompanhou-a com discrição, logo o menino também ria e os três riram sem controle por algum tempo.

- Já que prefere assim serei então o Chapeleiro Maluco!- Disse fazendo uma reverencia exagerada, arrancando ainda mais risadas das jovens- Alias acho que poderei fazer chapéus para as duas, se me permitirem é claro- entrando na brincadeira ele também riu, mas as risadas foram interrompidas pelo som de um trovão.

 Os três então se dirigiram à casa das meninas, porém antes mesmo de chegarem perto do castelo começou a chuviscar e com a lembrança de Dany se dirigiram à casa na árvore onde estariam protegidos por enquanto. Ao chegarem à casa da árvore que era um belo exemplar de casa rústica, construída com madeiras horizontalmente posicionadas e que na porta havia um recorte em forma de coração como se fosse uma janela, começou a chover fortemente, então eles simplesmente se sentaram nos sofás que lá havia e brincaram de faz de conta até a chuva passar, quando parou de gotejar o telhado da casinha, eles foram para o castelo, o qual maravilhou o menino, nunca tinha visto construção mais esplendorosa que aquela disso ele tinha certeza, ele ao ver a cara das meninas normal desconfiou um pouco, pois até esse momento o Chapeleiro achou que elas poderiam ser tudo menos as princesas do castelo, ele ficou muito surpreso com o recebimento de um dos serviçais:

-Bem-vindas de volta Princesas, vocês nos deixaram muito preocupados aqui no castelo!E quem é este jovenzinho que as acompanha?-Disse um mordomo que literalmente da cabeça aos pés trajava preto, incrivelmente era um mordomo jovem, devia ser muito eficiente devido ao broche que indicava que era o mestre dos mordomos, ele os acolheu com um sorriso simples, as meninas riram e logo responderam:

- Ai Sebby não precisa falar assim! A gente foi, mas já voltou! Esse é o nosso convidado o Chapeleiro Maluco!- Disseram juntas- O jantar já esta pronto? Estamos morrendo de fome!- Disse Kathen que nunca tinha muita paciência. Ao som da menção de comida Chapeleiro concordou rapidamente mesmo sem memória tinha quase certeza que não comia há alguns dias...

- Estamos aguardando a visita de seus pais, já devem saber quem é... Ouvi dizer que ele está de volta de viagem então já sabem o que lhe esperam não é mesmo?- Disse Sebastian conduzindo-os pelos enormes corredores do castelo, todos muito bem decorados ora com pinturas outrora com esculturas. -As conduzirei aos seus quartos e deixarei o hospede de vocês em um dos quartos de visitas, deverão se aprontar para o jantar, pois a visita não deve tardar agora que já passou a chuva!- Continuou Sebastian. As meninas se olharam e falaram com os olhos a brilhar e o Chapeleiro continuava sem entender bulhufas:

- Tio Thomas!!!- O Chapeleiro permaneceu em silencio com medo de fazer perguntas que elas “as princesas” considerariam tolas, seu maior problema agora era sobre ele mesmo, e ninguém poderia ajudá-lo, somente ele, “novamente sozinho” este pensamento lhe deu calafrios, por algum motivo não gostava da solidão. Perdido em seus pensamentos nem percebeu quando as meninas saíram correndo e o deixou com o mordomo, quando percebeu o que fizeram este se encolheu um pouco por agora estar em um ambiente totalmente estranho; Sebastian observava o menino pelo canto do olho, quando percebeu que ele se retraiu falou com a intenção de acalmá-lo: “Essas Senhoritas sempre andam correndo por aí, não me admiraria se a história de como se conheceram foi que elas o atropelaram... ou estou enganado? Não tenha medo de falar, está entre amigos aqui, a propósito estou te conduzindo aos seus aposentos.” O menino se sentiu um pouco mais confortável para falar com o mordomo: “Olha Senhor Sebastian eu me sinto muito esquisito aqui e muito envergonhado, e a gente quase se trombou mesmo a minha sorte é que andei devagar” Disse o menino com uma leve risada.

Agora eles subiam uma enorme escadaria o corrimão era todo adornado como se fossem galhos espiralados, mas era pura prata, tão polida que parecia um espelho, seguindo o corrimão com o olhar era possível ver uma enorme pintura na parede “principal” onde retratava a família nela era possível ver Dany com o que aparentavam ser dois anos ao lado de uma mulher com os cabelos iguais aos dela, porém um pouco mais amarelados como um louro, esta por sua vez segurava um bebê com uma cabeleira ruiva, com uma das  mãos apoiada no ombro da mulher  e a outra no de Dany havia um homem com os cabelos,bigode, barba e costeletas pelo qual devia ser orgulhar da mesma cor vivida que o cabelo de Kathen, Chapeleiro ficou encantado a beleza daquela família parecia mágica. Sebastian sempre atento as reações do menino logo comentou: “Bela família não? Trabalho aqui desde que a Rainha Galadriel atingiu a maior idade... muito novo posso dizer que eu era muito atrapalhado” soltou um riso fraco “ posso dizer que vi essa família se formar, também tiveram muita ajuda de Sir Thomas, nunca entendo como um homem com aquele status deixou-se ajudar um homem “qualquer” como Dannel, digo Sir Thomas poderia ser o Rei agora, embora eu prefira muito mais o Rei Dannel, ele e a Rainha são muito gentis com todos, até se preocupam com os serviçais, bem este será seu quarto, fique pelo tempo que precisar acho que fará bem às Senhoritas” disse Sebastian ao chegarem em frente à um porta toda adornada com padrões geométricos como triângulos e quadrados em tons de verde e azul, ao abrir a porta Chapeleiro ficou de boca aberta, aquela cama daria pra cinco pessoas ou mais até dormirem nela!; “Tome um banho quente, vou providenciar algumas roupas para você enquanto isso” Chapeleiro tratou logo de obedecer envergonhado por ser tratado como se fosse importante, logo encheu a banheira com água quente e tirou suas roupas levemente úmidas, quando foi tirar a cartola percebeu o papel com o número e se questionou o porquê daquele numero “Mais um mistério...” pensou, porém logo deixou para mais tarde agora tinha que tomar banho... A banheira estava tão relaxante que Chapeleiro acabou cochilando e acordou com as batidas de Sebastian na porta, assim que ele adentrou logo disse: “Me perdoe pela demora, é que com o castelo somente com moradoras é meio difícil encontrar roupas masculinas e também tive que ajudar as Senhoritas à encontrarem o vestido para a ocasião de hoje, precisa de ajuda Jovem Mestre?” Chapeleiro se apressou em dizer que não e logo se trocou com a ajuda do mordomo, quando se olhou no espelho com cabelo penteado, roupas limpas e do tamanho correto, devido a estação ser verão Chapeleiro trajava meias ¾ acompanhados de sapatos sociais, shorts azul marinho com suspensórios, camisa branca com botões com gravata preta, por cima um paletó também azul marinho e para completar Chapeleiro fez questão de usar aquela cartola, por algum motivo ele nunca iria se separar dela...”

- Lucy, sei que está adorando contar estas histórias, mas está ficando tarde... Papai poderá ficar bravo conosco! Amanhã começamos mais cedo. Estou adorando esta história! Como não a descobrimos antes?- Disse Alice bem animada com o livro, porém com um tom de urgência como se esse livro fosse necessário em sua vida, já se levantando com as costas doloridas de se apoiar no carvalho.

- Não sei Alice parece que foi puro destino... Ou até mesmo mágica!-Disse Lucy rindo com a simples menção de algo assim no mundo real. E assim as duas jovens foram para casa...


Notas Finais


Bem se você leu até aqui tem algum motivo, me deixe saber se continuo tornando isso publico, se poderia ter melhorias nele, sugestões, tudo eu aceito de bom coração! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...