História All I Need - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Fairy Tail, Gale, Gruvia, Jerza, Nalu
Exibições 170
Palavras 2.041
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Eu explico mais tarde

Capítulo 14 - Dream


Fanfic / Fanfiction All I Need - Capítulo 14 - Dream

Desci de volta para a sala, a mesma se encontrava vazia, a casa estava silenciosa, o que me pareceu bastante estranho. Fui para a sala de jantar e o que vi conseguiu me tirar alguns sorrisos. Natsu já tinha terminado de comer, mas acabou caindo no sono, estava dormindo com a cara dentro do prato.

Contornei a mesa e fui para seu lado, levantei sua cabeça com cuidado e tirei o prato dali, ele continuou dormindo com o rosto na mesa, seu sono parecia ser bastante pesado.

Levei o prato para cozinha e me surpreendi ao ver Mavis lavando a louça enquanto cantarolava algo. Me aproximo e coloco o prato em cima da pia, chamando a atenção dela, que me olha.

- Ah, Lucy, desculpa, não tinha te visto entrar. – Ela sorri para mim.

- Não foi nada, só vim trazer o prato de Natsu, o coitado caiu no sono em cima dele. – Digo, ela ri.

- Bem a cara dele. – Ela ri pegando o prato e começando a lavar o mesmo.

- Precisa de ajuda? – Pergunto, estava sem nada para fazer.

- Não, muito obrigada. – Ela sorri. – Mas eu iria agradecer se você levasse Natsu para o quarto dele, eu quero fazer uma faxina na casa antes das aulas amanhã. É uma rotina minha. – Ela volta a se concentrar na louça.

- Vai precisar de ajuda com a faxina? – Pergunto. “Inútil, você nem sabe arrumar o seu quarto direito, vai ajudar no que”?

- É contra as regras pedir ajuda para os calouros, e como uma ex líder da Guilda não vou te pedir ajuda e nem deixar você se oferecer. – Ela diz com um tom brincalhão.

- Você que manda, ex líder. – Digo a fazendo rir.

Saio da cozinha fechando a porta da mesma. Caminho até Natsu e tento acorda-lo.

- Natsu, levanta, não pode dormir aqui. – Digo cutucando seu rosto, ele dormia bastante tranquilo. – Natsu! – Digo quase gritando. Ele abre os olhos devagar e me encara.

- O que foi, Luce? – Ele diz, sua voz estava extremamente rouca e arrastada.

- Você precisa ir dormir no seu quarto. – Digo puxando seu braço. Ele se senta, um lado de seu rosto estava sujo de comida por conta de ter dormido em cima do prato. Pego um pedaço de guardanapo e limpo seu rosto enquanto o mesmo quase voltava a cair no sono sentado.

- Luce, me leva. – Ele diz assim que termino de limpar seu rosto.

- Tenho cara de babá? – Pergunto deixando o pedaço de guardanapo em cima da mesa.

Ele não responde, apenas estende os braços para mim, como uma criança que pede colo.

Bufo e o puxo pelos braços fazendo ele se levantar, quase caindo em cima de mim. Passo um dos braços dele por cima de meus ombros e saio da sala com ele se arrastando, se apoiando totalmente em mim.

- Você não é nem um pouco leve, Natsu. – Murmuro fazendo esforço para mantê-lo de pé.

Estávamos apenas no meio da sala, indo em direção a escada e eu já estava suando, já ele ainda fedia por ter subido na arvore.

Subimos as escadas com muito esforço da minha parte, assim que chegamos no topo minhas pernas estavam moles como gelatina, estava ficando com muito calor usando aquele moletom.

- Luce, tira esse moletom, ele fede. – Natsu murmura com os olhos fechados.

- Depois de te colocar na cama. – Digo enquanto íamos em direção ao quarto dele. Ele murmura mais alguma coisa, mas eu não consigo entender.

Minhas pernas gritam aleluia quando paramos na frente do quarto dele, abro a porta, o quarto continuava uma bagunça, ignoro este fato e adentro no mesmo, dessa vez deixando a porta aberta. Caminhamos até a cama dele e eu praticamente o jogo nela, meu corpo fica mais leve e eu quase comemoro em voz alta por não ter que carregar mais o peso dele.

Me viro para sair, mas antes tiro o moletom, já não o aguentava mais. Antes que eu pudesse dar mais um passo em direção a porta sinto um puxão no meu shorts, quase o tirando, e acabo por cair na cama, em cima dele para ser mais exata, antes que eu pudesse fazer qualquer coisa ele me abraça por trás e se vira na cama, deitado de lado e me abraçando.

Eu estava espantada, tinha sido tudo muito rápido até eu me dar conta que Natsu dormia abraçado de conchinha comigo. Eu sentia a respiração dele no meu cangote, ele me apertava contra si enquanto eu tentava respirar para não ter um ataque de vergonha e de raiva contra ele.

Pela sua respiração ele já tinha caído do sono, não iria adiantar nada pedir para ele me soltar. Tentei me soltar de seus braços, mas eles estavam firmes enquanto me abraçavam, eu estava nervosa, nunca tinha ficado tão perto de alguém antes e pelo jeito não iria conseguir sair dali tão cedo.

“Ok, calma, Lucy, ele está dormindo, não vai fazer nada com você. Logo ele volta a se mexer e uma hora vai acabar te soltando. Não precisa entrar em pânico”.

Assim que digo isso a mim mesma, Natsu dobra suas pernas, me encaixando nele e assim grudando nossos quadris um no outro. Senti uma sensação estranha no estomago, meu rosto estava extremamente quente e meu coração batia tão forte que chegava a doer no peito.

Ele estava encostando em mim, estava encostando em mim com a área proibida, estava encostando em mim com a área proibida na minha área proibida.

Tento mais uma vez me soltar, mas é inútil. Respiro fundo.

“É só ignorar, uma hora ele vai te soltar, ignore que logo passa”.

E nessa tentativa de ignorar a sensação, não percebi quando cai no sono.

 

Lucy Off

Natsu On

 

Uma luz forte atingia o meu rosto, eu não sabia onde eu estava, mas tudo era muito rosa. A luz se dissipou e eu finalmente consegui ver aonde estava, era um quarto grande, e extremamente luxuoso, o chão era de veludo, o papel de parede era rosa com alguns desenhos dourados.

Eu estava deitado em uma cama grande e muito confortável, e estava apoiado em muitos travesseiros, o lençol que cobria o colchão parecia ser de um tecido muito caro e era rosa choque.

O ar cheirava a... Luce. O cheiro dela estava impregnado no ar, aquilo me deixou muito feliz porque Luce tinha um cheiro bom. Então me assusto quando pétalas de cerejeira começam a cair do teto, mas não vinham de nenhum lugar especifico, elas apenas caiam.

- Eu adorei aqui, Natsu. – Ouço a voz de Luce, olho para frente e a vejo sentada no final da cama, mas não parecia ser ela.

Ela estava com um ar mais intimidante e... Sensual é a palavra certa para se usar? Não sei, mas era o que parecia.

- Fico feliz que tenha me trazido aqui. – Ela diz, o olhar dela queimava sobre a minha pele. Então voltei a sentir aquela sensação estranha entre as pernas. – Vejo que está feliz também, isso é bom. – Sua voz sai um pouco mais arrastada, me causando arrepios. Os olhos dela foram para baixo e voltaram a me encarar, acompanhei até onde seus olhos tinham ido, foi quando percebi que estava apenas de cueca e estava excitado.

Estranhei ter sentido vergonha daquilo, mas não fiz nada para evitar, eu estava gostando de Luce daquela maneira, principalmente da maneira como me olhava, como se estivesse com fome.

- Será que podemos começar nosso joguinho? – Ela pergunta e então começa a engatinhar até mim, ela não desgrudava os olhos de mim, e isso foi fazendo o calor que eu sentia aumentar ainda mais.

Lucy estava apenas de roupas intimas, seu cabelo estava solto e eu não conseguia tirar meus olhos de seus peitos, que balançavam conforme ela se movia.

Ao chegar bem perto, começou a passar a mão por minha perna conforme continuava vindo para cima de mim. Seu toque era suave, sua mão era quente e macia, ela estava me fazendo sentir coisas estranhas que nunca tinha sentindo antes, estava querendo que ela me tocasse e fizesse coisas que nem eu sabia ao certo.

Minhas partes baixas latejavam, eu sabia o que tinha que fazer para aliviar aquilo, mas não queria fazer, algo dentro de mim pedia para que ela fizesse, mas eu não falei nada, apenas observava enquanto ela deixava nossos rostos bem próximos.

- Ah, Natsu, não sabe o quanto eu esperei por esse momento. – Seu bafo batia morno em meu rosto e cheirava a morango, fiquei me perguntando se seus lábios tinham o mesmo gosto.

Sua voz era baixa e soava como música para os meus ouvidos

Estávamos tão próximos que seus lábios roçavam nos meus, tinha vontade de beija-la ali mesmo, mas seu olhar penetrante me dizia que não era a hora ainda.

- O momento em que você me tomaria para si. – Ela continuou falando, seu rosto desviou do meu e ela começou a falar no meu ouvido com a voz mais arrastada. – O momento em que eu me entregaria completamente a você. Ah, você não tem ideia do quanto foi torturante para mim ter que esperar para sentir você. – Ela dá uma leve mordida na minha mandíbula, me fazendo arrepiar da cabeça aos pés.

Eu já não aguentava mais, queria fazer alguma coisa, minha excitação já se tornava desconfortável, queria ser aliviado, mas não queria estragar aquele momento.

Para minha surpresa ela se senta com tudo em meu colo, me fazendo arfar ao sentir meu membro ser pressionado. Não resisto a tentação de colocar minhas mãos sobre suas coxas, ela pareceu não ter se incomodado com meu ato. Eu estava de frente para seus seios, tudo que eu queria era aperta-los e fazer qualquer outra coisa que me desse vontade.

- Ah Natsu. – Ela praticamente gemeu meu nome, segurou meu rosto com as duas mãos, me fazendo olha para ela, seu rosto estava vermelho e um pouco molhado. – Você está tão duro e isso me faz ficar tão molhada. – Ela segura meu rosto com mais força, eu já estava indo a delírio com tudo aquilo. – Já não consigo mais esperar, quero você dentro de mim, quero gemer o seu nome, Natsu, por favor. – Ela praticamente suplica, aquilo me faz atingir meu limite, tiro suas mãos de meu rosto e me estico para beija-la.

 

Abro os olhos ofegante.

Eu estava no meu quarto.

“Então não se passou de um sonho”. Bufo, eu estava com muito calor.

Não me lembro muito bem do sonho, mas lembro que Luce estava nele e estávamos prestes a... Sinto meu rosto esquentar com o pensamento.

E para melhorar aquilo havia me feito ficar excitado na vida real também. Tento me mover e percebo um peso contra mim, olho para baixo e prendo a respiração.

Luce.

Ela estava dormindo comigo.

Ela estava abraçada em mim.

Estavamos ambos de lado, abraçados, o rosto dela estava afundado no meu pescoço, sua respiração quente estava me causando arrepios, seus braços me abraçavam pelo tórax e suas pernas estavam entrelaçadas na minha cintura. Eu estava com os joelhos dobrados, dava a impressão que ela estava no meu colo, eu a abraçava também.

Até que não estava tão ruim assim se não fosse pelo fato de eu estar excitado e ela estar com suas partes intimas pressionadas contra as minhas.

Não resisti a tentação de passar a mão pelo corpo dela, mas nada demais. Apenas coloquei minha mão em sua coxa, a sensação era a mesma do sonho, sua pela era macia e estava quente sob a minha apenas aquela meia que atrapalhava. Subi um pouco minha mão, estava chegando perto de sua bunda, mas não ousei tocar lá, se Luce acordasse na hora eu não saberia me explicar.

Decidi parar por ali, minha excitação estava piorando e Luce ia ficar zangada comigo se eu tentasse alguma coisa.

Me viro com cuidado, ainda sendo segurado por ela, fico em cima dela, mas sem jogar o meu peso sobre ela. Ela ficou deitada de costas na cama, nem se mexia, parecia estar dormindo muito bem, seu rosto era sereno. Só agora eu havia notado agora o quanto Luce era bonita, as outras meninas eram bonitas também, mas...

Ela abriu os olhos devagar.


Notas Finais


Sim, ficou pequeno e chato, mas foi tudo que eu consegui fazer de ultima hora.
Decidi não excluir, por que? PORQUE VCS ME FIZERAM CHORAR COM AQUELES COMENTÁRIOS, NUNCA CHOREI LENDO COMENTARIOS NESSES TRES ANOS QUE ESCREVO E VCS CONSEGUIRAM FAZER ISSO!
TO TIRANDO ESFORÇO DA MINHA ALMA PARA CONTINUAR, ENTÃO NÃO ESPEREM QUE OS CAPITULOS FIQUEM BONS (porque eu não tenho alma, mas tenho um coração) VAI DEMORAR ATÉ EU PEGAR O EMBALO DE NOVO ENTÃO ATÉ LA VCS VAO TER QUE AGUENTAR CAPITULOS PEQUENOS COMO ESSE E MONÓTONOS.
A FIC VAI TOMAR UM CAMINHO DIFERENTE QUE EU PLANEJAVA, AINDA ESTOU DECIDINDO QUAL CAMINHO TOMAR, ATÉ LÁ, ESPERO Q GOSTEM.

mamãe ama vocês <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...