História All is going Mad (Interativa) - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Cordelia, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Richter, Ruki Mukami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Amor, Ayato, Ayato Sakamaki, Azusa, Azusa Mukami, Diabolik Lovers, Ghoul, Interagir, Interativa, Interativo, Kanato, Kanato Sakamaki, Komori Yui, Kou, Kou Mukami, Laito, Laito Sakamaki, Masoquismo, Mukami, Mukami Azusa, Mukami Kou, Mukami Ruki, Mukami Yuma, Mukamis, Noivas De Sacrifício, Ocs, Paixão, Personagens Originais, Raito, Raito Sakamaki, Reiji, Reiji Sakamaki, Ruki, Ruki Mukami, Sadismo, Sakamaki, Sakamaki Ayato, Sakamaki Kanato, Sakamaki Laito, Sakamaki Raito, Sakamaki Reiji, Sakamaki Shu, Sakamaki Shuu, Sakamaki Subaru, Sakamakis, Shu, Shu Sakamaki, Shuu, Shuu Sakamaki, Sobrenatural, Subaru, Subaru Sakamaki, Vampiro, Vampiros, Yui, Yui Komori, Yuma, Yuma Mukami
Exibições 34
Palavras 1.561
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Fantasia, Ficção, Harem, Hentai, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá!
Leiam as notas finais, por favor!

Boa leitura!

[LEIAM AS NOTAS FINAIS, sério]

Capítulo 7 - VI - Morte Certa


 Em algum dos quartos duma curiosa mansão, uma garota repousava em cima de uma belíssima cama de casal. O móvel era preto, com alguns detalhes de cinza, e feito da mais pura madeira de lei. Os lençóis eram feitos de linho, e eram de um tom maravilhoso de vinho. Os longos cabelos morenos da menina se confundiam com o resto, emoldurando um belo e alvo rosto.

Pálidos e frios raios de luar entravam por uma pequena fresta nas pesadas cortinas que estavam na janela. Estes chegaram até o rosto da dama, que permanecia imóvel. Alguém tinha arrumado seus longos cabelos, pois estavam dispostos no lado direito de seu corpo. Era visível agora um oxímetro preso ao seu dedo indicador esquerdo, medindo a oxigenação e seu pulso. Também via-se um soro, pingando gotas e mais gotas.

Alguns minutos depois, uma movimentação nos olhos da garota aconteceu. Logo após, um piscar de olhos, até que as duas belas orbes verde-esmeralda abriram-se para o mundo. A garota parecia confusa, e virou o rosto para observar todo o cômodo. Tentou levantar-se de vez, mas foi acometida por uma tontura, e voltou a deitar. Mirou o aparelho que media seu pulso, e tirou-o do dedo.

- Mas o que estou fazendo aqui? - disse, baixo. Fitou a porta de mogno à sua direita com uma certa apreensão. - Aquele... Ele não me disse sobre nada disso.

- Vejo que está acordada. - uma voz masculina à esquerda fez com que a garota virasse de supetão e levasse a mão ao coração. O dono desta era um homem alto, moreno, e usava óculos. Observava o soro com uma expressão profissional, quase que médica, e logo após voltou-se ao oxímetro, que não mostrava pulso. Virou seus belos olhos vermelhos para a menina, com um resquício de curiosidade. - Você está morta?

- N-na ver-verdade, eu tirei - falou, a voz falha, enquanto erguia a mão esquerda. O moreno suspirou e pôs o equipamento novamente em sua mão.

- Não tire, se não terei que tomar providências. - olhou com um ar severo, e a garota engoliu seco.

- Hai. - fixou os olhos no moreno, que agora mexia no oxímetro. Parecia intrigado com alguma coisa, e murmurava coisas inaudíveis. Ela olhou para o colo, e lembrou-se de sua dúvida - Sh-Shi? - o homem acenou com a cabeça, permitindo-a que falasse - Perdoe-me a pergunta, mas o que estou fazendo aqui? Anata dare?

O míope olhou por cima do óculos, mirando em seus olhos. A garota olhou para baixo, constrangida. Não sabia ao certo o motivo, apenas sentiu a vermelhidão apoderar-se de seu rosto. O moreno sorriu de desdém, um sorriso que se transformou logo numa risada.

- Do que se lembra? - perguntou, ainda entre risos. A menina continuou olhando para baixo, sem responder. O rapaz fechou a cara e crispou os lábios. - Responda!

- Nada... Nada de mais...

- Nada de mais? - levantou o rosto da menina com força. Ela engoliu seco e umedeceu os lábios.

- Só lembro de entrar numa mansão e... - pareceu considerar um pouco. Uma lembrança perpassou sua mente. Olhou de novo para os dois rubis que lhe fitavam, agora com uma expressão inquisitiva - Anata... Você é o moço que impediu-me de cair no chão... Não é? - o homem soltou seu rosto, e voltou-se novamente para o aparelho à sua frente - Sa-Sakamaki... Reiji?

- Oh, parece que a burguesa lembrou-se de mim. Lembra-se do papel que me entregou também? - a menina negou - "Procuro Reiji", foi o que falou, antes de cair. Tinha um papel na mão. Você não recorda? - ela negou novamente. O moreno bufou. - Bem, não importa, apenas saiba que a partir de agora não deves fazer quaisquer perguntas.

- Mas por... - a menina calou-se ao receber um olhar carrancudo do moreno. Ele finalmente terminou de mexer no oxímetro e trocou o soro.

- Saia às 22 horas em ponto. Não tolero atrasos, então não o faça.

E sumiu tão de repente quanto apareceu. A garota suspirou e mexeu numa das mechas de seu cabelo. Viu que tinha algumas horas antes de sua saída, então decidiu apenas descansar os olhos. Logo estava dormindo a sono solto, tendo sonhos longe dali.

***

- Então quer dizer que nós somos bolsas de sangue?

Uma garota rosada mirava outras três, visivelmente irritada. No cômodo em que estava, seis garotas estavam espalhadas, fazendo diversas coisas. Uma azulada, chamada Sakura Chieko, brincava com um lobo - sim, um lobo - branco, que era anormalmente grande. A loira, Misaki Usagi, estava sentada num dos bancos dali, e desenhava algo num bloco de folhas, enquanto via um anime num notebook à sua frente. Francine Sakura lia um livro enorme - Coração de Tinta - em italiano, e estava deitada no chão. As únicas que prestavam atenção em Mari eram Misaki Sakura (que esquecera de trazer um de seus livros), Emilly Bluebell (que parecia realmente interessada na rosada) e Hannah Rainbow (que não prestava atenção realmente, apenas escondia-se dum dos irmãos).

- Não é bem assim May-san. - Emilly falou, com um certo pesar. - Nós fomos enviadas aqui com o intuito de... Saciar a sede destes... Destes... - parecia procurar uma palavra que não fosse ofensiva, ou que apenas expressasse adequadamente o que aquelas criaturas eram. Optou por utilizar uma palavra abrangente - Irmãos. E acho que...

- Para resumir, é, Mari Morgan, nós somos bolsas de sangue - Hannah falou, cortando a Bluebell, que travou os maxilares em sinal de irritação. A morena notou a indelicadeza, e ainda assim debochou - E Blue-chan, darling, não precisa travar os maxilares, eu sei que é difícil maquiar a verdade.

- Nossa Hannah-chan, o que deu em você? - Misaki falou, repreendendo a amiga. A outra rolou os olhos e saiu do círculo. A morena de tapa-olho sorriu amarelo para a azulada à sua frente - Gommenasai, ela está passando por grande estresse, conheço a amiga que tenho, ela não age assim do nada. Agora com licença, preciso ouvir o que aconteceu desta vez.

Levantou-se e foi atrás dela. As duas restantes olharam uma para outra confusas, mas logo desfizeram a expressão. Arranjaram um assunto mais ameno e recomeçaram a conversar.

Misaki estava fora do cômodo, e começava a perguntar-se onde a amiga havia ido parar, afinal, eram apenas alguns minutos de diferença. Estava ainda procurando, quando esbarrou em alguém.

- Tsk, onde está com a cabeça? - o rapaz à sua frente resmungou, irritado.

- Gommen, não te vi. - levantou a cabeça para ver o rosto daquele garoto, Sakamaki Subaru. - Com licença.

O menino desviou-se e continuou seu caminho. "Mas o que ele faz aqui à essa hora? Daqui a pouco jantaremos", pensou a garota, e continuou na sua busca.

***

Uma figura feminina de cabelos brancos como a neve estava sentada num café. Já passavam das 20 horas, e o local parecia estar abandonado. O único vestígio de vida dentro da cafeteria eram os funcionários caindo de sono e esta bela garota. Uma garçonete tocou de leve no ombro da moça, que piscou os olhos e virou para a vacilante mulher que estava ao seu lado.

- Perdoe-me misu, mas estamos fechando por hoje. Você poderia retirar-se?

- Hum... Claro, claro... - a alva acenou, lentamente, e levantou-se num pulo, assustando a mulher ao seu lado.

Saiu do estabelecimento e começou a andar a esmo. Passou por muitos lugares: uma praça em formato de "U", um residencial caindo aos pedaços, uma ciclovia desgastada. Caminhava por um beco escuro, quando ouviu uma voz arrastada:

- O que a neko-chan faz aqui? - era um bêbado. Estava atrás de si, e parecia interessado em seu corpo. A pálida apenas continuou andando, sua preguiça era maior que a vontade de... - Nee, neko-chan, venha aqui, vamos nos divertir...

A menina não deu ouvidos. Continuou seu caminho - se é que tinha algum -, parando apenas para amarrar os sapatos, ou chutar uma pedra. Numa dessas paradas, o homem que a perseguia alcançou-a, e prendeu os braços dela por trás.

- Huh, parece que alcancei a neko-chan... - falou, enquanto passava sua mão imunda pela cintura da garota, que tinha o rosto em fúria. Num só movimento, livrou os dois pulsos, e deu um soco no rosto do homem, que cambaleou para trás, assustado. A garota sorriu levemente.

- Não está acostumado com garotas defendendo-se sozinhas, shi? - chegou mais perto do homem, que andava para trás, tentando sair do campo visual da garota. - Oh, iie, iie, você não vai escapar tão fácil.

O moreno correu na direção contrária, enquanto a garota o perseguia. Acabou por tropeçar, e a moça não perdeu tempo - pulou em cima de seu agressor e prendeu suas mãos acima de seu corpo. Sorriu largo, deixando à mostra seus dentes, que eram inumanamente afiados.

- Geralmente, eu não me alimento de gente nojenta como você. Mas vou abrir uma exceção.

- Te-tenha pi-piedade... - falou o homem, tremendo de medo.

- Piedade? - riu brevemente. - Não me peça piedade agora, terá o que merece.

Fincou as presas no pescoço do homem, que gritou o mais alto que pôde. Lentamente, os gritos foram cessando, até que nada mais foi ouvido. A vampira levantou-se, pegou o corpo e jogou perto da parede. Voltou a andar, como se nada tivesse acontecido.


Notas Finais


Olá!

Vocês se lembram desta fanfic?
Acho que ficaram bem uns três minutos tentando assimilar o nome à alguma estória, até lembrarem.
Não culpo vocês, demorei realmente muito tempo.

Peço perdão pelo tempo incrivelmente enorme que fiquei sem postar o projeto. Não estava com cabeça para levá-lo para frente, e até pensei em desistir, mas quando lembrei que mais de 40 pessoas favoritaram a fic... Fiquei com muita dó da estória e tomei vergonha na cara.

Ah, e vcs provavelmente viram que eu exclui o capítulo de bônus... Hã, ele agr será postado como Short-Fic, e numa fic separada.

Aproveitei esse tempo ociosa para repensar algumas coisas na fic, e decidi mudar alguns aspectos. Como eu tô sem computador, eu não vou postar jornal, eu vou por aqui nessas notas, okay?
Se eu pegar algum computador, transfiro pra um jornal.

~°~°~

♥ASPECTOS DA HISTÓRIA♥

★ A história será separada em arcos de seis ou sete capítulos cada.

★ Cada arco terá um papel, que não será divulgado até o final da história.

★ Pretendo acabar a história no arco 4 ou 5, e por um bônus. [NÃO CONFIRMADO]

★ O sistema de pontos mudou! Fiquem atentas/os ao novo sistema:

***
☆ NÃO EXISTIRÃO MAIS PERGUNTAS POR CAPÍTULO -
Não existia várias perguntas que definiriam seu final? Isso acabou. ~desculpa meninas que já tinham pontos~

☆ SERÁ UM QUESTIONÁRIO RÁPIDO POR FIM DE ARCO -
"Quê? Como assim autora? Você tira as perguntas e põe um fucking questionário?"
Calm down people. Antes de me xingar mentalmente, deixe-me explicar. Eu retirei as perguntas para poder adiantar os capítulos, mas não acham que ficaria meio chato se todo mundo tivesse um "happy ending" sem batalhar? (Ouvi um coro de não agr)
O questionário serão perguntas simples, e que, dependendo de suas respostas, te darão certos pontos.

☆ A QUANTIDADE DE PONTOS MÁXIMO É 100 (POR ARCO).
***

★ Eu não posto mais bônus na história corrente. Apenas como SideStory.

~°~°~

Acho que é só isso. Se tiver mais, depois eu posto.

Gente, perdão por tanta mudança, mas foram necessárias para o desenvolvimento da história. Se não eu ia me perder (mais do que já me perdi) e acabaria num "Hiatus Eternus" ou exclusão da fic.

♡Só mais uma coisa: sei que é chato pra caramba ver isso, mas é que eu meio que desanimo quando não tenho retorno. Então, por favor, por favorzinho, você que me lê e não comenta ou não favorita, por favor, o faça. Eu fico muito, muito contente com esse tipo de retorno!♡

PS: O especial de Halloween tá no meu perfil tá? Se quiser ler, pode ir lá.

Beijos, beijos, muitos beijos pra vc que leu até aqui!

*Hanninhah*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...