História All Love - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Todo Amor
Exibições 96
Palavras 1.995
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá amorexxx, esse capítulo é para matar a saudade -de alguns- dos nossos queridos personagens de In Real Life. Esse capítulo sera dividido em duas partes, esse em especial é só para mostrar como a vida de cada um ficou.

⚠Leiam as notas finais!!!

Capítulo 12 - De volta para casa - Parte1


Fanfic / Fanfiction All Love - Capítulo 12 - De volta para casa - Parte1

Brooklyn Sofie P. O. V

Minha cabeça latejava, essa sensação já estava se tornando rotineira, a Brooklyn de uns meses atrás não reconheceria a atual. Só não sabia distinguir se era bom ou não, afinal, sempre quis aproveitar só não sei se era exatamente assim. Afastei os pensamentos porque hoje era um dia alegre, iria pra minha casa e Katherine iria comigo. 

Grant insistiu em me levar até o aeroporto, falei que os meninos iriam fazer isso e que ele não precisava se preocupar, obviamente não desistiu tão fácil e afirmou que não era incômodo, resolvi aceitar. Ao contrário de algumas noites anteriores a maioria das lembranças de ontem estavam frescas em minha cabeça, principalmente do beijo. 

- Vamos, Katherine - Aprecei minha amiga - Tomamos o café da manhã no aeroporto mesmo. 

- Para de me apressar - Gritou

- Para de me apressar - Repeti suas palavras - O Grant está me esperando la embaixo junto aos meninos. 

- Tudo bem, você me convenceu - Saiu do banheiro toda maquiada, nunca tive oportunidade de ver Kate desarrumada. 

Pegamos as malas e descemos pelo elevador - já que tinham concertado - a cada andar que ele passava agradeceria mentalment, não gostaria de ficar presa de novo. Por sorte o elevador  abriu as portas no térreo sem nenhum problema, coloquei as malas para fora, soltei a respiração, os garotos nos esperavam ao lado de fora, cada um encostado em seu carro exeto pelo Ryan que estava junto a Chris, Justin em seu bugatti, Chaz na lamborghini e Grant em sua ferrari, eu conhecia ela de algum lugar, parecida com a do racha. 

Grant veio na mesma hora e pegou minhas malas e se aproximou para me dar um selinho, Justin como sempre um estraga prazeres interferiu e pegou a minha outra mala e me abraçou. Retribui o abraço e silibei um "desculpa" para Grant. Jus não me soltava do abraço. 

- Bieber, você sabe que só vou ficar no máximo três dias fora, não é? 

Apenas concordou com a cabeça e foi me soltando aos poucos, consegui cumprimentar todos ali e finalmente dar um beijo digno no Grant.  

- Vocês são tão nojentos - Justin cantarolou enquanto passava ao nosso lado. 

- Cala a boca, Justin! - Soltei uma risada alta - Não perde uma. 

- Lógico - Colocava minhas malas em seu carro. 

- Justin, querido, pode colocar as malas no carro do Grant  - Me aproximo. 

- Não, agora elas já estão aqui, já se despediu do amiguinho? - Apontou para Grant que nos encarava de longe - Já pode entrar aqui né? 

- Não Justin, já falei que vou ir com o Grant - O relembrei pela décima vez. 

- Hm - Seu olhar era indecifrável, de castanho claro passou pro escuro em um piscar de olhos - Quer saber? Pode colocar essas merdas no carro dele - Tirou as malas do seu carro com brutalidade - Eu não vou ir mais para o aeroporto, boa viagem - Sorriu cínico. 

Justin não deu a oportunidade de eu insistir para ele ir, já que seu carro se perdia em meio a estrada. Olhei para todos a minha volta, Grant já colocava minhas coisas em seu carro. 

- Ihh, problemas no paraíso - Chaz cantarolou. 

- Se vai falar merda não abre a boca, idiota! - Katherine o repreendeu. 

Não respondi nada, apenas me sentei no banco do passageiro ao lado de Gran. O percurso inteiro fomos conversando, na verdade eu só dava respostas curtas e práticas já que não estava prestando muita atenção na conversa, meus pensamentos estavam em Justin. Por qual razão ele reagiu daquele jeito? Já falei que não trocaria meu melhor amigo, até mesmo porque Gran era um grau a mais que isso. Um não competia com o cargo do outro. 

... 

Estavamos no avião esperando ele ser liberado para decolar, Kate lia a revista da Vogue. 

- Kate - Chamei sua atenção - Sabe o porque de Justin ter agido daquele jeito? 

- Você é muito ingênua - Fechou a revista me dando total atenção - Ele gosta de você, todo mundo já percebeu isso. 

- O que? - Engasguei-me com minha própria saliva - Escutou a besteira que acabou de falar? Justin não gosta de ninguém, você mesmo falou. 

- Eu sei, mas ele te olha diferente - Kate tinha o olhar perdido - Ele nunca me olhou daquele jeito, acho que nunca gostamos realmente um do outro, era mais tesão do que qualquer outra coisa

- Isso é impossível, tá? E mesmo se ele tiver o mínimo de sentimento por mim espero que o esqueça, porque estou disposta a investir todas as minhas fichas no Grant. 

- Abre os olhos, Brooklyn. 

- Volta a ler a sua revistinha. 

Coloquei meus foninhos e fechei meus olhos, precisava esquecer essa conversa. 

...

Acordei com o avião pousando, meu coração estava acelerado, finalmente iria matar a saudade dos meus pais. Estavamos na esteira esperando nossas malas por sorte chegaram uma atrás da outra. Kate olhava para os lados como se procura-se algo diferente. 

- Katherine, aqui é um aeroporto normal como qualquer outro. 

- Eu sei né. 

De longe pude ver um ser pequeno correndo de um lado ao outro, meus olhos estavam marejado, as lágrimas escorreram assim que papai e mamãe entraram no meu campo de visão.

- Vamos Kate. 

Aprecei os passos indo em direção a minha família, acenei com as mãos, América pulou em meu colo estava morrendo de saudade do seu cheirinho floral. 

- Sofi - Deu um beijo molhado na minha bochecha. 

- Meu amor, que saudade. 

A coloquei no chão e abracei meus pais. 

- Estava morrendo de saudades, meu amor - Mamãe foi a primeira a se manifestar. 

- Certeza que não quer voltar pra casa? - Meu pai não perdia uma oportunidade de tocar nesse assunto. 

- Também estava com saudade, mãe - A beijei - E não pai, eu não vou voltar pra casa. Aceita. 

- É como dizem, a esperança é a última que morre - Piscou

- Você não tem jeito - O repreendi - Família essa é a Katherine, minha parceira de quarto - A apresentei - Kate, esses são meus pais Samantha e Matthew, e essa miniatura é a América. Kate cumprimentou todos, por incrível que pareça ela estava envergonhada, eu vivi só para ver isso. Fomos o caminho inteiro conversando, passamos em alguns pontos turísticos para Kate conhecer e aproveitamos para jantarmos em nosso restaurante preferido.

... 

- Uau! Que casa enorme - Kate estava boquiaberta no jardim de casa - Como você se contenta naquele quartinho? 

- Ué, igual você - Dei risada

- Igual eu nada, quando vi o tamanho do quarto e descobri que teria uma parceira, quis morrer, surtei tanto você não faz idéia. 

- Ah faço sim, você costuma ser muito dramática - Adentramos pela enorme porta, levei um belo de um susto ao ver um pessoal sentado no sofá - tia Nick? 

Corri em sua direção e a abracei, já fazia meses que não a via. 

- Brook, em poucos meses e você já mudou, está ainda mais linda! 

- Tio Nash - Abracei o grande homem de olhos azuis gritantes, era de dar inveja. 

Se os olhos dele já era de causar inveja, os olhos do filho dele era um azul cobalto. O pequeno se chamava Benn e tinha 6 anos, um ano mais velho que Amy, os dois eram grandes amigos. 

- Tia Brook - Me abraçou. 

- Oi Benn, estava com saudades! - Depositei um beijo sobre sua bochecha - Amy está te esperando na sala de brinquedos - O avisei. 

- Tia Liza - Não conseguia a abraçar direito devido a sua enorme barriga - Já descobriu os sexos? 

- Oi querida, sim - Falou radiante - São dois meninos é uma menina. 

Alisei sia barriga com carinho, se um filho já da trabalho imagina três? 

- Brooklyn - Tio Sammy me envolveu em um abraço. 

- Vem cá, pequena - Tio Cam abriu os braços. 

Me joguei em sua direção, tio Cam era muito legal e engraçado seu bom humor era invejável. Tia Jú se juntou ao abraço. Cumprimentei suas duas filhas, a mais velha tinha 14 anos e se chamava Alice e a mais nova Violet tinha 9 anos. 

- Cade a tia Mari e o tio Nate? - Perguntei após ter cumprimentado todos ali presentes. 

- Ela não pode vir, ficou para ajudar Taylor, já que o filho dele decidiu nascer justo hoje. Acredita? - tia Nick explicou. 

- Não acredito que o Aspen vai nascer hoje, se ele puxar a tia Jane ( mulher do tio Tay) ele vai ser lindo, se puxar o tio Taylor...  - Brinquei

- É por isso que eu gosto dessa garota - tio Cam esticou sua mão e fizemos hi-5. 

- Já estava me esquecendo - Puxei Kate que estava atônita olhando todos a sua volta - Tios queridos, essa é a minha amiga Katherine, Kate esses são - Já ia começar a explicar se a garota não tivesse dado um grito histérico. 

- Eu sei quem eles são - Chacoalhava as mãos enquanto dava alguns pulinhos - Sabe quantas noites eu fantasiei o dia em que conheceria todos? 

Katherine era uma peça e divertiu todos com o seu jeito todo extrovertido, tirou foto com todos, exigiu autógrafos e o follow no twitter. Todos deram risada quando ela falou com convicção que as garotas de sua cidade morreriam de inveja. 

Estavamos na sala comendo pizza e colocando os assuntos em dia, fiquei feliz por minha amiga ter se enturmado facilmente. Abri um sorriso largo quando vi no celular a mensagem de Grant. 

"Espero que tenha chegado bem, e que esteja pensando em mim como eu em você."

"Cheguei viva e inteira, como estão as coisas por ai? Não só estou pensando em você como nos beijos também.. "

"Tá tudo bem, quando você chegar... me aguarde! "

Um arrepio subiu por toda a minha espinha, um sorriso bobo estava pendurado sob meus lábios. 

- Que sorriso é esse? - Papai perguntou. 

- Sorriso de quem está apaixonada - Tia Liza brincou. 

- Me fala quem é o marmanjo que eu e seu pai vamos meter porrada - Tio Nash entrou na conversa. 

- O que? Não tem nada a ver com isso - Minha risada saiu forçada - E não tem como dar um sorriso apaixonado se eu não gosto de ninguém. 

Kate soltou uma risada e eu a repreendi com o olhar.

- Brooklyn Sofie - Meu pai estava com a cada fechada - Você está se envolvendo com algum marmanjo? 

Precisava me lembrar de matar Katherine por me meter nisso. 

- Matt, querido - Minha mãe interferiu - Porque não chama os meninos para irem jogar futebol lá fora? 

O homem a minha frente continuou a me encarar, a sorte é que tio Nash se levantou e chamou todos. Soltei a respiração aliviada. 

- Hmm, então quem é o boy? - Tia Ju perguntou com um sorriso pervertido 

- Não acredito que você não me contou sobre isso, Brooklyn - Mamãe estava decepcionada. 

- Não contei porque não tinha o que contar, não tem boy nenhum - Tentei explicar. 

- Qual é Brook, fala a verdade - Kate estava tentando me ferrar, só pode - Fala do Grant... Justin. 

- Brooklyn Sofie, não ouse esconder as coisas de nós - tia Liza ditou. 

- Tudo bem - Me rendi - Grant Gustin é o cara que eu estou afim, estamos ficando inclusive, e foi ele que me mandou mensagem. - Expliquei. 

- E o tal de Justin? - Indagou minha mãe. 

- Katherine que é louca, eu e Justin somos apenas amigos. 

- Já ouvi essa história antes - Tia Ju cantarolou olhando para mamãe que deu um sorriso de canto. 

- Vamos mudar de assunto - Me levantei - Que filmes vamos assistir?


Notas Finais


Preciso explicar algo, antes de postar a segunda parte desse capítulo preciso postar um antes que vai ser inteiro narrado pelo Justin, mas o capítulo é bem pequeno por isso no mesmo dia em que posta-lo a segunda parte desse também será postada, só para compensar e tal.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...