História All Of Me - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Rock, Rock And Roll, Romance, Shows, Tour
Visualizações 1.451
Palavras 2.139
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


// Tudo de Mim

O título do capítulo já diz tudo.
O momento mais esperado pela maioria aconteceu.
Espero que gostem, boa leitura.

Capítulo 21 - All of Me


Fanfic / Fanfiction All Of Me - Capítulo 21 - All of Me

 

Sophie Davis

Última noite de show

Wembley Stadium – Sábado, 01h00.

— Sophie.

— Diga.

— Você está linda.

— Obrigada. — agradeci com um sorriso tímido.

— Christian está sendo um babaca como eu fui com você no passado.

— Foram duas situações diferentes.

— Certeza que deixou no passado?

— Aonde você quer chegar com este assunto?

— Você ainda sente o mesmo por mim? Ou Christian te ajudou a me esquecer?

— Justin, você vai ser atrasar.

— Não irei sair daqui até que você esclareça tudo, preciso tirar essa dúvida.

— Já tentei várias vezes esclarecer tudo, mas você sempre agia feito um idiota.

— Porque na época eu era um idiota, agora eu quero ouvir de você se tudo aquilo ficou no passado, ou se você ainda pensa em mim como antes.

— Agora eu estou com o Christian.

— E o seu coração?

Eu não soube responder. Abaixei a cabeça e senti-o se aproximando. Justin segurou meu queixo com a ponta de seus dedos e me encarou por alguns segundos antes de me beijar. Sua língua dançava no céu da minha boca assim que cedi, mas ele não tinha este direito. Ele não podia fazer isso comigo. Ficar a sós com Justin era um erro e ceder aos seus beijos era ainda mais errado.

— Não podemos. — sussurrei me afastando.

— Mas queremos.

— Não, você quer. Você não deveria ter feito isso.

— Eu sinto muito, por alguns segundos senti que era isso que você queria.

— Eu já quis muito isso, Justin, eu desejava ter você por completo, mas nós não podemos deixar que acontecesse novamente.

— Nós ainda temos alguns minutos.

— Não, eu não quero, não assim. Coloque na sua cabeça que agora eu tenho alguém, não comece agir assim novamente porque eu fico confusa.

— Viu só, você ainda me ama.

— Eu já nem sei mais o que sinto.

— Eu pensei em você durante todos esses meses. Desde aquela ligação.

— Por favor, pare com isso, Justin.

— Eu assumo que estava agindo como um completo babaca, mas eu estava tentando ignorar o que sentia por você. Nenhuma garota havia feito meu corpo agir de maneira estranha e quando estamos juntos, mal consigo me controlar. Não sei se você sente o mesmo, mas quando estou perto de você, à única vontade que eu tenho é de te beijar e fazer amor com você.

— Para. — repeti fechando meus olhos. — Me deixe sozinha, por favor.

— Eu quero fazer amor com você.

— Justin, por favor. — dei alguns passos e abri a porta. — Vá para o palco, não me confunda.

Minha respiração estava descompassada. Eu não estava acreditando no que acabara de acontecer. Beatrice estava tão surpresa quanto eu. Havia contado para ela a cena de minutos atrás e de repente estava chorando feito uma criança. Christian estava certo em não querer que eu viesse para esta viagem, eu nunca havia me esquecido de Justin e menos ainda da maneira que meu corpo agia em sua presença. Ele sentia o mesmo. Ele me beijou e queria fazer amor comigo. Eu nunca o quis tanto, quanto queria agora.

— O que você vai fazer?

— Assim que amanhecer, volto para Decatur.

— Não vai tentar conversar com ele?

— Se Justin e eu ficarmos sozinhos novamente, eu não serei capaz de dizer não, então, por favor, não ajude-o a me confundir mais.

Retoquei a maquiagem e sai do camarim com a Trice. Dei uma olhada na banda e Justin estava despindo mentalmente cada uma das mulheres que o olhava. Ele se inclinava e estendia a mão para ficar mais próximo daquelas mulheres estéricas. Os caras acompanhados pelas namoradas olhavam para ele com um ar de irritação ostensiva. Não pude evitar o riso ao reparar essa situação.

Enquanto nos dirigíamos em direção ao centro do local do show, eles começaram a tocar uma nova música. A batida era lenta e a voz de Justin estava ainda mais sensual, se é que isso era possível. A letra da música era simplesmente bela. Era comovente, uma declaração de amor. Nunca imaginei que uma banda de heavy metal cantaria algo tão fora do estilo, mas eu adorei. E como adorei aquela letra. Eu estava paralisada.

O que eu faria sem sua boca esperta

Estou me arrastando e você me está me dispensando

Estou com a cabeça a mil, sem brincadeira.

Não posso te forçar a nada

O que está se passando nessa mente linda

Estou em sua jornada misteriosa e mágica

E estou tão confuso que não sei o que me atingiu

Mas eu vou ficar bem.

 

Minha cabeça está embaixo da água,

Mas estou respirando bem.

Você é louca e eu estou fora de controle.

 

Porque tudo de mim,

Ama tudo em você.

Ama suas curvas e todos os seus limites,

Todas as suas perfeitas imperfeições.

Dê tudo de você para mim,

Eu te darei meu tudo.

Você é o meu fim e meu começo

Mesmo quando perco estou ganhando.

Porque te dou tudo de mim

E você me dá tudo de você oh.

 

Quantas vezes tenho que te dizer

Que mesmo quando você está chorando você continua linda.

O mundo está te massacrando

Estou por perto a todo o momento

Você é minha ruína, você é minha musa,

Minha pior distração, meu ritmo e tristeza.

Não consigo parar de cantar,

Está tocando uma música em minha cabeça para você.

 

Minha cabeça está embaixo da água,

Mas estou respirando bem

Você é louca e eu estou fora de controle.

 

Porque tudo de mim

Ama tudo em você

Ama suas curvas e todos os seus limites

Todas as suas perfeitas imperfeições

Dê tudo de você para mim

Eu te darei meu tudo

Você é o meu fim e meu começo

Mesmo quando perco estou ganhando

Porque te dou tudo de mim

E você me dá tudo de você oh

 

Te dou tudo de mim

E você me dá tudo de você oh

 

Suas mãos se curvavam em torno do microfone e Justin olhava para além da multidão. Seus olhos estavam distantes, absortos na música, parecia vir do fundo da sua alma. Essa música era pessoal, provavelmente ela significava alguma coisa para ele e por mais que possa ser loucura da minha parte, senti que foi feita pra mim.

— Uau, que música incrível! — exclamei e Beatrice sorriu.

— Linda, né?

— Muito.

— Alfredo me mostrou um trecho, disse que Justin quem a escreveu.

— Jura?

— Também achei estranho, mas ele deve ter encontrado alguém especial para fazer isso. — notei a intenção de seu comentário e fingir não ter escutado.

Nem havia percebido que já eram quase quatro da manhã quando Beatrice me chamou para ir embora.

— Pronta para ir embora?

— Prontíssima. — respondi desesperada por uma cama confortável daquele hotel luxuoso que estávamos hospedados.

Fiquei observando a banda se despedir e assim que olhei para Justin uma última vez, me surpreendi, pois ele também estava olhando para mim. Aqueles olhos fixados somente em mim fizeram minhas pernas tremerem. Justin gostava de manter a barba rala, fazia seu rosto parecer mais velho e incrivelmente mais sexy. Eu iria adorar que ele a esfregasse no meu pescoço. Nesse momento de transe, percebi que Beatrice me chamava, mas manti meu olhar fixo em Justin. Ele acenou com o queixo. Parecíamos dois desconhecidos a fim de algo a mais, e tudo por culpa do que ele falara no camarim antes do show. Suas palavras. O beijo. A música. Algo muito estranho estava acontecendo.

— Anda, temos que sair antes disso virar uma bagunça.

 

Justin Bieber

Hotel Hilton Kensington, quarto 1023.

Normalmente, a gente fazia uma festa depois do show, mas estávamos cansados e mais tarde seguiríamos viagem. Fiquei pensando no que tinha rolado com a Sophie e me sentia irritado. Enrolei o máximo que pude no backstage, mas precisava voltar para o hotel. Depois de tirar a roupa e tomar um banho gelado, fui para o quarto e sentei na cama. Fiquei olhando para a porta fechada até não aguentar mais. Vesti uma calça moletom, andei alguns passos e bati na porta do quarto dela.

— Sophie, precisamos conversar.

Bati algumas vezes na porta e não obtive resposta. Estava tarde, provavelmente ela estaria dormindo. Já estava desistindo quando vi a maçaneta se mexer e a porta se abrir. Fechei os olhos e respirei fundo. Ela estava com o cabelo bagunçado e vestia a camiseta da banda que cobria até a metade de suas coxas.

— Isso são horas de acordar alguém? — perguntou aparentemente irritada.

— Fiz merda. — disse esfregando a testa.

— Das grandes. Você está agindo como um imbecil e não é certo ficar me confundindo assim, Justin.

— Não faço a menor ideia do que estou fazendo com você.

— Acho que você tem que parar de prestar atenção nas coisas superficiais.

— O que sinto é só uma atração mútua que chegou ao ponto de ebulição. O meu futuro não combina com o seu.

— Acha mesmo que eu estava pensando sobre nosso futuro quando deixei você me beijar no banheiro do backstage? — ela disse sorrindo sarcástica. — Tudo mudou depois daquele dia e agora que a gente se reencontra você age deste jeito. Revertemos os lugares?

— Não, porque nós dois queremos isso.

Depois dessa, não tinha mais o que dizer. Aquela noite no carro com a Sophie, eu sabia que se eu tivesse entrado naquele apartamento com ela, não iria responder por mim. Ela me fazia perder o equilíbrio. Depois do que aconteceu naquele banheiro, não sabia o que fazer. Tudo era estranho demais pra mim.

— Amanhã vai ser horrível.

— Só me importo com o agora e foda-se o resto. — ela disse firme.

Empurrei-a para dentro daquele quarto e tranquei a porta, assim que encostei Sophie na mesma. Minhas mãos percorreram cada extensão de seu corpo delineado e ela estava toda arrepiada, da cabeça aos pés, dava para sentir. Beijei seus lábios quentes e úmidos com tanta fúria, que senti gosto de sangue na boca. Aquele tinha sido o meu limite. Não iria conseguir controlar o desejo de meter nela o mais profundo que pudera.

 

Sophie Davis

O Justin era naturalmente quente e sensual. Ele estava se saindo muito bem, me fazendo esquecer-se de todos os meus pensamentos. Justin ficou brincando de pôr e tirar a língua de um jeito que me fez gemer. Passei minhas mãos em seu peitoral musculoso e tatuado e não consegui disfarçar a pontada de satisfação que me deu. O jeito que ele me olhou fez subir um calor do meu peito até o meu rosto. Alguma coisa nada séria estava rolando com aqueles olhos cor de mel e, se eu parasse para pensar, ia surtar e expulsá-lo do meu quarto, mas ele percebeu e então me pegou no colo e caminhou rapidamente até a cama.

Sua calça moletom caira no chão e pisquei de surpresa quando fiquei cara a cara com aquela ereção impressionante. Meu cérebro parou de funcionar. Ele tinha um piercing no pênis. Era magnífico. Passei a língua no meu lábio inferior, não estava me aguentando mais sem ele dentro de mim. Sacudi a cabeça para sair do transe e ele me agarrou pelo tornozelo, puxando-me para beirada da cama, me fazendo ficar bem mais perto dele do que eu estava preparada. Aquele pedaço de metal naquele lugar inesperado foi uma distração bem-vinda. Eu queria muito senti-lo.

— Pode tocar, pode lamber, pode fazer o que quiser. — Mexi a mão para cima e para baixo, e ele tremeu.

— A gente precisa dar um jeito de fazer você deixar de ser tão certinha.

— Eu não sou nada certinha, pode apostar.

Justin estava fazendo coisas com meus mamilos que só um garoto que sabe tocar guitarra como ele consegue fazer. Aqueles dentes deixavam marcas em mim, me fazendo arrepiar. Sua boca tinha um toque metálico muito bom e fiquei pensando que, depois disso, minha situação com ele não ia mais ter volta. Gritei seu nome assim ele afastou minhas pernas e me tocou, e fez tudo aquilo comigo no banheiro do backstage novamente. Nenhuma parte do meu corpo escapou de suas carícias minuciosas. Parecia que Justin estava tentando deixar sua marca em cada centímetro do meu corpo e eu estava adorando isso.

Aquela maldita bolinha gélida do piercing pressionaram os pontos do meu corpo que estavam morrendo de desejo. Sua barriga estava contraindo embaixo de mim. Seu pau entrou em mim queimando do jeito certo, tocava partes lá dentro que jamais tinham sido tocadas antes. Aquele piercing na cabeça do seu pau passava e eu não conseguia resistir à sensação. Fiquei com a respiração e o coração acelerados, não ia conseguir me segurar. Entre esperar para isso acontecer e o simples fato de estar agora transando com ele, me fez enlouquecer. Quando ele me puxou para meter até o fundo, ficamos sem ar com a intensidade do contato. Nada ia ser tão bom quanto isso.

— Isso vai mudar tudo entre a gente — Justin falou e ele tinha razão. — E antes que eu me esqueça, sua nota é dez. — disse dando um beijo em minha testa e me abraçando.


Notas Finais


POR FAVOR, deixe o seu comentário.
Preciso saber o que acharam deste capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...