História All Of Me - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Rock, Rock And Roll, Romance, Shows, Tour
Exibições 1.064
Palavras 1.845
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Após tantos capítulos bosta, acho que consegui escrever um digno de leitura.
Boa leitura, não deixem de comentar.

Capítulo 28 - Make Love With Me


Fanfic / Fanfiction All Of Me - Capítulo 28 - Make Love With Me

Sophie Davis

Christian iria fazer uma viagem e eu estava me sentindo mal por ele nem ter se esforçado em não fazê-la. Tudo bem que estava tudo planejado há algumas semanas, mas eu acabara de perder o meu irmão e precisava de seu apoio. Eu precisava da presença do meu namorado neste momento.

— Eu queria que você não precisasse fazer essa viagem. — comentei na intenção dele ligar para o escritório e remarcá-la.

— Já conversamos sobre isto mais cedo, Sophie.

— Não estou falando isso para iniciar uma discussão. Eu apenas imaginei que talvez você pudesse remarcar esta maldita viagem devido o que aconteceu.

— A morte do seu irmão não estava nos meus planos. — disse friamente me deixando horrorizada.

— Pegue as suas coisas e dê o fora daqui.

— Sophie...

— Você tem 10 minutos para dar o fora da minha casa. — finalizei saindo furiosa do meu quarto.

— Hey! — aquela maldita voz disse segurando meus braços assim que choquei contra seu corpo.

— Justin!

— Acho que sim. — ele estava tentando me fazer sorrir. — Quer que eu mate-o?

— Você escutou?

— Infelizmente sim. Juro que se você continuasse lá dentro com ele, eu iria jogá-lo para fora de sua casa.

— Eu já falei para ele sair.

— Já preparou suas coisas? Sua mãe está aguardando você.

— Tenho algumas roupas no apartamento da Trice, já conversei com ela e irei passar à noite com ela.

— Então podemos ir.

Justin passou o braço ao redor do meu corpo e fomos para a sala em silêncio. Eu queria fazer-lhe mil perguntas, mas este não era o melhor momento. Por mais que eu estivesse chateada, ele estava ao meu lado neste momento tão difícil. Eu sabia que ele estaria aqui, porque apesar de tudo que nos acontecera antes, acabamos nos tornando amigos.

Christian já tinha ido fazer a sua viagem e o resto seguiu para Atlanta, onde meu irmão seria enterrado. A tarde se passou lentamente e eu não consegui comer nada. Minha mãe estava um caco e eu não estava diferente dela. Meu irmão nos causou tanto sofrimento, mas a sua morte estava sendo ainda pior. Por diversas vezes eu pensei que se Deus o levasse seria melhor, só que agora eu estava vendo e sentindo que a morte não resolve nada.

Justin não quis se aproximar, mas a cada cinco minutos eu o pegava olhando pra mim. Eu achei melhor assim, não queria ficar mais confusa em relação a ele. Christian me surpreendeu ligando a cada meia hora querendo saber se eu havia almoçado, se estava me sentindo melhor, se eu dormi um pouco e se estava me hidratando com suco ou água. Ele realmente estava preocupado e eu fui uma vaca ao tratá-lo mal. A dor me causou isso e a presença do Justin também teve culpa. Viagens de negócio precisam ser feitas conforme marcada e a dele havia sido programada no mês passado. Quando fui pedida em casamento. Apenas Beatrice tinha conhecimento deste acontecimento. Levei duas semanas para responder a ele e quando comecei a ver as notícias relacionadas ao Justin aceitei. No fundo eu pensava que fossem rumores, mas quando tive a confirmação há alguns dias atrás desejei já estar casada com Christian.

Fui ao encontro de Justin para colocar um fim em tudo que já existiu entre nós dois, mas a morte de Michael acabou ganhando mais importância. As coisas que falamos um para o outro foram duras e eu tinha certeza que agora ele me odiava, apesar dele estar aqui comigo. Eu sabia que após o funeral ele iria se afastar. Senti um pouco de verdade nas coisas que ele disse e eu também fui sincera em algumas que falei. Tinha acabado. Na verdade, nunca existiu. Era apenas uma atração. Aconteceu. Acabou. Ou iria acabar esta noite.

— E este sorriso? — perguntou Trice me empurrando levemente e sorrindo desconfiada.

— Não foi nada.

— Vou fingir que acredito. Está pronta?

— Não, mas isso não irá mudar as coisas.

— Vamos?

Levantei-me e caminhei ao lado dela e da minha mãe enquanto o caixão era levado para a cova. Senti-me ainda pior. Ver a minha mãe naquele estado fizera meu coração se despedaçar ainda mais. Ela não merecia sofrer assim. Abracei-a e choramos juntas.

 

(...)

— Você vai contar para o Justin sobre o pedido que Christian fez?

— Irei.

— Eu não saberia o que fazer no seu lugar.

— Já tenho tudo planejado.

— O que tem em mente?

— Farei desta noite a minha despedida de Justin.

— Quer dizer que pretende dormir com ele?

— Sim.

— Será que ele vai aceitar numa boa após a briga entre vocês hoje mais cedo? E sobre o futuro casamento?

— A briga será esquecida e sobre o casamento contarei após.

— Ele vai matar você. — comentou Trice gargalhando.

— Idiota. — sorri — Eu preciso dele, você sabe muito bem disso.

— Boa sorte.

— Obrigada, vou precisar.

Faria desta noite a minha despedida de Justin. Eu jamais iria me esquecer deste dia. Despedi-me do meu irmão e agora estou há passos de me despedir do Justin.

 

Justin Bieber

Estava dedilhando algumas notas no violão quando fui interrompido por batidas na porta. Olhei as horas no celular e vi que passava da meia noite. Não me lembro de pedir serviço de quarto, então esperei outro sinal antes de abrir. As fãs sempre descobriam onde estava. “Justin sou eu”. Agora eu preferia uma fã maluca no lugar de Sophie. Coloquei o violão sobre a poltrona e respirei fundo antes de abrir. Não estava afim de outra discussão.

— O que é isso? — perguntei assustado enquanto segurava seus pulsos e rompia o beijo.

— Faça amor comigo.

— O que você bebeu?

— Eu não preciso beber para fazer isso. — sua respiração estava descompassada.

— Sophie, volte para o quarto da Beatrice.

— Não minta para si mesmo. Solte-me e deixe nós dois acontecer.

— Nós não podemos fazer isso novamente.

— Claro que podemos.

— Por favor, não faça isso.

— Então faça comigo.

— Seus olhos, Sophie. Eu sou apaixonado pelos seus olhos quando eles estão me encarando. — soltei seu pulso e passei as mãos em meu rosto — Vá embora.

— Não irei antes de fazer amor com você.

— O fato de você estar brigada com o Christian não diz nada. Vocês continuam juntos e não podemos fazer isso com ele. Apesar de eu querer muito.

— Finja que ele não existe. — insistiu andando em minha direção enquanto eu me afastava.

— Mas ele existe.

— Não agora. — novamente fui surpreendido pelos seus lábios quentes e molhado. — Basta você querer e eu deixarei tudo para trás. — seu corpo ficou sobre o meu quando caímos juntos na cama. — Faça amor comigo, Justin. Faça-me gritar o seu nome enquanto sinto você dentro de mim. Faça com que eu jamais me esqueça desta noite.

Ela tinha ido longe falando assim. Ela me conhecia muito bem para saber que isso me deixava submisso.

— Este será nosso segundo erro, mas irei fazer amor com você até você não conseguir abrir os seus olhos.

Sophie me examinava curiosamente. Eu não conseguia tirar os olhos dela. Continuamos nos encarando enquanto eu lentamente a despia. Ela usava uma calcinha de renda vermelha e um sutiã combinando. Eu estava tremendo. Beijamos-nos. Era selvagem demais. Estávamos devorando um ao outro. Precisava dela, não conseguia esperar mais um segundo. Ela era linda, perfeita. Meus lábios roçaram a parte interna de suas coxas em uma trilha de beijos até ela sentir a minha respiração contra seu sexo, fazendo-a puxar o meu cabelo. Ela estremeceu quando sentiu a minha língua entrar e se movimentar em círculos. Quando ela gozou em minha boca, agarrei seu belíssimo quadril e a penetrei lentamente. Seu grito foi tão alto que eu tive certeza que o hotel inteiro pôde escutá-la.

— É sempre tão bom com você. — sussurrei no ouvido dela, fazendo-a se arrepiar. — Você é tão apertadinha. Eu quero ficar aqui para sempre, gata. —

Ela empinou o quadril e eu deixei escapar um gemido.

Justin! — ela gemeu alto meu nome em êxtase.

Segurei-a contra meu peito enquanto gozava dentro dela. Seu nome saiu com um grito assim que atingi o clímax.

— Minha porra fica linda em você.

— Bote um pouco mais, por favor.

Com a cabeça do meu pau, provoquei sua entrada e ela gemeu tentando se aproximar. “Eu amo você, Sophie”, sussurrei em seu ouvido apoiando minha cabeça em seu ombro em seguida. Movimentei-me dentro dela durante alguns minutos enquanto mantínhamos nossas respirações ritmadas.

— Goze comigo, Sophie. — pedi e senti suas unhas nas minhas costas.

Fui até ao banheiro, peguei um lenço e limpei-a. Joguei o lenço no lixo e voltei para minha cama. Abracei-a e beijei seus lábios. Agora seus olhos estavam diferentes. Antes era puro desejo. Agora eu via preocupação.

— Arrependida?

— Nunca me arrependeria disto.

— Por que seus olhos estão assim? Você parece preocupada ou chateada.

— Eu preciso te contar uma coisa. — disse se sentando e me encarando.

— Gata, com esses peitos pedindo para serem chupados, não serei capaz de prestar atenção.

— Não torne isso mais difícil.

— Desculpa. — sentei-me e segurei sua mão esquerda — O que aconteceu?

— Christian me pediu em casamento no início do mês.

Levantei-me. Ela só podia estar brincando com a minha cara.

— Justin, me deixe terminar.

— Não precisa.

— Mas é necessário.

— Por isso você veio até aqui? Para fazer desta noite a nossa despedida?

— Por favor, me escute.

— Vá embora.

— Não.

— Sophie, você está noiva e sabe-se lá quando você vai se casar com aquele idiota. Meu Deus, você não podia ter feito isso.

— Me escute.

— Antes que eu fique fora de mim, peço que se retire. Não volte a me procurar. Você queria fazer desta noite especial, então não estrague isso. Finja que nunca nos conhecemos e me tire do seu coração. Acabou aqui. Este é o nosso fim. Não diga mais nada, eu não quero ouvir a sua voz. Vá embora. — caminhei até a porta abrindo-a. — Agora!

Sophie estava chorando e me encarava com seus olhos assustados repletos de dor.

— Por favor. — insisti e fechei a porta assim que ela saiu.

 

Sophie Davis

Nosso capítulo estava encerrado. Foi o capítulo mais lindo que vivi e agora eu teria que viver o resto da história sem ele. Não era como eu queria que acontecesse, mas Justin não permitiu que eu continuasse o que tinha para lhe dizer.  Quando a porta se fechou, eu me virei e olhei fixamente para ela. Meu coração havia acabado de ser arrancado.

A manhã seguinte foi ainda mais difícil. Tomei um banho e me vesti. Arrumei as minhas coisas e me despedi de Beatrice. Contei tudo a ela e assim como eu, ela estava com o coração partido. Deixei uma mensagem para Justin assim que me encontrei com Christian no hall do hotel. Iríamos passar um tempo com a minha mãe antes de voarmos para a Califórnia.

“Nunca vou me esquecer de você. Obrigada por cantar enquanto se esforçava para me animar. Obrigada por ter sido o meu amigo durante todo esse tempo. Obrigada por tudo, você tem o direito de seguir em frente. Estarei torcendo por você. Desculpe-me por não ter lhe dito antes, mas planejei outras coisas enquanto pensava que você seria capaz de me ouvir. Você optou por não ouvir as minhas explicações. Sinto muito, adeus.”


Notas Finais


Justin não quis ouvir Sophie, o que será que ela queria lhe dizer?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...