História All Of Me - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Rock, Rock And Roll, Romance, Shows, Tour
Visualizações 1.205
Palavras 2.419
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Estava muito ansiosa para publicar este capítulo desde o dia que tive essa ideia. Espero que gostem e não me metralhem através dos comentários, sou legal kkkkkkkkk

Capítulo 34 - Melanie


Fanfic / Fanfiction All Of Me - Capítulo 34 - Melanie

Justin Bieber

Alfredo e Beatrice estavam escondendo algo muito sério de mim. Várias coisas rondavam minha mente e nada se encaixava. Uma gravidez foi descartada da minha mente rapidamente, Sophie não poderia ter escondido isso de mim durante tanto tempo. Agora eu estava indeciso sobre ela estar casada com outra pessoa e ter construído uma família, ou estar doente, eu preferia vê-la casada ao invés de vê-la doente. Não queria acreditar em nada que pensei durante o caminho até sua nova casa, mas meu coração faltava saltar para fora devido ao medo que estava sentindo. Minhas mãos estavam geladas e suadas, meu coração batia rapidamente e minha respiração era forte. O que eu diria a ela? Eu seria capaz de perdoá-la se ela estivesse me escondido um segredo? Os pensamentos sumiram assim que avistei a casa, uma casa grande com um lindo jardim. Tinha um carro estacionado e eu sabia que era o dela, Sophie sempre gostou de carros pequenos e o Nissan Micra era sua cara. Sai do carro e caminhei em direção à porta. Parei, respirei fundo e bati seis vezes. Esperei. Pouco mais de um minuto, sim, eu estava observando as horas, ouvi o barulho de uma chave e a se porta abriu lentamente. Uma criança com cerca de dois anos me olhava curiosa sobre um banquinho cor de rosa. Com dificuldade ela conseguiu abrir a porta e eu não estava sentindo as minhas pernas.

— Mama, moço bonito. — disse com dificuldade a pequena garotinha que abriu a porta.

Eu fiquei sem reação. Aquilo não podia estar acontecendo. Sophie não tinha o direito de ter feito isso comigo. Eu queria acreditar que estava na casa errada, mas pude ouvir a sua voz se aproximando. Uma nova família? Mas, por que ela se parecia tanto comigo? Meu Deus, uma criança, a minha filha. Ela era minha versão feminina. Ah, eu vou matar a Sophie. Por isso ela fugiu por isso ela não entrou em contato com ninguém durante tanto tempo. Só de imaginar que há sete meses eu estive tão perto e não sabia que ela vivia aqui, sentia-me enjoado. A mãe dela sabia, Beatrice sabia, quem a ajudou? E por que ajudou ela a esconder-me uma coisa tão importante? Eu tenho uma filha que já sabe conversar e nenhuma das três achava certo me revelar esse segredo? Por que diabos elas acharam melhor me esconder isso? Eu adoro crianças, jamais abandonaria um filho meu.

— Filha, quantas vezes... — foi à vez dela de ficar sem reação. — Justin? — seu olhar passava de mim para a garotinha. Ela estava nervosa e assustada. — Melanie, vá para o seu quarto brincar com Angel. — eu sempre quis esse nome para minha filha. Sophie sabia disso, pois em uma de nossas conversas comentei com ela. — Por favor, filha, a mamãe precisa conversar com um velho amigo. — ela estava nervosa e assustada. Seus olhos indicavam que lágrimas estavam a caminho.

— Tu-bem. — a garotinha respondeu triste e voltou a me olhar. — Você papa. — disse se afastando com aquelas perninhas curtas e gordinhas.

— Justin, por favor. — falou fechando a porta atrás da gente.

— Sério Sophie? Sério que você fez isso comigo? Um bebê?

— Eu posso explicar, por favor, deixe-me explicar. — ela estava trêmula e as lágrimas deslizavam seu rosto descontroladamente.

— Eu esperava tudo de você após tantos anos te procurando. Uma nova família, um novo namorado e até uma doença incurável, mas isso foi à gota d’água. No momento que imaginei uma gravidez, descartei a possibilidade rapidamente, não sabia que você seria capaz de esconder algo tão sério e importante de mim durante todo este tempo. Quantos anos ela tem? Dois? Sophie, você escondeu isso durante todo este tempo? Eu quero vomitar. Eu quero matar você.

— Justin, vamos conversar, precisamos esclarecer tudo que aconteceu.

— Agora você quer conversar? Sophie, eu te procurei por quase três anos. Se eu não tivesse encontrado você agora, continuaria me escondendo isso? Porra, é a minha filha, não adianta nem negar, ela se parece comigo e o nome dela... MEU DEUS, SOPHIE, por quê? Caralho, ela é a minha mini versão feminina.

— Juro que eu não queria que tivesse sido assim.

— Você não vai me convencer com esse papo.

— Eu ia falar sobre isso com você.

— Quando? No dia que você precisasse de dinheiro?

— EU NUNCA QUIS O SEU MALDITO DINHEIRO.

— ISSO NÃO SE FAZ SOPHIE. — agora nós dois estávamos gritando e chorando.

— Eu sei que errei e assumo isso, mas você precisa me escutar.

— Estou sentindo nojo de você para continuar aqui ouvindo a sua voz.

— Precisamos esclarecer as coisas. — ela estava implorando.

— Deixarei que o meu advogado esclareça tudo.

— Você não pode fazer isso. — ela disse com medo nos olhos. — Por favor, não faça isso.

— Não só posso como vou. Aquela garotinha também é a minha filha e irei levá-la comigo, você me fez perder dois anos da vida da minha filha, agora a farei perder o resto dos seus anos de vida.

— Me perdoe. — pediu segurando meu braço esquerdo.

— Chega Sophie, eu cansei dos seus joguinhos. — puxei meu braço de suas mãos e caminhei até o carro que aluguei. — Eu sabia que Beatrice estava te encontrando, por isso resolvi segui-la, e merda, eu não esperava que ela também fosse capaz de me esconder algo tão importante.

— Ela nunca quis esconder Melanie de você, mas eu a fiz prometer que guardaria este segredo até eu estar preparada para revelá-lo. — respondeu se aproximando. Ela ainda estava chorando.

— Quem mais sabia?

— Somente Beatrice, meus pais e eu.

— Pais? Até o seu pai sabia e você nunca me contou? Desde quando você mantém contato com ele? Pelo que recordo você o odiava.

— Foi ele que eu procurei pedindo ajuda, eu o procurei no dia que eu deveria estar entrando naquela igreja para me tornar uma Beadles. Eu iria dizer-lhe, mas você me expulsou do seu apartamento antes que eu pudesse continuar. Falei sobre o casamento, mas iria falar que eu queria você e não Christian, só que você não quis me ouvir, tratou-me como um lixo e me chutou pra fora de sua vida. Você foi duro comigo, Justin, tntão um mês mais tarde descobri sobre a gravidez e decidi que iria fugir no dia do meu casamento. Christian tinha uma noiva grávida, eu não podia ajudá-lo a destruir uma família e muito menos abortar o meu bebê. No momento que eu soube da gravidez, amei meu bebê completamente porque ele era a metade de você. Por favor, acredite no que estou dizendo.

— Eu não acredito em você, pelo menos não por enquanto.

— Por favor, eu imploro que me escute, aconteceram tantas coisas e precisamos esclarecê-las.

— Jura? Porra, Sophie, eu procurei você feito um maluco desde o dia que você abandonou Christian no altar. Se você estava grávida de um filho meu, por que escondeu durante tantos anos? Como pensou que eu fosse abandoná-la grávida de um filho meu?

— Você me expulsou da sua vida, pediu que eu nunca mais te procurasse e assim eu fiz. Justin, eu te conheço bem, você seria capaz de falar que eu estava mentindo só para você ficar comigo. Quando você está com raiva, você não raciocina direito.

— Se afaste. — resmunguei empurrando-a. Abri a porta do carro e finalizei antes de entrar — Não precisa arrumar as malas dela, irei levá-la comigo para Atlanta e comprarei tudo que ela precisar. Espero que tenha aproveitado esse tempo com ela, pois quem cuidará dela a partir de agora será eu.

Entrei no carro e dei partida. Pude ouvi-la gritar meu nome antes de se ajoelhar no chão e cobrir o rosto. Ela estava chorando. Eu estava chorando. Após tantos meses o tal reencontro aconteceu e não foi como eu esperava. Imagina que iria ser recebido com seus beijos e que convenceria a voltar comigo, mas então eu chego naquela maldita casa e descubro que tenho uma filha que ela escondeu durante quase dois anos. Sério, eu queria matá-la, a raiva me consumia a cada segundo e minha cabeça estava a ponto de explodir.

 

Sophie Davis

Eu odeio a Beatrice, ela não tinha o direito de se intrometer na minha vida e decidir como as coisas deveriam ser feitas. Eu confiei nela e ela me apunhalou pelas costas. Estava sentindo o meu peito se rasgando, doía tanto que estava sendo difícil respirar. Essa dor a gente costuma sentir quando perde um ente querido, mas era como se isso tivesse acontecido. Acabei de perder Justin pra sempre.

— Sophie. — olhei em volta e lá estava Beatrice. — Eu fiz Justin prometer que não cometeria nenhuma loucura. Olha Sophie, eu imaginei que ele ficaria feliz ao saber da filha de vocês dois.

— Vá embora.

— Eu não tive culpa.

— VOCÊ ME PROMETEU. — cobri meu rosto com as mãos na tentativa de interromper as lágrimas. — Você me prometeu isso há sete meses, prometeu no dia que eu decidi procurar você, porque eu pensava que podia confiar em você. Beatrice, você não tinha o direito de se intrometer na minha vida desta maneira, Melanie é assunto meu. Vá embora, por favor, eu não quero dizer tudo que está passando na minha mente agora porque eu iria magoar você profundamente. Saia da minha frente, por enquanto eu não quero contato com você. — disse entrando em casa.

Sentia-me doente. Eu ainda estava trêmula e chorando sem parar, as lagrimas não cessavam e meu peito doía. Haviam se passado trinta minutos e eu ainda estava sentada encostada na porta, os braços em torno das pernas dobradas e o rosto afundado nos joelhos. Não me importei de estar na presença de duas crianças, não me importava com nada no momento, eu só precisava chorar.

 

Rome

(olha só quem tem pov)

Estava no ginásio da faculdade quando recebi um sms de Beatrice, amiga da minha irmã. Ignorei, pois estava ajudando as garotas com a decoração do aniversário da faculdade e imaginei que a mensagem se tratava dela não ter encontrado Sophie em casa, então ela começou a ligar e decidi atender, fiquei preocupado. O telefonema se tratava de Sophie, para ser mais preciso, era sobre Sophie, Justin e Melanie. Ela me informou que Justin encontrou minha irmã e foi duro com ela, assim como ela tinha sido dura com Beatrice antes de entrar para casa. Fiz Sophie me prometer que me ligaria assim que isso acontecesse, mas imagino que neste momento ela estava totalmente destruída e eu precisava voltar para a Califórnia.

Desculpei-me com as garotas e pedi autorização ao diretor da faculdade para voltar pra casa. Por ser um aluno que ele admirava muito, nem quis ouvir minhas explicações, peguei tudo que precisava, coloquei no meu carro e dirigi o mais rápido que podia. Sophie não estava me atendendo, o que me preocupou. Telefonei para minha mãe e expliquei por cima o que aconteceu, provavelmente ela estava a caminho para ficar com as meninas. Corri ainda mais imaginando Sophie sozinha com Angel e Melanie. Meu Deus, eu vou matar o Justin!

O trajeto que duraria duas horas e meia, foi feito uma hora a menos. As luzes da casa dela estavam acesas e o carro da minha mãe não estava ali, imaginei que ela tinha levado as meninas para um passeio a pedido de Sophie para ficar sozinha. Estava certo. Minha irmã estava sozinha sentada no sofá com o rosto escondido nas mãos.

— Sophie. — chamei por ela assim que entrei.

— Rome. — ela se levantou e me abraçou bem forte enquanto chorava alto. — Ele esteve aqui, foi horrível.

— Por isso estou aqui. Por que não me ligou? Você prometeu que me ligaria se isso acontecesse quando eu não estivesse por perto.

— Eu não consegui pensar em nada, nem mesmo nas meninas brincando no quarto. Meu Deus, Rome, não consegui me controlar sabendo que estava com duas crianças em casa.

— Preciso que você se acalme e me explique como tudo aconteceu.

 — Foi Beatrice, aquela falsa. Ela tinha me prometido que manteria este segredo até eu estar pronta, mas ela disse para ele onde eu estava.

— Vamos nos sentar, vou buscar um pouco de água com açúcar para você.

Sophie me contou tudo nos mínimos detalhes. Melanie tinha atendido a porta e quando ela chegou à sala viu Justin perplexo e minha sobrinha sorrindo. Ela não imaginava que o reencontro seria tão doloroso, mas Justin foi muito duro com ela. Ele disse coisas que a magoou e deixou-a sozinha após ameaçar tirar sua filha. Não que eu estivesse apoiando Justin, mas ele tinha o direito sobre Melanie e ao me colocar no lugar dele, imaginei o que ele sentiu ao ver ela tão pequena sorrindo, minha sobrinha é tão encantadora que é impossível não se apaixonar por ela. Ele é o pai, tinha que ter tido a oportunidade de acompanhar a gravidez e o nascimento dela, mas Sophie não quis que fosse assim e isso o afetou da pior maneira possível. Ele estava ferido assim como ela. A história tinha os dois lados e eu precisava trabalhar nisso para ajudar a minha irmã ser feliz com as duas pessoas que ela tanto amava, Justin e Melanie.

— Você precisa encontrá-lo e marcar um encontro.

— Ele não quis me ouvir, Rome, eu implorei e ele preferiu ir embora.

— Justin deve ter se assustado. Imagina se você fosse ele, como reagiria ao saber que a sua garota fugiu e muito tempo depois a reencontra com uma filha que ela escondeu dele, como você fez?

— Eu não tive escolhas.

— Eu sei disso, não estou julgando você. Se ele expulsou você da vida dele naquela época, você teve medo de voltar a procurá-lo, acontece que não se trata apenas de vocês dois, mas também da Melanie e ela precisa crescer com um pai.

— Ela sabe que ele é seu pai, sempre falei sobre ele para ela.

— Viu só, os fatos estão começando a favorecer você.

— Ele não pode tirá-la de mim.

— Ele tem o direito de tentar, por isso vocês precisam conversar o quanto antes.

— Justin é teimoso, não vai querer me ouvir.

— E a mim?

— Você faria isso?

— Por você eu faço tudo, até se precisar fugir novamente para manter Melanie com você. Ainda tem o número dele?

— Tenho.

Sophie me passou o número de Justin e eu liguei para ele. Expliquei quem eu era e com muito custo fui informado onde poderia encontrá-lo. Ele estava no mesmo hotel que ficara durante a passagem da banda há sete meses e ficamos de nos encontrar no bar do hotel. Eu iria ajudar a minha irmã a ser feliz ao lado do cara que ela tanto ama, mesmo negando isso sempre.


Notas Finais


O próximo capítulo já está pronto, mas não será o encontro do Justin com o Rome porque escolhi falar sobre a gravidez da Sophie antes disso.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...