História All Of Me - Capítulo 53


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Rock, Rock And Roll, Romance, Shows, Tour
Exibições 523
Palavras 1.730
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi leitoras, estou de volta!

Juro que iria postar no domingo, pois por ser torcedora do Palmeiras, estava bastante feliz com a conquista do título. No fim acabou que fiquei muito feliz e não conseguia nem pensar direito. Logo após aconteceu aquela tragédia e eu nem sei como consegui terminar esse capítulo.
Espero do fundo do coração que gostem e BOA LEITURA!

Capítulo 53 - Venice


Fanfic / Fanfiction All Of Me - Capítulo 53 - Venice

Sophie Davis

Veneza, Itália

Estávamos em Veneza. Uma cidade cortada por rios e que transmitia paz de espírito. O nosso primeiro contato com a cidade foi visitando a famosa ponte di Rialto, um dos lugares mais bonitos da cidade. Escolhemos este lugar por ter diversas lojas onde poderíamos comprar mais alguns presentes. Logo após visitamos a Praça de São Marcos, formada por construções históricas é o lugar com os principais pontos turísticos da cidade e com os melhores restaurantes da região, por isso decidimos almoçar por lá. Após o almoço visitamos a Torre de Veneza, que possui uma incrível vista da cidade em trezentos e sessenta graus. Apesar da fila que enfrentamos, foi um passeio agradável. Durante meia hora conhecemos vários pontos turísticos da cidade no romântico passeio de gôndola que corta o Grande Canal. Ficamos quase uma semana conhecendo a cidade e pretendíamos voltar futuramente com nossa família.

Hotel Danieli — 08h33, quinta-feira.

— Estou tão ansiosa para ver Beatrice e Alfredo. — disse durante nosso café da manhã após uma longa noite de descanso.

— Ele estava tão animado na ligação naquele dia. O sonho dele era ser pai. Quando contei para ele sobre Melanie ele ficou tão animado quanto eu.

— Eles serão pais maravilhosos.

— Apesar de querer muito vê-los, estou triste porque essa é nosso último dia aqui.

— Essa semana passou voando.

— Gostaria de ter mais tempo a sós com você

— Vamos ter muitas oportunidades, mas Melanie deve estar sentindo a nossa falta.

— E eu dela. Por mim eu iria embora agora.

— E o papo de querer ficar a sós comigo?

— Você me olhando assim, esqueço-me de tudo e todos.

— Que pai desnaturado.

— Sophie, isso não vale.

— Estou brincando meu amor.  — levantei-me, caminhei em sua direção e sentei-me no seu colo de frente pra ele. — Meus dedos estão com geleia. — sorri e passei o indicador em seu nariz.

— Gostaria de espalhar essa geleia no seu corpo e retirá-la usando minha língua.

— Confesso que adoraria.

— Você não presta. — ele sorriu e me beijou nos lábios — E eu confesso que amo esse seu lado safado e que vou deitar você nessa mesa e espalhar toda a geleia no seu corpo.

Justin se levantou comigo agarrada em torno de seu quadril e colocou-me sentada sobre a mesa. “Não se mova”, ele pediu antes de retirar as coisas da mesa e voltar com a tigela de geleia em mãos.

— Quero você deitadinha meu amor. — Justin sussurrou em meu ouvido e mordeu minha orelha antes de começar a espalhar a geleia em meu corpo.

— É um pouco fria e faz cócegas. — falei sorrindo.

— Minha língua vai esquentar seu corpo daqui a pouco.

Minha barriga estava coberta por uma trilha de geleia e Justin beijou meus lábios antes de começar a lamber o meu corpo. Estava arrepiada da cabeça aos pés e ele se divertia com isso. Suas mãos permaneciam segurando firme minha cintura e logo não sentia mais o calor de sua boca. “Eu quero fazer amor com você”, dizia ele com o rosto de frente ao meu e um lindo sorriso nos lábios. Seus olhos estavam brilhando numa intensidade que os deixavam ainda mais lindos. “Eu sou completamente apaixonado por você Sophie e irei tratá-la como uma princesa”, Justin declarou e meus olhos se encheram. Puxei-o pela nuca e beijei-o. Estava vivendo um sonho ao lado do grande amor da minha vida e gostaria de ter o poder de congelar o tempo para permanecer sempre ao seu lado. Cuidadosamente ele retirou sua camisa que eu vestia e nossos corpos nus se chocaram. Justin beijava meus seios, pescoço e lábios repetitivamente e então me penetrou lentamente, permanecendo dentro de mim por longos segundos.

Justin abraçou meu corpo e colocou-me sentada sobre a mesa antes de me pegar no colo e caminhar em direção ao banheiro da suíte que estávamos. Minhas pernas estavam em torno de sua cintura quando ele ligou o chuveiro e a água quente caiu sobre nós dois. “Você fica tão lindo todo molhado e sorridente”, falei sorrindo junto com ele e nos beijamos. Preparamos nossas malas e antes de embarcarmos paramos para tomar sorvete. A viagem seria muito longa e chegaríamos cansados.

Atlanta, Georgia.

Após quase treze horas de voo chegamos a nossa cidade. Eu estava muito cansada e mal conseguia manter s olhos abertos. Mesmo dormindo praticamente a viagem toda, ficar sentado ou deitado esse tempo nos deixava exaustos. Estávamos com saudades da Melanie, mas torcendo para que ela estivesse passeando ou dormindo para que pudéssemos descansar. Assim que consegui sinal no celular, as mensagens começaram a chegar e abri apenas a de Trice que dizia: “Amiga estou muito animada com sua chegada, após essa lua de mel tão longa. Fredo e eu sabemos que o novo casal chegará cansado da viagem, então adiamos nossa festa para amanhã e esperamos por vocês. Claro, se vocês não comparecerem iremos atrás dos dois e matá-los.”. Justin soltou uma risada divertida atrás de mim. Alfredo tinha enviado a mesma mensagem para ele e quando ele foi me mostrar, viu que eu também tinha recebido.

— Táxi ou Kenny?  Você parece tão cansada.

— E estou, mas podemos esperar pelo Kenny.

— Imagino que ele esteja chegando.

— Acho que desmaio ao invés de dormir.

— Não estou tão cansado assim. Você está bem?

— Sim, é apenas muita preguiça.

Não demorou muito para que Kenny chegasse e nos levasse para casa. Já era início da noite e nossa governanta informou que minha mãe havia levado Melanie para sua casa e que no dia seguinte a traria de volta. Minha mãe tinha tudo planejado e agradeci mentalmente. Não que eu não queria ver minha filha, afinal, estava morrendo de saudade, mas estava tão cansada que não seria capaz de dar-lhe a devida atenção que precisava. Kenny ajudou Justin com as malas e eu resolvi tomar um banho para poder dormir. Ele foi esperto e invadiu o banheiro. Fizemos amor ali mesmo. Quando terminei de me vestir, Justin apareceu com um suco de goiaba que havia preparado e panquecas. Comemos rapidamente e caímos no sono.

No dia seguinte levantamos da cama quase onze da manhã. Assim que desci ouvi a voz da minha filha e apressei meus passos. Chamei pelo seu nome e ela veio correndo em minha direção com os olhos arregalados de felicidade. Melanie dizia que havia sentido a falta do papai e da mamãe e que estava muito feliz com a nossa volta. Fez a gente prometer no almoço que não iríamos viajar e deixá-la. Senti-me culpada, mas Justin conversou comigo e ficou tudo bem. Passeamos com ela a tarde toda para matar a saudade e voltamos poucas horas antes da festinha da Trice para que ela pudesse descansar. Nossas compras pelas cidades que visitamos renderam diversos presentes e separamos os que havíamos comprado para nosso casal de amigos e seu futuro bebê. A tal festa era apenas para familiares e amigos mais próximos. Estavam comemorando a notícia da gravidez e eu estava bastante feliz pela minha melhor amiga estar realizando um sonho. Mel se divertia com algumas crianças enquanto Justin e eu conversávamos com alguns conhecidos.

— Justin? — uma desconhecida praticamente gritou quando se aproximou da nossa mesa.

— Kristen? O que faz aqui? — então ele a conhecia e eu não fazia ideia de quem era.

— Esqueceu que Alfredo me conheceu antes de você? Como estava na cidade resolvi vir para parabenizá-los. Beatrice está tão radiante. — ela conhecia minha melhor amiga? — Como tem passado? Vi no noticiário que você se casou. — eu quero matá-la.

— Ah, claro. Fiquei tão surpreso com a sua presença que havia me esquecido de apresentar-lhe a minha esposa. — meu sangue subiu e desejei esmurrá-lo. — Sophie, essa é Kristen. — disse olhando para mim. — E Kristen, essa é a minha esposa Sophie.

— Prazer em conhecê-la, Sophie. — cumprimentou a tal garota com um sorriso e eu apenas acenei com a cabeça. — Já estava embora quando o vi. — disse sem graça e eu permaneci encarando os dois, perplexa. — Precisamos marcar de nos encontrarmos qualquer dia desses.

— Claro. — ele respondeu animado e eu senti mais raiva. — Eu ainda tenho o seu número. Prometo chamá-la qualquer dia desses. Acabei de chegar da minha lua de mel e está muito corrido com as coisas da banda.

— Estarei esperando. Foi um prazer Sophie, você é ainda mais bonita pessoalmente. E Justin, vê se não some. — com aquele sorriso de piranha ela se despediu da gente e saiu após o abraço que deu nele.

— Vou procurar Alfredo e Beatrice para despedir.

— Pensei que estava se divertindo.

— Disse certo. Estava. Agora eu quero ir para nossa casa, pois estou com dor de cabeça.

— Pergunta a Trice se ela tem algum remédio. Estou gostando de ficar aqui com meus colegas.

— Fique. Posso pedir um táxi e você leve a Mel quando for.

— Tem certeza que é apenas a dor de cabeça?

— Absoluta.

— Encontre-os que irei buscar Melanie para irmos embora. — não respondi. Dei as costas e procurei pelos nossos amigos e quando estava me despedindo, Justin chegou com Melanie.

— Não quer mesmo um remédio?

— Foi o que eu disse para ela.

— E eu disse que você poderia permanecer aqui. — os dois perceberam minha reação e se olharam confusos.

— Sophie odeia sentir dor de cabeça quando não está em casa Justin. Acho melhor ela ir embora mesmo.

— Não precisa revirar seus olhos Justin, eu não estou obrigando você a ir embora comigo. Inclusive disse que poderia levar Melanie quando fosse.

— Amiga, acalme-se.

— Minha cabeça está doendo e ainda tenho que aguentar os dramas do Justin? Poupe-me. — dei as costas novamente e sai do prédio que eles moravam. Senti-me aliviada com o vento em meu rosto. A minha vontade era gritar em plenos pulmões.

— Sophie, o que foi aquilo?

— Justin, não começa.

— Você está indiferente.

— Qual parte de “a minha cabeça está doendo” que você não entendeu? Eu não quero discutir no meio da rua e na frente da Mel. Você vai ficar aqui ou vai para casa e ficar com essa cara de bunda?

— Me espere aqui enquanto eu busco o carro.

— Ok.

Fomos para casa e eu não disse uma palavra. Quando chegamos peguei Melanie e subi para seu quarto. Justin não quis ler uma historinha para ela dessa vez, deve ter caído à ficha. Acabei passando a noite no quarto da nossa filha. Quando eu estiver mais calma, conversaremos sobre o que acontecera. Acabamos de chegar de viagem e eu não estava disposta para brigas de casal.


Notas Finais


* Quem se lembra do 16° capítulo? Kristen ressurgiu das trevas e após trinta e sete capítulos ela está de volta. O QUE ACHAM DISSO? Querem me matar? kkkkkk

* Playlist da fanfic: https://open.spotify.com/user/itsdanicarol/playlist/4LZrG8EZDhRRsfWph1ha99

* Em breve posto o prólogo da próxima fanfic e divulgo o link aqui.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...