História All We Know - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chandler Riggs
Personagens Chandler Riggs, Personagens Originais
Tags Amor, Andrew Lincoln, Brigas, Chandler Riggs, Drama, Escola, Katelyn Nacon, Lauren Cohan, Mingus Reedus, Norman Reedus, Romance, Sam Elicad
Visualizações 49
Palavras 4.130
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Heeey!! Antes de qualquer coisa, MUITO obrigada por todos os favoritos e comentário que me fizeram muito feliz.
Aproveitem o segundo capitulo e desculpem qualquer erro.
Até o próximo. Beijos <3

Capítulo 2 - New routine


Fanfic / Fanfiction All We Know - Capítulo 2 - New routine

|Melanie Clark|

São cento e cinquenta e cinco passos entre o ponto de ônibus e a minha nova escola, mas é possível diminuir este número caso você esteja com pressa, ou, assim como eu, estiver correndo desesperadamente pelas ruas da cidade temendo que fechassem os portões. A culpa do meu atraso tinha nome, sobrenome e uma linha de roupas que poderiam comprar uma casa nova. Holly Montgomery. A garota havia desligado todos os meus despertadores enquanto eu dormia e acabei acordando com os gritos de sua mãe furiosa por eu não ter preparado o café da manhã no horário certo. E como castigo pelo atraso fui obrigada a limpar a cozinha após todos terminarem a refeição e agora eu estava exatamente dez minutos atrasada em meu primeiro dia de aula. Minha semana não poderia ter começado melhor.

Sentia o sol queimar em minhas costas e o suor ameaçando escorrer pela minha testa. Virei a esquina após verificar uma placa com o nome da rua e suspirei aliviada quando avistei os grandes portões da escola. Atlanta High School era uma das escolas mais conhecidas e disputadas da região. Famosa por ter os melhores (e mais ricos) alunos. Eu realmente não me sentia confortável em meio a todas aquelas pessoas desconhecidas e eu tinha a absoluta certeza de que Holly faria de tudo para infernizar a minha vida escolar. Como se já não bastasse fazer isso em minha própria casa.

Enquanto caminho pelo extenso gramado em direção as portas de entrada do colégio tento me lembrar de todas as instruções que meu pai havia ditado assim que fez minha matricula. Mas assim que encarei o primeiro corredor repleto de armários foi como se minha mente tivesse esquecido de todas suas palavras. Podia escutar algumas vozes vindo de dentro de diversas salas pelo caminho e isso apenas me fez ter mais certeza de que eu estava muito atrasada.

-Ei, mocinha.

Sou dispersa de meus pensamentos ao escutar uma voz masculina atrás de mim e me viro vendo um senhor de barba branca caminhando em minha direção. Sua expressão é neutra e ele não tem cara de que vai brigar comigo ou me dar uma suspensão em meu primeiro dia de aula. Isso me tranquiliza um pouco.

-O que faz fora de sua sala? –Ele pergunta e sua voz me lembra de um avô mal-humorado.

-Ham...Eu sou aluna nova- Respondo um tanto nervosa- Preciso encontrar a direção e pegar algumas coisas.

-Não deveria ter chego mais cedo?

-Deveria- Solto um suspiro- Mas eu tive alguns problemas e...

-Tudo bem- Ele me interrompe e um pequeno sorriso surge em seu rosto- Seja bem-vinda. Vou te levar até o Sr.Williams

Abro um sorriso em resposta e ele me guia entre os corredores em direção a um lance de escadarias. Caminhamos em silencio o tempo inteiro e eu sinto meu nervosismo diminuir aos poucos, porém minhas pernas ainda tremem a cada passo que eu dou. Após longos e intermináveis segundos subindo aquelas escadas ouvindo apenas o barulho de nossos passos, o senhor para em frente a uma porta com uma placa indicando que ali seria a secretaria e indica para que eu entre. Empurro a porta com as duas mãos e me deparo com uma mulher loira sentada atrás de uma mesa mexendo seus dedos freneticamente nas teclas de um computador.

-Muito obrigada- Sorrio para o homem e ele retribui meu gesto- Como se chama?

-Pode me chamar de Jonathan- Ele se apresenta- Se precisar de mais alguma coisa estarei pelos corredores, senhorita...

Ele me olha como se esperasse que eu completasse meu nome.

-Melanie- Respondo rapidamente- Melanie Clark.

-Claro- Assente como resposta- Seja bem-vinda, Melanie.

O observo se afastar entre os corredores e logo volto meu olhar para a mulher loira que ainda não havia notada minha presença. Me aproximo de sua mesa e apoio meus braços na mesma. Ela continua com os olhos vidrados em seu computador e eu faço um barulho com a garganta fazendo com que ela finalmente levantasse seus olhos castanhos em minha direção.

-Olá- Ela abre um grande sorriso- Posso ajuda-la?

-Eu sou aluna nova e...

-Um minuto- Ela me interrompe e disca alguns números em seu telefone antes de colocá-lo próximo ao ouvido- Sr. Williams? Tem uma aluna nova aqui na frente. Posso manda-la entrar? –Ela permanece em silencio por alguns segundos e então desliga o telefone antes de me olhar novamente- O Sr.Williams pediu para que entrasse em sua sala.

-Certo- murmuro em resposta.

A sala da diretora fica em uma porta ao lado e eu bato algumas vezes antes de ouvir uma voz masculina me mandando entrar. O Sr.Williams é um homem de olhos pequenos e bochechas redondas. Seus cabelos grisalhos e as linhas de expressão em seu rosto denunciam sua alta idade. Ele me analisa mantendo uma postura séria e me sinto um pouco intimidada com seu olhar. De acordo com o certificado pendurado na parede, ele trabalha no colégio há vinte anos. Em uma mesa há uma placa dourada com seu nome gravado. Marshal Williams Martinez.

-Bom dia, Senhorita Clark- Ele me cumprimenta formalmente- Sente-se por favor.

-Bom dia- Sorri minimamente enquanto me sento em uma cadeira em sua frente.

-Seu pai me mostrou seu antigo boletim- Ele me olhando através de seus óculos- Devo dizer que fico honrado em ter uma aluna exemplar como a senhorita em minha escola.

Tenho de reprimir uma careta por conta de tantas palavras formais e apenas sorrio timidamente pelo seu elogio. Balanço minhas pernas de maneira ansiosa e pela primeira vez naquele dia desejava estar logo em uma sala de aula.

-Ham...obrigada- digo sem saber ao certo o que responder.

-Espero que já esteja ciente de todas as regras que devem ser seguidas por aqui- Ele diz e eu assinto rapidamente esperando que essa conversa terminasse logo- Como é o primeiro dia, iremos perdoar seu atrasado. Mas espero que isso não se repita.

-Certo.

-Aqui estão seus horários de estudos- Ele me entrega uma pequena lista com todos meus horários e eu analiso rapidamente- E a senha do seu armário.

-Obrigado- o agradeço novamente- Eu poderia...ham...

-Sim- Ele sorri minimamente- Pode ir para sua aula. E seja bem-vinda.

Lanço um último sorriso como resposta e me levanto seguindo para fora daquela sala quente e intimidadora. Paro em meio ao extenso corredor e observo o pedaço de papel em minhas mãos. De acordo com o que estava escrito, eu teria dois tempos seguidos de literatura antes do primeiro intervalo. Olho para uma porta em minha frente e sorrio ao perceber que era exatamente para onde eu deveria ir. Minha primeira sorte daquele dia.

Em passos lentos caminho até a porta de madeira e dou três batidas sentindo meu coração saltar dentro de meu peito. Escuto alguém pedindo para que eu entrasse e empurro a porta atraindo todos os olhares em minha direção. A professora é uma mulher de longos cabelos castanhos e óculos redondos de armação roxa. Ela me olha por um momento e então se levanta da mesa onde ela estava sentada.

-Atrasada no primeiro dia- Ela faz uma careta balançando a cabeça em negação- Irei perdoar dessa vez. Qual seu nome?

-Melanie- murmuro envergonhada e ela sorri

-Seja bem-vinda, Melanie- Diz simpaticamente- Eu sou a professora de literatura, mais conhecida como Lily. Pode se sentar em algum dos lugares vazios.

Apenas assinto como resposta e me viro em direção as fileiras de carteiras perfeitamente arrumadas. Consigo avistar Holly sentada na segunda carteira da primeira fileira e ela me olha com uma expressão debochada em seu rosto. Passo meu olhar pela sala e encontro um lugar vazio atrás de uma garota de cabelos loiros e roupas completamente pretas. Caminho em passos lentos enquanto ainda sinto todos aqueles olhares em minhas costas e apenas consigo voltar a respirar normalmente quando já estou sentada.

-Muito bem- A professora exclama animada fazendo com que todos voltassem sua atenção para a mesma- Voltando a aula pessoal.

Enquanto a escuto falar alguma coisa sobre poemas de Elizabeth Bishop, procuro por algum caderno em minha bolsa e pego o primeiro que encontro. Nós ainda não havíamos recebido nossos livros e por isso todos pareciam usar seus cadernos para anotar o que a professora falava. Encosto minhas costas sobre a cadeira e tento prestar atenção em suas palavras. Coisa quase impossível. Minha cabeça ainda estava a mil e eu sentia necessidade em ficar mexendo minha perna de maneira ansiosa a todo momento.

Observo ao meu redor outra vez e começo a analisar os rostos dos meus novos colegas de classe. Ao meu lado um garoto de touca vermelha parece alheio de qualquer coisa a sua volta enquanto brinca com uma bolinha de papel, a jogando para cima e para baixo repetidamente. A garota loira em minha frente também não presta muita atenção nas palavras da professora. Ela faz desenhos nos braços. Não só os corações de sempre, mas paisagens com criaturas, garotas e árvores que parecem reais. Seus cabelos loiros são tão lisos que quase sinto vontade de toca-los. Sua pele branca é quase pálida e ela usa um batom cereja em sua boca. Ela me olha com seus olhos castanhos e sorri antes de voltar sua atenção para a aula. Parece ser uma boa pessoa. Talvez eu tivesse exagerado em meus pensamentos negativos sobre essa escola.

(...)

Após duas longas e intermináveis aulas de literatura, o sinal toca indicando um intervalo de vinte minutos. Pego minha mochila que pesa em meus ombros e meu primeiro pensamento é encontrar meu armário para guardar todas aquelas coisas. Apresso meus passos para alcançar a única pessoa conhecida daquele lugar e vejo Holly saindo da sala enquanto tecla freneticamente em seu smartphone.

-Holly!

Ela para de andar automaticamente e se vira com uma expressão quase incrédula em seu rosto. Solto um suspiro aliviada por não ter que ficar correndo atrás da Montgomery mais nova e caminho em sua direção.

-Você está falando comigo? –Ela pergunta como se fosse a coisa mais absurda desse mundo.

-Existe outra Holly que eu conheça por aqui? –Brinco em um tom de ironia e ela revira seus olhos verdes- Será que você pode...

-Escuta- Ela me interrompe- Você não pode falar comigo aqui.

-Mas eu só queria...

-Não- Ela faz um gesto com sua mão indicando para que eu parasse de falar- Enquanto estivermos no ambiente escolar nós não nos conhecemos. Não fale comigo, ou olhe para mim, ou sequer pense em mim. Estamos entendidas?

Antes que eu possa responder ela sai desfilando pelos corredores em direção a um grupo de meninas que me encaravam indiscretamente e eu bufo alto antes de voltar para minha missão de encontrar meu armário em meio a tantos outros. Olho para os lados em busca de alguma salvação e não encontro nada que possa me ajudar.

-Precisa de ajuda?

Dou um pulo assustada quando a mesma garota que estava sentada na minha frente durante a aula de literatura aparece segurando um grande livro em seus braços. Ela sorri ao perceber que me assustou e eu solto uma risada fraca enquanto arrumo uma mexa de meu cabelo que foi parar em frente aos meus olhos. Me permito analisar suas roupas por um momento e gosto de seu estilo. Ela usa um vestido preto até um pouco acima dos joelhos por baixo de um casaco da mesma cor que está dobrado até os cotovelos deixando à mostra seus desenhos que ela havia feito nos braços.

-Na verdade, sim- Eu sorrio enquanto tento equilibrar alguns livros em minhas mãos- Não consigo achar meu armário.

-Qual o número?

-Ham...- Analiso o pedaço de papel em minhas mãos- 40B.

-Ah sim- Ela sorri- É perto do meu armário. Se quiser te levo até lá.

-Seria ótimo.

-A propósito, eu me chamo Zoey.

-E eu...

-Melanie- Ela me interrompe e sorri- Eu ouvi quando você falou na sala.

Durante o pequeno caminho até o corredor onde se encontrava nossos armários, escutei atentamente Zoey me explicando algumas coisas que considerava necessário eu saber sobre esse colégio. Acabei descobrindo que ela estudava aqui desde o ano passado e planejava seguir a carreira de jornalismo quando se formasse. Ela também me contou sobre seu único amigo chamado Carson e que iria me apresentar a ele quando conseguíssemos encontra-lo.

-39B- Ela fazia a contagem dos armários- E.…40B. Esse é o seu.

-Não aguentava mais carregar essas coisas- Digo enquanto guardo os materiais em meu armário- Qual sua próxima aula?

-Álgebra- Ela faz uma careta- E a sua?

-Química.

-Olha só se não é a minha gótica favorita- Um garoto surge em meio ao corredor andando como se estivesse em um desfile de moda e eu sorrio enquanto a garota ao meu lado revira os olhos- É impressão minha ou as garotas dessa escola voltaram mais loiras desde o ano passado? É tanta tinta que estou começando a ficar com alergia.

-Oi Carson- Zoey finalmente sorri para o garoto em nossa frente e ele parece notar minha presença enquanto me analisa de cima a baixo.

-E quem é essa que não riu da minha piada?

-Essa é a Melanie- Me apresenta e eu sorrio dando um aceno rápido- Ela é novata.

-Hey Mel- Ele sorri simpaticamente- Você é fofa. Gostei do seu cabelo.

-Obrigada- Solto uma risada quando ele começa a mexer em minha franja- Também gostei do seu cabelo.

-Que bom, porque eu trabalho duro para deixa-lo assim.

E de fato o cabelo de Carson era de ser invejado. Seus cachos estavam perfeitamente arrumados em um topete enquanto alguns fios caiam sobre sua testa o deixando adorável. Seus olhos eram grandes e incrivelmente azuis. Ele era alguns centímetros mais alto do que eu e tinha um corpo magro. E por fim, usava uma jaqueta jeans por cima de uma blusa branca e uma calça preta combinando com sua bota da mesma cor.

Ainda faltavam alguns minutos para acabar o intervalo e nós optamos por ficar apoiados em nossos armários conversando enquanto esperávamos o tempo passar. Carson começou a falar sobre os “idiotas” de sua turma enquanto eu e Zoey fazíamos de tudo para prestar atenção no garoto que falava extremamente rápido. Eu me sentia feliz e aliviada por ter conseguido conhece-los em meu primeiro dia de aula. Ter amigos acabava tornando tudo isso menos insuportável.

Quando o intervalo acabou, me despedi dos dois que teriam aulas diferentes da minha e segui na direção onde eles haviam me indicado ser a aula de química. Felizmente consegui encontrar facilmente a sala com o número indicado em sua porta. A sala já está quase cheia quando eu entro e sou obrigada a escolher um lugar no fundo atrás de um garoto de óculos escuros. Quando me sento em minha carteira consigo ver que há um garoto parado em frente ao quadro usando um giz para desenhar alguma coisa que não conseguia identificar enquanto todos o observavam soltando risadas discretas.

-Ei, Sam- Um garoto que cuida da porta chama pelo outro- Ele está vindo.

Rapidamente, o garoto corre para seu lugar que é praticamente ao meu lado e cruza seus braços de maneira desajeitada enquanto segura uma risada. Ele tem cabelos castanhos claros e olhos azuis. Todos parecem se divertir com suas brincadeiras e até eu acabo soltando uma risada ao ver o desenho feito no quadro. Era um homem gorducho e baixinho que usava uma cueca de corações e estava sendo devorado por um tubarão. E no mesmo momento em que o professor de química entrou na sala, eu consegui reconhece-lo de imediato pelo seu desenho feito no quadro fazendo com que eu colocasse as mãos sobre a boca prendendo a risada.

O homem olhou para o quadro por um momento e soltou um longo suspiro como se já estivesse acostumado com esse tipo de brincadeira. Ao meu lado, o garoto que havia desenhado ainda sorria debochadamente e algumas garotas pareciam babar enquanto o admiravam.

-Que bela obra de arte, Sr.Elicad- Ele diz em um tom irônico e todos começam a gargalhar- O que acha de mostrar seu aprendizado para a coordenação em seu primeiro dia de aula?

-Eu não sei do que o senhor está falando.

-Mais uma de suas brincadeiras e vamos ter que resolver com o diretor- O professor parece ficar irritado com tantas risadas- E o próximo que rir vai acompanhar o Sr.Elicad.

Enquanto ele apaga seu incrível desenho do quadro, ordena para que todos abram seus cadernos e copiem os exercícios que ele vai passar no quadro. Todos conversam entre si enquanto o professor parece concentrado escrevendo no quadro e eu me mantenho em silencio apenas copiando toda a matéria. Após terminar de passar exercícios por todo seu quadro, ele finalmente se vira em nossa direção e passo os olhos pela sala como se procurasse por alguém.

-Já que o senhor está tão empolgado com o primeiro dia de aula, porque não lê em voz alta o primeiro exercício para turma, Sr. Elicad?

Escuto o garoto ao meu lado fazer um barulho alto com a garganta e solto uma risada baixa enquanto ele se prepara para ler.

-Exercício número um- Ele diz em voz alta- Como ser um professor mal-humorado e sem graça que...

-Samuel Elicad –O professor exclama em voz alta interrompendo o garoto e fazendo com que todos rissem- Para fora.

-Mas eu...

-Agora!

Balanço minha cabeça em negação incrédula com toda aquela cena enquanto o garoto sai de sala carregando seus materiais. O professor solta um suspiro parecendo aliviado assim que ele sai e então pede para que uma garota da primeira fileira leia o exercício que antes o tal Sam estava lendo. Volto minha atenção para o que o homem explicava e ainda consigo escutar algumas risadas baixar entre os alunos da sala. Estava me sentindo um pouco mal pelo garoto ter sido expulso de sala porque sabia que ele apenas estava fazendo aquilo para tentar deixar os novatos mais à vontade no ambiente escolar. E de certa forma, isso pareceu ter funcionado para alguns daquela sala e eu não estava mais detestando tanto esse lugar como antes.

(...)

-Está falando sério? –Carson explodiu enquanto Zoey parecia concentrada em um livro que ela lia desde a última aula- Você é irmã da Holly Montgomery? A Holly cara de sapo?

-Carson! –Zoey o lançou um olhar repreensivo por suas palavras, indicando em minha direção com sua cabeça- É da irmã dela que está falando.

-Não é como se fossemos melhores amigas- Eu solto uma risada enquanto reviro a salada com meu prato de plástico- Ela é filha da mulher do meu pai.

-Que terrível- Ele balança a cabeça em negação- Deve ser um pesadelo ter que ouvir a voz dela a todo momento.

-Como o tempo você se acostuma- Eu brinco ouvindo Zoey rir ao meu lado- Vocês não parecem gostar muito dela.

-Está brincando? –A garota ao meu lado deixa o seu livro de lado pela primeira vez- Eu adoro ela e seus gritinhos histéricos. Ano passado colocamos uma lagartixa dentro da sua roupa de ginastica.

-Foram vocês? –Eu pergunto enquanto solto uma risada alta- Ela chegou em casa chorando e tomou cinco banhos seguidos.

-Zoey tem algumas pequenas desavenças com a sua irmã- Carson explica alternando seu olhar entre nós duas- Com ela e com o resto da escola.

-Cala a boca- A garota ao meu lado solta uma risada com o comentário de seu amigo- Apenas não gosto dela e das amiguinhas dela.

-Quem são as amigas dela? –Pergunto curiosa

-Brianna Maphis e Amber Williams.

-Williams?

-Filha do diretor- Zoey confirma as minhas dúvidas e rouba uma cenoura de meu prato- São apenas um grupo de garotas irritantes e mimadas. Toda escola tem.

Dou de ombros sem dar muita importância para aquele assunto e volto minha atenção para a sala em meu prato enquanto os escuto conversar sobre um novo reality show que estava passando atualmente. Quando termino de comer, aviso a eles que vou jogar meu prato descartável no lixo e sou ignorada por conta do bendito reality show que estava rendendo uma grande discussão entre os dois amigos. Enquanto caminho distraída com meus cadarços desamarrados, sinto meu ombro se chocar contra o corpo de alguém e rapidamente levanto minha cabeça com a intenção de me desculpar.

 -Olha por onde anda novata- Uma garota de cabelos loiros, quase platinados, diz em um tom rude e mal-humorado enquanto caminha ao lado de um garoto de cabelos cumpridos que quase chegam ao seu ombro.

Ele me olha por um momento como se quisesse pedir desculpas pela garota ao seu lado e ela o puxa antes que ele consiga fazer alguma coisa. Dou de ombros sem entender direito o que havia acabado de acontecer e volto a caminhar em direção a minha mesa onde Carson e Zoey parecem assistir aquela cena de longe.

-Brianna nojenta- A garota resmunga revirando seus olhos- Deveria ter empurrado mais forte.

-Deveria ter caído em cima do namorado dela, isso sim- Carson diz enquanto vira seu pescoço em uma tentativa de encontrar o casal que eu havia esbarrado há alguns segundos atrás- Chandler Riggs é ou não é o garoto mais gato que você já viu?

-Quem? –Pergunto confusa

-É o garoto que estava do lado da Brianna- Zoey me explica calmamente- Ele é um ator famoso. Conhece The Walking Dead?

-Já ouvi falar- dou de ombros- Devo ter assistido a primeira temporada.

-Não é incrível estudar na mesma escola que ele? –Carson exclama animado e eu troco um olhar com a Zoey enquanto seguramos a risada- Vocês não podem ser desse mundo.

(...)

Abro a porta de casa escutando alguns barulhos vindo do andar de cima e deixo minha bolsa no chão ao lado da porta. Tiro meu casaco enquanto caminho em passos lentos até a cozinha e o amarro em minha cintura. Empurro a porta com meus quadris e vou em direção a geladeira pegando uma jarra de água gelada. Sento sobre o balcão enquanto tomo o liquido de dentro do copo e sinto o celular vibrar em meu bolso.

-Alo- atendo sem verificar quem estava me ligando.

-Oi querida- Sorrio ao ouvir a voz do meu pai- Como foi o primeiro dia?

-Hum...Normal- Dou de ombros mesmo sabendo que ele não estava vendo- Conheci algumas pessoas legais.

-Fico feliz em saber que fez amigos- Ele diz em seu tom carinhoso de sempre-Comprei um presente incrível para você aqui em Boston.

-Sério? O que é? –Pergunto sem esconder minha empolgação

-Surpresa- Bufo enquanto escuto sua risada- Como estão Cassie e Holly?

-Bem. Eu acho- Digo enquanto coloco meu copo sobre a pia- Estou com saudades.

-Também estou com saudades-Ele diz e eu sorrio- Vou precisar desligar agora. Liguei apenas para ver se estava tudo bem.

-Certo- murmuro em resposta- Boa noite, pai. Te amo.

-Eu também te amo, Anie.

Desligo a chamada e permaneço encarando o celular por longos segundos antes de soltar um suspiro aborrecida. Me encosto na bancada atrás de mim e mexo no colar em meu pescoço. Apenas alguns meses e ele voltaria. Mas logo iria ter que parir de novo e tudo voltaria a ser a mesma coisa. Droga. Balanço a cabeça em negação tentando me livrar desses pensamentos e caminho para fora da cozinha indo pegar minha bolsa que eu havia deixado no chão.

-MEL!

Dou um pulo assustada com o grito de Cassandra e subo as escadas em passos apressados tentando imaginar o porquê de seu desespero. Bato na porta de seu quarto e ela grita para que eu entre. Arregalo meus olhos quando uma bola de pelos passa correndo por mim e logo reconheço como o gato cinza da minha madrasta, o nome dele é Abel e eu sinto que ele não vai muito com a minha cara assim como sua dona. Sempre sou recebida com seus rosnados e olhares maldosos. Aquele gato era realmente muito estranho.

-Vai ficar aí parada ou vai entrar logo? –Cassandra me desperta de meus pensamentos e eu entro em seu quarto- Preciso que prepare o meu banho de espumas.

-Tudo bem.

-E um suco de maracujá para acompanhar- Ela me olha com um sorriso sínico em seu rosto e eu suspiro assentindo- Cadê o sorriso, Mel?

Abro um sorriso forçado em sua direção e ela parece satisfeita quando abana sua mão me mandando andar logo. Me viro com a intenção de ir em direção ao banheiro preparar seu banho de espumas e antes que eu de meu primeiro passo escuto sua voz atrás de mim.

-E penteie os pelos de Abel- Ela diz e eu observo o gato parado há alguns metros de distância- Ele está todo embaraçado.

Olho para o gato que no momento até ele parece debochar de minha atual distração e faço uma careta recebendo seu chiado em resposta. Ótimo. Até o animal de estimação me odeia agora.

CONTINUA... 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...