História Alladius - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Harry Potter
Tags Alladius, Drarry, Magia, Romance, Yaoi
Exibições 163
Palavras 2.388
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá queridos Alladius, @Reita- escrevendo aqui hoje Weeeeeeh

Bom, nossa ideia, Minha e da @Ruki-, era postar semanalmente, mas eu não consegui me segurar hahah

Betado por: @Ruki-
- Repostado -

Capítulo 2 - Capítulo II - Cartas para Harry


 

Capítulo II – Cartas para Harry

 

O sol anunciava as sete da noite quando uma coruja entrava pela janela do quarto de Rony e soltava a carta sobre seu corpo enquanto voava até seu poleiro. O garoto, que antes lia uma revista sobre os Chudley Cannons, agora sentava na cama e abria a carta com pressa, sabia de quem era e não pode esconder o sorriso que brotava em seu rosto.

 

“Irei sim Ron, eu também estou morrendo de saudades, adivinha...

Eu acordei hoje enxergando tudo, como se nunca tivesse tido miopia galopante,

Eu não sei por que, mas enfim, não que eu ache algo ruim,

Só... É estranho.

Nos vemos em breve.

Harry”

 

 

A alegria não foi contida pelo garoto ao ler a primeira frase que continha na carta, porém... Harry não usava mais óculos? Como aquilo era possível? Lembrava-se perfeitamente sobre o problema que o amigo sofria por causa da visão ruim, e o quanto o mesmo era zoado pelos alunos da maldita Sonserina por sua deficiência visual – Principalmente pela doninha oxigenada Draco Malfoy – Será que ele estava usando feitiços? Não, certamente o ministério da magia já teria ficado sabendo, uma onda de excitação percorreu seu corpo, iria enche-lo de perguntas quando estivessem no trem para Hogwarts.

 

 

  Saiu do quarto apressado e começou a descer a grande escada em espiral que tinha em sua casa, às vezes odiava isso, parecia que nunca acabava. Deu Graças a Merlim quando chegou à cozinha e foi até a Sra. Weasley rapidamente.

 

__ MÃE!!! o Harry vai vir e... Ele disse que não usa mais óculos – Praticamente gritou no ouvido da mulher entregando a carta para ela, de fato, a felicidade estava o deixando fora de si, apenas um louco teria coragem o suficiente para gritar no ouvido de Molly Weasley.

 

__ O que? Como assim Ronald? – A ruiva o fitou confusa e pegou a carta começando a ler a mesma de forma pensativa, analisando a letra bem desenhada de Harry – Curioso! De qualquer forma, vá tomar banho para jantar! – Deu um tapa de leve na cabeça de seu filho que – Que choramingou baixinho - devolvendo a carta para o mesmo, para logo em seguida voltar a fazer o jantar.

 

  O garoto assentiu mesmo contrariado e subiu as escadas, mas horas sentia a euforia tomar conta de seu corpo, havia recebido uma carta de seu melhor amigo, não era hora de tomar banho. Decidido ignorar por alguns minutos o pedido de sua mãe, adentrou o pequeno cômodo que se encontra bagunçado, - Certamente sua mãe o mataria se visse o estado de seu quarto – Caminhou sobre passos apressados pegando uma pena, um tinteiro e um pergaminho um pouco velho, e pois se a escrever rapidamente respondendo seu amigo.

 

  Alguns segundos depois suspirou de forma frustrada sentindo as orelhas ficarem estranhamente quentes, não tinha escrito quase nada, afinal estava guardando as melhores perguntas para quando se falassem pessoalmente – Mesmo que a curiosidade estivesse o remoendo por dentro – Bom “melhor do que nada“ Pensou e foi até a coruja que antes era de Percy e colocou a carta em seu bico acariciando sua cabeça.

 

__ Sabe para onde ir não é? – Perguntou e dito isso a coruja abriu suas asas e saiu voando pela janela rapidamente sumindo pelo céu escuro, sabia que era arriscado mandar aquela velha coruja, porém Percy havia descoberto que o mesmo mandará uma carta sem sua autorização através de Hermes, e ficou furioso, parecendo que iria explodir de tão vermelho que havia ficado

 

 Seja o que Merlim quiser.

 

. . .

 

  Okay! Tudo bem acordar com uma visão perfeita como se nunca tivesse tido sua famosa miopia galopante, aquilo ele até poderia “superar”, mas ouvir sua coruja falar, bem aquilo era bem mais inédito do que acordar com a visão perfeitamente, Edwiges nunca dera sinal de que falava – Nenhuma outra coruja também dera – será que também além de ofidioglota ele também tinha habilidades de falar com corujas e nem mesmo sabia? Bem, se tivesse ele já deveria ter ouvido uma coruja falar com ele antes, assim como as cobras.

 

__ Você fala? – Perguntou assustado olhando para a Coruja.

 

__ Você me entende? – Edwiges perguntou tão confusa quanto Harry, certamente alguma coisa estava errada ali.

 

  Sua linha de raciocínio foi interrompida ao ver pela janela, o que pareceria ser uma coruja voando em direção ao seu quarto, a mesma entrou pela janela de seu quarto e Harry reconheceu imediatamente a mesma, era Errol a coruja de Rony. Assim que entrou pela janela derrubou o abajur no chão e caiu no piso frio deixando a carta cair em seus pés.

 

O garoto se levantou e pegou a coruja se forma calma a colocando ao lado de Edwiges ganhando um olhar de reprovação da mesma, mas apenas riu baixo enquanto pegava a carta do chão e abria a mesma.

 

“Tudo bem então, amanhã vamos te buscar,

Pode ser? Estou louco para te ver Harry.

Rony”

 

 

 Não contestou nada sobre Rony não ter perguntado nada sobre ele não ter de usar mais óculos, talvez ele quisesse perguntar para si pessoalmente, bom e mesmo se perguntasse não saberia responder.

 

 

__ Errol, venha cá! – Levantou o braço esquerdo para que a coruja pousasse no mesmo enquanto escrevia em um pergaminho com a mão direita – Entregue só mais essa carta e pode descansar, se o Rony responder você bique o nariz dele – Riu baixo com seu comentário e acariciou a pelagem da velha coruja.

 

__ Pode deixar que vou fazer isso Harry – Ouviu uma voz falha e tremula vindo da coruja mais velha arregalando os olhos enquanto a mesma sai voando pela janela de forma lenta.

 

  Errol também sabia falar? Estava começando a achar oficialmente que ele tinha o poder de falar com corujas, nunca havia visto Rony dizer que sua coruja ou qualquer outra falava, ele definitivamente tinha o dom de falar com cobras e corujas agora, ou então Harry Potter estava ficando louco.

. . .

 

  Harry passara a tarde conversando com sua coruja, - Bem pelo menos agora ele tinha com quem conversar – Perguntaria e Hermione quando chegasse em Hogwarts se ela sabia algo sobre Conversar com corujas, de qualquer modo era melhor do que falar com cobras.

 

  Quando ouviu barulho alto vindo do relógio do andar debaixo anunciando que era meia-noite, nem havia se dado conta de que era tão tarde, afinal passara praticamente a tarde inteira conversando com sua coruja. Sentiu sua barriga protestar de fome e lembrou que os Dursleys não haviam o chamado para jantar, tudo bem que eles não se importavam se morresse de fome, mas tia Petúnia não tinha dito que ele só ficaria sem almoço? Soltou um logo suspiro tentando esconder sua fome e levantou-se começando a colocar seu pijama, se fosse dormir tarde seus tios iriam acabar consigo.

 

 Ouvir um bater de asas se aproximando rapidamente, virou-se dando de cara com uma coruja cinza e desconhecida entrar pela janela, a mesma jogou uma carta sobre sua cama que estava em suas garras, e sair voando novamente pela janela, até sumir pelo céu escuro da noite.

 

  Curioso pelo que se tratava, foi até a cama pegando a carta em mãos um pouco tenso, sabia que aquela coruja não era nem de Hermione e muito menos de Rony, porém ao ver o símbolo vermelho de Hogwarts no verso, suspirou aliviado e sentindo uma pequena euforia tomar conta do seu corpo, sentou-se na cama abrindo a carta rapidamente para logo em seguida começar a ler.

 

 

“Lista escolar da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts

5° ano
Livro:
O Livro Padrão de Feitiços (5ª série), de Miranda Goshawk

 

OBS: O ano letivo começa dia 1º de Setembro.

O Expresso de Hogwarts sai da estação as 11h”

 

 

  Um de setembro? Não faltava um mês para aulas começarem? Ele realmente estava perdido no tempo, passar tanto tempo na casa dos Dursleys estava alterando sua noção tempo, quando se deu conta um desespero começou a tomar conta de seu corpo.

 

__ Ah, droga – Sussurrou olhando em volta de forma rápida, tinha que fazer suas malas agora, faltavam apenas dois dias e nem tinha comprado seu material. Começou a estranhar o fato, já normalmente a carta chegava dois meses de antecedência, e agora chegava apenas dois dias faltando, bem resolveu ignorar aquele fato.

 

__ Ainda acordado? – Assustou-se quando ouviu a voz grossa e horrível do seu tio do outro lado da porta, e levou outro susto quando a porta de seu quarto foi aberta violentamente, e seu tio entrou no quarto com uma carranca visivelmente estampada – Já era para estar dormindo, vá agora! – A voz do Dursley já estava rouca e irritada enquanto fitava seu sobrinho mortalmente com os dentes cerrados.

 

__ Mas tio Valter...

 

__ VÁ DORMIR!!! Antes que eu te prenda aqui de novo! – Disse por fim e bateu a porta de forma violenta, saindo dando passos pesados pelo corredor.

 

 Mas Harry não iria dar o braço a torcer, não quando se tratava de Hogwarts, esperou seu tio se afastar e assim que não ouvia mais seus passos, se virou procurando seu malão e começou a arrumar suas coisas rapidamente querendo evitar um outro encontro com seu tio.

 

__ Edwiges, vamos! – Sussurrou se virando para a coruja, e sorriu ao ver que a mesma dormia profundamente em cima de sua cama, se aproximou calmamente fazendo um sobre as penas brancas.

 

__ Estou com sono... – Disse a mesma com voz delicada e sonolenta de sua coruja que ainda não havia aberto seus olhos, e o carinho que Harry lhe fazia parecia deixa-la com mais sono ainda.

 

  Ela era tão fofa, sua pelagem branca era tão macia que dava vontade de apertar. O garoto riu baixo com o próprio pensamento e a pegou no colo com cuidado acariciando suas penas levemente, se surpreendendo um pouco ao perceber que a mesma havia encostado a cabeça em sua mão que lhe acarinhava.

 

  Colocou a coruja na cama novamente, e voltou a arrumar rapidamente a mala, precisava ir urgentemente comprar seus materiais e sair daquela casa o mais rápido possível.

 

__ Vamos a algum lugar? – Se virou e olhou para Edwiges que o olhava com os olhos semiabertos por causa do sono, porém não obtivera respostas do dono. – Harry! Me responda.

 

__ Desculpe Edwiges! Temos que ir ao Beco Diagonal comprar meu material e depois vamos para Hogwarts, Rony disse que iria vir me buscar, mas não tenho tempo – Harry respondeu mordendo o lábio inferior pela ansiedade e nervosismo, enquanto uma sensação de frio na barriga apoderava seu corpo.

 

__ Mas já está de noite, não tem nada aberto a essa hora. Harry! Bruxos também dormem. – A coruja sussurrou fechando os olhos novamente.

 

__ Mesmo assim – Terminou de arrumar as malas e pegou Edwiges novamente com cuidado a colocando na gaiola e olhou em volta pegando seu malão, não conseguia raciocinar direito, tudo o que queria era apenas ir para Howarts.

 

__ Tudo bem, mas... Para onde vamos exatamente? Harry, não tem nenhum gigante de metal de quatro rodas a essa hora e o caldeirão furado é muito longe.

 

  O garoto suspirou de forma pensativa olhando em volta por seu quarto escuro, e logo seus olhos pousaram em sua vassoura encostada na parede que era iluminada pela luz da lua que vinha através da janela. Bem... Era o único jeito.

 

__ Não! Harry, se você fizer isso vai ser expulso. Sabe que bruxos menores não podem fazer isso, não no mundo trouxa. – É, ela tinha razão, estava tão desesperado para ir embora que nem havia se dado conta das consequências.

 

__ Que outra opção sugere? – Perguntou sentindo o desespero tomar conta de seu corpo de novo, e novamente o pensamento de pegar sua vassoura e sair voando voltou lhe na cabeça.

 

__ Vamos esperar amanhecer! Os Weasley’s já devem ter tudo em mente, ou quem sabe eles já compraram tudo? Harry, não faça isso! – Ouviu a voz de sua coruja em um tom de repreensão, e suspirou derrotado, talvez Edwiges estivesse certa.

 

__ Tudo bem – Disse derrotado, colocando seu malão no canto do quarto e se sentou na cama.

 

__ Agora durma! Já está tarde e provavelmente eles virão cedo – Edwiges voou até sua gaiola para logo em seguida fechar seus olhos.

 

  O garoto desistirá de insistir, a coruja estava parecendo sua mãe. Riu baixo com o pensamento e se deitou na cama fitando o teto fixamente, e logo a pequena dúvida de cedo havia voltado a rondar seus pensamentos, era o curioso o fato de começar a falar com Edwiges logo depois de sua visão ficar boa, será ambos tinham relação? Ou eram apenas dois fatores divergentes que tinham acontecendo no mesmo dia? Bem ele não sabia responder, não ainda. Quando chegasse em Hogwarts, quem sabe teria suas respostas.

 

E de fato teria.

 

 

  Conforme seus pensamentos foram fluindo, começou a sentir os olhos arderem e seus olhos começarem se fechar lentamente e sua consciência aos poucos sumir, sendo levado para o maravilhoso – Ou nem tanto – Mundo dos sonhos.

 

. . .

 

__ Harry! Acorda! Os Weasley’s podem chegar a qualquer momento! – Edwiges falava pausadamente, pois cada palavra era uma bicada na testa de seu dono, que soltou um gemido de desaprovação e abriu os olhos coçando os mesmos.

 

  Nem havia se dado que havia dormido, bocejou e olhou pela janela vendo que o sol começava a nascer ainda, concluiu que ainda deviam ser umas seis horas da manhã. Se levantou e começou a se trocar rapidamente, não sabia que hora viriam lhe buscar, mas provavelmente não seria tarde.

 

__ Harry seus... Seus olhos... – Olhou confuso para Ewdiges que o fitava de forma fixa e curiosa. Estava começando a ficar nervoso com o olhar da coruja sobre si, abriu a porta do quarto verificando se todos estavam dormindo e saiu em passos silenciosos pelo corredor levando um susto com o ronco de Duda.

 

  Se dirigiu ao banheiro rapidamente, e ao entrar no mesmo levou um susto e segurou um grito a fim de não acordar ninguém ou teria sérios problemas. Seus olhos... Estavam lindos.

 

  Os olhos pareciam num verde mais vivo que o normal, estavam tão claros que pareciam brilhar e estavam tão expressivos, sua íris parecia ser de vidro pois a luz refletia a mesma dando mais brilho ainda para eles, eram quase como dois pares de olhinhos de bonecas.

 

 O que estava acontecendo?

 


Notas Finais


Merecemos comentários?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...