História Allergic - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Rap Monster, Suga
Tags Amizade, Flores, Fluffy, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Romance, Two-shot, Yaoi Sem Lemon Explícito
Visualizações 276
Palavras 7.765
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI, GENTE! ^^
DEMOREI MAS CHEGUEI! Isso que importa huehuehue
Eu escrevi cada partezinha desse capítulo por dia, realmente me esforcei pra finalizar essa história pra vocês. Deu um capítulo longo de novo, fugiu totalmente do que eu esperava, mas não vamos reclamar. hehe
Só queria dizer mesmo que eu amei demais escrever essa história e que ela foi a minha passagem para histórias românticas.
Agradeço muito, muito mesmo, de coração, por cada um que dedicou seu tempo lendo. MUIIIIIITO OBRIGADA! <3

Devo ter deixado alguma passar enquanto revisava, então se acharem algum erro, me desculpem. ~

OBS: Quando começa o ✘ , quer dizer que é uma lembrança do Jungkook do dia anterior. Achei melhor colocar esse símbolo do que ter que colocar essa parte toda em itálico.

BOA LEITURA! <3

Capítulo 2 - As primeiras flores a gente nunca esquece


Fanfic / Fanfiction Allergic - Capítulo 2 - As primeiras flores a gente nunca esquece

"Pela primeira vez há um outro alguém

Que quero proteger, um outro coração

Mas você não sabe

Pode se apoiar em mim, deve ter sido muito difícil

Você deve ter esperado muito

Levou muito tempo para voltar

Não é um engano, meu coração já te conhece

E diz que sou eu que você estava esperando"

Reason (4men)

 

 

— Cara, eu não tô acreditando que é você o admirador secreto do Jimin. — Hoseok andava de um lado para o outro, enquanto Jungkook estava sentado em um dos banquinhos de madeira do parque, balançando as pernas de tanto nervosismo.

— Fala mais baixo. — Jeon pediu, vendo que algumas pessoas de seu colégio estavam rodando o parque também.

Decidiu contar logo seu segredo para o  melhor amigo, visto que como ele era, o entregaria facilmente por um lanche completinho de qualquer barriquinha, assim como qualquer um do colégio também faria.

— Eu ainda não estou acreditando que é você o sortudo que conseguiu ganhar Park Jimin por meio de bilhetinhos e flores. Isso foi tão bonitinho! — o mais velho apertou as bochechas do mais novo, só para o irritar.

— Aish! Para! — tirou as mão de Hoseok do seu rosto. — Preciso saber se você vai me ajudar a contar. Eu não tenho coragem de fazer isso sozinho.

— Te ajudo. Mas não deveria. Apronta uma coisa dessas e não conta pra mim, que sou seu melhor amigo. — Hoseok disse, meio chateado.

— Me desculpa, hyung. Mas é que eu tenho tanta vergonha...

— Como se eu não soubesse dessa sua cisma pelo Jimin. — revirou os olhos. — Mas e aí? Já pensou em alguma forma de contar ou só vai chegar nele e conversar?

Balançou a cabeça de um lado para o outro negativamente, respondendo a pergunta de Hoseok.

A verdade era que de uma forma ou de outra ele teria que contar. Não importava como.

— Sorte que seu melhor amigo aqui é um gênio e sabe como você deve fazer isso. — se gabou um pouquinho, do jeito Hoseok de ser. — O negócio é o seguinte: Você vai mandar umas mensagens anônimas pra ele, só pra deixar mais divertido. E aí você manda mais um dos seus bilhetes dizendo que quer encontrar ele, que no caso, vai ser amanhã.

O mais novo arregalou os olhos. Nunca que estaria pronto para isso amanhã.

—  Tu é doido ou só se faz? Como você quer que eu esteja pronto pra isso logo amanhã, Hoseok?! — Jungkook falava com uma rapidez fora do normal.

— Ei, fica calmo. Eu também já pensei nisso. — sorriu sugestivo.

— Então diz, gênio. — Jeon ironizou.

— Você vai saber quando a gente chegar em casa. Agora pega isso aqui e manda mensagem pro Jimin. — Hoseok diz, colocando um pequeno chip de celular nunca usado antes na mão de Jungkook.

O menino pegou seu celular, colocando o chip lá dentro e pedindo o número de Jimin para salvar. Depois que Hoseok o deu, abriu o aplicativo do kakaotalk e ficou encarando o chat de Jimin em branco.

— Vai logo! — mandou Hoseok, dando um tapa na cabeça de Jungkook.

Começou a digitar, apagando a mensagem várias e várias vezes antes de enviar. Jungkook só não sabia o que mandar sem parecer um idiota.

 

Número desconhecido

Oi, eu sou seu admirador secreto.

A gente pode se ver?

1:32 PM

 

Mandou exatamente como os papéis de Jimin dizia.

— Isso é sério? — o Jung perguntou, encarando o amigo, como se dissesse “Você é burro, cara?”

— Ah, cala a boca!

A resposta de Jimin nunca chegava. Já tinham se passado cinco minutos e nesse pequeno tempo, Jungkook estava quase comendo os dedos das mãos.

— Aish! Eu desisto! Ele não vai me...

— Desistir é o cacete! — levou outro tapa na cabeça — Olha só, ele tá respondendo!

 

Park Jimin

Isso é sério????

ME DIZ SEU NOME, POR FAVOR

1:38 PM

 

— Acho melhor eu contar logo por aqui, eu não vou conseguir ficar frente a frente com ele, hyung! — Jungkook dizia, desesperado.

— Vai sim, eu vou te ajudar! Amigos são para essas coisas, hm? — Hoseok subia e descia as mãos pelas costas de Jungkook, tentando acalmá-lo — Agora responde ele.

— O que eu digo?

— Me dá aqui. — pegou o celular da mão do mais novo.

 

Número desconhecido

Não posso te dizer meu nome

Só posso te dar uma pista dele

Começa com J

1:40 PM

 

Hoseok bloqueou o celular de novo, entregando para Jungkook, que o guardou como se não quisesse nunca mais ver o aparelho na vida.

Internamente, o mais velho estava rindo demais do mais novo pela confusão em que se metera, mas por fora, estava tentando acalmá-lo, pois sabia que o melhor amigo era muito tímido. Tímido demais. Tímido ao quadrado.

Mas claro, a vida de Jeon Jungkook não seria nada sem a frase incentivadora do melhor amigo.

— Cara — tocou o ombro do Jeon —, você é um cagão.

 

✾✿❀❁❃

 

Namjoon estava vendo a hora em que Jimin teria um treco ali mesmo.

O Park olhava para o relógio em cima do quadro de sua sala, as horas pareciam não passar e isso estava dando agonia nele, tanto que seus pés não conseguiam ficar parados, batendo sem parar no chão.

Nas mãos dele, a causa de seu nervosismo:

 

“Me encontre no ginásio depois das aulas. Se não for te pedir muito, vai e não vá embora assim que me ver, por favor.’’

 

3 minutos...

Falta pouco.

2 minutos....

Só mais um pouquinho.

1 minuto...

E não restou mais nenhum segundo sequer que impedisse Jimin de ir.

 

✾✿❀❁❃

 

Jungkook esfregava suas mãos uma na outra a fim de esquentá-las. Não estava frio, mas o seu nervosismo estava o fazendo sentir essa temperatura.

Olhava de um lado para o outro do ginásio esportivo procurando a figura de baixa estatura vindo em sua direção. Uma parte de si estava torcendo para Jimin desistir dessa ideia; a outra parte dizia que ele não desistiria tão fácil assim. A única coisa que Jungkook pedia era para que não caísse duro de onde estava sentado na arquibancada.

Estava tentando concentrar sua mente em tudo o que tinha ensaiado na tarde anterior com Hoseok, quando o melhor amigo o fez ficar se declarando para uma almofada como se ele fosse um louco.

 

 

— Eu não tô acreditando que você está me fazendo fazer isso!

Jungkook estava de frente para o sofá de sua sala, se declarando para uma almofada com uma foto de Jimin que Hoseok tinha imprimido e colado com fita durex nela.

— Você não conseguiu falar nem olhando pra mim! Agora esse é o único jeito de você colocar tudo o que você quer falar pra fora. Não vamos fazer feio na hora, né? — Hoseok dizia como se fosse a coisa mais fácil do mundo.

— Não consegui porque você começou a rir da minha cara! —  protestou Jeon.

— Cara, eu vou rir de você de qualquer jeito. Então agiliza aí que eu não tenho a tarde toda. — se jogou em um dos sofás.

Jungkook xingava o amigo mentalmente com todos os palavrões que conhecia e até uns novos que criara naquele momento.

— E não me xinga não, hein! — Hoseok esticou a perna e chutou a bunda de Jungkook. — Cara feia pra mim é fome.

Estava se sentindo um idiota. Não conseguia nem falar com uma almofada, seria um fracasso quando fosse Jimin no lugar dela.

Nervoso, pigarreou e começou:

— J-Jimin, eu g-gosto muito de v-você...

— Não, cara! — Hoseok o interrompeu. — Tenha confiança! Você sabe que ele corresponde seus sentimentos. Ele não vai rir da sua cara que nem eu. Bom, talvez sim, mas provavelmente não, ele pode te dar um abraço e... — parou de falar nisso quando viu o amigo arregalar os olhos em desespero. — A questão é: Confie em você mesmo. Finge que tá conversando comigo naquelas madrugadas quando venho dormir aqui com você, okay?

Jungkook assentiu com a cabeça, pensando no que o amigo dissera. Tentou se imaginar em seu quarto, olhando para o teto e falando com o amigo que estava deitado no colchão, tagarelando como fazia quando estavam sozinhos.

— Por favor, tenta entender a minha timidez. Eu vou tentar não parecer um idiota pra você. — começou com os olhos bem fechadinhos. — Eu queria te pedir desculpas. Desculpa por não ter coragem de falar com você pessoalmente e desculpa se eu te deixei nervoso a ponto de ficar desesperado e panfletar isso pra todo o colégio. Também queria te agradecer. Obrigado por não ignorar minhas flores, por ler meus bilhetes e querer me conhecer. — tomou coragem e abriu os olhos para encarar a foto de Jimin. Imaginou o mesmo em sua frente, com os olhinhos brilhando e encarando os seus sem piscar. — O que eu quero realmente dizer, é que eu gosto muito de você.

Hoseok se levantou do sofá batendo palmas e fingindo secar o canto dos olhos.

— Aish! Para de me zoar. — o mais novo disse com vergonha.

— Não tô te zoando.

— Como fui?

Hoseok segurou Jeon pelos ombros e disse o maior elogio que poderia dar para o melhor amigo:

— Cara, você é muito gay.

 

 

Mas tudo era muito diferente na realidade.

O coração de Jungkook ameaçava parar a qualquer instante.

Estava tão ocupado se sentindo nervoso, passando as mãos suadas pela calça jeans para se secarem, que só voltou a realidade quando um peso fora jogado contra seu corpo e braços apertaram fortemente seu pescoço. O cheiro doce era reconhecível de longe e, agora, com ele bem pertinho de suas narinas, com aquele abraço forte, Jungkook se sentiu seguro e retribuiu o abraço de Jimin, o apertando bem forte.

O abraço foi se desapertando e os olhos de Jimin passaram a lhe encarar profundamente.

— Eu ainda não consigo acreditar que é você... — Jimin dizia calmo com sua voz macia, além do sorriso lindo que ele não se preocupava em esconder. — Seu nome começa com J, né? — brincou, sorrindo ao se lembrar da mensagem.

— Decepcionado e surpreso ao mesmo tempo? — precisava da sinceridade do menor antes de tomar qualquer atitude.

— Você tá brincando? — subiu um pouco o tom da voz. — Eu estou muito feliz que seja você, Jungkook. Não consegue ver isso?

E Jungkook conseguia. Conseguia ver pelo olhar terno que lhe encarava como se ele fosse a coisa mais preciosa do mundo.

— Eu preciso te dizer que...

— Shiuu... — Jimin o interrompeu. — Fica em silêncio só um pouquinho, me deixa aproveitar esse momento com você.

Ajoelhado entre a fileira que Jungkook estava sentado e outra abaixo do mesmo, Jimin apreciou o rosto que tanto ansiou em ver. Subiu a mão gordinha até o rosto do Jeon e a pousou em sua bochecha, começando a fazer um carinho de leve que fez Jungkook esvair qualquer pensamento de sua cabeça.

O Park observava aquele rosto, detalhe por detalhe, cada pintinha e os dentinhos grandinhos da frente que apareciam pela boca estar entreaberta. Levantou a mão livre até chegar em alguns fios que cobriam os olhos alheios pela cabeça estar um pouco inclinada e sentiu a maciez em seus dedos. De pertinho, Jungkook era ainda mais fofo.

Mas este precisava falar, dizer tudo o que sentia antes que toda a sua coragem fosse embora.

— Jimin, eu vou entender se você não retribuir meus sentimentos, mas eu espero que você pelo menos os aceite.

Tudo o que havia ensaiado com Hoseok tinha ido para o espaço. Só deixou que as sensações que estava sentindo no momento falassem por si.

— Acha mesmo que não sinto nada por você? Acha que eu estaria aqui se eu não sentisse alguma coisa por você? Jungkook, olha pra mim. — segurou com os dedos o queixo do garoto, que estava com o olhar desfocado do seu e o obrigou a lhe encarar. — Eu gosto muito de você.

— Mesmo?

— Mesmo, mesmo. — concordou com toda certeza.

Jungkook sorriu de alívio, fazendo Jimin retribuir seu sorriso.

— E aquele lanche completinho, rola pra mim também? — quebrou o silêncio que tinha se instalado entre os dois, os fazendo sorrir.

— Sábado podemos ir ao cinema.

— Combinado.

Jimin, que ainda estava fazendo carinho na cabeça de Jungkook, desceu sua mão para o pescoço do mesmo, o puxando até que se abraçassem de novo. E de novo. E de novo. E de novo.

É, até que Jungkook não estava tão ferrado assim...

 

✾✿❀❁❃

 

Namjoon já estava começando a ficar irritado. Jimin não parava de sorrir que nem um bobo para o celular e desde que chegara, o menor não lhe deu atenção alguma. No entanto, Namjoon sabia o motivo e por mais que quisesse a atenção do melhor amigo só para si naquele momento, aquilo o deixava feliz. Porque, de alguma forma, Jungkook o ajudou a voltar a ser o que era antes e se sentia agradecido por isso.

Jimin estava deitado no sofá e suas pernas estavam em cima das de Namjoon, que levantou uma delas pelo tornozelo e começou a fazer cócegas de baixo do pé do menor, arrastando as unhas curtinhas por ele. O Park começou a se debater e a rir e só quando deixou o celular cair no sofá, que o mais velho parou com a brincadeira.

— Por que fez isso? — deu um tapa no braço do melhor amigo.

— Porque você disse que queria passar o dia comigo e me deixou de lado.

— Me desculpa. Eu só estou empolgado com algumas coisas.

— Essa empolgação toda começa com Jung e termina com Kook que eu sei.

— Amanhã nós vamos ao cinema. — o mais novo contou, todo animado.

— Sorte sua, é que dele eu gosto.

— Cala a boca.

O Park já estava acostumado com aquele jeito meio protetor do melhor amigo e, mesmo que fingisse não gostar, adorava. Era o jeito do Kim de mostrar que se preocupava com ele.

— Agora vamos assistir alguma coisa. — Namjoon disse, deitando Jimin em seu peito e cobrindo os corpos com uma coberta fofinha.

— Tá, deixa eu só dizer ao Jungkook que eu...

— Vai dizer nada. — pegou o celular de Jimin antes que ele alcançasse e o jogou no outro sofá, prendendo os braços dele ao redor de seu corpo. — Agora presta atenção que já vai começar.

— Chato.

— Fica quieto.

 

✾✿❀❁❃

 

Tiveram sorte de que o dia que escolheram para ir ao cinema não era um dia tão movimentado assim. Jungkook comprou os ingressos e depois comprou doces que ele gostava de comer, pensando se Jimin também gostava de alguns deles, porque não era muito chegado à pipoca. Ficou esperando Jimin em frente da onde tinham os cartazes de exibição dos filmes, pois ainda tinha alguns minutos de sobra até chegar o horário que tinham combinado.

Jungkook não podia dizer se estava nervoso por ser a primeira vez que teria um encontro com alguém ou se estava nervoso por esse alguém ser o Park. Tentou não ficar imaginando muita coisa até aquele dia, porque sabia que nada do que imaginara aconteceria realmente, pois a realidade sempre seria uma coisa totalmente diferente de sua imaginação.

Conversou com Jimin por mensagens todos os dias, por horas e horas; ele era uma pessoa incrível. Por mais que o menor se demonstrasse feliz, o motivo desconhecido por Jeon pelo qual Jimin ficou triste por longos dias, ainda matutava em sua cabeça. Talvez isso ainda fosse um assunto muito delicado para que Jungkook tocasse, ainda não sabia se tinha total confiança para que o mais velho se abrisse consigo.

O que Jungkook mais temia, o que era sua total incerteza, era que Jimin só estivesse confundindo seus sentimentos por uma grande curiosidade. Talvez o Park só estivesse interessado em conhecer melhor alguém que lhe enviava bilhetes e flores anônimos, e que depois que tudo isso passasse, ele perderia o interesse em si.

Tentou não pensar nisso, mas sempre procurou ver os dois lados da situação: o bom e o ruim, por mais que isso significasse possibilidades e no final estivesse errado.

Tirou o celular do bolso e viu as mensagens que Hoseok lhe enviara.  

 

Hobi

Dá uns beijos no Jimin

Obrigado

05:12 PM

 

Jungkook

Vai se ferrar

05:12 PM

 

Hobi

Também te amo

05:13 PM

 

Algo se apoiou em suas costas e braços abraçaram sua barriga, apertando seu corpo. Olhou para a tela de seu celular e viu o relógio marcado as horas pontualmente, sem um minuto a mais, nem a menos. Girou até seu corpo se encontrar com o menor e devolver o abraço, dando beijinhos na cabeça do mesmo e aspirando o cheiro gostoso que saía de Jimin.

Olhou para o Park e ele estava com aquele sorrisinho que ele dava com os olhos, um pouco corado por estar com vergonha ou talvez pelos seus apertos. Estava lindo.

— O que tem aí? — Jimin perguntou curioso, vendo a sacola que Jungkook tinha nas mãos.

— Alguns doces que eu comprei pra gente. Não sei se você gosta, mas é que pipoca me faz tossir.

— Você comprou M&M’s... Eu amo M&M’s!  — olhou dentro da sacola, vendo dois pacotes grandes deles, ficando todo empolgado depois de ver os doces. — Posso ficar com o de amendoim? É o meu favorito. 

— Claro. Pode pegar o que você quiser.

— Mas e aí? Que filme a gente vai assistir?

— Esse aqui. — deu os ingressos para o mais velho ver. — Eu gosto bastante desse filme então achei que seria bom a gente ver ele... — disse meio acanhado, torcendo para Jimin não o achar tão bobo.

O filme escolhido pelo mais novo fora Meu malvado favorito 3, já que ele adorava essa animação. Jimin achou tão fofinho... Sem contar que ele também gostava muito desse filme, mas o mais alto só se perguntava o porquê de ter sido tão infantil.

— Eu adoro! Você acertou. — se empolgou mais ainda.

— Sério? — Jungkook ficou surpreso.

— Serião. — confirmou. — Mas me diz... Você pagou isso tudo sozinho? — olhou questionador para o mais alto.

— Foi. Eu queria deixar tudo pronto pra só entrarmos no cinema logo. — explicou.

— Você podia ter me esperado.

— Mas não foi nada demais. Vamos entrar. — tentou desconversar, puxando Jimin para a fila da sessão do filme, mas o menor continuou parado no mesmo lugar, colocando peso para que o Jeon não conseguisse o tirar dali. — O que foi? — perguntou.

— Eu não quero que você pague tudo sozinho. — abraçou a cintura do outro.— Você não tá aqui sozinho.

— Mas foi porque eu quis, eu juro. Eu não me incomodo. Mas a gente já precisa entrar. Prometo que deixo você pagar um milkshake pra mim quando formos embora.

— Só vou porque eu vou te dar um milkshake e não porque eu tô muito curioso pra saber como é o irmão do Gru. — brincou, fazendo Jungkook rir e finalmente conseguir o levar para a fila.

Procuraram por suas fileiras e enquanto andavam, Jimin tropeçou nos degraus e quase caiu, fazendo com que os dois tapassem a boca para não darem uma risada alta no cinema. Acharam suas poltronas quase na última fileira, onde se sentaram confortavelmente e viram de cima que a sessão estaria praticamente vazia. Só nos trailers, acabaram com os pacotes de M&M’s e restaram só mais alguns doces na sacola, que duraram até os vinte primeiros minutos de filme.

Ficaram com a garganta ardendo pelo açúcar e dividiram a garrafinha de água que Jungkook comprou sabendo que ficariam desse jeito. Depois que a comida acabou, sentiram um vazio e pensaram que teria sido melhor eles terem comido devagar, mas acabaram deixando para lá.

No decorrer do filme, Jimin prestava atenção em como Jungkook realmente adorava ver aquilo. Ria em cada cena, o sorriso nunca saía de seus lábios e podia dizer que nunca viu o mais novo sorrir tanto daquele jeito. E ele amava isso. Assim como a Agnes amava unicórnios.

Ás vezes tinha vontade de apertar o Jeon como a menininha do filme apertava seu unicórnio de pelúcia, porque o garoto ao seu lado era igualmente fofo. E sorrindo daquela forma, só aumentava mais a vontade de Jimin. Mas a vontade de beijá-lo.

Segurou a mão de Jungkook e com a sua outra mão livre, virou o rosto do mais novo em sua direção. Ele parou de sorrir, como se já soubesse o que Jimin queria fazer e também não poderia mentir, estava esperando esse momento; só não esperava que fosse o Park a tomar iniciativa.

O mesmo puxou seu rosto até ficar a centímetros do dele. O mais baixo observou aqueles olhinhos brilhantes e teve a mais plena certeza de que realmente gostava daquele ser a sua frente, antes de o beijar como tanto queria. Começou com um encostar de lábios que fazia pressão uns nos outros, para depois as línguas de encontrarem de uma só vez.

Jungkook nunca tinha beijado assim, com tanto prazer. Na verdade, nunca tinha beijado de língua mais que uma vez, e quando fez isso, teve que aguentar Hoseok o zoando, dizendo que ele quase arrancara a cabeça da pessoa e que depois daquela, a pessoa tinha ficado traumatizada. Mas o Jeon não se lembrava de ter sido tão ruim, só desajeitado. Mas com Jimin tudo fluía perfeitamente melhor.

Jimin nunca tinha encontrado uma boca que combinasse tanto com a sua e, naquele meio de estalos que ele estava torcendo para que ninguém ouvisse ou olhasse para o dois, tinha certeza de que aquele fora o melhor beijo que já deu em alguém. Não tinha sensação melhor do que fazer carinho na língua do outro, aprofundar o beijo e terminá-lo com pequenos selinhos só para depois começarem de novo.

— Ninguém nunca tinha me beijado assim. — confessou baixinho, ainda com os olhos fechados.

— Nunca? — observou a face alheia, dando mais beijinhos nos lábios inchados pelo beijo recente, igualmente os seus.

— Não... Mas eu queria ter feito isso primeiro. — finalmente abriu os olhos, vendo os do outro sorrirem para si.

— Desculpa, é que eu não resisti. — riu baixinho. — Mas olha, se você quiser me beijar agora, não tem problema, não.

— Pode deixar. — sorriu, antes de puxar Jimin pelo pescoço e voltar a grudar os lábios.

Ficaram se beijando o restante do filme inteiro. Foram poucas as partes que realmente prestaram atenção sem que as bocas estivessem juntas.

Quando o filme terminou, desceram juntinhos, com os ombros se encostando até a saída, onde foram para a praça de alimentação. Optaram por comer no Burger King, que de acordo com os dois, era onde tinha o melhor hambúrguer. Jungkook achava adorável a forma como as bochechas de Jimin ficavam ainda mais gordinhas quando estava com a boca cheia de comida; e Jimin achava engraçado quando o molho do hambúrguer ficava preso no canto da boca de Jungkook.

Estavam tendo uma tarde maravilhosa, o que seria diferente se estivessem sozinhos. A companhia um do outro preenchia ambos com uma vontade enorme de nunca mais se largarem. Era diferente de quando se falavam por mensagens. Ali, um pertinho do outro, poderiam se tocar, ouvir as vozes, dividirem os fones enquanto caminhavam... Estarem realmente juntos.

Estavam quase indo embora quando Jimin se lembrou de uma coisa que Jugkook prometera para si, os fazendo parar de andar.

— Não tá esquecendo de nada? — perguntou para o mais alto, fazendo o mesmo tirar o fone que compartilhava com Jimin.

— Como assim? — não entendeu a pergunta repentina do menor.

— Você me prometeu que eu poderia te pagar um milkshake quando a gente fosse embora.

— Eu já tinha me esquecido disso, mas você nunca deixa passar nada, né?

— Não mesmo. Mas agora me deixa  ir comprar. Já volto. Senta aí. — se referiu ao banco de madeira que eles haviam parado em frente, dando um selinho rápido em Jungkook.

O mesmo ainda estava tentando se acostumar com isso. Os beijos, os abraços repentinos... Nada disso fazia parte de sua vida normal. Nunca se importara com isso e agora se via fazendo essas coisas com a pessoa que gostava. Mas nada o fazia tirar da cabeça os pensamentos do que aconteceria depois de irem embora. Não queria pensar que Jimin nunca mais fosse querer vê-lo, que o que ele sentia era apenas uma curiosidade em si e não gostasse do mesmo realmente. Isso nublava sua cabeça e o fazia ficar estranho.

— Toma. — deu o copo para Jungkook, que o pegou com um sorriso fraco no rosto e depois se sentou ao seu lado. — Eu não sabia qual você gostava, eu esqueci de perguntar, então peguei o de baunilha. Eles colocaram cobertura de caramelo, tá bem gostoso. Desculpa, é que eu bebi um pouco. — se entregou.

— Frete nunca é grátis. — brincou. — Você quer mais um pouquinho? — estendeu o copo na direção do outro, que aceitou a bebida. — Quer que eu compre um pra você?

— Não, não, eu ainda tô cheio do lanche que a gente fez. — sorriu. — Hoje foi legal, né? Eu me diverti bastante.

— Sim, foi bem legal. — foi simplista e voltou a tomar a bebida gelada.

— Eu gostei de passar esse tempo com você. Passou tão rápido... Eu poderia ficar com você assim todos os dias.

— É, eu também. — olhava para baixo, mexendo o canudo dentro do copo para tornar a bebida mais líquida.

A cabeça de Jungkook ainda estava um teto preto cheio de insegurança, ponderando se deveria tocar no assunto que queria tanto conversar ou não.

— O que você tem? Não gostou? — Jimin perguntou, vendo que Jungkook ficou estranhamente quieto de repente.

— O que vai acontecer? — decidiu arriscar. —Digo... Depois de hoje.

— Como assim, o que vai acontecer? — não entendeu aonde o mais novo quis chegar com a pergunta.

— É... Sabe... Você ainda vai querer continuar me vendo?

— Ah, era isso? — sorriu, pois pensava que tinha sido algo pior. — Claro que eu vou querer continuar te vendo. Não faz sentido eu não querer te ver depois de tudo.

— É... Não faz sentido. — suspirou.

O Park sabia que tinha alguma coisa de errada, não era só isso que ele queria dizer. Jungkook não o encarou nenhuma vez depois que voltara com o milkshake e foi nesse tempinho que tudo ficou estranho. Se ele estivesse estranho porque o tinha comprado o milkshake, então era só falar que não queria. Não precisava dessa chateação toda.

— Não é só isso que você quer me falar, Jungkook. Só diz logo... — suas mãos estavam sob os joelhos e faziam círculos nos mesmos. Uma forma de distração quando estava nervoso.

— Seus sentimentos... — o mais novo estava muito receoso.

— O que tem eles?

— Tenho medo de que eles mudem em relação a mim. O que eu sinto por você já vem de muito tempo e pode parecer bobeira minha, mas tenho medo de que tudo o que você sinta seja só uma curiosidade por conta dos bilhetes e das flores. Posso tá parecendo um egoísta, mas eu não quero me machucar caso você não sinta o mesmo.

Jimin fechou os olhos com força desde a primeira frase proferida pelo maior. Não estava acreditando que Jungkook se sentia tão inseguro quando a isso. Para Jimin, o que sentia era mais forte que uma simples curiosidade e pensou que isso já estava bem claro.

— Eu achei que já tinha deixado bem claro os meus sentimentos por você, mas parece que não. Não entendo essa sua insegurança, achei que já tínhamos conversado sobre isso quando marcamos de vir aqui, mas você claramente não entendeu que eu realmente gosto de você, né?

— Mas é que tudo aconteceu tão rápido. Uma hora eu estava te mandando bilhetes e flores e na outra você estava me procurando por panfletos pela escola toda... Acho que a ficha não caiu pra mim ainda. — disse mais para si do que para Jimin.

— Tempo define sentimentos? — perguntou seriamente.

— Não, mas é que...

— É que nada, Jungkook! Eu não quero que você ache que meus sentimentos são passageiros, um interesse bobo. Eu gosto de você pra caramba, mas que merda! — se curvou, enfiando as mãos no cabelo enquanto apoiava os cotovelos na perna.

Duvidar de seus sentimentos é uma coisa que o machucava. E Jimin não queria se machucar mais.

Jungkook olhou para Jimin pela primeira vez, esperando encontrar seus olhos, mas tudo o que encontrou foi Jimin em uma posição curvada, totalmente frustrado. Tudo culpa sua. Era realmente um idiota.

Se aproximou e abraçou a cintura fina do mesmo, beijando sua nuca várias vezes e deitando a cabeça em suas costas.

— Eu estraguei tudo, né? — fez carinho na barriga do mesmo.

— Se tudo isso serviu pra abrir seus olhos e perceber que eu gosto muito de você... Então não, você não estragou tudo.

O garoto tinha sido sincero consigo. Expôs suas inseguranças e falou tudo o que estava o incomodando. Jimin não conseguiu ficar bravo com ele, nem um pouquinho. Só conseguiu se apegar mais a Jungkook e perceber que ele também tinha seus próprios medos, e que se precisasse falar mil vezes que ele gostava muito de Jungkook para que o mesmo deixasse de ter dúvidas sobre seus sentimentos, então ele falaria mil vezes até que o mesmo acreditasse.

— Funcionou, Jimin. Eu juro, juro mesmo que nunca mais vou duvidar disso. — beijou o ombro do Park e o mesmo não pôde deixar de sorrir largamente. — Ainda está bravo comigo?

— Estou. — mentiu.

— Me desculpa, hyung. — pediu carinhosamente.

— Desculpo... Mas você tem que me dar um beijo antes. — voltou a sua posição normal,sorrindo para o mais novo e passando os braços pelo seu pescoço.

— Só um?

— Vários.

 

✾✿❀❁❃

 

Terminava de colocar seus materiais todos dentro de sua mochila com um sorriso bobo no rosto. Seria a primeira vez que iria para a casa de Jungkook e estava realmente ansioso por isso.

Uma semana se passou desde que foram ao shopping e Jimin já podia dizer que Jungkook era uma parte importantíssima de sua vida. Foi ele quem o deixou feliz de novo e o fez ver cores em um momento onde tudo era preto e branco. Tudo aconteceu de uma forma repentina e por isso Jungkook estava um pouco assustado; até Jimin estava. O Park torcia para que sua forma carinhosa de ser não sufocasse tanto o mais novo, já que o Jeon não era acostumado com esse tipo de contato.

Ele não deixou de mandar os bilhetes fofos que Jimin amava sequer uma vez, só que agora era diferente, Jimin sabia para quem iria devolver os bilhetes com suas respostas igualmente fofas. Observava a reação do mais novo todo dia ao ler o que respondera no pedaço de papel rasgado de qualquer jeito e não cansava de olhar como ele ficava com um sorrisinho de lado, todo envergonhado, com as bochechas infladas e quando percebia que o Park estava o encarando, desviava sua atenção para qualquer livro que estivesse em sua mesa ou puxava algum assunto com Hoseok.

Jung Hoseok era o maior líder de torcida do relacionamento dos dois que eles respeitavam. O mesmo só faltava explodir de felicidade, alegando que eles eram o melhor casal de todo o colégio. Jungkook morria com isso e Jimin só ria e achava Hoseok um palhaço, porque tudo o que ele falava era engraçado, ainda mais se fosse para contar as histórias que ele já viveu com Jungkook, deixando o mais novo com tanta vergonha que eles acabavam brigando de uma forma engraçada no final. Coisa de melhores amigos.

Namjoon também não ficava para trás na arte de fazer Jimin passar vergonha. Contava tudo o que os dois já fizeram e além de rir da sua cara, Jungkook acabava implicando com Jimin por muito tempo, até surgir piadinhas novas de outras histórias. O Park não precisava de inimigos quando se tinha Kim Namjoon como melhor amigo.

Colocou a mochila nas costas e estava pronto para encontrar Jungkook, quando a porta da sala é trancada, com a figura loira se encostando nela, cruzando os braços e fazendo Jimin arregalar os olhos de surpresa.

Yoongi não estava com aquele ar de superioridade de sempre, mas Jimin já estava esperando o pior. Vindo do Min, era a única coisa que poderia esperar.

— O que você...

— Desculpa. — foi direto em cortar o Park.

— Só me diz logo o que você quer. — não deixaria Yoongi acabar consigo tão fácil daquela vez.

— Eu quero... Eu quero você de volta.

Jimin parou com todos os seus pensamentos que diziam para mandá-lo ir à merda e o observou, procurando nos traços do rosto pálido algum indício de brincadeira e que ele iria começar a rir de sua cara.

— Você tá louco. — revirou os olhos antes de se aproximar do Min e tentar empurrá-lo para sair da frente da porta, mas ao invés disso, teve seus cotovelos presos pelas mãos de Yoongi, o imobilizando. — Me solta, seu...

— Me escuta. Só me escuta. — encarou os olhos assustados do Park. — Me perdoa...

— Já disse pra me soltar. — Jimin dizia com a voz firme, desviando seu olhar dos olhos chorosos à sua frente, porque sabia que se olhasse, acabaria amolecendo.

— Me perdoa, Jimin... — a voz embargada pedia. — Por favor...

E o seu erro foi exatamente esse, olhar para Yoongi quando as lágrimas desciam pelos olhos pequenos.

O aperto em seu braço foi se afrouxando, até não ter mais nenhuma força lhe prendendo ali.

Yoongi dobrou seu corpo, apoiando a mão nos joelhos e chorando mais forte, prestes a começar a soluçar.

— Por que tá me pedindo desculpas agora, hein? Seus amigos descobriram que você é tão bichinha quanto eu? — enquanto perguntava, os soluços de Yoongi aumentavam, confirmando a Jimin que era aquilo mesmo o motivo que levou o Min a pedir desculpas. — Diz!

— Para! — estava quase gritando. — Por favor, só para...

O Park não estava acreditando que Yoongi se sentiu tão sozinho que isso o fez pedir desculpas. Mas se ele não perdoasse, não conseguiria se livrar de tudo que o ligava à Min Yoongi.

— Eu te perdoo... — segurou o queixo fino do mesmo e olhou para o rosto vermelho, tanto pela posição que estava e tanto pelo choro. — Mas nada mudou entre a gente.

Quando fechou a porta da sala e deixou Yoongi chorando lá dentro, não pode deixar de sentir a sensação de libertação do seu coração, por mais que não conseguisse parar de chorar.

 

✾✿❀❁❃

 

Apertou a campainha torcendo para que o Jeon aparecesse logo, pois o sol estava o queimando e o dia estava insuportavelmente quente.

Quando a porta se abriu, quase teve um ataque; enquanto estava doido para se livrar de qualquer roupa, Jungkook aparece com um conjunto de calça e casaco moletom, capuz na cabeça, meia do Homem de Ferro e pantufa nos pés. Seus olhos estavam meio avermelhados, assim como seu nariz e bochechas. Achava que ele estava com um resfriadozinho que passaria logo, mas parece que o negócio derrubou ele.

— Você tá mal mesmo. — comentou, observando melhor a palidez do rosto e tocando a testa com as mãos para medir a temperatura.

— Já tô bem. — o nariz fungando e a voz fanha.

— Tô vendo. — ironizou.

Abraçou o corpo grande, o apertando muito e consequentemente já entrando na casa. Estava com saudade daquele cheirinho do perfume fraco do Jeon, que não sentiu pela manhã inteira porque o mais novo estava se sentindo muito fraco para ir à escola.

O apertou mais e mais, seu rosto ficando espremidinho contra o peito de Jungkook, o fazendo cambalear um pouco para trás com os apertos fortes.

— Isso tudo é só porque não me viu de manhã? — riu.

— É.

Jungkook devolveu o abraço, fazendo Jimin soltar uns gemidinhos engraçados pelo aperto forte e beijando os cabelos que sempre tinha um cheiro gostoso de lavanda. Também estava com saudade. Muita saudade.

— Me dá sua mochila. — ajudou o Park a tirá-la de seus ombros. — Vou guardar aqui. — avisou, colocando no cabideiro da sala.

— Tudo bem. — concordou. — Já vamos subir? — espirrou.

— Espera. — Jungkook parou Jimin, se pondo na frente dele e levantando o rosto do menor com as mãos para observar melhor e concluir o que estava pensando desde que o viu.

— O que foi? — perguntou, desentendido, soltando mais um espirro com a coceira incomoda que sentia no nariz. — Desculpa. — Pediu por não ter dado tempo de colocar a mão no mesmo.

— Você estava chorando, não estava?

Aquilo pegou Jimin totalmente de surpresa. Achou que seu rosto já estivesse melhor pelo tempo que caminhou da escola até a casa de Jungkook. Mas pelo visto, o modo observador do Jeon não deixou passar nada. E pela expressão do mais novo, ele queria uma explicação.

— Não. — mentiu. — Deve ser só por causa do sol que eu peguei no caminho. — mais um espirro.

— Não mente pra...

Sentiu sua garganta fechando e uma série de espirros vieram um atrás do outro. Não estava sentindo o ar em seus pulmões e isso estava o deixando fraco, tonto, o fazendo se apoiar no corpo do outro como um pedido de ajuda.

Jungkook observou a sala toda e viu os vasos de flores que tinha costume de dar a sua mãe espalhados pelo cômodo. Se sentiu um idiota por não ter lembrado da alergia de Jimin e tirado as flores de lá antes que o mesmo chegasse.

— Vem. Eu vou tirar você daqui.

Rodeou a cintura do menor com os braços fortes e o ajudou a subir a escada até chegarem ao seu quarto, que estava escuro e refrescado, só com a televisão ligada que estava passando o filme do Homem de Ferro. Colocou o mais velho sentado na cama e se agachou em sua frente.

— Está melhor? — perguntou, preocupado.

— Sim... — respirava fundo. — Me desculpa.

— Por que está se desculpando? Eu que deveria pedir desculpas, não me lembrei das flores lá embaixo. — esticou o braço, tirando a franja da frente dos olhos pequenininhos e vendo a coloração vermelha em que ele ficou.

— É a minha primeira vez aqui... Eu não quero causar nenhum problema. — ficou na posição de índio, enquanto Jungkook passava para o outro lado da cama, se deitando.

Jimin se debruçou no peito do mais novo, com o queixo apoiado em seu peito e fungando pela pouca irritação que ainda sentia no nariz. Jungkook espalmou sua mão grande pela cabeça do menor e fez carinho em sua cabeça com todos os seus dedos, fazendo os cabelos lisinhos bagunçarem facilmente. O Park fechou os olhos, aproveitando do carinho do outro.

Não precisavam falar naquele momento para expressar que aquilo estava sendo gostosinho demais e que estarem na presença um do outro, juntinhos, como gostavam de ficar sempre, estava sendo a melhor coisa do dia.

Observando a expressão do mais velho, Jungkook ainda podia perceber que seu rosto ainda estava meio inchado, talvez por conta da crise que teve há pouco tempo ou talvez por conta do motivo que fez Jimin chorar e ele percebeu assim que abriu a porta para o mais velho entrar, mas, que por algum motivo, ele não quis lhe contar.

Isso estava o deixando incomodado, pensando que talvez tivesse sido alguma que fizera sem querer anteriormente e que não tinha percebido. Queria ajudar, saber o que estava acontecendo.

Os dedos do mais novo deslizavam pelo seu cabelo, o relaxando bastante. Queria passar a tarde assim, todo grudadinho com Jungkook. O olhar do mesmo penetrava seu rosto de tanto o observar, um formigamento surgindo por conta disso. Sentia que ele procurava algum indicio de que ele não estava totalmente bem naquele dia. Ficava impressionado como ás vezes só de Jungkook o olhar, ele lia todos os seus sentimentos.

Não sabia se era hora dele saber dessa parte de sua vida, mas não achou justo que ficasse mentindo para ele, quando o mais novo sempre fora muito sincero consigo.

— Eu preciso te contar uma coisa... — começou, ainda meio embriagado pelos carinhos de Jungkook.

— Eu sei.

Se sentaram com as pernas cruzadas em posição de índio, e enquanto faziam isso, não deixaram seus olhares profundos se desgrudarem por um segundo.

— Eu já tive um relacionamento, digamos assim, com o Yoongi. — explicou desde o começo. — Ele foi a primeira pessoa que eu já amei de verdade, minhas primeiras experiências... Sabe... — desviou o olhar pela vergonha que estava sentindo.

— Vocês ficaram, mas não só de beijos. — completou, vendo a dificuldade de Jimin ao falar sobre aquilo, já que ainda não tocaram nenhuma vez nesse assunto.

— Isso. — confirmou. — Mas aconteceram coisas entre nós que me deixaram muito triste. Acho que você deve ter percebido isso, já que começou a me mandar os presentes. — sorriu fraquinho. — Depois que ficamos, ele começou a ficar estranho... Era como se fossemos completos desconhecidos. Ele só me dava atenção quando queria ficar comigo de novo e bem, eu ia... Porque estava completamente cego e virei um idiota. Um dia ele me mandou mensagem, pedindo para que eu o encontrasse no parque perto da escola.

— Sei qual é.

Jungkook percebeu que Jimin olhava bastante para baixo, para suas mãos, que estavam pousadas em cima de suas coxas. Então segurou as mãos pequenas dele, entrelaçando seus dedos e fazendo carinho nas costas das mesmas, como um incentivo para que ele continuasse, sem medo de dizer nada.

— Eu achei que fosse ser só nós dois, mas tinha uns amigos dele lá. Eu não entendi no começo, desconfiei de algo, e foi quando eu me aproximei que eu vivi o meu pior pesadelo. — flashbacks passavam nítidos em sua cabeça. — Os amigos dele começaram a tirar sarro da minha cara, dizer que eu era uma bichinha que fazia tudo o que ele queria e no final... O final foi o pior. O Yoongi disse que queria me dar uma lição porque sentia nojo de aberrações como eu. Foi um choque horrível que eu tive que levar pra perceber que ele era um imbecil. Depois, eles se juntaram em uma rodinha pra me bater, mas não conseguiram, porque o Namjoon chegou antes que isso acontecesse.

Jimin não sabia, mas Jungkook presenciara todo o seu sofrimento naquele dia. E agora, sabendo de tudo, as coisas ficaram mais claras em sua mente.

— Não precisa continuar até o final se achar que não vai conseguir. Já foi muita coisa você confiar em mim pra contar isso. — disse, tentando compreender a inexpressividade que tomou o rosto de Jimin.

— Espera, eu ainda não terminei. — se ajeitou na cama, pronto para continuar. — O Yoongi veio falar comigo hoje, quando eu estava vindo pra cá.

— E? O que ele disse?

— Ele me pediu perdão, e eu o perdoei. Mas ele também me pediu pra voltar com ele e...

— Seus sentimentos estão confusos depois disso. — concluiu por si próprio, nem deixando o mais velho terminar de falar. — Tudo bem, eu...

— Não! — interrompeu antes que ele tirasse mais conclusões precipitadas. Desgrudou as mãos e subiu no colo do outro, suas pernas ficando uma de cada lado dos quadris do Jeon. Segurou o rosto do mesmo em suas mãos e pôde perceber, ao encarar seus olhos, que eles tinham ficado marejados. O abraçou tão forte que pensou que a qualquer momento iria amassá-lo todinho. — Quantas vezes eu vou ter que te dizer, seu bobo, que eu gosto pra caramba de você, hein?

— Mas é que eu achei que com isso tudo que você tinha me contado, você quisesse ficar com ele de novo.

Amava essa sinceridade que o mais novo tinha com ele. Jungkook não tinha medo de falar o que pensava e se tivesse alguma coisa o incomodando, não hesitava nunca em dizer. Vê-lo sensível daquele jeito era algo adorável, mas que Jimin queria logo acabar com aquilo para que o Jeon não pensasse em mais ideias erradas.

— Meu objetivo em te contar isso não foi esse, Jungkook. Te contei porque confio em você e porque isso me incomodaria mais ainda se você não soubesse. Te contei só pra dizer que agora eu me sinto livre e que posso mergulhar de cabeça nesse sentimento bom que só você me faz sentir. — segurou o rosto, agora vermelho pelo abraço forte, em suas mãos e sorriu com a forma fofa que o biquinho apareceu pelas bochechas estarem sendo pressionadas. — Eu.. — deu um selinho. — gosto... — mais um. — de você...— outro beijinho. — demais. — finalizou com vários desses que os fizeram sorrir bobamente.

Foi deitando até que ambos os corpos estivessem totalmente esticados na cama, ficando como se fosse um bicho preguiça preso ao corpo de Jungkook. Ele era como um escudo, uma proteção que o afastou completamente dessas lembranças ruins.

— Eu que deveria tá cuidando de você, e não o contrário. — comentou, meio sonolento.

— Eu sempre vou cuidar de você.

Foi como adormeceu, leve; assim que Jungkook o fazia se sentir.

Por outro lado, o mais novo pensava em seus objetivos de vida. Ele não tinha nenhum. Nunca teve. Mas, ao estar daquele jeito com Jimin, com o cabelo do mesmo roçando em seu nariz e boca, com as mãos fazendo carinho nas costas do corpo pequeno que estava grudadinho ao seu, Jeon Jungkook descobriu, enquanto assistia os créditos do filme do Homem de Ferro na TV, que seu primeiro objetivo, este que sempre ficaria a cima de qualquer coisa na vida que tinha, era o de fazer Jimin feliz.

 

✾✿❀❁❃

 

“ Sei que eu gosto de você, talvez até demais... Mas e você? Também gosta de mim?

A)Sim

B)A

C)B

Leve a minha resposta até o terraço da escola quando terminar a aula de Educação Física.”

...

Subiu as escadas que levariam para o terraço da escola discretamente para que ninguém o visse. Sabia que Jungkook fugia das aulas de Educação Física e sempre ria com Hoseok chamando o Jeon de cagão, e agora saberia onde era um dos esconderijos do mais novo.

O encontrou lá, de costas para si, com as mãos nos bolsos, os fones no ouvido e o rosto levantado em direção ao sol, com os cabelos castanhos balançando com a brisa fresca que soprava naquele horário.

O Park o abraçou por trás, tomando a atenção de Jungkook para si, que sorriu ao ver a figura baixa ainda com o uniforme da última aula do dia e beijou sua testa, que ainda estava meio suada pela prática de esporte.

O mais velho pegou um lado do fone de Jungkook e colocou em seu ouvido, compartilhando da música junto ao mais novo, com os corpos se balançando devagar e juntinhos igualmente o ritmo que tocava.

— Trouxe a minha resposta?

— Uhum. — confirmou.

— Então qual é?

Sua resposta não se encaixava em nenhuma das opções do papel, porque ele mais que gostava de Jungkook.

— Nenhuma das alternativas. — respondeu.

— Então qual seria a resposta certa? — perguntou.

— Eu não gosto de você porque eu amo você.

O que sentia ultrapassava todos os limites da palavra gostar.

— Eu também amo você, tipo, muito, pra caramba.

— Já entendi. — riu do jeito atrapalhado do garoto.

Os dois poderiam ficar assim pelo resto dia.

Da semana.

Dos meses.

Dos anos.

E mesmo se algum dia, por algum motivo, aquilo que tinham não acabasse dando certo, Park Jimin sempre continuaria se lembrando de Jeon Jungkook.

Até porque, as primeiras flores a gente nunca esquece, e mais do que isso, Jimin nunca se esqueceria do menino que lhe deu as suas primeiras flores. 

 

 

 

 


Notas Finais


MUIIIIIIIIIIIIIIIIIITO OBRIGADAAAAAAAAAAA! <3 <3 <3

Espero ver vocês nas minhas próximas histórias, viu!

Meu twitter: https://twitter.com/mione934

Beijos no coração e até uma próxima! <3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...