História Almas diferentes e mistérios iguais - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~babygirl_cs

Postado
Categorias Seraph of the End (Owari no Seraph)
Personagens Krul Tepes, Mikaela Hyakuya, Shihou Kimizuki, Shinoa Hiiragi, Yuuichirou Hyakuya
Tags Mikayuu, Owari No Seraph, Yuumika
Visualizações 139
Palavras 1.213
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Fantasia, Lemon, Luta, Mistério, Orange, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OHAYOO MINNA-SAN
Voltei. Como eu disse no cap passado, eu estava com sono e o final daquele ep ficou bem ruim. Depois (algum dia) vou editar aquele final
hehehe

Podem ler agora e boa leitura...

Capítulo 4 - Fugindo do orfanato


Fanfic / Fanfiction Almas diferentes e mistérios iguais - Capítulo 4 - Fugindo do orfanato

P.O.V  YUU


Todos já estavam dormindo, estando acordados apenas eu e o Kimizuki. Havíamos esperados até agrora, exatamente 2:30 da madrugada, para que todos dormissem, e o nosso plano de fuga obtivesse um bom resultado. 


Fiz um sinal com as mãos para Kimizuki e ele, silenciosamente saiu de sua cama me seguindo até a porta que estava trancada. Durante o dia nós conseguimos destrair uma das freiras, e sem que ela percebesse, a chave dos quartos, ambos masculinos e feminos, estava em nossas mãos. Consegui destrancar a porta sem fazer nenhum barulho e tranquei a porta de volta, levando a chave comigo. Fomos caminhando lentamente pelo corredor estreito e longo, até chegarmos na porta que dividia os quartos da cozinha e do refeitório. Destrancamos essa também e seguimos reto até encontrarmos Krul sentada em uma das cadeiras mal feitas do refeitório, olhando para o teto, perdida em pensamentos como sempre. Nos aproximamos dela e a mesma voltou à realidade nos encarando de volta.


- O que você está fazendo aqui? Era para você estar nos esperando lá fora - Sussurro, olhando com descontamento para Krul.


- Desculpinha - Deu uma risada sem graça, fazendo uma expressão fofa. - É que eu não aguentei ficar parada do lado de fora vendo essa porta de ferro trancada - Falou começando a olhar para o teto novamente.


- E se fosse pega?. Aquela porta está enferrujada e poderia fazer algum ruído. - Falou Kimizuki preocupado.


- Migo 'ce 'ta falando com a melhor investigadora do sobrenatural de Tokyo, acha mesmo que eu não conseguiria abrir uma portinha dessas, que nem alarme tem? - Falou Tepes se exibindo como sempre - Parem de falar e vamos logo, eu preciso cuidar da Ashley e da Skarlet.


- Quem são elas. Não sabia que você tinha filhas - Começamos a andar pelo extenso corredor que nos levava a porta de saída.


- Eu não tenho. A Ashley é uma Atheris Squamigera ou uma Víbora-das-árvores, ela é uma espécie venenosa encontrada apenas na África. E a Skarlet é a minha Mariposa poodle da Venezuela.


- Você tem uma víbora de estimação, sabendo que a qualquer hora ela pode te morder e te matar. E o que é essa mariposa de sei lá o que?- Falei com espanto


- Em primeiro lugar,  ela não é minha. E em segundo lugar ela fica presa em um aquário de cristal bem grande, a única hora que teríamos contato, séria para dar comida. Por tanto, criei um sistema que fornece alimento automaticamente, duas vezes por dia para a Ashley. Já a Skarlet, ela é muito legal e fica voando pela casa, só isso.


- E onde você conseguiu essa Mariposa estranha?- Perguntou Kimizuki, também interessado no assunto. Sem ao menos perceber, já estávamos na calçada do orfanato.


- Eu ganhei em forma de prêmio em quanto estava na Rússia. O troféu tinha sumido, então eles me presentearam com essa Mariposa, que é uma espécie extremamente rara. Bom,  vamos falar de assuntos importantes. - Ela cortou nós dois e fez uma expressão séria - Nós vamos até um local e até chegarmos, eu não quero nenhuma pergunta -  Seguimos-a e entramos em seu carro, que era todo colorido.


- Só mais uma pergunta. Por que você não veio com seu carro preto, sabendo que esse colorido iria chamar muita atenção? - Perguntei confuso.


- Porque eu quis e porque a vida sem LGBT fica sem graça - Falou indiferente e Shihou começou a rir da minha cara.


- Toma essa, otário - Falou, ainda rindo igual a um débil mental.


- Cala a boca, gazela-cor-de-rosa - Agora quem ria, éramos eu e a Krul, enquanto Kimizuki nos xingava baixinho.



QUEBRA DE TEMPO...



pronto, chegamos - Krul tinha parado o carro em frente a uma casa minúscula. A mesma apertou uma sequência de números no rádio e logo em seguida um buraco em frente ao carro que estávamos foi aberto no chão. Entramos na passagem secreta, que segundos depois foi fechada automaticamente. Seguimos em frente passando por um túnel quase infinito, até chegarmos em uma espécie de quintal com jardim subterrâneo, que tinha 4 vagas para carros, além da quantidade enorme de grama e diversidade de flores, todas brancas. Seguimos a diante, parando em frente à uma parede de cristal e vidro a prova de balas, que foi novamente destravada por um código. Entramos em uma sala vazia e no meio dela havia uma escada larga feita de mármore branco que levava aos quartos. Assim como a sala, a cozinha, sala de estar, sala de computação, sala de jantar e o aquário dos animais de estimação, eram todos feitos apenas de mármore branco e vidro nas paredes, dando uma bela visão do extenso jardim, além de serem exageradamente grandes. 


Subimos para o segundo andar, onde haviam 5 quartos, um banheiro em cada um e um banheiro separado, que tinha uma hidromassagem, que mais parecia uma piscina, e uma área livre com dois boxes de vidro. Os quartos, tirando o de Krul, eram praticamente todos iguias. Uma cama de solteiro, uma cômoda de mármore, dois guarda roupas grandes, ambos pretos e por fim, em dois deles, havia uma sacada com um elevador de vidro ao lado, que descia até o Jardim.


- Eu disse que você caga dinheiro. Ninguém me escuta - Falou Kimizuki, quando o finalmente havíamos visto a casa inteira.


- Isso foi uma herança de família. E outra, eu não ligo para o dinheiro ou luxo, desde que eu tenha alimento e uma cama. - Krul estava parada em frente a uma porta, que ainda não tínhamos visto. - Bom, esse é o último cômodo da casa, tirando o porão, que não pretendo mostrar ainda. Então, esse aqui é o quarto da Shinoa, minha irmã caçula. Ela não gosta de ser incomodada, mas como vocês são os novos moradores, tenho obrigação de apresenta-la a vocês.


- Pera aí... novos moradores? - Falamos juntos e Tepes assentiu. 


-Agora não façam muito barulho. Shinoa? Sou eu, Krul me deixa entrar. - A porta se destrancou sozinha igual às outras e de lá, saiu uma menina baixinha de cabelos roxo, presos em uma trança de raiz.


- Quem são eles? - perguntou a garota enquanto apontava uma Katana em nossa direção.


- É bom você abaixar isso aí, porque a partir de agora, eles vão morar aqui. - Falou Krul olhando nos olhos da irmã.


- Tá. Meu nome é Shinoa, tenho 12 anos, sei usar vários tipos de Katana e eu espero que vocês não tentem me matar, enquanto eu durmo. - Depois de terminar de falar, a garota voltou para o quarto e trancou a porta.


- Não se incomodem com isso, ela é sempre assim - Falou Krul indiferente seguindo para a a sala e sentando no sofá com uma expressão preocupada no rosto.


- O que foi Krul? - Perguntei, ao me aproximará dela - Já sei. Não adianta negar, porque eu tenho certeza que tem alguma coisa acontecendo, e é bom você nos contar.


- Acho melhor vocês descansarem. O assunto que vou revelar a vocês pode ser muito delicado e quero que a mente de vocês esteja limpa e relaxada. Pedem escolher qualquer um dos quartos que estão sobrando. Amanhã eu explico tudo - Tepes saiu de cima do sofá e foi para o quarto. Depois de alguns segundos em silêncio, nós também subimos e fomos dormir.






CONTINUA...








Notas Finais


Não tenho o que falar. Se não sabe o que comentar, comente Atheris Squamigera
KISSU 😁😁👽💙💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...