História Almas Para Oblivion - Capítulo 3


Escrita por: ~

Exibições 16
Palavras 1.275
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Mistério, Romance e Novela, Shounen, Sobrenatural, Survival, Suspense, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem desse capítulo!

Peço desculpas antecipadas por qualquer erro...

Boa leitura ^^

Capítulo 3 - Lupus et puer puerem



O mundo é intrigante, mas ao mesmo tempo é ilusório. Meu mundo é ilusório. Vivo em uma caverna observando as sombras das movimentações externas, mas não consigo ver como aparentam os sons. Não o vejo, mas sei que vem de algum lugar. Sei que existe... Talvez essa seja a sensação das pessoas que habitam nesse vilarejo em relação a mim. Pessoas que não posso reconhecer ou imaginar. São seres inaparentes e inimagináveis.


Em minha mente, os homens possuem o rosto de meu pai, as mulheres, de minha tia e os homens idosos, de meu avô. O resto é um pouco mais complicado. 


Acordo, todos os dias, com os sons. Os sons de animais, que mais parecem gritos. "Galinhas! São galinhas", falou meu avô e em seguida deu sua típica gargalhada . "Nunca imaginei que animais pudessem gritar", comentei, olhando para as frestas entre as madeiras que cobriam a janela.


"Eu estou violando as regras", falou com seriedade. "Regras?", perguntei, confuso. "Não é permitido se aproximar de um Filho de Oblivion, mas é tão bom te ensinar... Ensinar coisas que nunca pensei ensinar à uma criança", suas palavras foram sinceras, pudi sentir, mas a dúvida me consumiu. "E por qual motivo não se deve aproximar de um de nós?", ele mordeu o lábio inferior, estava inseguro em responder, mas o fez mesmo assim. Você já sabe a resposta para a minha pergunta. 


Regras. O mundo tem regras e as mesmas são usadas para controlar. Com isso vem a submissão indireta... Aceitam as regras sem compreender os pontos de vista. O meu ponto de vista. Temos uma incompreensão simultânea. 


"Antes era permitido ficar próximo à vocês e também podiam caminhar livres pelo vilarejo, mas algo deu errado... O Filho de Oblivion daquela época estava desprotegido".


E morreu sem realizar o sacrifício. É uma lenda, posicionada em uma interseção entre o factual e o fictício. Não houveram sobreviventes. As Almas de Oblivion mataram todos do vilarejo. Sem um sacrifício não há fertilidade, não há vida. 


O local permaneceu abandonado por pouco tempo, até que outros peregrinos o descobriram e o povoaram. Primeiro, encontraram um lobo morto com manchas de sangue em sua boca e corpo e depois um menino com a garganta dilacerada e ensaguentada. Ambos em estado de decomposição. Então, encontraram os outros corpos deitados em suas camas. Suas almas haviam sido levadas para a dor sem ao menos terem como se defender. Foram em paz. "Estes relatos dos peregrinos são verdadeiros", falou meu avô, "Um homem chamado Nicholas possui centenas de livros com as histórias desse vilarejo. Ele coleciona vários livros em sua biblioteca pessoal". 


O Lobo e o Menino. Os protagonistas da lenda são: um Filho de Oblivion, ainda criança e um lobo; daí vem o título. 


Era inverno e de noite. Esse menino amaldiçoado andava pelos cobertores brancos enquanto todos estavam dormindo. Uma criança inocente o suficiente para não se esconder das criaturas da noite, ingênuo. Foi em direção à floresta de troncos ressecados e galhos nus - por um motivo não especificado na lenda -, mas foi surpreendido por um lobo. O lobo. Sua descrição é bastante interessante. Pelos cinzentos, olhos amarelos e garras afiadas. Talvez possa imaginar melhor do que eu. 


O animal selvagem rugiu para o menino e depois uivou para a lua cheia, deixando o menino assustado, que tentou se afastar, mas o lobo rugiu novamente. Então, ficou parado. O lobo se aproximou dele; deixando marcas para trás no veludo branco, imagino. Não sei o que o menino estava passando... Talvez estivesse com medo e a voz em sua cabeça o alertou do perigo. Mas foi morto de qualquer maneira. "Acham que o menino foi morto porque não escapou... Óbvio, não acha?", falou e deu um sorriso de canto. "Não... Não é óbvio", retruquei e continuei: "Acredito que o lobo o matou porque ele tentou escapar, porque assim ele teria um motivo para matá-lo.", falei. Meu avô percebeu que eu estava tentando compreender a mentalidade animal. Animal, não irracional. Então, me pediu para continuar. "Somos levados pela emoção, impulsos e instintos... Foi isso que aconteceu na lenda. O menino tentou escapar por um impulso, um instinto e uma emoção. O medo. Enquanto o lobo também agiu por impulso, instinto e emoção... Mas a emoção do lobo é em relação à caça"; Henry pareceu impressionado com minhas palavras, então semicerrou os cílios e prestou atenção. "Acredito que há mais emoção em matar quando a presa está com medo e foge. A emoção deu origem ao impulso, que fez o lobo correr atrás do menino, mas ele não poderia matá-la sem seus instintos animais. Por isso acho que matar é complicado, e simplesmente categorizar o lobo como o antagonista da lenda, é sinal de ignorância". 


"Genial", exclamou. "Como conseguiu pensar nisso?", ergueu as sobrancelhas. "Após ler atenciosamente seus livros de zoologia e psicologia, são fascinantes...", sorri. "Eu nunca conseguiria pensar em uma coisa dessas", admito que abri um sorriso depois de dizer isso. Ele bateu várias palmas de animação e disse que contaria ao meu pai. Meu sorriso desapareceu. 


Não antagonista nessa lenda.


Não terminei a lenda, mas não falta muito. Aparentemente, o sangue do menino matou o lobo. O meu sangue e o sangue de meus irmãos falecidos. Somos e não somos ligados pelo sangue, fato. 


O sangue deu um tom escarlate escuro à neve e apodreceu as plantas e as raízes abaixo. Talvez aí tenha sido o início do medo pelo sangue. Da emoção vem o impulso e os instintos. Depois disso tudo, vem o sacrifício


Algumas horas após minha conversa com meu avô, o jantar estava pronto. Comi bem rápido porque não era muita comida, como sempre. Torta de Avelã. Ganhei dois pedaços, enquanto eles comeriam o restante. Geralmente permanecem calados, então apenas ouço os talheres, mas meu avô quebrou o costume. "Thomas é um menino bastante inteligente, ele pensa em cada coisa e... É um menino especial", escutei falando; não sei como era a sua expressão facial, mas pela voz, parecia estar esperando algum comentário positivo. "De que adianta ser especial e inteligente se ele irá morrer?", perguntou minha tia. O silêncio que se iniciou durou alguns segundos. Sua frase me arrepiou, pela crueldade. "Elizabeth! Como pode dizer uma coisa dessas?!", as paredes gritaram para mim e ela respondeu calmamente: "É a simples verdade, papai" e continuou, levantando a voz, "Ele é uma aberração! Ele é venenoso! Não podemos ficar perto dele!".


Você tem medo de mim, Elizabeth?


"Você tem medo dele, Elizabeth?", perguntou o meu pai. "É claro que tenho medo dele!", falou e bateu na mesa. 


Que bom, mas...


"Não gostará das consequências de sua resposta", falou meu avô, "Seu medo te faz prendê-lo para poder evitar o mal... Emoção, impulso e instinto", deu uma risada breve, "Ele compreende o nosso mundo melhor do que nós, a origem de nossas ações, enquanto vocês o rotulam como o antagonista", falou com firmeza na voz. Os outros não tornaram a falar. Meu avô se afastou e eles voltaram a comer. 


Sem perceber me tornei o Lobo da história. Um predador sem instintos, sem a capacidade de matar. E os outros são o Menino... Com medo, por conseguinte, criando um tipo de ideologia que diz que nós, os Filhos de Oblivion, somos os vilões, a origem dos males, porém, o menino é origem dos males. Se não tivesse tentado fugir, não teria morrido e se não houvessem aceitado o acordo não haveriam sacrifícios. Mas tudo é mais complicado do que parece. 


Sou um ser especial que deverá morrer e que compreende o mundo em que vivo, sem a possibilidade de poder viver nele. Sou um ser não ignorante.


 


Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Comentem o que acharam! Criem uma conta no Spirit caso não tenham para acompanhar a fanfic e saber quando um capítulo novo é postado (Isso também vale para FAVORITAR)

Críticas são sempre bem vindas! ^^

Abraços!

~Flexszible


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...