História Almost Impossible Love - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Exibições 62
Palavras 2.266
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura <3

Capítulo 33 - A Memory Of The Past


Fanfic / Fanfiction Almost Impossible Love - Capítulo 33 - A Memory Of The Past

Kate’s POV

‘’Eu respondo?’’

01 hora, 07 de fevereiro.

Era bem óbvio que eu ia fazer merda, continuar na merda e não sair da merda... MEU DEUS! Eu podia ter simplesmente respondido, dito que amava ele... não, pera, eu amo ele? Ah, isso não importa agora! A merda ta feita, não adianta fazer nada.

Ok, talvez eu esteja fazendo algo, talvez chorando desesperadamente.

Levanto-me da cama, após uma hora de desespero. Olho-me no espelho e... mas que garota mimada, hein? Estou aqui, chorando, sendo que a pessoa por quem estou chorando está do outro lado da rua? Que eu posso simplesmente ir lá, ou ligar, que ele vai me perdoar?

Ouço meu celular vibrar ‘’bem que o Logan disse que o barulho é alto quando meu celular vibra’’, penso. Pego-o, mensagem do Mike.

‘’Kate, estou aqui embaixo e espero que você desça para falar comigo. Amo vocês dois juntos e quero saber o que está acontecendo. Ah, quero sua ajuda com uma coisa também.’’

Ah meu Deus, Mike! Eu já ia resolver isso e ele resolve aparecer aqui? Ok, então, acho que pode ajudar...

Desço e ele está lá mesmo, com uma blusa de unicórnio preta e uma short de pijama. Ok, nunca esperei vê-lo assim, mas...

- Hm... bela blusa. – digo, com a voz meio rouca.

- Ah... valeu, Chloe me deu, só que... – ele balança a cabeça, como se estivesse tentando não falar algumas palavras. – olha, Kate, eu sei o quanto você gosta do Luke e ele de você. – assinto, para ele continuar. – então... você tem que ir lá falar com ele, sério mesmo... a situação está ruim. Além dele estar com raiva por você não ter respondido, agora acha que está com o Taylor, ou com algum amante – ele revira os olhos – sei lá, ele está louco.

- Legal, Mike, conselhos que eu não sabia, isso mesmo, ajudou. – olho para o teto e fecho os olhos. – desculpa, é só que... poxa, pra que ciúme? Eu já disse que gosto apenas dele!

- Kate, se você o visse com a Aleisha, ou a Arzaylea, você não sentiria ciúme? – ele pergunta e eu ergo as sobrancelhas.

- Quem é Arzaylea? – pergunto. Estou com raiva, sim, me pergunte o porquê e não vou saber responder.

- Ah, merda. Agora tenho dois com ciúmes. – ele faz uma cara de ódio tão engraçada que me faz rir. – ok, fiz algo certo sem saber.

- Acontece – sorrio um pouco. – acho que voltei ao normal... Clifford, preciso ir lá. – ele franze as sobrancelhas. – nem reclame de Clifford, vou chamar todos vocês pelo sobrenome pra deixarem de frescura.

- Ta certo, Lerman. – sorrio forçado e ele fica com bravo, pois não me irritou.

- Vou lá... – digo, indo até a porta, achando que o Mike ia me seguir, mas ele não o fez, apenas me chamou. Virei-me.

- Kate... eu queria conversar com você sobre a Chloe.

- Você tinha falado algo assim na mensagem... desculpe, esqueci.

- Não, besteira, tudo bem. É só que... Kate, ela está tão distante de mim...

- Como assim, Mike?

- Tipo, com vocês por perto ela é normal e tal, mas... ela não me responde mais, é como se ela estivesse comigo por pena e... devo admitir, gosto muito dela, mas pra ficar assim, nem quero.

- Bem... vocês precisam conversar. – digo e ele assente.

- Eu sei, mas eu tenho medo.

- Medo? De que? Olha, eu conheço-a muito bem e sei que não podemos guardar as coisas dela, porque nós ficamos estranhos por ela estar estranha e ela fica mais, pois sabe que você está escondendo algo, mas não fala, só manda recadinhos, entende?

- Acho que sim... você está certa.

- Eu sempre estou, Michael. – rio.

- Ah, ta dando uma de Annie agora? – assinto e ele ri.

- Vai falar com ela agora?

- A única pessoa que está acordada nessa casa há essa hora é você, Kate. – ele diz e eu me lembro que todo mundo estava com sono.

- Verdade... bem, vamos lá, então? Tenho que consertar uma merda que fiz.

- Estou bem atrás de você, só cuidado pra ele não bater em você. – arqueio as sobrancelhas. – estou só brincando. – ele ri.

***

Se eu dissesse que eu cheguei àquela casa calma, estaria mentindo, porque estou tremendo por algum motivo.

Ouço gritos antes de abrir a porta por completo.

- Calma, cara. – ouço a voz do Calum.

- CALMA? VOCÊ DIZ CALMA? ELA DESLIGA NA MINHA CARA, NÃO RESPONDE NENHUMA MENSAGEM QUE ENVIO E VOCÊ ME PEDE PRA TER CALMA? – ouço o barulho de algo quebrando.

- Ah, você acha que ela está te traindo, Luke? Cara, é uma hora da manhã! – ouço um Ashton com voz de sono.

- E se ela estiver? – Luke diz, sei que não é ele falando, mas seu lado ciumento.

- Bem, eu posso te assegurar que eu não estou te traindo. – digo e ele me encara, encara tanto que chego a ficar vermelha. Às vezes não consigo encarar de volta aqueles olhos azuis tão lindos.

- Vocês podem sair? – ele pergunta, mais calmo. Os meninos não respondem, apenas saem de onde estamos.

- Luke, eu sin... – ia falar, mas ele chega apressado em mim e me beija.

Ok, inesperado e... que pegada, Senhor! Ele me solta e eu arfo.

- Você não faz ideia do quanto você me deixa louco... de várias formas. Louco de ciúme. Louco com vontade de fazer coisas ‘’erradas’’ com você. Louco de... – espero ele completar a frase, mas, em vez disso, ele beija-me com mais intensidade que da primeira vez.

Eu adoraria dizer que o empurrei ou algo assim, mas a verdade é que eu adorei mais ainda o fato de eu não ter empurrado. Cara, que beijo gostoso, como que eu explico essa sensação... não sei, um calor apenas subiu pelo meu corpo, o que me fez puxar os fios de cabelo dele da nuca, tentando, também, puxá-lo para mais perto. Ele prende-me na parede, com o beijo cada vez mais intensificado. Coloca minhas pernas ao redor de sua cintura e apoia-me.

Ok, então... eu já passei por essa situação uma vez, não sei... é bom, é ruim, é amedrontador pensar que...

**Flashback On**

- Ei, amor, sabe o que eu to com vontade de fazer hoje? – Rodrigo durante a ligação.

- Hm... não, o que? – sou inocente demais para saber sobre o que ele está falando? Claro que não.

- Quero gozar. – ele diz e eu fico paralisada.

- Hm... ta certo, e...?

- E que seria uma ótima se, sei lá, você pudesse, ao menos, mandar uma foto sua. – ele diz, com uma voz meio debochada.

- Foto minha? Mas você já tem várias fotos minhas com você. – digo. Sei exatamente que tipo de fotos ele está falando, mas, por algum motivo, quis me machucar ainda mais.

- Não estou falando disso, bebezinha. Estou falando de foto sua pelada. Se não posso transar com você, talvez possa me masturbar vendo sua foto. – ele diz, explicando algo que eu já tinha entendido, e eu realmente não acredito que ele falou isso.

Desligo sem ao menos respondê-lo. Já estou cansada disso. Eu amo ele, amo o Rodrigo, mas realmente não consigo fazer isso, eu não sei... apenas não consigo. Uns segundos depois, aparece uma mensagem dele.

Whatsapp On

Rodrigo: Você é minha namorada! Por que não pode fazer um favor tão simples pra mim?

Eu: Rô... por que VOCÊ não entende? Eu não consigo! Simplesmente... não dá! Você sabe o quanto isso me deixa mal...

Rodrigo: Para de frescura! É só tirar a roupa que você está e mandar a merda da foto.

Whatsapp Off

Jogo o celular na cama.

Sei o que deve parecer vendo essas mensagens, mas o Rodrigo é carinhoso. Bem, ele era, até um tempo, ele era um namorado romântico. Porém, algo aconteceu, ele simplesmente não quis mais me esperar.

E eu acho que... bem, eu sou a errada? Eu sou egoísta? Ele vive falando isso... falando que faz tudo por mim e que não faço nada por ele... será que eu devia fazer isso? Mesmo sem ter certeza?

***

É outro dia. Não falei com o Rodrigo desde a última mensagem, parece que ele faltou a aula.

Certo, Kate, coragem. É só você ir à casa dele e... Ok, apenas coragem. Por ele.

***

Chego à casa do Rodrigo, após a aula, e ele abre a porta para mim.

- Oi, Kate... – ele baixa a cabeça – desculpa pelo que fiz, sei que tenho que te esperar. – ele fala e meu coração desmancha. Eu sabia que ele se importava comigo.

Não o deixei falar mais nada, apenas beijei-o com intensidade. Ele retribuiu o beijo e começou a descer sua mão para a minha bunda. Bem, por essa não esperava, mas é normal. Ele me leva ao seu quarto e prende-me contra a parede. Cola em mim e começa a esfregar-se em minha intimidade com a sua. Fico desesperada, minha mente, querendo ou não, está a mil. Era pra ser assim? Algo não especial? Eu sei que nem sempre é como você quer ser, mas... assim? Fico desesperada e sinto algumas lágrimas brotarem em meus olhos. Empurro-o e ele me olha. Saio correndo e vou direto para casa.

***

- Fraca! É isso que sou! Fraca, covarde, gorda, feia, egoísta! – começo a me xingar de várias formas possíveis. Choro, choro até não poder mais.

Estou no meu quarto há três horas, chorando e xingando-me de tudo que consigo lembrar no momento. Meu estado é deplorável. Olho para o meu travesseiro e vejo o quanto o molhei por causa do choro, por causa dessa fraqueza!

Depois de um tempo gritando, esmurrando e chorando, finalmente caio no sono.

***

No outro dia, vejo que o Rodrigo faltou novamente. Vou à casa dele, de novo, mas apenas para conversarmos, nada além disso. Não quero repetir o erro de ontem. Sei que não estou pronta e... não acho que seja egoísmo não fazer algo, né? Pelo menos, é o que espero...

Chego lá e chamo por alguém, pois sua campainha está quebrada. Os pais dele iam mandar consertar, mas parece que só arranjaram alguém para a próxima semana.

Ninguém aparece na porta, acho estranho. Tento abri-la e consigo, pois está aberta. Entro na casa e vou para o quarto do Rodrigo, onde meu coração estilhaça e eu não sei o que fazer, além de correr, novamente, mas por outro motivo.

Vejo o Rodrigo quase comendo a Renata, uma menina putiranha da nossa escola. É aí que meu mundo desaba de vez e percebo o quanto a Annie estava certa. Família e amigos sempre em primeiro lugar. Ligo para ela, Chloe e Melissa e desabo em casa.

**Flashback Off**

Vários pensamentos surgiram a minha cabeça. O primeiro foi: o Luke não é ele. Porém, foi o único que me deixou bem, por um momento, já que os outros foram apenas ‘’ele vai te trair igual ao Rodrigo.’’ ‘’ele não vai te esperar.’’ ‘’você é a pessoa mais fraca que existe na face da terra’’ e outros pensamentos desse naipe.

Estou dividida entre achar excitante e achar assustador. Cara! Meu cérebro desperta, sinto algo crescendo e... meu Deus! Eu o excitei assim? E agora?

Abro os olhos, que até então estavam fechados. Luke me olha, parece preocupado com algo, não sei, talvez... eu? Claro que sou eu, né, imbecil!, penso.

- Kate, você está bem? – ele perguntou. – parece que você está aqui e parece que... também não está.

Ele me tira da sua cintura e me deixa no sofá, e senta-se ao meu lado.

- Luke, eu sou egoísta... – digo, por fim.

- Egoísta por não estar preparada? Kate, de onde você tirou isso? Eu entendo completamente, todos tem seu tempo. – ele faz carinho na minha bochecha.

- Não... eu... eu devia fazer, você quer isso. Você precisa disso. Eu,... eu... – engulo em seco. Essas palavras não são para o Luke, são para o Rodrigo, sei disso.

- Kate... – ele me faz encará-lo. – quero que você entenda que eu não sou o Rodrigo. E, além disso, eu não ia fazer nada com você hoje, pequena. Eu sei que normalmente as mulheres querem que esse dia seja especial. Eu vou fazer desse dia especial para você, para que você queira ficar comigo. Não apenas algo banal, ta, princesa? – sorrio.

- Ta... apenas não me chame de princesa, Hemmings. – ele ri e me abraça. Não sei como, mas ainda sinto sua ereção. – Hm... Luke? – olho para baixo e ele olha para onde estou olhando.

- Bem, - rio, porque ele ficou meio sem jeito. – para! Agora, ao menos, você sabe o que faz comigo. – eu coro. – ta afim de aliviar isso pra mim não? – ele fala de forma maliciosa, mas sei que está brincando.

- Ah vai se foder, Luke. – rio.

- Pois vem. – bato nele.

- Já te disseram que você é muito chato?

- E já te disseram que você é muito linda quando fica sem jeito?

- Posso falar isso de você também. – sorrio e ele arqueia as sobrancelhas.

- Vai se arrepender por ter dito que fico sem jeito. – ele fala, a sobrancelha franzida.

- Vai fazer o que? – rio.

- Apenas me espere. – ele pisca pra mim e me beija. – me desculpa pelos ciúmes.

- E me desculpa por ter ficado com raiva... de novo.

- É, acho que somos assim, Katele. Podemos brigar, mas não consigo ficar com raiva de você por muito tempo. – abro um sorriso bobo e ele faz carinho em minha bochecha, puxando-me novamente para um beijo. Esse, mais calmo.


Notas Finais


Antes de tudo, só quero dizer que quis que vocês conhecessem um pouco do passado da Kate. Pode ter ficado meio embaralhado, mas foi assim que ela conseguiu entender o que aconteceu. (pois foi o que eu consegui entender... bem, não que eu tenha passado exatamente por isso.)

Voltando...

Nem sei o que falar... não me abandonem, por favor. Eu juro que não abandonei vocês, nem essa fanfic. :( Só que eu vivo com bloqueios! Ai meu Deus, não sei explicar. Não quero que me desculpem, pois é a centésima vez que faço isso... quero apenas que não me abandonei, ok? Pois não vou abandonar essa fanfic. Ela terá fim, prometo :3
Beijo amores, até o próximo capitulo. <3
PS: continuo amando vocês e... amo os comentários de vocês também kkk <3<3<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...