História Almost perfect love - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Romance, Sexo, Violencia
Exibições 8
Palavras 2.696
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa Leitura Amores ^^

Capítulo 2 - Se conhecendo



          ~ Sophia Clark ~

-- Sophia?! Acorda meu amor, já está de manhã. -- despertei com a voz doce de mamãe que entrava no quarto. -- Está nublado, acho que vem chuva por aí. -- comentou ela abrindo as cortinas pra vê se eu mim levantava.

-- Bom dia mãe! -- disse mim sentando na cama, ela veio na minha direção e depositou um beijo molhado em minha testa.

-- Levanta logo e vá se arrumar, se não, não vai dar tempo de tomar café da manhã.

-- Eu só vou ver como é mãe, não estou afim de ir assistir aula. -- falei mim levantando da cama.

-- Tudo bem então. -- Disse e se retirou do quarto.

Levantei e fui na sacada do quarto, realmente estava nublado, não aparecia o sol brilhante de ontem assim como as flores do jardim que murcharam por causa do tempo.

Fui para o banheiro, fiz minha higiene, vesti um jeans azul, vans branco e uma blusa solta também branca. Peguei minha bolsa vermelha de lado no cabide da porta e coloquei dentro dela meu celular, dinheiro, batom, documentos, fones de ouvidos e desci.

-- Cadê a Jennifer? -- perguntei a mamãe assim que mim sentei a mesa e senti sua falta ali.

-- Achei que estivesse dormindo ainda, mas a Filomena a viu saindo cedo.

-- Ela não comentou nada Filó? -- pergunto a senhora em pé ao meu lado.

Balançou a cabeça de um lado pro outro em forma de negação -- Não menina Sofi.

-- Obrigada! -- Levantei da mesa terminando de tomar eu café. -- Vamos mãe? -- dou um beijo na bochecha rosada de Filomena. -- Tchau minha gostosa! -- gosto de descontrair com ela as vezes, ela fica toda vermelha.

Saímos para fora e o tempo tinha mudado novamente, estava sol, não havia nenhuma nuvem cinza que estivesse ameaçando chover.

-- Estranho não é? -- pergunto já dentro do carro.

-- Não. -- ela diz em um sussurro audível por mim.

-- Não?! É estranho sim mãe, uma hora está pra chover e em menos de 10 minutos tudo volta ao normal. -- explico gesticulando com as mãos pra ela.

-- Você está exagerando filha. -- fala gargalhando de mim. -- Você vai adorar o novo colégio, algumas amigas minhas tem filhos que estudam lá, mim recomendaram e por isso a opção.

-- Ótimo. -- Sussurei pra ela não ouvir.

O silêncio foi o que pairou no percurso todo até o nosso destino, estacionou o carro e mim desejou boa sorte, nos despedimos e adentrei o grande prédio.

-- Bom dia garota! -- disse um senhor na porta do colégio. -- Você é nova por aqui? Nunca à vi. -- comentou concluindo.

-- Ah.. Bom dia! É.. Eu.. Eu mim chamo Sophia, prazer. -- estendi a mão para ele que logo a apertou.

-- Antônio, mas todos mim chamando de Tom. É seu primeiro dia? -- perguntou.

-- Sim, você pode mim ajudar a encontrar a secretaria? -- pedi com um sorriso convencido no rosto.

-- Claro! Mim acompanhe. -- chamou-me para entrar com ele, mim conduzindo. -- A moça daqui?

-- Bom, eu morava em Manhattan aí vim para cá.

-- Espero que goste do novo colégio. -- disse com um sorriso confortante nos lábios. -- Seja bem vinda Sophia. -- Apontou com a mão a uma porta de madeira com o nome "Secretaria".

-- Obrigada Tom! -- mim virei indo até lá, bati e ouvi um " Pode entrar. "

-- Com licença, bom dia! Eu sou Sop...

-- Sophia Clark, certo? -- perguntou.

-- Isso. -- como ela já pode saber?

-- Já estava a sua espera. Vamos? -- perguntou se levantando da cadeira.

  Foi até a porta abrindo e dando espaço para que eu passasse. Caminhamos pelo corredor até chegar no elevador.

-- Usamos o elevador em casos de emergência. -- Falou a morena.

Mas... isso não é uma emergência. Ela só pode ser louca.

-- Ok.

-- Chegamos Srt. Clark. -- disse assim que chegamos a penúltima porta do corredor. Bateu na porta antes de entrar. -- Com licença professor. Oi turma. Desculpe interromper a aula de vocês, mas temos uma nova integrante na turma que se mudou para cá. Essa é a Sophia Clark. -- disse apoiando as mãos em meus ombros, eu deveria estar com minhas bochechas corada de vergonha pela sua apresentação. -- É só isso. Obrigada a todos. Pode se sentar Sopi.

  Passei pela classe de cabeça baixa até achar uma cadeira vazia no fundo da sala. O professor continuou com sua aula, alguma pessoas mim olhavam por curiosidade e ficaram conversando sobre mim é óbvio. A aula bateu e eu continuei imóvel na carteira visualizando meu caderno enquanto as pessoas saíam da sala menos duas garotas que mim assustaram.

-- Oi ... Mim chamo Scarlet. -- a morena mim cumprimentou. -- Essa é a Pietra. -- a ruiva acenou freneticamente pra mim. -- Como é o seu nome?

-- An... Sophia. -- Respondi um pouco envergonhada.

-- Você é de Manhattan mesmo? -- perguntou Pietra.

-- Mim mudei ontem.

Todos entram novamente para a sala acompanhadas do professor. Não prestei atenção em todos os rostos apenas no do professor. Foram duas aulas seguidas dele.

-- Vamos lanchar Sophia.

-- Não estou com fome Scarlet.

-- Então acompanha a gente pelo menos. -- Indagou Pietra.

-- Tudo bem, eu vou. -- disse revirando os olhos com os braços pra cima em forma de rendimento.

Íamos descendo as escadas conversando sobre nossas vidas, ambas são de família de classe mediana, são amigas desde a infância quando se conheceram na escola. Scarlet é de Washington, se mudou com os seus pais ainda bebê. Já Pietra sempre foi daqui.

-- Amanhã vai rolar festa, vamos Sophia? -- Pietra disse se sentando a mesa da cantina em minha frente do lado de Scarlet.

-- Ah... Sei lá... Pode ser.

-- Ótimo. -- Respondeu Scarlet.

-- Quem é ela? -- apontei a cabeça pra loira e outras garotas na outra mesa a do meu lado direito.

-- A loira é a Jazz, é dela a festa amanhã, a outra loira do lado dela eu não sei bem o que é  da Jazmym mas elas moram juntas se chama Stéfany e a morena é amiga delas a Bia. -- explicou Scarlet.

-- Entendi.

-- Elas são bem difíceis de fazer amizades. -- falou Pietra. -- Agora os irmãos da Jazz, meu Deus! Nem se fale. -- concluiu se abanando como se estivesse com calor, eu e Scarlet irmos de sua ação.  -- Falando nos gatos olha eles ali.

Virei meu pescoço pra trás na intenção de ver os tais garotos, mas mim deparei olhando apenas os olhos cor de mel do loiro que eu olhava como se houvesse uma ligação entre nós dois apenas com um simples olhar, desviei o olhar para a boca rosada que acabará de passar os lábios, eu nunca o vi mas é como se o rosto dele nunca fosse estranho pra mim. Fui tirada do transe com as palavras de Scarlet ao serem pronunciadas.

-- Justin estuda com a gente, Jaxon na outra turma. -- olhei novamente pra trás mas desta vez não encontrei os cor de mel mim olhando e sim prestando atenção em seu iPhone.

-- Eles são...

-- Lindos? Nós sabemos. -- a ruiva mim interrompeu. -- E não é só o rostinho de bebê que é lindo, você mim entende né Sophia? -- falou, e mandou uma piscada.

Meu Deus! Estou perdida com essas mentes maliciosas.
 

[...]
 

Droga! Droga!

Mim xingava mentalmente por ter esquecido o guarda-chuva em casa e está caindo um temporal justo quando estou saindo do colégio.

"Sua chamada está sendo encaminhada para caixa de mensagem. "

E minha mãe com o celular desligado.

Droga! Droga! Droga mil vezes!

-- Não poderia fica pior. -- resmungei pra mim mesma.

-- Precisa de ajuda? -- mim virei vendo a moça morena de quem eu e as meninas falara mais cedo.

-- Ah... Não, obrigada! Tá tudo bem.

-- Tem certeza? -- perguntou arqueando a sobrancelha. -- Você parece preocupada com o temporal. -- disse analisando-me. -- Quer ajuda?

-- Não, não. É que... eu só estou esperando minha mãe é isso. Obrigada! -- eu não estava sendo orgulhosa só não queria mim mostrar ser fraca perante a situação e eu nem conhecia ele direito, vai que ela mim sequestra? Prefiro não arriscar.

-- Então tá, tchau. -- mim virou as costas e saiu em direção do portão enquanto eu ainda estou aqui parada na porta do  colégio com outras pessoas que realmente espera alguém pra busca-lás.

Entrei pra recepção e mim sentei na pequena poltrona que tinha ali, não havia mais nada que eu pudesse fazer a não ser esperar. Bufava a cada cinco minutos que se passava, até que pensei em desenhar, sempre gostei de desenhar pois tinha um talento e tanto. Peguei o caderno e o lápis, comecei a desenhar os olhos, os olhos justo do loiro, foi o que veio na mente.

-- Desenha bem. Alguém já disse que tem talento? -- uma voz rouca e suave adentrou os meus ouvidos, o dono dela parou logo a minha frente, mal sabia ele que aqueles olhos eram os seus.

-- Em... Obrigada! -- respondi tímida e percebi minhas bochechas queimarem por estar coradas.

-- Você tem um talento invejável. -- comentou ele.

-- É o que dizem pra mim.

-- Justin Bieber. -- esticou sua mão e apertei.

-- Sophia Clark.

-- Mim desculpe interromper seu desenho pode continuar Sophia. -- falou se sentando na outra poltrona a minha frente.

-- Eu só estava distraindo um pouco, nada de mais. -- guardei os matérias e mim sentei na poltrona coçando a nuca mim sentindo tímida, pois ele não desviava seu olhar de mim.

-- Não tive a intenção de atrapalhar, ok? -- pela primeira vez ele sorriu e não foi qualquer sorriso, era tão gostoso que sorri junto.

-- Eu não estava muito afim de desenhar mesmo. -- abaixei o rosto e coloquei uma mecha de cabelo atrás da orelha.

-- Outro robbe? -- perguntou, com o braço apoiado na poltrona e a mão no cabelo bagunçando-o.

-- Skate é bem legal.

-- Você acha legal?

-- É, acho. -- fransi o cenho sem entender.

-- Skate não é legal Sophia, skate é maravilhoso. -- pousou os cotovelos no joelho e cruzou as mãos mim olhando, e gargalhando da minha cara de espanto.

-- É que eu não sei andar muito bem.

-- Eu te ensino se quiser. -- soou com sua voz suave e eu apenas assenti com a cabeça.

-- A chuva parou. -- fiquei de pé observando a rua que agora havia pessoas caminhando normalmente sem guarda-chuvas, caminhei até a porta.

-- Pois é. -- falou e mim assustei ao notar sua presença atrás de mim.

-- Eu vou indo se não começa outro temporal e você já sabe né? -- ri de lado e ele mim lançou um sorriso sapeca em retribuição.

-- Eu posso te dar carona.

-- Ahn.. Muito obrigada Justin, mas a gente mal se conhece, e como diz nossas mães: nunca aceite nada de estranhos.

-- Então eu sou um estranho Sophia? -- perguntou com os braços cruzados com um sorriso de lado e a sobrancelha esquerda levantada.

-- Não assim  como você acha, como eu posso te explicar isso... Meu deus... Eu não sei como você é interiormente, entendeu? -- tentei mim explicar gesticulando com as mãos.

-- Brincadeirinha Sofi. -- tirou sua feição de durão e começou a gargalhar de mim, então foi a minha hora de ficar séria. -- Mim desculpa de estar rindo igual a um palhaço mas você ficou tão atrapalhada que não aguentei.

-- Eu vou indo. -- mim virei pra ir mas senti mãos segurando o meu braço esquerdo.

-- Ei... Desculpa tá. -- levantou as mãos em um ato de rendimento. -- Agora faço o favor de te dar carona em forma de desculpa. Vamos?!

Passei a sua frente fingindo estar enburada pra não dar o braço a torcer. Ele desativou o alarme de uma Ferrari preta fosco parada a poucos metros do portão do colégio. Abriu a porta pra mim e entrei.

Justin parecia ser um cara legal, pena que não posso ter tanta certeza assim já que eu não o conheci direito ainda, mas nesse pouco tempo que tivemos deu pra notar que ele é muito brincalhão. Isso sim senti na pela.

-- Seu nome poderia ser Sr. Emburada o que acha? -- falou assim que entrou no lado do motorista.

-- Eu gosto Sr. Engraçado. -- ri com ironia pra ele e o mesmo percebeu já que riu também irônico.

-- Então, onde vamos? -- perguntou assim que ligou o carro.

-- Corner of Dreams, no centro. -- colocou o endereço no GPS e saiu de onde estávamos.

O caminho foi em silêncio mas hora ou outra Justin mim olhava de relance.

-- Sã e salva. -- parou o carro e se virou pra mim.

-- Obrigada Justin! Tchau. -- aproximei dele e depositei um beijo em sua bochecha.

-- Tchau baby. -- piscou e arrumou sua postura.

Desci do carro, assenei e ele retribuiu saindo do local.

-- Bom dia! A minhas está Doralice? -- perguntei a recepcionista .

-- Bom dia Sophia! Ela está lá na cozinha.

-- Obrigada!

Entrei e vi minha mãe no balcão confeitando alguns cupcakes.

-- Oi filha, achei que ia pra casa. -- falou assim que depositei um beijo estalado na bochecha mim sentando no outro balcão atrás dela onde estava alguns doces.

-- Preferi vir pra cá. -- dei de ombros degustando um dos doces que estava ao meu lado. -- Se dependesse de você eu nem saia de lá. -- mim fiz de magoada.

-- Mim desculpa filha, estava muito ocupada, nem sei onde está meu celular. -- pegou nos bolsos e pareceu preocupada. -- Aroldo você viu o meu celular por aí? -- perguntou o moreno que pegava as embalagens.

-- Não Sra. Auster. -- falou negando com a cabeça.

Ela saiu de onde estava indo procurar o aparelho. Logo senti o meu vibrar no bolso.

" Esqueceu de passar seu número pra gente, então demos nosso jeitinho...
           Scarlet. "

-- Achei. -- falou balançando. -- Estava descarregado e coloquei na recepção pra carregar. -- Filha você já almoçou?

-- Não, tô indo pra casa mãe. Beijos. -- despedi dela e sai.

-- Tchau meu amor, cuidado tá!

Peguei um táxi e fui embora, chegando em casa senti o cheiro da comida da Filó pelo ar.

-- Hummmm... Que cheiro bom é esse Filó?

-- Macarronada Sofi. -- respondeu assim que retirou a travessa de macarrão do forno e colocando na mesa.

-- E minha irmã? Apareceu? -- perguntei.

-- Ah... Sim, ela está no quarto dela.

-- Vou tomar banho e já desço em. -- mim retirei da cozinha subindo as escadas.

Subi, retirei minha roupa e tomei um belo banho, vesti um short preto soltinho com uma blusa jade também leve, penteei meu cabelo e deixei ele solto para secar naturalmente e desci para almoçar. Jen estava almoçando e mexendo no seu celular  falamos pouco durante o almoço, eu não quis especula-lá sobre onde estava porquê não mim interessava.

  Terminado o almoço, eu subi e fiquei em meu quarto conversando com o Lucca e revisando as matérias da nova escola. Já tinha chegado a noite e eu não tinha percebido, pois estava focada nos livros depois que terminei de falar com o moreno.

Tinha ido comer algo na cozinha e não tinha ninguém, deduzi que estava todas em seus quartos. Peguei uma maçã e subi comendo-a. Terminei de comer, fiz minhas higienes noturna e mim deitei na cama ligando a TV colocando em qualquer filme, um dos atores tinha os olhos na cor de mel e logo mim lembre de Justin, justo ele, de novo! Desliguei a TV e mim virei na cama na tentativa de dormir, mas foi falha já que lá estava sua miragem na varanda do meu quarto.

        Os olhos cor de mel!


Notas Finais


Deixe seu comentário <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...