História Aloha nui loa - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, V
Tags Jimin, Mermaid!tae, Taehyung, Vmin
Visualizações 64
Palavras 5.554
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Fluffy, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


O capitulo não está betado pq minha internet está horrível, estou postando pelo celular, então assim q minha internet voltar irei betar.

Obrigada a todos q favoritaram e espero que para a pessoa que dediquei também goste! 🙆❤

Capítulo 2 - Aloha nui loa


Taehyung para os olhos de Jimin, era uma pessoa um tanto diferente, ele ficava fascinado com coisas simples, coisas que toda pessoa nesse mundo deve ter já experimentado ou ouvido falar. Jimin de início achara ele estranho, tinha certeza que havia algo de errado, mas talvez apenas interpretara mal, Taehyung era apenas inocente demais, parecia ter uma família protetora e nunca teve o mesmo privilégio que Jimin. As vezes esquecia que ele viera do interior e não tinha condições de ter metade das coisas que ele tinha, o que tornava Taehyung uma pessoa simples e que ficava feliz com coisas pequenas – como por exemplo o pirulito que Jimin comprara a ele uma vez.

Iria fazer um mês que Taehyung estava abrigado em sua casa, e durante esse tempo a relação deles cresceram de modo que Jimin nunca imaginou, aliás ele era o tipo de pessoa difícil de confiar nas pessoas rápido e se abrir para elas, mas aconteceu completamente o contrário quando eles dois se conheceram. Fazia apenas dois dias que Jimin começou a questionar a relação deles, desde a noite da comemoração do pagamento, ele sentiu seu estômago ser preenchido por borboletas ao ouvir a pergunta de Taehyung. Fora pego desprevenido que teve que pensar alguns minutos antes de responder e Jimin ficou surpreso com sua própria resposta, nem ele esperava dizer aquilo.

Por isso durante esses dois dias Jimin andava confuso, sempre que via Taehyung sorrir em sua direção seu coração pulava em seu peito e toda vez que o mais alto entrelaçava as mãos deles – ato antes que nem mesmo incomodava ele – passou a criar um formigamento por todo seu corpo e incontáveis borboletas em suas entranhas. Estaria apaixonado por Taehyung? Mas estava cedo demais de sentir algo por alguém, aliás Jimin ainda tinha um sentimento de admiração forte por Hoseok que estava prestes a virar algo a mais. Porém Taehyung apareceu em sua vida monótona e sem graça e a deixar caótica, seus sentimentos estavam todos embaralhados e confusos.

Jimin soltou um suspiro enquanto caminhavam em direção a academia de dança, finalmente havia acabado de entrar nas férias de verão depois de mais um final de período. Agora que tinha tempo queria que Taehyung conhecesse seu amigo e colega de classe, Jeon Jungkook, acreditava que os dois iriam se saber juntos. Taehyung parecia alegre e excitado por estar conhecendo pessoas e lugares novos, andava pelas ruas saltitando e puxava o mais baixo para eles irem mais rápido, Jimin tentou durante todo o caminho ignorar a sensação que era ter suas mãos pequenas serem cobertas com as maiores e cálidas de Taehyung. Mas não conseguia controlar a maneira que seu estômago embrulhava e como suas bochechas começavam a ficar levemente coradas.

Eles chegaram na entrada do parque arfando devido a corrida, Jimin pousou suas mãos em seus joelhos e pediu por alguns segundos para conseguir recuperar a respiração que fora perdida. Taehyung não parecia nem um pouco incomodado com a falta de fôlego, mesmo respirando de modo errático, ele saltitava no chão pedindo para Jimin se apressar, estava animado demais para conhecer pessoas novas, seus olhos chegavam a brilhar enquanto observava os enormes brinquedos que pareciam tocar no céu. Respirando fundo, Jimin tateou o bolso de sua calça a procura de seu celular para mandar uma mensagem para Jungkook, não demorou muito para seu amigo responder dizendo sua localização.

Os dois entraram dentro do parque de diversões, Jimin por um momento teve que arrastar Taenhyung pelo cotovelo, já que esse não conseguia ficar parado, a todo momento corria para ver algo que chamara sua atenção. Eles encontraram Jungkook sentado em um banco, vestia uma calça jeans, blusa branca e uma touca vermelha na cabeça, estava concentrado tomando seu refrigerante enquanto jogava algo no celular para passar o tempo. Jimin gritou pelo seu amigo e acenou assim que conseguiu a atenção do mesmo, Jungkook abriu um sorriso e levantou do banco caminhando em direção a ele.

“Como você consegue usar essa touca nesse calor?” Jimin perguntou e recebeu como resposta do amigo apenas um revirar de olhos “Jungkookie quero te apresentar Taehyung. Taehyung esse é Jungkook, meu amigo de classe.”

“A cor do seu cabelo é bem legal.” Jungkook disse para Taehyung e apontado para as madeixas avermelhadas do mesmo.

Jimin desviou seu olhar para o cabelo de Taehyung e ficou admirado com o que via a sua frente. As mexas vermelhas do mais alto criava um contraste perfeito com sua pele bronzeada, o sol que irradiava no céu iluminava em cima de Taehyung, dando a impressão que o brilho vinha dele, Jimin sentiu algo dentro de si palpitar, seria isso seu coração? A sensação era de estar vendo uma obra de arte, bem pintada e com os detalhes do pincel bem precisos e pensando pelo artista. Tudo o que vinha na cabeça de Jimin fora a primeira vez que ele pisara seus pés nas praias de Busan, lembrava do quando seu eu pequeno olhava para a imensidão do mar admirado pelo quebrar das ondas, o cheiro aconchegante de água salgada e o conforto que seus pés encontraram na areia fofa. O sentimento dentro de si era de pura paixão, recordou que naquele dia ele não queria sair da praia, queria ficar nela para sempre, construir uma casa ali na areia e sempre acordar com o barulho das ondas do mar.

Jimin saiu de seu transe quando sentiu seus olhos começarem a arderem devido o tempo que passara encarando Taehyung. Ele fitou seus pés tentando acalmar o barulho alto que seu coração fazia, podia até mesmo sentir sua orelha latejar e no momento que Jungkook soltou uma risada irônica, Jimin não conseguiu controlar a maneira que todo seu rosto foi preenchido pela mesma cor que tingia os cabelos de Taehyung. Seus sentimentos estavam tão confusos, o que era aquilo que ele havia acabado de sentir?

“Obrigado!” Taehyung exclamou alegre, levou sua mão direita e alisou uma ponta da franja que caia sob seus olhos “Eles são naturais!”

Jungkook e Jimin se entreolharam com a fala do outro, o mais novo levantou uma sobrancelha completamente confuso, enquanto o outro apenas dera de ombros, já acostumado com a estranheza de Taehyung.

“Ele é realmente um tanto peculiar como você disse.” Jungkook disse soltando uma risada.

“Jiminie fala de mim para você?” Taehyung perguntou com seus olhos brilhando de alegria, encarou Jimin esperando uma conformação vindo da própria boca dele.

“Jiminie, fala muito de você, talvez até mais que o necessário.” O mais novo entre eles afirmou e recebeu uma cotovelada na sua cintura de Jimin.

“Vamos Tae, temos muito que explorar nesse parque.”

Taehyung concordou alegre e entrelaçou sua mão com a de Jimin, que tentou ao máximo controlar suas batidas do coração, porém foi inútil, a maneira como a mão do ruivo cobria a sua por completo chegava a ser reconfortante. Era como se sempre pertenceram uma a outra, como uma peça de quebra-cabeça, que se encaixa perfeitamente com sua outra metade e o calor que Taehyung irradiava o deixava aquecido e mesmo com o sol forte, não chegava a ser desconfortável. Jimin balançou a cabeça para sair de seus pensamentos e tentou não ficar perdido demais naquilo, iria aproveitar o dia sem ficar se questionando por tudo. Soltando um suspiro e deixando seus músculos relaxarem, ele começou a guiar seus amigos pelo parque de diversão.

-

O dia no parque diversões passou em um piscar de olhos e mesmo que tenha sido divertido, Jimin não conseguia desfazer a carranca que se fez presente em sua face e mesmo que tentasse escondê-la, estava sendo impossível, ele nunca fora bom em mentiras no final das contas. Mas o motivo de ter ficado emburrado – ou seria algo mais? – foi entre a pausa que eles fizeram para poderem comer algo. Antes disso, os três estavam unidos, rindo de tudo e aproveitando cada minuto, eles brincaram em quase todas as barracas, a que Taehyung mais gostara foi a de pescar os peixes dourados e por algum motivo estranho, todos os peixes nadaram em direção a ele, como se algum imã os puxasse, Jimin até mesmo teve que insistir deles irem brincar em outra barraca já que o dono não estava gostando que o ruivo iria pegar aqueles seres vivos tão rápido e acabar com seu negócio.

No fim Jimin conseguiu convencer Taehyung de apenas pegar dois peixes, ficou com eles por todo o restante do dia. E quando eles estavam com os pés cansados de tanto andar, decidiram fazer uma pausa em uma lanchonete para comer hambúrguer, Jungkook e Taehyung estavam sentados um do lado do outro e Jimin ficara de frente para eles. O mais novo tirou seu celular do bolso para jogar enquanto esperava a o pedido deles chegarem, Taehyung olhou curioso sob o ombro dele e seus olhos arregalaram enquanto via a animação que tomava conta da tela do aparelho de Jungkook.

“Chim! Olha isso! O que é isso que Jungkookie está jogando?” Taehyung perguntou maravilhado, Jimin quase engasgou com sua própria saliva com o novo apelido repentino que lhe foi dado e respirou fundo para não deixar o sangue se espalhar por suas bochechas.

“Você nunca jogou isso?” Jungkook perguntou incrédulo, desviou seu olhar para Jimin como se estivesse ofendido pelo mesmo e falou em um tom acusatório “Como você não apresenta o universo dos jogos, o mais importante, para o Taehyung Hyung?”

“Ugh, porque não quero ele se torne como você.” Jimin resmungou revirando os olhos e cruzou seus braços.

E foi a parti daquilo que Jimin passou a ficar incomodado, Taehyung simplesmente grudou em Jungkook, ignorando completamente sua presença. Ele se sentia como um candelabro segurando as velas para seus amigos, que pareciam estar em um encontro e o pior de tudo é que tudo o que Jimin conseguia pensar era como eles dois se combinavam. Enquanto observava seus amigos comerem algodão doce em meio a risadas, Jimin sentiu raiva, se sentiu excluído e como se Taehyung o tivesse trocado por Jungkook. Estava tão incomodado, que nem mesmo conseguia olhar para o rosto dos dois, o que seria aquele sentimento? A única vez que se sentiu daquela maneira foi quando sua mãe passou a dar mais atenção para seu irmão recém-nascido.

Jimin parou de andar e observou seus amigos caminharem na frente, o sol estava começando a se pôr, criando um contraste alaranjado com o céu. E foi naquela tarde que Jimin percebeu o que aqueles sentimentos bagunçados significavam, ele estava com ciúmes.

-

Taehyung olhou para os peixes dourados que nadavam tranquilamente no aquário improvisado que ele havia criado, queria levar aquelas criaturas de volta para o mar, podia até mesmo ouvir elas comunicando com ele a saudades que estavam de sentir o gosto da água salgada. A sereia soltou uma risadinha e prometeu que os libertariam daquela prisão, Seokjin sempre odiou a maneira que os humanos prendiam seres vivos em um cubículo de vidro, os impedindo de viver no extenso e profundo do mar. Taehyung soltou um suspiro e começou a cantarolar uma canção que sua mãe o havia ensinado desde pequeno. Enquanto cantava sua mente pensou nos dias que faltavam, apenas um mês mais para tentar conseguir o coração de Jimin, mas cada dia que se passava parecia mais impossível do que nunca e por algum motivo, desde o dia que eles foram no parque de diversões, o humano ficara estranho ao seu redor, principalmente quando ficavam sozinhos. Estava cada vez mais certo que iria sumir desse mundo e nunca mais seria capaz de rever seu irmão.

Sua voz foi cada vez ficando mais esganiçada devido ao choro que começava a subir em sua garganta, seus olhos começaram a se embaçar e as lágrimas começarem a cair livremente em suas bochechas. Taehyung parou de cantar por alguns segundos, respirou fundo e voltou a cantarolar a canção, mas toda vez que tentava se recompor, algo dentro de si quebrava e não conseguia prosseguir a música por causa de seu choro. A sereia por fim desistiu de cantar e se rendeu as lágrimas, encolheu-se no chão da sala em que estava e afundou sua face em seus joelhos. Ele não sabia mais o que fazer, tentara de tudo e mesmo depois de ter conseguido ganhar a confiança de Jimin, Taehyung conseguira estragar de algum jeito algo que se esforçou tanto para cultivar. Prometeu a si mesmo que não choraria novamente por causa de um coração partido, mas ali estava ele, soluçando enquanto pensava na pessoa que tanto amava.

Como se sentia estúpido com tudo aquilo, o medo estava tomando conta de todo seus pensamentos, culpa a seu próprio orgulho por estar passando por tudo aquilo. Talvez se tivesse deixado seu ego de lado, aquela paixão pelo humano não teria transformado em algo maior. Ele ouviu passos vindo do corredor e rapidamente limpou suas lágrimas, Jimin havia chegado do mercado, podia ouvir o barulho de sacolas vindo da entrada.

“Taehyung?” Jimin chamou caminhando em direção a cozinha “Você me ajuda com as sacolas?” ele perguntou encarando a sereia.

“Claro!” Taehyung tentou soar entusiasmado e alegre, porém o inchaço de seus olhos por causa do choro o denunciava. A testa de Jimin franziu em preocupação pelo ruivo e largou as sacolas no chão e foi em sua direção “Eu estou bem não é nada.” Ele tentou passara tranquilidade, mas fora em vão, podia sentir já sua voz falhar, as lágrimas de volta em seus olhos “É s-sério Jiminie, apena caiu um cisco em meu olho.”

“Você estava chorando, não me diga mentiras!’ Jimin repreendeu com sua voz carregada de angústia “Olhe para você, Tae! Nem ao menos consegue esconder que estava chorando, o que aconteceu?” o humano perguntou ajoelhando de frente para a sereia e tentando procurar em seu rosto algum tipo de resposta.

“Não é nada.” Taehyung tentou mais uma vez, porém ao ver que aquela mentira não iria dar certo com Jimin, ele soltou um suspiro e tentou inventar em outra desculpa “São os peixeis.” Ele murmurou.

“Hã? O que tem eles?” Jimin perguntou confuso fitando os peixes dourados nadarem tranquilamente no aquário improvisado.

“E-eles ficam tão sozinhas nesse aquário, devíamos libertá-los.” Taehyung sussurrou e recebeu como resposta uma risada de alívio do outro. Jimin o abraçou e acariciou seus cabelos vagarosamente, nem ao menos parecia que estava distante a alguns dias, Taehyung soltou um suspiro e aconchegou-se no calor que o menor emanava, sentia-se confortável e seu coração mais calmo. Odiava o fato daqueles sentimentos estarem tão vivos dentro de si, enquanto Jimin provavelmente não o via da mesma maneira.

“Oh, Tae. Você é tão bobo.” Jimin disse com sua risada abafada nas madeixas avermelhadas do mais alto “Podemos ir à praia amanhã e soltar eles se isso irá te deixar mais feliz.”

Taehyung concordou e limpou as lágrimas que deixaram suas bochechas marcadas, Jimin disse para ele ir tomar um banho para se acalmar. A sereia levantou do chão e caminhou em direção ao banheiro, podia ouvir os barulhos de panela vindo da cozinha, provavelmente o humano iria preparar algo para eles comerem juntos. Taehyung trancou a porta assim que entrou dentro do banheiro e soltou um suspiro de cansaço, podia sentir sua cabeça começar a doer por causa do choro, ele encheu a banheira de água e tirou suas roupas. Assim que mergulhou seu corpo na água sentiu seus músculos relaxarem, afundou na banheira até que apenas seu nariz fosse visível. Fechou seus olhos por alguns segundos tentando esvaziar sua mente de qualquer pensamento, esticou seu pé para fora da água para poder se esticar, porém, sentiu um peso diferente.

Seus automaticamente se arregalaram quando os abriu e viu o que estava a sua frente. Sua cauda tão familiar, mas que fazia tanto tempo que não a via, brilhante e cheia de escamas, da cor de um sangue vivo, estava ali, no lugar de suas antigas pernas. O coração de Taehyung bateu forte, tudo ao seu redor parou de se movimentar e a sua primeira reação foi gritar desesperado, saiu às pressas da banheira, que até mesmo acabou escorregando no azulejo e caiu no chão com força. A sereia fitou sua cauda agora longe da água e observou horrorizado ela aos poucos voltar a dar lugar as suas duas pernas.

“Tae? Aconteceu alguma coisa?” a voz preocupada de Jimin ecoou de maneira abafada do outro lado da porta “Kim Taehyung!”

“E-eu estou bem!” Taehyung exclamou assim que achou sua voz, ainda não conseguia acreditar no que havia acontecido “Eu achei que tinha visto uma aranha” ele mentiu.

“Deus! Não me assuste assim de novo!” o humano disse soltando um suspiro de alívio que nada de ruim havia acontecido com o outro.

Taehyung se desculpou e voltou a encarar agora suas pernas, completamente livres de sua antiga cauda. Podia sentir um formigamento da cintura para baixo assim como da primeira vez, seu estômago embrulhou ao pensar na única razão daquilo ter acontecido, a magia estava acabando. Provavelmente daqui a algumas semanas Taehyung iria evaporar desse mundo para sempre e aquilo era o que mais o amedrontava.

-

O céu naquela tarde estava preenchido de nuvens, o céu que se punha iluminava a imensidão azul com seus raios alaranjados e o contraste de suas luzes com as nuvens criava um tom rosado. Era um cenário bonito, um cenário que Taehyung sempre esteve acostumado a presenciar, parecia que se passara anos desde que sentara na pedra que ficava no meio do mar e observava o sol se pôr, enquanto ouvia os barulhos de carros, ele sentia falta desses dias, onde conhecer o mundo dos humanos era apenas um sonho impossível. A sereia soltou um suspiro, fitou a sacola transparente cheia de água e os peixinhos dourados que nadava dentro dela, trouxe os peixes para próximo de seu rosto e pediu para que eles avisassem seu irmão que ele estava ali o esperando. Ele desfez o nó da sacola e libertou os peixes com todo o cuidado no mar para não deixar nenhuma gota de água entrar em contato com suas pernas, com medo de acabar voltando a ter sua cauda em frente de Jimin.

O humano estava sentado em uma canga esticada na areia, apoiava seus braços no chão e admirava a praia. Taehyung abriu um sorriso pequeno, as lembranças da primeira vez que viu o humano naquele lugar veio em sua mente, nunca imaginara que um teria o conhecido de verdade. A sereia caminhou em direção a Jimin e sentou ao seu lado, mergulhou seus pés na areia fofa e soltou uma risada baixa com a sensação que tanto sentira falta, o cheiro da água salgado entrava em suas narinas e era como oxigênio para seus pulmões. O medo começou aos poucos adornar seus pensamentos, só de imaginar que daqui a alguns dias ele não seria capaz de voltar a sua vida normal.

“Eu já vim aqui uma vez.” Jimin disse quebrando o silêncio entre eles dois e para a felicidade da sereia, o tirando de seus pensamentos melancólicos “Nunca soube que existia essa praia, ela é bonita, não acha?”

“Hmm, eu sempre gostei do mar.” Taehyung disse em sussurro “Ele é livre para percorrer todos os lugares desse mundo. Assim como o céu. Eu sempre os invejei.”

“Tae, seria indelicado demais te perguntar por que você fugiu de casa?” o humano perguntou, sua voz baixa e suave, quase como o quebrar delicado das ondas do mar.

“Eu e meu irmão brigamos.” Taehyung disse em um murmúrio, encolheu suas pernas no seu tronco e apoiou seu cotovelo em seus joelhos “Eu apenas queria um pouco de liberdade, meu irmão sempre me tratou como um inocente. Tudo o que queria era conhecer coisas novas.” Ele disse enquanto brincava com a areia com seus pés “Então nós discutimos feio e eu acabei fugindo para provar que eu podia ser independente. Mas sabe, as vezes eu me arrependo de ter fugido, eu fiz a maior besteira do mundo e daqui a pouco eu não vou ser capaz de voltar para casa. Eu nem mais vou existir.”

“Ei, se seu irmão te ama tanto tenho certeza que ele vai te receber de braços abertos.”

“É mais complicado do que parece.” Taehyung sussurrou com a tristeza presente na voz e um sorriso pequeno nos lábios.

“M-meus pais me deserdaram.” Jimin disse um pouco hesitante “Foi no mesmo dia que eu conheci essa praia. Eles disseram que não me apoiavam por estudar dança e então brigamos e... É isso.” Ele disse dando de ombros “Meus pais sempre foram tudo para mim, então ao ouvir da boca deles que eles não me queriam mais como filho me abalou bastante.”

“Seus pais parece se importar com você.” Taehyung respondeu dando de ombros “Você devia conversar com eles novamente, guardar rancor e ficar orgulhoso não irá levar a nada além de mais tristezas.”

“Você acha?” o humano perguntou pensativo, a sereia apenas concordou abrindo seu sorriso contagiante.

Taehyung voltou seu olhar para o mar e percebeu a cauda azulada tão familiar entre as ondas, sabia de quem a pertencia. Ele abriu um sorriso e perguntou a Jimin se ele poderia ir comprar sorvete para eles, o humano soltou um gemido de protesto, mas levantou da canga e subiu as escadas de madeira para procurar uma loja. Taehyung suspirou aliviado, correu em direção as pedras e com todo cuidado sentou na que ele sempre esteve acostumado ficar. Abriu um sorriso enorme quando Seokjin finalmente emergiu da água, o mais velho fitou o ruivo e devolveu o sorriso.

“Hey, Tae.” Jin cumprimentou abraçando seu irmão com força “Como você está? Fazia tempo que eu não recebia recados de peixes.” Ele disse soltando uma risada.

“Hyung! Eu tenho uma surpresa para você!” Taehyung disse e sem esperar por uma resposta começou a tirar suas roupas, Seokjin o encarou a arregalado e perguntando o que o mais novo estava fazendo.

“Taehyung o que você está fazendo?” Jin questionou confuso, seu irmão o respondeu apenas com um sorriso e pulou na água “Kim Taehyung!” Seokjin exclamou perplexo, mas logo em seguida arregalou os olhos ao ver Taehyung aparecer na superfície novamente e dessa vez com sua cauda avermelhada no lugar de suas pernas “Sua cauda, ela voltou.” Jin disse em murmúrio, não acreditando no que estava vendo.

“Hm! Toda vez que água faz contanto com minhas pernas ela aparece.” Taehyung respondeu, sentou-se na pedra novamente e esticou sua cauda de modo que não tocasse na água “Mas quando estou fora dela, minhas pernas voltam.” Seokjin observou impressionando a cauda sumir os poucos e dar lugar as pernas.

“Mas como? Como isso é possível?”

“Eu acho que a magia está acabando.” Taehyung respondeu dessa vez sem nenhuma alegria na voz, o sorriso continuava em sua bela face, mas não era verdadeiro.

“Q-quanto tempo?” Seokjin perguntou em sussurro, não era necessárias palavras mais longas para entender a angústia presente na voz do mais velho.

“Uma semana.”

Os dois se encararam em completo silêncio, Seokjin sem dizer nada colocou suas mãos nas bochechas de seu irmão e tentou ao máximo segurar as lágrimas que estavam ameaçando cair. A dor que ambos sentiam no coração era enorme, como se alguém estivesse amassando ele por dentro e o medo nos olhos deles era visível e o pior de tudo é que os dois irmãos não sabiam como resolver aquele problema. Taehyung mordeu seu lábio inferior tentando segurar o choro, mas foi em vão, soltou um soluço alto e deixou que as lágrimas escorressem e foi a deixa para Seokjin também começar a chorar.

“Tae. Hey, Tae, olha para mim.” Jin disse em meio a lágrimas e o mais novo obedeceu às ordens de seu irmão “Eu te amo está bem? Eu te amo muito.”

“Eu prometo que vou passar meu último dia com você.” Taehyung respondeu em um sussurro, sua voz fraca e falha devido ao choro “Eu prometo.”

Sem dizer mais nada, Seokjin abraçou seu irmão com toda força, acariciou os cabelos ruivos não querendo acreditar que iria perder mais um de sua família e ele não seria capaz de ajudar ou impedir que aquilo acontecesse. Jin apenas se separou de Taehyung quando viu um humano começar a descer as escadas da praia, ele afundou mais na água para que não fosse visto e abriu um sorriso.

“Ele é bonito.” Seokjin sussurrou movimentando a cabeça em direção ao humano, Taehyung virou seu rosto onde Jimin estava e abriu um sorriso triste.

“É, ele é muito bonito.”

“Taehyung?” a voz de Jimin ecoou na praia “Oh meu Deus, Taehyung o que você está fazendo pelado aí?” Taehyung apenas soltou uma risada e voltou seu olhar para seu irmão pela última vez.

“Tchau, Jin Hyung.” O ruivo sussurrou “Eu te amo.”

-

Jimin observou Taehyung receber o último pagamento de Hoseok e ele sabia que agora o ruivo seria capaz de voltar para casa. Não queria admitir mas só de pensar que eles nunca mais teriam alguma forma de contato, deixava seu coração de alguma forma pesado, uma tristeza começava a tomar conta de seus sentimentos e não sabia como parar tudo aquilo. Mas talvez fosse melhor para Taehyung, nas últimas noites Jimin cansara de acordar de madrugada com os choros do garoto, devia estar angustiado naquele lugar diferente e desconhecido por dois meses. Não havia como negar que Jimin sentia-se inútil, imaginara que Taehyung estaria confortável com sua presença e pelo pouco tempo que eles ficaram próximos, pensou que era considerado um amigo. Tentando sair de seus pensamentos, Jimin bagunçou sua cabeça fazendo com que suas madeixas negras ficassem bagunçadas.

A hora do turno deles no café havia acabado, Jimin trocou seu uniforme e esperou pacientemente por Taehyung. Quando esse saiu do banheiro, Jimin levantou da cadeira em que estava sentado e abriu um sorriso enorme.

“Vamos para casa?” ele perguntou tentando ao máximo não deixar suas preocupações aparente.

“Hmm, na verdade eu queria passar em um lugar antes.” Taehyung respondeu coçando a nuca “Pode ir na frente, te encontro em casa.”

“Você quer que eu te acompanhe?” Jimin perguntou duvidoso, o outro raramente saia pela cidade sem sua companhia, apenas ia sozinho na pequena praia que eles visitaram outro dia.

“Não precisa!” Ele exclamou rapidamente “Quando você chegar em casa vê se tem alguma carta para mim no correio, ok?”

“O-ok.” Jimin disse, estava com um péssimo pressentimento com aquilo tudo, mas talvez fosse apenas coisa de sua cabeça “Então até mais tarde.”

“Até.” Taehyung se despediu, seu olhar dizia que ele queria falar algo a mais, algo importante, mas Jimin não teve tempo de perguntar se algo havia acontecido, porque o garoto já havia saído da cafeteria e corria pelas ruas.

“É apenas coisa de sua cabeça Jimin.” Ele pensou alto consigo mesmo.

Dando de ombros, Jimin andou até seu apartamento e como pedido, procurou na caixa de correios se havia chegado alguma carta. Mas apenas achara uma carta para ele escrita por Taehyung, franzindo a testa em confusão, subiu até sua casa para poder ler, tinha certeza que aquilo era uma carta de despedida, que aquilo era o adeus que o ruivo tentou dizer mais cedo. Mas por algum motivo, algo dentro dele dizia ser algo pior, tentou não pensar nisso, porém, assim que sentou no sofá da sala, abriu o papel e começou a ler aquelas palavras gravadas na folhas, sentiu o sangue de seu corpo gelar.

Ei Jiminie!

É a primeira vez que eu escrevo uma carta, eu nunca tive o costume de escrever, desculpa pela minha letra. Mas eu gostaria de agradecer com todo o meu coração por você ter me dado um lar, sem você eu estaria completamente perdido durante esses dois meses e foram os melhores dois meses da minha vida, só para constar! Conheci tantas coisas novas, experimentei comidas diferentes e a vida ainda me deu a oportunidade de conhecer a pessoa que fez meu coração saltitar de amor. É tão embaraçoso escrever isso! Mas você é uma pessoa especial para mim Jimin, infelizmente não fui capaz de dizer o quanto eu te amo durante esses dois meses, acho que estava com medo de ter meu coração partido pela segunda vez, já que a primeira foi quando eu descobri que você sentia algo por Hoseok Hyung.

E como nós não vamos no ver, você merece ouvir a verdade sobre mim. Eu na verdade não vim de Daegu, eu nunca conheci o mundo “das criaturas de pernas”, como minha espécie costuma dizer. E agora é a parte que talvez você ria de mim e pense que eu sou louco, mas eu sempre fui uma sereia, a primeira vez que o vi foi na praia em que visitamos juntos e fiquei tão maravilhado com sua beleza e pelo seu jeito que quase foi paixão à primeira vista. A briga que mencionei com meu irmão é verdade, ele sempre disse que humanos não prestavam e eu fiquei tão irritado porque sempre admirei os humanos. E desejei ser livre por uma vez, ser capaz de decidir meu próprio rumo e acabei visitando Madame Ong, uma sereia que mexe com magia, mas que nunca foi confiável.

Meu ego e orgulho não me deixaram ouvir os alertas de meu irmão e acabei vendendo minha alma em troca de pernas, apenas para provar o contrário e se nesses dois meses eu não conseguisse ter minha paixão correspondida eu iria desaparecer para sempre. E acho que agora você entende o resto, né? Desculpa não ter contado tudo isso antes, mas saiba que você foi a melhor parte da minha vida, infelizmente eu me despeço de você e espero que você nunca me esqueça, Jiminie.

Com amor, Tae.

-

Seokjin não sabia como ainda estava conseguindo segurar suas lágrimas, podia sentir elas queimarem em seus olhos, mas não queria que a última visão que seu tivesse fosse de tristeza ou desespero. Estava na pedra que o mais novo sempre gostava de ficar, Taehyung estava encolhido em seu colo, descansado sua cabeça em seu ombro, respirava com dificuldade e tentava manter seus olhos abertos. Jin o abraçou com força e acariciou os cabelos avermelhados e macios do menor, a imagem de seu irmão chegando desesperado na praia, dizendo que finalmente havia chegado o dia, ainda estava o atormentando.

“Desculpa, Tae.” Jin murmurou “Desculpa por não ter sido capaz de fazer algo, desculpa por ter brigado tanto com você.” Ele respirou fundo tentando controlar seu choro “Eu te amo muito.”

“N-não diga isso Hyung.” Taehyung disse com dificuldade “Você foi um irmão mais velho maravilhoso. Apenas me prometa que nunca vai me esquecer.”

“É lógico que não vou, você é meu irmãozinho.” Seokjin disse abrindo um sorriso pequeno com o apelido, afastou um pouco e encarou o mais novo, todo o corpo dele estava começando a brilhar, sinal de que não demoraria muito para ele desaparecer.

“Taehyung!” o grito que ecoou pela praia fez as duas sereias ficarem alertas, Jin procurou pelo dono da voz e viu o humano que Taehyung tanto amava descer as escadas desesperado “Taehyung!” ele gritou novamente quando pousou seus pés na areia e assim que seus olhos caírem em Seokjin, toda a cor de seus rosto desaparecera.

“Cuidado!” Jin exclamou preocupado observando o humano subir aquelas pedras sem o menor cuidado, podia ver o desespero do garoto. Seokjin deitou seu irmão delicadamente na pedra e voltou para água para dar lugar ao humano que acabara de chegar.

“Ele está bem?” o humano perguntou preocupado e com os olhos cheios d’água. Seokjin o encarou por alguns segundos e soltou um suspiro, balançou a cabeça negativamente enquanto via seu irmão tentar lutar pela sua vida “Tae? Você está me ouvindo?”

“J-Jiminie?” Taehyung disse com sua voz fraca, Jin percebera que a hora de seu irmão estava perto.

“Sim, sou eu, Jiminie.” Jimin disse com um sorriso pequeno, mas sem nem um tipo de alegria “Tae, eu li sua carta, por favor não vá. E-eu não sei o que será de mim sem você, tem tanta coisa que eu quero te mostrar do nosso mundo e eu-“ o humano respirou fundo e sem conseguir segurar o choro, deixou as lágrimas começarem a escorrerem.

Sem dizer mais nada, Jimin inclinou para baixo e pousou seus lábios delicadamente em cima dos de Taehyung. Mas Seokjin viu que seu irmão já havia dado seu último suspiro.

-

Taehyung e Jimin riam no pequeno banheiro do apartamento deles. A banheira estava cheia de água e com sabão e a sereia estava sentada enquanto remexia sua cauda vermelha assim como a cor de seus cabelos. Mesmo depois de ter passado um mês de tudo o que aconteceu, do desespero ao achar que Taehyung iria embora para sempre, Jimin ainda ficava maravilhado quando seu namorado – sim, namorado! – ficava na sua forma verdadeira. Jimin inclinou-se e beijou Taehyung apenas porque agora podia fazer isso livremente, sem precisar se preocupar com alguma rejeição.

“Uma sereia uma vez me disse que no Hawaii existe uma expressão Aloha nui loa” Taehyung disse com um sorriso enquanto balançava sua cauda na banheira.

“E o que ela significa?” Jimin perguntou enquanto passava o shampoo nos cabelos ruivos da sereia.

“Significa muito amor.” Ele respondeu, encarou o humano com os olhos brilhando de paixão “Jiminie?”

“Hm??”

“Eu Aloha nui loa você.” Os dois se fitaram e trocaram um sorriso genuíno junto com risadas abafadas.

“Eu Aloha nui loa você também, Tae.”



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...