História Alpha e Omega 2 - Capítulo 3


Escrita por: ~

Exibições 53
Palavras 1.518
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Orange, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiew bolinhos sz

Desculpem a demora (dnv), percebi que sou mais trouxa que qnd resolvi virar army... Enfim, boa leitura amores ♥

Vejo vcs nas notas finais o/

Capítulo 3 - III


Chapter 3 Mitw

P.O.V Mikhael L.

 Estava perseguindo Tarik pelas ruas escuras de noite e então ele entrou numa casa pequena e velha, entrei logo após e essa casa pequena se tornou enorme, mais grande do que uma mansão. Tinha uma porta com o número "1" desenhado no centro da mesma. Entrei na porta e não tinha nada era a mesma do quarto anterior só que agora tinha o número "2" e as paredes estavam com manchas vermelhas, entrei na porta. Era uma floresta mas sem animais. Todos os quartos aviam uma porta escondida, achei a porta número "3" e então entrei, agora a floresta tinham animais. Porta número "4" Animais agitados. Porta número "5" Animais totalmente mortos. Porta número "6" Uma criança feliz brincando com sua casa de bonecas. Porta número "7" essa criança decapitada. Porta número "8" Eu e Pac quando crianças. Porta número "9" Eu e Pac... transando. Porta número "10"...
 

— Mike? 

— PAC! — Corri até meu namorado que estava amarrado em uma cadeira, iluminada só por a luz acima da mesma. — P-p-pac... — Fui até ele para desamarra-lo mas dei de cara num vidro. Quando me dei conta Pac estava dentro da cubícula enorme de vidro.

— Mike p-por favor... — Ele começou a chorar e então comecei a chutar o vidro a toda força e então ele quebrou... na cara do Pac. Então o mesmo começou a gritar mais alto possível e tentando se soltar enquanto os cacos de vidro perfuravam seu rosto e seus olhos.

 Começei a chorar descontroladamente e então me arrepiei-me todo após ouvir uma risada familiar atrás de mim, me virei e então vi o próprio diabo vindo da escuridão do quarto fechado.
 

— HAHAHAHAHA! PENSARAM MESMO QUE TINHAM SE LIVRADO DE MIM? TOLOS, IDIOTAS. AGORA VOCÊS VÃO PAGAR POR TUDO. VOU LEVAR VOCÊS PARA ONDE ME LEVARAM... PARA O INFERNO. — Cellbit veio correndo na minha direção com sua velha faca e tudo o que eu vi foram olhos azuis mortos.

— CELLBIT!

— C-calma Mike! — Pac me abraçou forte e então abri meus olhos.

— Pac... PAC. — O abracei mais forte ainda, até ele tossir. — Pac... por favor nunca fuja de mim...

— E-eu não vou... mas como assim?

— Foi um sonho? — Perguntei a mim mesmo enquanto suspirava nervoso.

— Ta mais para pesadelo...

— Sim... e-eu acho que esse sonho foi o pior que eu já tive na minha vida... Porque... — Meus olhos começaram a lacrimejar ao lembrar da cena. — Você morre...

— Eita. — Ficamos em um silêncio mortal. — Bom... pelo menos foi só um sonho, eu estou bem.

— O Rafael matou nós dois.

— ... Ele esta num hospício a essa hora, não precisa se preocupar.

— Mas já se passaram 4 anos...

— Se ele saiu de lá é porque esta curado. Vem vamos levantar. — Pac me deu a mão e então levantamos.

 Ele está dormindo aqui no meu apartamento já que a mãe dele viajou á trabalho. Isso é bom nossas noites são um tanto... prazerosas ( ͡° ͜ʖ ͡°) rs. Colocamos nossas camisas e fomos comer alguma coisa. 
 

— Pac?

— Eu.

— Eu estava pensando... Queria te apresentar para o meu pai...

— Ah, tudo bem.

— Só que ele mora em outro país...

— Oh... 

— Mais eu já comprei as passagens.

— E quando você quer ir?

— Amanhã pode ser?

— Sim. Vou arrumar minhas coisas.

[...]

 No outro dia já estavamos no avião em rumo a Texas! Nos sentamos nos fundos do avião e então senti um certo medo até que sinto Pac segurar minha mão.

— Medo de altura? — Ele riu um pouco.

— T-Talvez?

— Calma, o avião não vai cair ou algo assim...

— Mas é possível.

— Você já andou de avião, por que esse medo?

— Eu andei mas faz tempo... E eu não perdi o medo de altura.

 Pac segurou minha mão e apoiou sua cabeça no meu ombro suspirando fundo. Ele passou a mão nos meus olhos e me fez fechar os mesmos, depois disso o avião decolou.
 
[...]

 Chegamos até a casa —que mais parece uma mansão— Do meu pai, esperei alguns segundos para tocar a campainha. Estou com um mal pressentimento. Enfim, toquei a campainha e um mordomo a abriu.
 

— Meu pai tem um mordomo agora?

— Bom dia, o que posso ajudar?

— Parece telemarketing... — Sussurrou Pac no meu ouvido.

— Eu vim ver meu pai.

— O Senhor Patrão não disse que tem um filho.

— É mas ele tem! — Falei um pouco nervoso. É só eu sair da casa dele que ele me esquece?

— Nomes por favor?

— Mikhael e Tarik.

— Ok esperem um minuto por favor. — Ele entrou para dentro da casa.

— O que é isso? 007?

— Deve ser. — Respondi Pac sorrindo até que o homem aparece novamente.

— Podem entrar, eu os levo para a sala.

— Não precisa eu sei onde é.

 Peguei na mão de Pac e então subimos as escadas, meu coração está acelerado... Eu estou nervoso.
 

— Olá filho!

— O-oi. — Larguei a mão de Pac e fui dar um abraço no meu pai... educadamente.

— Oi Senhor. — Respondeu Pac o abraçando também.

 Nos sentamos no enorme sofá vermelho no centro da sala enorme também.

— Você é o Tarik mesmo? — Perguntou meu pai encarando Pac.

— Sim.

— P-pai... a gente veio aqui pra te falar uma coisa importante.

— Ok, pode falar.

— Nós... estamos namorando. — Atropelei as palavras e segurei a mão de Pac que sorriu.

— ... não ouvi direito.

— Estamos juntos!

— ...

— ESTAMOS NAMORANDO, N-A-M-O-R-A-N-D-O. — Falou Pac brincalhão.

 Meu pai respira fundo e bate com força na mesa a nossa frente, o que faz Pac levar um susto

— Mikhael podemos conversar ali? — Apontou para um quarto distante.

— S-sim... já volto Pac.

— Ok.

 Segui meu pai que estava bravo até o quarto ao lado, esse mal pressentimento está pior. Ele fecha a porta e me encara bravo.
 

— O que é isso?

— Isso o que?

— Você é homo agora?

— Bi...

— Era só o que me faltava... — Ele bateu com força na parede branca e segurou meus braços, vi seus olhos cheios de raiva. 

— Ei!

— Eu não... EU NÃO ADMITO VOCÊ COM UM HOMEM MIKHAEL, EU CRIEI UM HOMEM, UM HOMEM. 

 Ele está quase me agredindo!

— Você vai voltar com a Ketty entendeu? — Ele está apertando meu braço. 

— Me solta idiota! — O empurrei com raiva contra a parede... ops fudeu. Ele me encara.

— Você não vai beijar a boca de um homem. Principalmente desse... idiota. 

 Essa palavra ecoou em minha cabeça. Idiota, idiota... Não, ninguém fala assim do MEU Pac. Fui até a direção de meu pai e quando ele ia me bater segurei sua mão.

— Já tenho 22 anos, estou cagando e andando para o que você acha.

 Sai do quarto e puxei Pac para fora da casa, ele perguntava algumas coisas mas eu o ignorei totalmente. Saímos da casa e então ele retira minha mão do seu pulso.

— Porra Mike, me solta.

— Desculpa...

— O que aconteceu? Ouvi os gritos lá da sala...

— Ele é um idiota esse filho da puta...

— Por que? Calma!

— Ele veio todo de proibição... E disse pra mim voltar com a Ketty.

— Não vai não!

— Claro... Vem vamos sair daqui.

— Mas e seu pai?

— Ele que vá tomar no cu.

— ...

— Vem, vamos para um hotel que eu reservei.

— Ta...

 Pegamos um taxi e fomos para o hotel, eu preciso comprar um carro se não vou acabar falido. Ajudei Pac com sua mala gigante e a guardar suas coisas.
 

— Eu to morto. — Pac se jogou na cama bufando.

— Cansado do que? Eu que carreguei a mala!

— Da viagem...
 
 Me deitei ao seu lado e então ficamos alguns minutos assim. Estou entediado. Pac estava quase dormindo então subi em cima dele e comecei a dar selinhos no mesmo... Ele acorda de vez e transforma os selinhos em beijos, beijos quentes... Você não estava cansado Tarik? Fiz uma cara maliciosa na hora que fez ele corar. Retirei sua camisa e continuamos a nos beijar descontroladamente feito loucos. Dou beijos em seu toráx e tiro um gemido baixo. Ele me puxa para cima e tira minha calça e eu minha camisa. Pac lambe os lábios e retira minha box logo em seguida abocanha meu membro... Fecho os olhos tentando relaxar mas nada, estou nervoso ainda. Pac continua com movimentos mais rápidos e até agora nenhum gemido vindo de mim... Pac faz o melhor que pode e eu fingo alguns orgasmos para não o deixar sem graça isso definitivamente não está bom, eu começo a broxar.
 

— Pac desculpa mas... eu não estou afim. — Ele suspira e veste sua camisa.

— Tudo bem, podemos parar a nossa semana de transa. 

 Rimos juntos e então vesti minhas roupas e cobri nós dois. 
 

— Boa noite então.

— Boa.


 
 Acordei as 06:00... está muito cedo, mas eu não estou com sono... Vou sair. Peguei um casaco qualquer e sai enquanto Pac continuava dormindo... preciso pensar. Fui a pé até um parque aqui perto e fiquei andando pelo mesmo... esse lugar me faz sentir calmo. Fiquei dando voltas ao parque que não era tão grande assim mas então cansei e me sentei num banco a frente de um lago. Comecei a pensar de tudo que aconteceu com o meu pai... Ele foi um cretino. Estava quase adormecendo quando alguém tapa meus olhos com as duas mãos.

— Adivinha quem é~~?

 Essa voz... 


Notas Finais


Vc leu até aqui?! Te amo ♥!!

Então amores, prometo de mindinho que não vou demorar taaaanto assim pra postar ok? Pq, afinal se alguma coisa termina é pq uma melhor está por vir!
Aqui está o link da 1º Temp caso vc caiu aqui de paraquedas; https://spiritfanfics.com/historia/alpha-e-omega-4653939

Desculpem qualquer erro, Fighting!! ♥ sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...