História Alphyne I love you,my low light - Capítulo 10


Escrita por: ~ e ~Fantasyland

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Flowey, Frisk, Gerson, Mettaton, Napstablook, Papyrus, Sans, Toriel, Undyne
Tags Alphyne, Alphys, Soriel, Undertale, Undyne AlphysXUndyne
Exibições 43
Palavras 3.328
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ecchi, Famí­lia, Ficção, Fluffy, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello Sunshines,eu trouxe esse capítulo meio diferente,mas tá aí,eu realmente espero que vocês gostem.
Eu tentei criar um clima de drama e tensão,mas não sei se deu certo.
Existe algumas cenas que fazem referencia ao filme The Wall do Pink Floyd,esse é um dos meus filmes\álbuns favoritos.
Enfim,me contem,o que acharam.

Capítulo 10 - Capítulo 10 Ida ao laboratório


Fanfic / Fanfiction Alphyne I love you,my low light - Capítulo 10 - Capítulo 10 Ida ao laboratório

Undyne e Alphys já estavam entrando no laboratório,quando Undyne falou:

 

  - Certo,o que viemos fazer aqui mesmo ?

 

   - Bem,isso é mais que um laborátorio,é  minha casa também,então tem algumas coisas aqui que não iriam ficar muito bem em um museu... – Alphys respondeu.

 

  - Ata. – Undyne disse,parecendo um pouco distante.

 

  - Você está bem ? – Alphys perguntou,parecendo um pouco preocupada com a resposta de sua namorada.

 

  - Sim,tudo bem,eu só estava me lembrando de algumas coisas... – Undyne disse.

 

  Alphys continuou achando um pouco estranho a forma como Undyne estava agindo,mas ela preferiu apenas ignorar,a garota não parecia querer falar muito sobre o que fosse que ela estivesse pensando.

 

    - Certo,acho melhor nós começarmos arrumando o terreo,afinal,aqui costumava ser onde eu passava mais tempo. – Alphys disse.

 

  - Era tão legal assistir animes naquela tela gigante. – Undyne disse.

 

  - Sim,era mesmo,acho que a gente tem tempo para mais uma maratona. – Alphys disse,olhando o horario no relogio de seu celular.

 

  - Ótima ideia. – Undyne disse,abraçando a garota.

 

  As duas então se sentaram no chão,enquanto ligavam a tela,e colocavam alguns animes para assistir.

  O tempo acabou passando,as garotas acabaram por cair no sono,sem nem ao menos perceber.

 

  Quando elas acordaram,já era manhã do outro dia.

 

  - Ok,acho que já passou da hora de arrumarmos toda essa bagunça. – Alphys disse se levantando.

 

  Ela foi até a lousa,onde ela havia deixado praticamente todo o seu trabalho,junto de algumas imagens de Undyne.

  Alphys removeu alguns papeis antigos e os jogou no lixo,enquanto fazia isso,ela foi surpreendia por Undyne,passando as mãos em torno de sua cintura,Alphys se virou,beijando a testa da garota.

   As duas riram,e então começaram a arrumar toda a bagunça.

  Após algumas horas,elas conseguiram organizar os dois andares da casa de Alphys,e em pouco tempo,elas separaram o que elas podiam levar para a superficie,e o que elas podiam deixar para que fosse usado no museu.

  Agora só faltava arrumar o verdadeiro laboratório.

 

  - Pronta ? – Undyne perguntou.

 

  Alphys suspirou e após alguns segundos,ela concordou com a cabeça,as duas então entraram no elevador.

 

  - Eu vou ser sincera com você,eu realmente não queria que você visse o que tem lá em baixo,me desculpe,e por favor,evite de ler as entradas,é lá que foi registrado exatamente o que eu fiz... – Alphys disse,respirando pesadamente,e tentando segurar as lágrimas.

 

  Undyne apenas fez um sinal de positivo com a cabeça,Alphys então apertou o botão de descida do elevador.

 

  Lentamente,o elevador começou a se mover,em direção para baixo.

  Alphys começou a sentir uma repentina dor de cabeça,que parecia aumentar mais e mais a cada segundo.

  Ela levou a mão até a testa,ela não sabia o que era aquilo.

 

  - Você está bem ? – Undyne disse,se aproximando de Alphys.

 

  Alphys tentou falar,mas não conseguiu,ela sentia a dor aumentando,e cada vez mais,ela parecia estar se distanciando do mundo ao seu redor.

 

  Undyne se aproximou de Alphys,ela envolveu a garota em seus braços,ela conseguiu perceber que a pele de Alphys estava mais quente que o normal,ela estava com febre.

 

  - D-dor... – Alphys falou,com a voz falhando.

 

  Undyne sentia o desespero tomar conta do seu corpo,ela nunca tinha visto aquilo acontecer antes,mesmo na vez em que ela levou um tiro de um humano,aquilo não havia acontecido.

 

  - N-não se preocupe,Al,eu estou aqui,eu prometo,nada de mal vai acontecer com você,não enquanto eu estiver aqui. – Undyne disse,tentando manter sua voz firme.

 

  Alphys tentava falar,mas não conseguia,afinal,o que era tudo aquilo ?

 

  - Relaxe,eu só preciso de algumas informações,apenas os fatos básicos,você pode me mostrar onde dói ? – Undyne falou,mantendo a calma em sua voz.

  - Não tem dor,você está retrocedendo,como a fumaça de um distante navio no horizonte,você apenas se torna verdade em ondas,seus lábios movem,mas eu não consigo ouvir o que falam. – Alphys de alguma forma conseguiu falar.

 

  Se Undyne não estivesse desesperada,ela com toda a certeza,iria rir do fato de ela e Alphys terem cantando um dos melhores trechos de uma de suas musicas favoritas.

  Nesse momento,a porta do  elevador se abriu,Undyne saiu correndo,enquanto carregava Alphys em seus braços,Alphys via o laboratório totalmente em câmera lenta,as luzes piscando,as telas ascendendo e apagando,ela se olhou,ela se via derreter,e aquilo parecia extremamente real.

  As luzes piscavam rapidamente,telas de computadores na parede piscavam com letras verdes,o cheiro de podridão infestava o ar,aquele lugar cheirava morte,Alphys novamente olhou para suas pernas,ela estava gastando quase todas as suas energias,para se manter acordada,ela sentia como se todo o seu corpo estivesse derretendo nos braços de Undyne,ela até mesmo conseguia ver isso,suas pernas escorrendo pelas mãos de Undyne,ela então olhou para cima,sua namorada estava correndo,ela se virou e disse algo que Alphys não conseguiu ouvir,ela viu as camas se aproximando,aquilo era ótimo,elas iriam ter um local para descansar.

 

  Undyne removeu a roupa de cama,usando apenas um de seus braços,o mais rápido que pode,ela equilibrou Alphys,em seu outro braço,a qual estava gemendo,ela deitou Alphys sobre a cama,e removeu suas roupas o mais rápido que pode,Alphys estava muito quente,toda aquela roupa piorava a situação,ela ouviu Alphys tentando sussurrar algo,mas ignorou,ela então deixou Alphys deitada na cama,apenas de roupa intima,ela buscou alguns panos,e após molhar eles,ela os colocou sobre a testa,a parte superior dos seios e na barriga da garota.

   Undyne também estava com fortes dores de cabeça,mas ela precisava ajudar Alphys antes,ela ficou observando enquanto a respiração de Alphys,lentamente se estabilizava.

 

  - Graças a Deus. – Undyne disse,suspirando,ao ver que agora,Alphys estava apenas em um estado de sono,seu corpo já não estava ardendo em febre,e ela não se debatia enquanto gemia,apenas respirava lentamente.

 

  Undyne então caminhou em direção a sala ao lado,para buscar um pano para colocar sobre as pernas de Alphys,mas sua dor de cabeça,acabou chegando ao ponto máximo,ela se apoiou na parede,enquanto levava a mão até a testa,ela então ouviu uma voz de uma garota,falando:

 

  - Me desculpem,mas vocês precisam saber a verdade.

 

    Undyne não chegou a ver de quem era a voz,antes de desmaiar.

 

  Alphys estava em seu laboratório,ela olhou em volta,tudo estava em completo silêncio,e ela tinha um mal pressentimento sobre isso,ela andou um pouco,e se deparou com algo estranho,era ela mesma,ela estava chorando,muito mais que o normal,ela se aproximou dela mesma,ela estava encolhida no canto chorando,tudo estava tão vazio,bem mais vazio que o normal.

 

  - E-eu falhei,com todo mundo.Eu fiz besteira,de novo,eu só sirvo para isso,para fazer besteira,eles vão me odiar,Undyne vai me odiar com todas as suas forças. – A garota sentada no canto disse chorando.

 

  - E-eu me lembro desse dia... – Alphys disse,paralisada de medo.

 

  A garota chorando,bateu com seu punho contra a parede,e levando as mãos ao rosto,tirou os óculos e os jogou o mais longe possível,ela começou a arranhar o próprio rosto,como que tentando arrancar a própria pele.

 

  - Foi poucos dias antes  de Frisk cair no subsolo,foi no dia que eu criei os Amalgamates,foi o dia em que Mettaton começo a agir de modo estranho. – Alphys disse,enquanto observava o laboratório.

 

  Ela caminhou em direção aos óculos,e após os pegar nas mãos,ela os observou por alguns instantes,nesse momento,o cenário ao seu redor mudou.

 

  Undyne ainda estava no laboratório,ela olhou em volta,Alphys não estava mais na cama,por algum motivo,ela estava sentada em um dos cantos,chorando,e por algum motivo,ela havia mudado de roupa,ela agora usava o seu jaleco.

 

  - Hey Al,o que aconteceu ? – Undyne disse,se agachando ao lado da garota.

 

  - E-eu falhei,com todo mundo.Eu fiz besteira,de novo,eu só sirvo para isso,para fazer besteira,eles vão me odiar,Undyne vai me odiar com todas as suas forças. – Alphys disse.

 

  Undyne pareceu confusa por um instante,será que Alphys estava relacionada com as dores que as duas tiveram a poucos momentos.

 

  Alphys então jogou seus óculos o mais longe que pode,Undyne continuo sem entender,ela se virou para o lado,e virou a menina arranhando o próprio rosto,enquanto chorava.

  Undyne abraçou a garota,e começou a sussurrar em seu ouvido.

 

  - Está tudo bem,eu estou aqui,eu não te odeio,e nem vou te odiar,nunca,não importa o que aconteça,eu te amo mais do que eu amo a qualquer outra pessoa.

 

  Nesse momento,Alphys enxugou uma lágrima,Undyne sorriu,e então tudo mudou.

 

  Alphys ainda estava no laboratório,mas agora,além dela mesma,havia sua outra versão e Sans,ambos estavam em frente a tela do computador,e discutiam por alguma razão,ela então se aproximou,para ver o que estava acontecendo.

 

  - Alphys,você ainda não entendeu,VOCÊ PRECISA TIRAR TODOS DAQUI,IMEDIATAMENTE. – Sans disse,ele parecia desesperado,e por algum motivo,ele usava o cachecol de Papyrus.

 

  - Mas e quanto a Undyne,ela com toda a certeza vai parar a humana,eu acredito nisso,eu preciso acreditar nisso. – A Alphys do sonho respondeu.

 

  Alphys ainda não havia entendido,de fato,ela nunca havia presenciado aquilo,então não havia como ser uma memoria.

 

  - Olhe para a maldita tela. – Sans disse,abaixando a cabeça.

 

  As duas Alphys se aproximaram da tela do computador,e começaram a observar o que acontecia.

 

  Frisk estava em uma das pontes de Waterfall,por algum motivo,a humana tinha um expressão estranha,um sorriso assustador,de puro ódio.

 

  - S-se você quiser machucar mais alguém,você vai ter que passar por mim. – Monster Kid falou.

 

  - Você fala como isso fosse algum tipo de problema para mim. – Frisk disse,em uma voz bem diferente de sua verdadeira voz.

 

  Após dizer isso,ela se jogou em direção a criança,ela atacou com todo o seu poder,mas acabou acertando Undyne que pulou na frente,no momento exato.

 

  - U-Undyne,você está ferida. –Monster Kid falou.

 

  A Alphys do sonhou,levou as mãos até a boca,para segurar o grito,enquanto a verdadeira Alphys ficou parada,observando.

 

  - Ótimo,parece que mais uma amiga,chegou para a diversão,isso vai ser perfeito,sua namoradinha,vai poder assistir sua morte,ah não espera,vocês não são namoradas,e nem vão ser. – Frisk falou,e começou a rir,enquanto atacava Undyne mais uma vez.

 

  Undyne estava prestes a morrer,foi nesse momento então,que quando seu pó já estava se espalhando que ela se uniu novamente,sua forma havia mudado,ela estava bem mais poderosa.

 

  - VOCÊ VAI TER QUE TENTAR UM POUCO MELHOR QUE ISSO. – Undyne disse,avançando em direção a Frisk.

 

  Frisk desviou do ataque de Undyne,as duas começaram uma dança mortal,ambas atacavam com tudo o que tinham,e desviavam.

  Sans apenas mantinha sua cabeça abaixada,é como se ele já tivesse assistido aquela luta,e já soubesse como acabava.

   A Alphys do sonho,olhava a tela,sem nem ao menos respirar,enquanto a verdadeira Alphys,sentia que Sans estava certo,e já não havia mais nada para se fazer.

   Na tela,lanças azuis voavam cada vez mais rápido,e após cada ataque,Undyne parecia mais e mais cansada,

 

  - Pulverizar sua cabeça,vai ser algo extremamente prazeroso. – A Frisk dos sonhos disse.

 

  - CALE ESSA PORCARIA DE BOCA. – Undyne gritou,investindo contra a criança com sua lança.

 

  A criança desviou,acertando um ataque nas costas da guerreira,que xingou e gritou.

 

  - Sabe de uma coisa ? Após isso,eu talvez vá atrás da nerd,usar o cadáver dela parar tirar sua poeira da minha roupa. – Frisk disse,enquanto desviava de um dos ataques de Undyne,e aproveitava para dar um chute nela.

 

  - Após isso,vai faltar pouco,só aquele robô transexual e o comediante,não tem mais muita coisa. – Frisk disse,lançando um olhar de desprezo para Undyne.

 

  - EU VOU ACABAR COM VOCÊ,SEJA LÁ O QUE VOCÊ SEJA. – Undyne gritou,enviando uma enorme quantia de lanças mágicas na direção da humana.

 

  Frisk riu enquanto desviava das lanças,ela acertou um tapa no rosto de Undyne,a qual agarrou a menina,e a arremessou contra a parede.

 

  Frisk se levantou e suspirou e disse:

 

  - Olhe para você mesma,você está preste a morrer,já está até derretendo,você realmente acha que consegue me deter ?

 

  Undyne jogou mais uma lança na direção de Frisk,a qual agarrou a lança e começou a bloquear os outros ataques de sua inimiga.

 

  - Vamos Undyne,eu acredito em você,não desista agora. – A Alphys do sonho falou.

 

  Sans apenas chacoalhou a cabeça em negação,em nenhum momento,ele parou de encarar o chão,era possível ver as lágrimas brotando em seus olhos.

 

  Undyne atacou Frisk,a qual apenas desviou e revidou,as duas continuaram a batalha por horas,até que Undyne,já muito cansada,acabou por ser letalmente atingida.

 

  Frisk começou a bater repetitivamente contra a cabeça de Undyne,enquanto Undyne derretia por meio da determinação.

 

  Após Undyne finalmente morrer,Frisk olhou para a câmera e sorriu,enquanto dizia:

 

  - Oops,parece que eu matei sua namorada,não se preocupe,eu vou garantir que vocês duas se reencontrem nas chamas do inferno,e eu se fosse você,aproveitaria para dar tchau ao seu robô transexual e ao comediante,pois eles serão os próximos.

 

  Após isso,o sonho mudou mais uma vez.

 

  Undyne estava na cachoeira,o vento estava uivando,ela estava enfrentando Frisk,mas havia algo de diferente.

 

  Seu corpo e sua armadura estavam diferentes,Frisk parecia exalar ódio puro,como se fosse apenas um corpo,sem uma alma de verdade dentro.

 

  Frisk parecia não ligar para nada,como se aquilo fosse apenas uma brincadeira,enquanto Undyne,parecia estar dando tudo de sí.

  Undyne nunca havia lutado daquela forma,ela nem sabia que ela podia ter tanto poder,era algo que deixava ela mesma impressionada.

 

  As duas gritavam,e a cada palavra que saia de sua boca,ou da boca de Frisk,ela ficava ainda mais impressionada.

 

  A luta acabou,e Frisk mantinha seu sorriso frio,Undyne podia sentir o ódio saindo do corpo da garota,em anos lutando,ela nunca havia visto aquilo.

  O sonho mudou uma ultima vez.

 

  Alphys agora se encontrava em uma sala quase vazia,havia apenas uma mesa,na qual a sua versão do sonho,estava apoiada,chorando e segurando uma enorme quantia de seringa,e a tela de seu computador,na verdade era mais de uma tela,uma delas mostrava uma luta ainda em acontecimento.

  A tela da direita,exibia repetitivamente a luta e a morte de Undyne,enquanto a da esquerda,mostrava repetitivamente,Mettaton em sua forma NEO,dialogando com a humana,e sendo morto por ela,a tela inferior e superior,exibiam um grupo de monstros,procurando por um lugar seguro.

  E a tela central,exibia Sans lutando contra a humana.

 

  - Onde estão todos os seus amigos,hein comediante ? Aquele pedaço de lixo,em forma de lésbica que todos chamam de Alphys,ou aquela maldita lésbica que comandava a guarda real,ou até mesmo seu irmão ? Ah é,eu me esqueci eu matei a maioria deles,eu admito uma coisa,eu queria poder fazer aquela outra lésbicazinha de merda pagar por seus crimes.

 

  - Você realmente vai passar por uns maus tempos. – Sans disse,seu olho esquerdo piscando em azul escuro e amarelo.

 

  - Mas o que está... – Alphys começou a falar,enquanto se virava para ver sua versão do sonho.

 

  Ela estava injetando em sí mesma um liquido roxo,a qual ela sabia ser veneno.

 

  - NÃO. – Alphys gritou,indo em direção a sua versão do sonho.

 

  - U-U-Undyne,não se p-preocupe,e-eu estou chegando. – Alphys disse,em meio ao choro.

 

  Alphys pulou nela mesma,tendo de alguma forma agarrar sua versão do sonho,mas ela atravessou a sí mesma,enquanto se via se transformar em poeira,e seus óculos caindo no chão e se cobrindo de poeira.

 

  O sonho começou a lentamente se desfazer.

 

  Undyne entrou na sala,ela via um enorme conjunto de monitores,lá era possível ver a sua luta com a humana,seguida da de Mettaton que estava um pouco diferente,e era possível ver Sans lutando contra a humana,e os monstros que Alphys supostamente deveria ajudar na evacuação correndo,em busca de um local seguro.

  Alphys estava em cima da mesa,segurando um monte de seringas com um liquido roxo.

 

  - Isso é tudo culpa minha,eu deveria ter avisado eles antes,quando ela começou tudo isso,devia ter avisado Papyrus,Undyne,Mettaton,todos eles morreram por minha causa. – Alphys falou,em meio as lágrimas.

 

   Undyne se aproximou,ela passou a mão pela cabeça de Alphys,mas aquilo não pareceu afetar a amiga,apenas fez mais lágrimas brotarem.

 

  Alphys mexeu a seringa mais uma vez,Undyne não fazia ideia de o que era aquilo,ela sabia dos vários experimentos de Alphys,mas ela nunca havia visto aquele liquido roxo.

 

  Alphys então,ergueu a cabeça,respirou o mais fundo que pode,se virou para Undyne e disse:

  - U-U-Undyne,não se p-preocupe,e-eu estou chegando.

 

  Nesse momento,vendo Alphys dizer aquilo,e mexer na seringa,Undyne entendeu o que aquilo era,sua morte passou mais uma vez na tela do computador.

 

  - NÃO. – Undyne gritou,se jogando em cima de Alphys.

 

  Mas foi em vão,ela atravessou a garota,igual um fantasma atravessa uma parede,ela se virou,e viu a Alphys se transformando em poeira.

 

  Nesse momento,o sonho se foi,se desfez por completo.

 

  Ambas acordaram,de volta a sala das camas do laboratório,gritando.

 

  Undyne se levantou e correu o mais rápido que pode,em direção a Alphys,ela abraçou a garota,retirando de sua testa o pano,e cobrindo sua testa de beijos.

 

  - N-nunca mais faça isso,não me deixe preocupada desse jeito. – Undyne disse,beijando a testa de Alphys,e deixando as lágrimas escorem por seu rosto.

 

  Alphys também estava chorando,ela abraçava Undyne com todas as suas forças,ela simplesmente não queria  mais soltar,não queria deixar sua namorada ir.

 

   As duas continuaram ali,por alguns instantes,até que Alphys decidiu vestir suas roupas novamente.

 

  Undyne simplesmente desejava esquecer os sonhos,mas a imagem de Alphys morrendo,não saia de sua cabeça,ela simplesmente não conseguia controlar isso.

   Alphys tentava esquecer os sonhos,mas ela não conseguia esquecer da cena da morte de Undyne.

 

  Após Alphys trocar de roupa,as duas continuaram,até chegar em uma sala que ambas reconheceram,era a sala do ultimo sonho.

 

  Undyne congelou na entrada.

 

  Alphys nem mesmo percebeu que Undyne havia parado,ela apenas correu para esconder algumas seringas.

 

  - Alphys seja sincera comigo. – Undyne disse,mantendo sua voz extremamente firme.

 

  Alphys sentiu um calafrio percorrer sua espinha,mas mesmo assim,ela respirou fundo e se virou para Undyne,esperando pela pergunta da garota.

 

  - Esse liquido roxo,nas seringas,ele não é determinação,é ? – Undyne perguntou,encarando Alphys.

 

  - Não... – Alphys disse,abaixando o olhar.

 

  - Ele é veneno,certo ? – Undyne perguntou.

 

  Alphys apenas concordou com a cabeça.

 

  - Por que ? – Undyne perguntou.

 

  Alphys limpou uma lágrima de seu rosto e falou:

 

  - Depois do que aconteceu,de eles se levantarem,e simplesmente derreterem daquela forma,eu fiquei assustada,fiquei com medo de que todos me odiassem,de que você me odiasse,eu então me livrei de toda a determinação presente no laboratório... – Alphys disse.

 

  - E a substitui por veneno ? – Undyne perguntou.

 

  - Sim,mas o veneno não era para eles... – Alphys disse.

 

  - Então ? – Undyne replicou,o mais seria possível,ela estava temendo o rumo que aquela conversa estava tomando.

 

  - Era para mim mesma,quando Frisk chegou aqui,eu já estava preste a me matar,eu não aguentava mais toda essa dor,todo esse sofrimento,eu queria por um fim nisso,eu queria acabar com isso,logo,eu não queria viver,não sabendo o que eu fiz... – Alphys disse,tentando segurar as lágrimas.

 

   - Alphys... – Undyne começou,mas foi interrompida.

 

  - Eu tive uma grande alucinação,fazendo amor com você,onde todos me amavam,onde eu era alguém... – Alphys disse,limpando as lágrimas.

 

  - Alphys,isso não foi uma alucinação,eu te amo,eu sempre vou te amar,independente do que aconteça. – Undyne disse,e após isso,abraçou Alphys.

 

  As duas se abraçaram e deram um longo e demorado beijo.

 

  Nesse momento,as duas notaram que havia uma carta em cima da mesa.

 

  “Saudações,sou eu,Chara.

   Primeiramente,eu queria me desculpar por qualquer problema causado,eu só queria mostrar para vocês aquelas visões,por um motivo,para que vocês duas saibam que uma realmente ama a outra.

  Aquilo são visões do que podia ter acontecido,quando Frisk caiu no subsolo.

  Mas de qualquer forma,eu quero que vocês pensem no que aconteceu,no que podia ter acontecido,e no que vai acontecer.

  Eu só quero que vocês duam saibam,que seus amigos torcem pelo sucesso de vocês duas,eu também torço por vocês.

   Alphys,todos amam você,você é alguém que merece ser feliz,e Undyne está disposta a te fazer feliz.

  Enfim,e sobre o que Frisk disse,eu gostaria de te pedir,um corpo que eu pudesse habitar,afinal,eu quero viver junto dos Dreemurs de novo,eles são minha familia,por favor Alphys,eu te peço por um corpo novo.

  Prometa que vai pensar bem no assunto.

  E novamente,me desculpem por qualquer problema.”

 

  - Afinal,como ela escreveu isso,se ela é um fantasma ? – Undyne perguntou.

 

  Alphys deu de ombos e embrulhou a carta e a colocou no bolso da calça.

 

  - O que vamos fazer ? – Undyne perguntou.

 

  - Um corpo novo para ela. – Alphys respondeu.

 

  - Mesmo depois disso,quer dizer seria bom ela ter um corpo,para ela provar o meu mais novo pure de socos,mas ela quase te matou de febre,ela não merece voltar a viver. – Undyne disse,balançando os braços.

 

  - Ela é só uma criança,está sozinha e com medo,é nosso dever ajudar ela. – Alphys respondeu.

 

  - Ok,mas assim que ela entrar naquele corpo,eu vou colocar ela em coma. – Undyne disse.

 

  - Não,você não vai. – Alphys disse,dando uma risadinha.

 

  - Quem disse isso ? – Undyne perguntou.

 

  - Eu. – Alphys disse.

 

  As duas riram,e então foram embora do laboratório.


Notas Finais


Enfim,espero que tenham gostado.
Amanhã eu tenho uma prova muito importante(me desejem sorte),e depois só tenho mais um ou dois dias de aula,então log,vou começar a postar logo com mais frequência.
Page:https://www.facebook.com/DudsLao/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...