História Alter Ego - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sherlock
Personagens D.I. Greg Lestrade, Dr. John Watson, Molly Hooper, Mycroft Holmes, Sherlock Holmes
Tags Amor, Comedia, Drama, Game, John Watson, Johnlock, Paixão, Primeiro Beijo, Romance, Rugby, Sherlock Bbc, Sherlock Holmes, Teen, Teenlock, Universo Alternativo
Visualizações 173
Palavras 2.050
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, meus querides!
Primeiramente, um ótimo feliz dia das crianças para vocês.
Segundamente, muito obrigada ao apoio, carinho e comentários. Isso me incentiva muito! Por mais que eu esteja demorando para responder, sempre me pego relendo todos eles sahusuh
AVISO: as coisas ficaram um pouco mais... quentes a partir daqui. Então, quem está aqui pela putaria: FIQUEM ATENTXS!
Sem mais delongas, boa leitura <3

Capítulo 20 - Capítulo XX


A BMW preta estava estacionada em frente ao número 221B da Baker Street, mas nenhum de seus passageiros se movia para abrir a porta do automóvel. Mycroft Holmes olhava fixamente para John do retrovisor, fazendo o garoto paralisar. Sherlock estava sentado ao lado de Watson e revirou os olhos quando percebeu o que seu irmão mais velho estava querendo dizer com aquele olhar.

- Não dê ouvidos a ele, John. – Despejou com calma antes de sair do carro e deixar o loiro apenas acompanhado de Greg e Mycroft. Pelo menos seu colega de escola seria testemunha caso algo acontecesse, pensou o garoto.

- Senhor Watson. – Começou Holmes mais velho com sua voz cortante e frígida – Eu não sei ao certo o motivo da obsessão que meu irmão dedica a você, já que é tão... Ordinário. – Falou para, com toda a certeza, ofender John – O ponto aqui é: você não foi o primeiro. Ele já esteve assim antes e as coisas não acabaram bem. E se você for igual ao outro... Não serei tão flexível quanto fui com ele. O senhor já tem idade o suficiente para arcar com as consequências de seus atos, Watson. Espero que tenha entendido.

O ar dentro do carro era denso. Como assim John não havia sido o primeiro? O loiro estava assustado e confuso. Lestrade se encontrava boquiaberto no banco do passageiro enquanto encarava o homem ruivo, que delicadamente (Watson estranhou isso) levou sua mão esquerda até o joelho de seu colega de classe, como se estivesse tentando o tranquilizar.

- Eu não faço a mínima ideia de quem foi “o primeiro” ou do que aconteceu, mas acho que se você é tão bom assim em ler as pessoas, ou seja lá como vocês chamam isso, já deveria ter percebido que não sou como ele. – Replicou John em seus segundos de coragem insana.

- A maldade nem sempre é evidente, Watson. – Disse com um sorriso de canto – Boa sorte.

- Não acho que irei precisar. – Declarou o garoto antes de sair do carro e bater a porta atrás de si, adentrando o flat sem olhar para trás.

Sherlock estava o esperando sentado no primeiro degrau da escada de madeira e levantou-se num sobressalto assim que viu John entrar.  Sherlock fitou o capitão do time de rugby da cabeça aos pés brevemente e sorriu de canto.

- Oh.

- O quê? – Inquiriu John, claramente sem entender. Ele estava deixando de entender muitas coisas. O que os Holmes estavam fazendo com ele?

- Você sempre me surpreende, John. – Revelou o moreno, sorrindo de forma que Watson até se esqueceu do motivo de estar curioso. Os lábios rosados com o arco do cupido bem delineado deram espaço para dentes brilhantes e sutilmente desalinhados, fazendo com que o loiro ficasse sem ar. Era tão bom vê-lo sorrir. Era tão melhor ser o motivo daquele sorriso. Puxando o ar para dentro de seu peito, Holmes desmanchou aos poucos o semblante alegre de seu rosto e rumou para o topo da escada onde a porta que dava para a sala de estar se localizava.

Watson o seguiu e quando entrou no cômodo foi surpreendido pelo corpo de Sherlock pesando sobre o seu de uma maneira incrivelmente ágil, fechando a porta atrás de si e o prendendo sobre a superfície de madeira antiga. Os cabelos encaracolados caiam desajeitadamente sobre a testa do garoto, o nariz avermelhado destacando-se na pele pálida lembrava John do motivo de ele estar ali. Sherlock precisava de alguém cuidando dele e o código moral de Watson não iria permitir que ele se aproveitasse disso.

Os lábios rosados do moreno se abriram e fizeram seu caminho até os de John, que os aceitou com delicadeza e precisão, puxando o lábio inferior de Holmes com habilidade, fazendo-o arfar durante o beijo. As mãos compridas de Sherlock agora deslizavam sobre o peito de Watson, acariciando-o com desejo e fazendo o loiro notar qual era a intenção do jovem gênio.

- Sherlo – Tentou protestar antes de os lábios do moreno o atacar novamente. John colocou sua mão firmemente no tórax do detetive e o afastou, fazendo-o olhar com frustração para o loiro.

- O quê? – Inquiriu Sherlock, obviamente indignado com fim do beijo.

- Você está doente, Sherlock.

- Eu não vejo seu ponto, John. Pneumonia bacteriana não é contagiosa.

- Eu sei que não é.

- Então? – Gesticulou Sherlock, querendo prosseguir de onde haviam parado.

- Então... Você só vai ter o que quer quando estiver melhor. – Falou provocador, sorrindo maliciosamente. Mil ideias passavam pela cabeça de John naquele. Sherlock merecia aquilo, merecia aquela pequena tortura. Além de fazer bem a sua saúde, iria fazer muitíssimo bem ao ego de John ver o garoto necessitando por seus toques.

- Não. – Sorriu Holmes, desacreditando nas palavras do loiro quando um brilho de pura maldade passou por seus olhos e o aspirante a detetive soube que Watson não estava brincando – Você não pode fazer isso!

- Oh, eu posso... E eu vou, Sherlock. Se você se alimentar, me ajudar a cuidar de você e for um bom garoto talvez... – Refletiu, mordendo o lábio inferior – Talvez eu te recompense de alguma forma. – Sherlock inclinou a cabeça para o lado e analisou a face do loiro, sentindo seu corpo estremecer em antecipação. Oh. Ele iria gostar desse jogo.

- Como queira, John. – Sorriu maliciosamente, seguindo o corredor para seu quarto – Vou repousar conforme o médico solicitou. Caso minha presença seja requerida sabe onde me encontrar... Não precisa bater. – Falou em tom provocativo, dando uma piscadela antes de entrar em seu quarto.

Sherlock não sabia o que estava fazendo. Aquilo era óbvio. Ele nunca havia pensado na possibilidade de desejar alguém fisicamente antes, entretanto todas as partes de seu corpo pareciam o dominar, obrigando-o a falar, pensar e agir de forma incomum. Aquela também era a primeira vez em que ele se sentia completamente desejado. Não era a Sher sendo desejada por garotos virgens. Não era Sherlock, o gênio precoce, sendo desejado por seu intelecto. Era ele, Sherlock Holmes, sendo desejado inteiramente por John Watson. Pela primeira vez na vida o moreno se sentiu feliz sendo ele mesmo.

Quando John percebeu que Holmes iria mesmo repousar ele seguiu até a cozinha e antes de abrir a geladeira notou um papel contendo uma caligrafia extremamente elegante preso a um imã de cadeia carbônica. “Ele é difícil para comer vegetais, confio em seu poder de persuasão - – MH”. Watson franziu o cenho. Quando será que Mycroft deixou aquele bilhete ali? O loiro tentou ignorar a peculiaridade daquela família e abriu a geladeira em busca de algo que desse para cozinhar, afinal, Sherlock precisava comer.

Impressionantemente, dentro do eletrodoméstico havia diversidades de legumes e verduras, frutas e laticínios, carnes, peixes e até mesmo um vidro contendo mel. Sherlock adorava mel. As experiências em processo do jovem cientista agora se encontravam num canto da geladeira o qual não havia comida. John agradeceu Mycroft internamente por isso, já que da última vez que estivera ali a geladeira estava completamente vazia.

O tempo chuvoso e frio do outono e a pneumonia de Sherlock seriam imensamente gratos por uma sopa de legumes. John havia lido o aviso de Mycroft, entretanto ele sabia a maneira perfeita de fazer Sherlock comer legumes sem sequer precisar mastiga-los.

O loiro começou a lavar, descascar, cortar e colocar os ingredientes na panela com muita habilidade. Ele era bom na cozinha e todo mundo – pelo menos sua mãe e irmã – adorava quando ele resolvia se aventurar nesse mundo gastronômico.

Ele se sentia tão bem ali na Baker Street sabendo que Sherlock estava tão próximo. Era um conforto o qual ele nunca estivera acostumado. John amava sua mãe, mas era difícil permanecer no mesmo ambiente que ela por muito tempo. Era difícil se reprimir tanto. Talvez todo aquele receio de ser ele mesmo fosse devido à presença fantasma de seu pai naquela casa. Ele já havia partido, mas toda a repressão e medo ainda assombrava a família.

Watson tentou afastar seus pensamentos e focar no que estava fazendo. Ele queria impressionar Sherlock com sua comida. Queria que ele se sentisse melhor só de provar o tanto de amor que John estava colocando ali. Amor? O loiro chacoalhou a cabeça. Era cedo demais para pensar naquilo.

- Está pensando no que, John? – A voz grave de Sherlock soou de repente atrás de si, fazendo-o virar-se abruptamente em direção a ela.

- Desde quando está parado aí?! – Indagou surpreso.

- Quarenta e sete segundos e contando. – Sorriu Holmes, satisfeito por ser tão silencioso quando conveniente. O moreno entortou o pescoço e tentou enxergar o que John estava cortando em cima do balcão, quando seus olhos avistaram um pedaço de abóbora, sua face se contorceu – Eu não vou comer isso.

- Eu não me lembro de ter perguntado a você se iria. – Replicou como se Sherlock não tivesse escolha.

Holmes deslizou para perto de John vestido em uma calça fina de flanela e enrolado em seu roupão de seda azul. O loiro olhou diretamente para os pés do moreno, checando se estavam descalços, mas para seu orgulho eles estavam cobertos com uma pantufa azul-claro.

Sherlock entrou na frente de John, o impedindo de continuar a cortar as abóboras e o olhando com inocência. Watson bufou, mas não estava reclamando da proximidade do garoto, pelo contrário.

Os cotovelos de Holmes deslizaram até o balcão, nivelando os corpos dos dois garotos, que agora estavam do mesmo tamanho. John não deveria se deixar levar, mas quando o roupão azul deslizou pelo peito de Sherlock ele pôde ver a pele completamente nua e pálida convidando-o a se perder ali. Watson prendeu a respiração, mas quando o moreno subiu subitamente no balcão e suas pernas longas puxaram John para perto, entrelaçando-se em sua cintura e o prendendo ali, ele não sabia mais o que era respirar.

- O-o que você está fazendo? – Perguntou com dificuldade.

- É óbvio, John. Estou pegando minha recompensa. – Falou sedutor, cruzando os braços em sua nuca, levantando o quadril e fazendo com que John sentisse o volume que estava escondido dentro das calças de Sherlock em sua barriga, mandando sinais que fizeram seu membro pesar dentro de suas próprias calças.

- Recompensa? Pelo o quê?! Pelo amor de Deus, Sherlock! – John não ia prosseguir com isso. Não. Ele não podia. Sherlock estava doente e ele seria um perfeito cavalheiro com ele e cuidaria de sua enfermidade sem se aproveitar daquele corpo... Deslumbrante.

- Pelo repouso, claramente. – Sussurrou perto do ouvido de John, pegando seu lóbulo delicadamente com os dentes e deslizando-os sobre a pele macia e dourada, fazendo o garoto estremecer.

- Você ficou apenas vinte e cinco minutos no quarto. Como isso pode ser um repouso decente? – Tentou contestar sem mostrar interesse nas carícias do moreno.

- Eu preciso de um incentivo, John. – Expressou manhoso, esfregando seu rosto no do loiro com muito afeto.

- Está certo.

- Estou? – Inquiriu surpreso que Watson estava concordando com ele.

- Sim, está. – Sorriu de canto, usando suas duas mãos para segurar firmemente as pernas do moreno que estavam ao seu redor, elevando-o com facilidade e retirando-o de cima do balcão. Sherlock arfou em resposta ao ato inesperado e beijou John com voracidade. Era difícil ser um jovem de dezessete anos com pneumonia e hormônios à flor da pele.

Watson caminhou apressadamente até a sala e colocou Sherlock sentado no sofá, ficando inclinado em cima dele com seus lábios ainda conectados e ofegantes. John passou sua mão direita pelo maxilar do moreno, aprofundando o beijo, antes afastar-se, deixando o mais alto frustrado pela segunda vez em um pequeno intervalo de tempo.

- Eu vou terminar de preparar o jantar e você irá ficar repousando no sofá, como o médico sugeriu. – Disse com satisfação, caminhando de costas para a cozinha – Depois você irá comer e tomar seus antibióticos.

- Mas John! – Murmurou Sherlock, esticando-se no sofá sentindo o volume de sua calça o incomodar.

- Se você se alimentar direito talvez seja merecedor de uma recompensa, Sherlock. Esse é o acordo. – Encerrou John, entrando na cozinha e saindo da vista do garoto.

- Acordo estúpido! – Reclamou um pouco alto demais.

- Eu ouvi isso! – Gritou Watson da cozinha.

- Ótimo! – Gritou de volta, cruzando os braços, assemelhando-se a uma criança mimada.

Aquela seria uma semana torturante.


Notas Finais


Obrigada por acompanhar! Espero que tenham gostado e que se sintam à vontade para deixar suas impressões comigo.
Até semana que vem! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...