História Aluga-se um Namorado - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kabuto, Kakashi Hatake, Karin, Kizashi Haruno, Kushina Uzumaki, Mebuki Haruno, Mikoto Uchiha, Neji Hyuuga, Orochimaru, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shizune, Temari
Tags Desfile, Festa, Haruno Sakura, Hyuuga Hinata, Modelo, Naruto, Romance, Sasusaku, Top Model, Uchiha Sasuke, Uzumaki Naruto, Vingança
Exibições 191
Palavras 4.770
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa tarde, como estão passando nesse sábado?

Eu queria ter postado ontem, mas eu fique boa parte da tarde e da noite de sábado sem conexão então cá estamos.

Espero que gostem e uma boa leitura a todos;*

Capítulo 13 - Testes, Modelos & Rímel


— Você é um modelo! — o grito ecoou pelo local. A despeito das recomendações recebidas, todos pararam para ver o que estava acontecendo em cima do tablado montado no galpão de Orochimaru — Futuro astro de campanhas bilionárias — Sasuke respirou fundo, segurando a vontade de refutar. Ainda tinham os cochichos e olhares que o enervavam e não ajudavam em nada a sua concentração. Aquele homem não conseguia ver isso? —, fará adolescentes do mundo inteiro sonharem e desejarem ter você para elas. Então, por favor... postura! — esbravejou Hidan, um renomado treinador de New faces. Seu curso revelou ao mundo dez dos modelos mais requisitados do momento e mesmo aqueles que não tiveram o mesmo destaque, sempre foram elogiados nas desfiles por serem impecáveis em suas apresentações. Pois Hidan acreditava que a postura de um modelo na passarela era o seu cartão de apresentação, era uma arte a preservada e apreciada. Modelo que não caminhava, não tinha postura, não sabia dar as passadas de forma a parecer que flutuava enquanto caminhava não poderia ser considerado um modelo de verdade.

E foi por ele pensar assim que Orochimaru o chamou para a difícil missão de por Sasuke em forma. Para que tivesse uma chance de todos acreditarem que ele realmente já tinha desfilado antes. Além de Hidan ser um antigo amigo, companheiro de outros circuitos e ter prometido descrição total. Mas transformar Sasuke Uchiha em um modelo em menos de duas semanas era uma árdua tarefa, na verdade estava se mostrando quase impossível.

Hidan admitia que em um determinado momento chegou a achar que Sasuke tinha boas chances de ter êxito em tal empreitada que ele não aconselhava, mas nos últimos dias as coisas voltaram a desandar. O Uchiha que parecia quase maleável no começo do treinamento agora estava travado e não importava o quanto repetisse, refizesse, gritasse e exigisse ele não progredia mais, a impressão que tinha é que ele estava até mesmo retrogredindo.

— Uma pausa. Acho que todos estamos precisando de uma pausa. Ou eu vou acabar matando esse garoto — disse a última frase baixo, apenas para ele, afastando-se do palco montado e indo tomar um café.

Após o espetáculo, já comum entre os presentes, todos voltaram aos seus afazeres. Deixando Sasuke sozinho fitando o caminho a sua frente, com destreza Sakura pulou no tablado, se aproximando com um sorriso doce e um copo de suco de melancia. Ela sabia que não era o sabor que ele mais gostava, no entanto era o único que tinha e ele precisava se refrescar.

— Não liga para ele, Hidan é perfeccionista, mas você estava ótimo! — estendeu o copo que foi pego sem agradecimentos. Sasuke deu um gole fazendo uma careta mínima no processo, mas não reclamou. — Só tem que — umedeceu os lábios temerosa de que sua dica fosse mal interpretada — se soltar, sabe? Você tá caminhando muito rígido, solta os braços, tenta andar com fluidez. — Voltou a brinda-lo com um sorriso, tinha feito o possível para que suas palavras não soassem como crítica, mas Sasuke nem sequer se voltou para ela.

— Estou andando do maldito jeito que esse nazista quer. — Praticamente cuspiu as palavras o olhar fixo no ponto onde o treinador tinha desaparecido. — O que mais ele quer?

— Ah... — Sakura puxou uma mecha de cabelo e a enrolou entre os dedos nervosamente. — Sua passada esta fabulosa, quer dizer estava... — parou de falar ao sentir os olhos negros sobre si pela primeira vez desde que tinha se aproximado. — só que... você esta andando curvado e rígido como eu disse... só relaxar um pouco que tudo vai dar certo. — Sasuke suspirou e terminou o suco em um gole só, tentando por um fim naquela conversa desnecessária. Ele não era modelo e não queria ser, ela sabia disso. — Você não estava assim há dois dias. O que houve? — Você houve. Foi o que ele quis dizer, mas não disse. Devolveu o recipiente vazio para ela, dando-lhe as costas e voltando para o inicio da passarela.

Sakura suspirou, às vezes Sasuke tinha uns momentos de “estrelismo” piores que os dela. O mais bizarro era que ele nem ao menos notava isso. Deixou o copo no canto do tablado e correu para junto dele.

— Vamos lá. — Parou em frente a Sasuke com o mesmo sorriso de entusiasmo que dava quando falava daquela carreira que ele simplesmente não conseguia compreender, nem ver como maravilhosa. Porque para ele apenas lunáticos trabalhavam naquele ramo, ainda não tinha achado uma pessoa normal para socializar naquele antro.

— Tenho certeza que você consegue ser o melhor do país. Quem sabe até o melhor de todo o mundo. — Sakura o agarrou pelos ombros, sacudindo-o e fazendo com que ele a fitasse. Os olhos esverdeados brilhavam em uma intensidade pouco vista por ele, na verdade, sempre que os via daquela maneira, temia. Aquele era o olhar de mais uma ideia surgindo naquela cabecinha louca. — Nós dois juntos ganharíamos o mundo inteiro. Ninguém seria capaz de nos superar. Consegue enxergar isso? — O perigo morava nesse ponto, no sorriso caloroso, na voz ronronada ao falar de uma vida que eles não compartilhariam juntos. E ao dizer cada uma dessas palavras Sakura se aproximava mais e mais dele, a pergunta final foi um sussurro e ele pode sentir a respiração dela contra os seus lábios. Aquilo era demais. Desvencilhou-se das mãos dela, criando um espaço seguro entre eles.

— Não. Além do que isso vai acabar logo, lembra? Não estou treinando porque quero ser modelo, mas porque você está pagando para que eu finja ser. — Deu as costas a ela, fechando os olhos e respirando fundo, passando as mãos pela nuca — Não viaje, Sakura.

— Eu não me esqueci — respondeu amuada por ele não compartilhar de seu entusiasmo, cruzando os braços —, mas é uma ótima oportunidade, os contratos são reais. Se você quisesse poderíamos sim ser companheiros de profissão. — Com uma exclamação irritada e um sorriso sarcástico ele se afastou de novo e dessa vez ela não foi atrás.

Sasuke parecia estranhamente aborrecido essa amanhã e em todas as outras que tiveram durante essa longa semana. Desde aquela manhã no apart nada foi como antes. Ele até ligou para ela a noite e eles conversaram sobre suas histórias de dormir favoritas e saíram no dia seguinte como tinha ficado combinado, até esse aí as coisas estavam boas por assim dizer. Não foi mecânico como tinha sido o dia anterior e Sakura ficou pensando se ele a beijaria outra vez, mas ele não beijou ela quem acabou fazendo quando viu um fotógrafo e isso se repetiu nos três encontros seguintes e pronto, tudo desandou. O retrocesso não foi só no treino, mas na relação que eles estavam estabelecendo também.

As primeiras quatro aulas de Sasuke foram ótimas, no entanto quando as saídas deles mudaram refletiu nos treinos. O começo promissor era algo distante, bem distante. Agora só existia um homem emburrado e enraivecido com todas as lições ensinadas e com a maioria das pessoas a sua volta. Sakura já não sabia mais o que fazer para remediar essa situação.

O intervalo durou vinte minutos e após essa pausa o ensaio continuou por mais um tempo. Sakura se sentou bem na lateral da passarela improvisada, observando com atenção todas as facetas de Sasuke. Hidan gritava, esperneava, perdia a cabeça com ele, mais dois intervalos foram inseridos. A Haruno podia notar que o estresse não era um característica particular do professor, mas do aluno também.

Por fim, Orochimaru interveio, dando aquela sessão de treino como encerrada. Avisando a todos que o ensaio final ocorreria naquela. tarde no salão do hotel onde o desfile aconteceria e que já estava na hora deles irem para lá.

Hidan protestou, Orochimaru ignorou e Sakura suspirou. Sasuke não lidava bem com a presença de vários modelos, ele ficava irritado e arisco demais junto deles. Ela já estava vendo o fiasco que seria esse desfile, enviou uma mensagem para Shizune a informando de que elas teriam que fazer algo em agradecimento a Oro e para compensar esse desfile.

Sasuke desceu do palanque e começou a recolher suas coisas que estavam em uma cadeira próxima de onde Sakura estava sentada. Na mesma hora ela correu para perto dele, tocando em seu braço.

— Sasuke... — rapidamente seu toque foi repelido por ele.

— O que foi? — Sakura cruzou os braços, obrigando-se a manter o controle e não demonstrar o quão magoada tinha ficado com aquele pequeno movimento, ou melhor com tudo que vinha acontecendo entre eles. Ela já estava a ponto de explodir. — O que está havendo com você?

— Nada. — Terminou de guardar suas coisas e jogou a mochila nas costas. — Só não estou em um bom dia para suas gracinhas e frescuras. — O choque pela grosseria foi forte, Sakura permaneceu estática por um tempo enquanto o observava se afastar.

Durante todo esse período de treinamento ela foi a mais complacente e compreensiva possível. Sabia o quanto estavam exigindo dele e que de fato ele não tinha obrigação de estar ali então ela tentava não fazer cobranças e ser otimista e positiva com tudo. Ela trazia lanches de delicatessen, ela brigou com Orochimaru para não faze-lo entrar em uma dieta; ela levou suco para ele! Mimos e atenção que não daria para ninguém, que talvez ela nunca tenha dado, com a ressalva de Neji e olhe lá. Aceitou a falta de interesse e de respostas sem questionar, fechou os olhos para o descaso que ele estava tendo, mas tudo tem limite.

Quem ele pensava que era para trata-la dessa forma? Com quem ele achava que estava falando? Chega! Sakura Haruno já tinha sido muito complacente com aquele um. Parece que ela teria que relembra-lo que não era o tipo de pessoa que aturava desaforo. O seguiu e antes que ele se afastasse demais daquela área do estúdio de Oro, a Haruno o puxou para trás de um dos vários biombos que tinha por ali.

— Cansei! — esbravejou e continuou antes que ele tivesse tempo para protesta pelo puxão — Cansei dessa sua atitude ridícula e infantil. Das suas patadas, do seu descaso, da sua falta de interesse. O que eu fiz a você para está sendo tratada dessa maneira? — o fitou por um tempo buscando alguma resposta, qualquer coisa que explicasse aquele comportamento. Mas o Uchiha parecia uma estátua ilegível, nada passava por aqueles olhos negros a não ser irritação. — Há dias você mal olha para minha cara, me evita, não me cumprimenta direito e...

— E nas ruas? — questionou o rapaz mudando o foco da conversa, Sakura enrugou a testa sem compreender onde ele queria chegar. — Ando fazendo o meu “papel” errado nos restaurantes; quando vou te pegar; quando damos uma volta; quando você me arrasta para um shopping? Estou errando nesses quesitos também?

— Não está fazendo tão bem quanto acha!

— Estou fazendo o que devo fazer! — as palavras foram praticamente cuspidas em cima dela. Os lábios crisparam e ela se segurou para não começar a ataca-lo ali mesmo. — Estou cumprindo os nossos termos, cumprindo o papel que me cabe em toda essa sua história. Ninguém disse que eu precisava ser simpático.

Sasuke esperou por uma explosão, mas nada veio. A Haruno apenas o fitava, o estudava com atenção. Sasuke segurou a alça da mochila com força, a ajeitou sobre os ombros e voltou a caminhar, mas seu trajeto foi parado outra vez. Sakura se colocou a sua frente,  empurrou seu braço esquerdo, com o ombro dela, fazendo com que desse um passo para trás.

Não estava com paciência para aquele papo de: “vamos ser amigos, vamos nos abrir e nos conhecer”. Tudo que os envolvia tinha data de validade. Não tinha porque se apegar a alguém que o estava usando para o seu próprio lucro. Essa era a maneira saudável de lidar com o que ocorria entre eles. Esperava que Sakura entendesse logo.

— Se você quer se comportar dessa forma, então assim será. — O tom era calmo e impessoal. — Vamos tratar tudo como realmente é. Um grande negócio, não tenho problema com isso, até prefiro. — Sasuke ficou quieto, o tom de Sakura era perturbador, ela nunca tinha falado de maneira tão indiferente, nem mesmo naquela estranha noite em que se conheceram. — Primeiro é bom você lembrar que quem está pagando sou eu. — apontou para si, com um sorrisinho presunçoso brincando nos lábios  e Sasuke trincou o maxilar.

— Não discutimos valores...

— Não precisamos — o cortou dando de ombros, levando as mãos a cintura cheia de altivez — Eu garanto a você que vai ser mais dinheiro do que já viu em toda a sua vida. — Os olhos negros cerraram-se e as mãos se fecharam bem apertado, a ponto das juntas doerem. — Como eu estava dizendo, eu pago e você obedece as minhas ordens e a mais importante delas é que desempenhe o seu “papel” em tempo integral! Porque nós estamos rodeadas de pessoas que não são do estúdio do Orochimaru, funcionários de funcionários, terceirizados e etc. E todos, todos mesmo devem acreditar que nós somos um casal. — Sasuke fechou os olhos, ele podia quebrar os dentes de tão tenso que estava. — E caso você não tenha notado, não esta ajudando. Não está sendo o melhor namorado que o dinheiro pode comprar. Estou dando o meu melhor bancando a namorada legal e paciente, mas a próxima patada, a próxima gracinha eu acabo com você. — Sakura voltou a se aproximar perigosamente. — Se você não sabe aproveitar as oportunidades que estão se abrindo ou se não quer manter um relacionamento amigável comigo não me importa. Posso voltar às ameaças rapidamente e manter tudo sobre o controle do pior jeito possível. — A ameaça óbvia perdurou entre eles por alguns instantes até a Haruno se mover dando um passo para trás, jogou as longas madeixas claras por sobre os ombros e saiu. — Vamos embora porque eu já estou cansada de ficar aqui. – Ele a ouviu, mas não era com ele que ela falava.

Atordoado com o que acabou de acontecer deu um passo à frente e se deparou com a criatura bizarra que atualmente pagava de seu “criador” e pela expressão dele teve certeza que tinha escutado toda àquela estranha conversa.

— Sabe, ela está certa em muitos aspectos. — Orochimaru acendeu um cigarro dando uma tragada.

— Não consigo ver como...

— Pense nisso como um investimento. — Interrompeu o raciocínio de Sasuke, ofereceu cigarro a ele que recusou. — Meu desfile vai estar cheio de pessoas que vão querer contrata-lo para ser o garoto propaganda de seus produtos. Você pode achar esse mercado vazio, pode dizer que não vê um futuro nele. Não o julgo, acho um desperdício de beleza, mas a vida é sua. — Deu uma risadinha fitando o corpo de Sasuke que apenas revirou os olhos. — No entanto eles pagam e pagam muito bem. O que lhe custa fazer seu trabalho direito e sair dessa brincadeira toda com dinheiro suficiente para mudar sua vida e a da sua família? Não custa nada. Sakura está te dando de mão beijada uma chance de ouro. Ou você acha que todo mundo nesse ramo começou como você tá começando e ganhando o que você está ganhando? Não mesmo, ralam muito mais do que você pensa. — Orochimaru deu uma risada jogando fumaça na direção dele — Não desperdice esse momento por estar em conflito interno com os seus sentimentos. — Sasuke chegou a abrir a boca para protestar, mas Oro piscou seus longos cílios negros. — Por favor, eu não nasci ontem. Observei vocês o tempo todo deste seu árduo treinamento. — Sasuke suspirou, pressionando os lábios em uma linha severa, tinha sido pego desprevenido. Nem imaginava que tinha algo óbvio em seu comportamento. — E mesmo esse seu conflito é ridículo, você fingi namorar com ela; que outra oportunidade para despertar algo em Sakura você espera? Mas não se preocupe, não espalharei seu segredinho... — com seu melhor sorriso cúmplice Orochimaru ae afastou, seguindo o seu caminho e dando ordens para todos os funcionários que passavam por ali.

A viagem até o local do desfile não havia sido feita em carros pessoais e sim em grandes vans contratadas. Sasuke e Sakura fizeram a viagem em carros separados para desagrado do Uchiha.

Apesar de tudo a conversa com o Orochimaru serviu para algo e até mesmo o esporro de Sakura, ele não queria que as coisas fossem daquela forma. Estavam boas como era, perigosamente boas, antes de entrarem nos veículos ele até tentou ir no mesmo que a Haruno, mas Shizune o impediu e Hidan o carregou para a van que iria com o pretexto de lhe dar diversas dicas durante o caminho, porém ele tinha certeza que eles também tinham escutado a conversa e não desejavam uma briga que poderia desestabiliza-los.

Sasuke viajou não só com Hidan, mas Orochimaru também estava na mesma van. Falaram o tempo todo de como ele deveria agir, falar, andar, talvez até pensar. Sua mente não conseguia assimilar metade das palavras que eles diziam, só pensar no quão tudo aquilo estava mexendo com ele.

Quando colocou os pés na calçada do Hotel pode notar a proporção que sua discussão com Sakura tinha tomado. As pessoas não tinham ouvido, mas todas tinham sentido o clima e do tempo que o trajeto levou a história já tinha se alastrado pelos funcionários, com sorte eles não cogitaram farsa, mas uma briga feia de casal.

(...)

— Temari, por favor — esbravejou Tayuya, a assistente de bastidor. Aparecendo pela terceira vez no vão entre o camarim e a entrada para a passarela. Fitava a jovem que parecia mais preocupada em analisar todas as sombras que tinham na palheta a sua frente —, não vou chama-la outra vez. Vai já para o início da passarela. — E sumiu pelo mesmo vão que tinha parecido.

Temari, a garota em questão, não moveu um centímetro se quer e nem pareceu se importar com o que a outra dizia. Permaneceu sentada sobre uma das cadeiras em frente aos espelhos falando com Katsuyu sobre como queria que sua sombra reluzisse. A impressão que dava era que nem ao menos tinha ouvido Tayuya.

Sakura apenas observou de longe toda a cena, conhecia Temari, normalmente teria ido até lá para comentar como todos pareciam pilhados, e que os assistentes de Orochimaru estavam a ponto de ter um infarto fulminante, teria tido bastante e quem sabe tomado alguma coisa. No entanto Sasuke estava na cadeira ao lado dela, um pouco desconfortável com a presença da Sabaku e com as mãos que amassavam o seu cabelo para ver se eles ficavam alinhados.

Com toda a certeza ela não queria ficar perto dele. O Uchiha não merecia sua atenção depois de seu comportamento ridiculamente infantil. O mais engraçado é que o crédito para infantilidade e ataque de histeria sempre coube a ela, realmente sua influência não deveria ser das melhores se até mesmo o certinho Sasuke Uchiha passava a fazer cena depois do tempo que passaram juntos. Sakura deveria começar a se desculpar com as pessoas porque era enervante ter que aguentar isso.

Sasuke desistiu de tentar desviar das mãos que buscavam controlar o volume de seus cabelos. Sabia que todo aquele esforço de nada adiantaria, não tinha como domar seu cabelo. Ele tinha avisado, mas não foi ouvido então deixou para lá. Tentou não se incomodar com os puxões e relaxar, logo aquilo acabaria. Pegou um hidrante sobre a bancada e ficou rolando a embalagem entre os dedos, volta e meia sua atenção caia no canto em que Sakura estava só para observa-la, mas logo sua cabeça era virada para frente e sacudida, a cabeleireira até tinha desistido de manda-lo ficar parado.

— Então... — ouviu uma voz rouca ao seu lado. Espantou-se, não imaginou que a tal da Temari fosse falar com ele, olhou para cima e moveu a cabeça minimamente para o lado.

Ela usava uma longa saia preta que começava acima de sua cintura e ia até os pés, em cima um cropped florido, que o vermelho sangue se destacava. A saia tinha uma fenda profunda na lateral direita deixando em evidência a perna torneada e bronzeada. Os cabelos loiro escuro estavam encaracolados e uma flor vermelha encaixava-se atrás de sua orelha direita.  fitava Sasuke com um ar risonho. Ele era mais bonito pessoalmente do que parecia pelas fotos, o que era um absurdo porque ele já parecia lindo na campanha que viu.

— Você é o brinquedo? O novo brinquedo? — Um risadinha baixa saiu por entre os lábios b marcados com um batom vinho.

— O que? — Sasuke virou a cabeça de vez sem compreender o que ela queria dizer com aquele comentário. — Brinquedo? Do que está falando?

— É, exatamente isso que ouviu. — Sorriu ao ver a cabeça dele sendo virada displicentemente pela cabeleireira, pegou uma sombra cremosa, mas foi arrancado de sua mão por Katsuyu, fez uma careta, mas não protestou — O brinquedinho de Sakura e do Orochimaru. Ela, com o seu adorável coração partido, está usando você e ele, bem... — voltou a sorrir e retocou o batom enquanto a maquiadora a ajeitava na cadeira para fazer o delineado dos olhos. — Ele está promovendo você, não? — seus olhos verde escuro, o fitaram cheio de uma sugestão maliciosa. Sasuke a ignorou. — Vejo que então eu acertei.

— Não! Não acertou. — A irritação de Sasuke era palpável e a Sabaku gostou disso. Adorava homens de temperamento forte. — Não sou o brinquedo de ninguém. Muito menos estou nas mãos deles. — Afastou a mão que tentava pegar em sua cabeça novamente. — Orochimaru está me promovendo de forma profissional, sem nada por trás. Consegue compreender isso? — A resposta fez com que ela sorrisse. — E quanto a Sakura... — fitou a Haruno por cima do ombro de Temari, Sakura pegava um dos conjuntos que lhe foi oferecido e seguia para trás de um dos biombos. — Nós... namoramos, não sou o brinquedo dela. — Temari deu de ombros, levantando-se quando Katsuyu a liberou

— Eu conheço a Sakura de uma forma ou de outra você é o brinquedo dela. — Já de pé Katsuyu retocou alguns dos cachos dela. — Só cuidado para não ser largado caso Neji, o “bofe de ouro”, apareça por aqui, ou melhor se ela não te largar me procura. — Voltou a sorrir e deu-lhe as costas sumindo pela entrada que Tayuya tinha aparecido para chama-la.

Sasuke levou uma das mãos as têmporas, massageando-as. A cabeleireira havia desistido de amansar sua juba e de lidar com o seu temperamento, apenas fez o possível para manter a bagunça de uma forma harmoniosa.

Ouviu um grito do outro lado do camarim, seguido de muitas lamentações que o fizeram girar alarmado na cadeira. Era apenas uma das modelos dando um “piti” básico, enquanto era amparada por mais duas pessoas e uma terceira ouvia tudo de cabeça abaixada.

Tentou manter sua mente ocupada e longe dos berros estridentes que ela dava. Mas a cada novo som, mais sua irritação aumentava, iria enlouquecer. Ouviu uma risada baixa e sarcástica ao seu lado, quando se virou um ruivo tinha se sentado, ocupava-se em fitar os próprios olhos no reflexo do espelho e mexer dentro de uma das caixas que os maquiadores haviam deixados na bancada.

— Dá para aguentar isso? — disse virando-se para o Uchiha, antes de voltar a procurar algo dentro da caixa. — Essas garotas são um saco. Surtam por qualquer inutilidade. Alguém deveria dar uma boa dose de realidade é menos egocentrismo a elas.

Sasuke aquiesceu animado, finalmente tinha encontrado alguém sã nesse circo de horrores. Ajeitou-se na cadeira, desde que havia sentado ninguém tinha parado ao seu lado esquerdo, apenas Temari do lado direito que já estava quando ele chegou.

— Nem fala, estou aqui pensando se alguém não poderia meter uma bala na minha cabeça para que eu pare de ouvir essas baboseiras. — O ruivo sorriu e concordou com um aceno e Sasuke ficou contente pelo companheiro que tinha arranjado alguém que até poderia ter um apego muito grande por seu rosto, mas isso era aceitável.

— Acostume-se, todos são assim por aqui. — Disse fazendo uma pequena careta ao retirar um frasco preto da maleta. — Vazios e superficiais. Só servem para dar uns pegas e depois descartar, porque se não você vai estar conversando sobre dieta dos sucos e o mal que bronzeamento artificial faz. — Sasuke se virou para o outro lado, buscando Sakura com o olhar, mas ela ainda estava atrás do biombo. — A dica é ignorar mesmo. Leia, se exercite, medite. Se não você enlouquece.

— Qual seu nome?

— Gaara. — Sorriu, aprumando-se na poltrona ao pronunciar o próprio nome. — E o seu, meu chapa?

— Sasuke. — Ao ouvir o nome Gaara parou e em seguida deu uma risada baixa e voltou a sua tarefa.

— Não precisa de minhas dicas, você namora a Rainha do Hospício. — Era bastante esquisita a sensação de que todos pareciam saber sobre sua vida, esquisito demais. Sasuke nada disse, apenas voltou sua atenção para frente. Contente de ter feito uma nova amizade, Gaara parecia a pessoa mais lúcida daquele lugar.

Notou quando ele pareceu encontrar o que procurava. O que era aquilo? Delineador, rímel? Não fazia diferença, apesar de legal, era um modelo, tinha suas esquisitices, mas não tinha problema com isso.

Fechou os olhos tentando relaxar, mas o som de algo batendo forte sobre uma bancada o perturbou. Ao procurar o culpado deparou-se com Gaara de pé, tacando o apetrecho que tinha pegado na maleta no chão, o semblante fechado totalmente diferente de segundos atrás.

— Que merda é essa? Vocês estão de sacanagem comigo? — Gaara fitava os maquiadores que pareciam trêmulos perante o ataque de fúria. — Eu disse diversas vezes que só passo uma marca no meu rosto e vocês compram essa porcaria de farmácia. Estão achando que eu sou o que? Um modelete qualquer? Eu tenho exigências e as quero cumpridas. — Todos pararam para observar a cena e Sasuke estava pasmo. — Porra, cadê o Kabuto para resolveu essa situação? — um dos assistentes o respondeu, mas Sasuke não pode compreender. O coitado gaguejava mais que tudo, mas tinha certeza de ter ouvido algo semelhante a "prova". — Eu não quero saber se isso é a porra de um teste para o grande dia! Não vou entrar naquela passarela com uma maquiagem de quinta, digna de uma puta de esquina.

E o escândalo persistiu, pior do que o da modelo do outro lado do camarim e Sasuke se afundou na cadeira onde estava querendo sumir daquele lugar. Quando ia se levantar e sair correndo uma mão tocou seu ombro, se virou e era Shizune, a assistente de Sakura.

— Venha, Hidan e Orochimaru falaram que você deve entrar agora. — Ele levantou passando por Gaara sem fita-lo.

Começou a caminhar junto a interseção que era a entrada para a passarela, a sua frente estava a Haruno, posicionada para entrar. Estava linda, sabia que aquela não era a produção final, e sim uma versão teste, mas aos seus olhos ela já estava perfeita. Sakura era realmente muito bela, agora entendia porque Naruto babava em cima de todas aquelas revistas, não era só photoshop como ele costumava dizer ao amigo.

Tomou a posição central quando ela começou a desfilar, dando cada passada com segurança e graça, deu a volta com elegância, retornou sorrindo. Alguém tinha dito algo a ela no meio do percurso que a fez segurar uma gargalhar, fazendo com que que as bochechas se tornassem rubras. Ele queria ter falado alguma coisa quando ela entrou, mas não teve tempo, logo foi empurrado por Tayuya e Sakura passou ao seu lado como se nem mesmo o enxergasse ali.


Notas Finais


E aí???? Espero que tenham dado boas risadas com o Gaara, o surto dele é um dos meus favoritos.
Todos preparados para o desfile? É só o ensaio, mas o Sasuke tá uma pilha. Sakura ainda não percebeu o que o incomoda e eles ficam nesse io-io de bem e mal, mas uma hora vai mudar.

Não deixem de me dizer o que acharam e até a próxima;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...