História Alvo S. Potter - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Alvo Potter, Grifinória, Nova Geração, Scorose, Sonserina, Terceira Geração
Exibições 49
Palavras 3.270
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu, particularmente, não gostei desse capitulo, acho que eu tornei o Kaleb um personagem chato e rancoroso e, talvez eu reescreva esse capitulo.

Muito obrigado pelos favoritos e até lá em baixo!

Capítulo 3 - Capitulo 3 - Conflitos


– Nossa, ainda bem que ele disfarça o favoritismo pelo Alvo! – Josh falou assim que saiamos da aula de poções e iamos para a aula de voo que aconteceria em 15 min.

– Né? – Roy falou e começou a fazer uma imitação do professor Horácio Slughorn – “Ah senhor Potter, seus pais eram brilhantes! Nunca vi alguém usar um feitiço para rebater bicho–papão melhor do que sua mãe...”

Os meninos riam da imitação e eu tentava argumentar que não tinha favoritismo algum, mas aí eles começavam a imitar o professor e eu acabava perdendo a fala, pois sinceramente não tem jeito de eu não falar que ele não puxou o meu saco por que eu sou filho do “Grande Harry Potter” e neto da “incrível preparadora de poções Lily Evans”. Sinceramente, eu acho que ele tinha um “crush” pela minha avó pelo tanto que ele a elogiou.

– Acho que eu nunca vi alguém pagar tanto pau para uma pessoa – Scorpius falou baixo e os meninos concordaram com ele – Bem, com exceção das garotas do fã clube de vocês dois – Ele fala apontando para Roy e Kaleb que negaram, mas nós começamos a discutir com eles até o campo, onde seria dada a aula de voo.

Apesar de eu só os conhecer por dois dias eu sentia que podia confiar inteiramente neles, sabe, sei lá, ás vezes o chapéu não mentia quando falava que seria na Sonserina que você acharia seus verdadeiros amigos.

Nesses dois dias eu pude, com meus próprios olhos, ver como minha família estava enganada com um monte de coisas. Os Sonserinos não eram maus igual sempre me falaram e também não era cada um por si e o melhor vença. Na realidade, eles são bem unidos, ou melhor, nós somos bem unidos, gostamos de ver nossa casa sendo privilegiada e elogiada, e pelo que eu vi eles não poupam esforços se querem ajudar ou ser melhor.

Agora, o que, sem dúvidas, mais me surpreendeu foi o jeito de Scorpius Malfoy. Sinceramente no dia em que conheci ele no Expresso de Hogwarts eu imaginava que ele seria uma espécie de monstro devido ao tanto que tio Rony falava sobre a família dele e sobre todos aqueles boatos que circulam ao redor dele, sobre ele ser filho de...esquece, melhor nem comentar.

Na verdade, Scorpius é uma das pessoas mais gentis que eu já conheci e também ele é extremamente apaixonado, no sentido de que quando ele gosta de uma coisa você pode ver o brilho no olhar dele falando sobre ela ou então descrevendo alguma coisa que goste. Ele definitivamente não é nem um pouco malvado, mas consegue ser frio quando quer, parece ser vingativo e é muito determinado.

– O que você acha, Alvo? – Josh perguntou, mas só prestei atenção quando Roy estralou os dedos na minha frente e disse:

– Planeta para Alvo. Alguém na escuta?

– Foi mal, o que perguntaram? – Eu digo meio envergonhado, o que fez com que Kaleb e Josh bufassem decepcionados por eu não dar a opinião final sobre o assunto de quem se esborracharia primeiro na aula, um Lufano ou uma Grifina, que pelo que eu sei é parente do professor Longbotton.

- Cara, você está boiando mais do que ontem nas aulas do professor aulas do professor McCurty – Josh fala e, Roy, Kaleb e Scorp concordam, e Roy fala:

- É mesmo! Cara, você ficou olhando para o teto, brincando com a pena e você até tinha arrumado uma bolinha e ficou tacando ela para cima.

- Eu estava com uma bolinha? – Eu pergunto surpreso e Kaleb bateu a mão na cabeça, Scor e Josh riram e, Roy falou:

- Serio que você não percebeu? Você fez uma bolinha com papel e depois transfigurou ela numa bolinha tipo o pomo de ouro.

Eu rio e falo:

- Pior que eu nem tinha reparado, as vezes eu só sou ruim em transfiguração não criativa, talvez quando é para criar alguma coisa eu seja bom.

- Vai saber, você é muito confuso para o meu gosto – Josh falou arrumando os óculos quadrados.

- Diz Josh, o cara que em um momento está super de bem com a vida, distribuindo flores e cantando músicas de alegria e amor e, no outro está destruindo e massacrando as pessoas com o sarcasmo – Eu rebato e os meninos fazem um barulho do tipo: Wow!

- Não posso negar isso, afinal, sarcasmo é a perfeição universal! – Ele falou e Roy concordou, já eu e os outros rimos e reviramos os olhos com a frase.

- Agora, voltando para o assunto importante – Kaleb fala atraindo nossa atenção – Quem vai cair primeiro na aula de voo?

Nós paramos para pensar um pouco e Roy logo levanta a cabeça com um sorriso no rosto, dizendo:

- Já sei!

- Quem? – Eu pergunto, já esperando ele falar qual a brincadeira da vez

- Tem um cara muito trouxa da Sonserina que eu tenho certeza que ele vai cair. Ele é mais ou menos da altura do Kaleb, tem cabelos cacheados, olhos azuis e se chama Kaleb. Alguém se arrisca a dizer sobre quem eu estou falando? – Roy fala e recebe uma encarada mortal de Kaleb, Josh e eu já estávamos rindo e, por fim, Scorpius disse com visível sarcasmo:

- Se chama Kaleb, certo? Tem mais ou menos a altura do Key, cabelos cacheados e olhos azuis. Seria aquele idiota do Kaleb Beckett?

- Não é que é! Poxa, odeio aquele cara, ele é muito chato e metido. Acho ele muito sem graça. Pior ainda só aquele tal de Roy Coleman, nossa aquele cara é insuportável! – Roy falou fazendo todos nós rirmos.

Sinceramente, Roy e Kaleb arrumam tanta criatividade na hora de fazer brincadeiras que até me surpreende. Minha família fala que eu sou antissocial por que eu não acho graça das piadas da família, com exceção das do tio Jorge.

Assim que chegamos na área que iriamos ter a aula nos posicionamos um ao lado do outro e assim que Rose me vê ela faz um sinal para eu ir falar com ela e os meninos me encaram, bem quase todos, já que Scorp se encontrava encarando minha prima de forma abobalhada.

– Vai lá, cara. Não vamos te odiar por você ir falar com sua família. – Kaleb fala e Roy concorda e acrescenta cochichando com Josh algo do tipo: “Mesmo que eles sejam Grifinórios”, e vejo que Josh concorda.

Eu vou na direção da minha prima e suas amigas, que inclusive a Longbotton estava com ela, e assim que chego perto minha prima praticamente voa em meu pescoço e me abraça falando:

– Sinto muito, sinto muito mesmo – Ela fala enquanto me abraça e eu levo um tempo para entender que ela se referia ao fato de eu ter ido para a Sonserina e quando percebo isso eu a afasto.

– Como assim? – Eu pergunto e ela abre a boca para falar alguma coisa, mas eu a impeço – Eu não estou triste por estar na Sonserina – Infelizmente eu falo isso um pouco mais alto do que eu gostaria e atraio a atenção dos outros alunos

– Alvo! Você está na...naquela casa– Rose fala dá um ênfase na palavra casa, como se dissesse com desgosto ou a palavra a machucasse.

– Pode falar Sonserina, não é um palavrão! E sabe de uma coisa, estou me sentindo melhor na Sonserina do que me senti com toda a nossa família durante minha vida inteira. – Eu falo nervoso por dentro, mas sai de forma fria por fora – Sabe, não é a casa que faz o bruxo, Rose. Mas sim o bruxo que faz a casa, e você falar assim da minha casa só me faz ver o quão melhor é eu estar na Sonserina do que com voc....– Eu falo praticamente explodindo e os Sonserinos e os Corvinos fazem um coro do tipo “Wow”, mas sou interrompido pela madame Hooch que fala:

– Por que não estão em seus lugares? Menos cinco pontos para a Sonserina e para a Grifinória! – A professora fala, mas pela primeira vez a Sonserina parecia estar feliz em perder pontos e muitos dos Sonserinos que antes me olhavam com um olhar torto pareciam me olhar de maneira diferente.

Eu volto para meu lugar e Roy e Josh me dão tapinhas nas costas, como se tivessem gostado de ter me visto daquele jeito, Scor parecia incomodado e, Kaleb estava indiferente.

A professora mandou que nós ficarmos do lado de nossas vassouras, estendêssemos nossa mão direita e disséssemos “Suba”.

– Suba – Todos os alunos falavam, mas poucos realmente conseguiram fazer com que ela subisse, felizmente eu, Roy e, para deixar bem claro, Roy foi o primeiro a conseguir, depois eu e por último (de nós três) o Kaleb. Kaleb olhava incrédulo para a vassoura, afinal ele estava certo que conseguiria antes de Roy e, parecia ainda mais preocupado porque o capitão da Sonserina estava observando ele, aparentemente, desapontado.

Por mim isso só comprova a minha tese, filhos não necessariamente são iguais aos pais, por exemplo: eu sou diferente dos meus; Roy é filho de um cara gordo e nada atlético e é extremamente atlético; Kaleb é filho de um dos mais renomados jogadores do nosso século e não conseguiu levantar a vassoura de primeira; Scorpius é praticamente o contra do pai dele; E, Josh é uma exceção do grupo, já que ele é idêntico ao irmão mais velho, que é idêntico ao pai.

Para a felicidade da professora e para a tristeza dos meninos ninguém caiu durante a aula, o que fez com que Kaleb desse um galeão para Roy que tinha apostado que ninguém machucaria.

Para a minha sorte nenhum dos meninos comentou sobre a discussão, porém eu sentia dentro de mim que eu tinha feito algo ruim, mas eu não tinha. Não tinha feito nada de errado, simplesmente havia dito a verdade! Só falei o que era verdade, nunca me senti bem sendo a sombra de James, ou, o filho de Harry Potter, ou, o filho daquela artilheira das Harpias. E assim prossegue a lista de momentos em que eu fico sendo a sombra.

Mas, isso não irá mais acontecer. Sabe por que? Por que eu cansei, cansei de tudo. Cansei de ser sempre o que vai atrás de Rose mesmo não tendo feito nada de errado. Cansei de ter que suportar as piadas de James e os meus familiares o protegerem. Cansei! O caminho para o almoço foi silencioso e ninguém se aproximou da gente, o que eu sinceramente gostei. Não queria que ninguém ficasse falando na minha cabeça que o que eu tinha falado estava errado e etc.

Durante o almoço, logo depois da aula de voo, Roy conversava com Scorp sobre a pesquisa sobre bezoar que o professor Slughorn havia passado e, ora tentava convencer uma menina a fazer a tarefa dele e, Josh mexia em algum dos produtos do meu tio Jorge enquanto comia silenciosamente. Já eu estava recebendo encaradas nada discretas da mesa da Grifinória.

- Cara, se olhares matassem eu já estaria morto - Eu falo olhando para o meu prato de comida que ainda estava intocado.

- O trio fantástico também estaria, por causa dos professores – Scorpius falou apontando para Josh, Kaleb e Roy, mas só Josh e Roy que riram.

- Fala da gente não, você também estaria. – Josh fala se referindo aos olhares tortos que Scorpius atraia de toda a escola quando passava pelos corredores.

- Ih, Alvo, se anima ai cara. Sua depressão está contagiando o Kaleb – Roy fala brincando com o fato de que desde que saímos da aula de voo Kaleb não tinha falado nada e nem feito nenhuma brincadeira, o que era de se estranhar.

- Ei, Key, você está bem, cara? – Scor pergunta colocando a mão no ombro do amigo que suspirou e falou:

- Não acredito que eu fui tão mal assim na aula de voo. O Dough falou que é melhor eu esperar até ano que vem para fazer o teste para entrar no time.

Roy fez uma cara que eu nem consigo descrever, como se fosse alguém tentando disfarçar uma cara de “ferrou” com uma cara de surpresa, se estivéssemos em outra situação e meu humor estivesse melhor eu teria rido. Josh por outro lado já estava mais quieto, provavelmente por que ele achava esse negócio de ficar assim por causa de um time uma besteira e, para não soltar um comentário ácido se calou. Scorpius falou algumas coisas que eu não consegui ouvir, então só ignorei.

Roy me olhou com a cara de “faz alguma coisa” e eu falei a primeira coisa que veio na minha mente:

- Sabe, nunca tinha pensado em você como um jogador de quadribol, ma...

Todos olharam para mim com os olhos arregalados e Roy bateu a mão em seu rosto, o que fez com que eu perdesse a fala e, Josh logo soltou:

- E depois eu que sou o insensível – Joshua murmurou alto o suficiente para que todos nós ouvíssemos.

- Não, vocês não entenderam. Eu vejo ele como alguém que gosta de falar de quadribol, tipo um...um...um locutor, não como um jogador. Às vezes eu acho que você é melhor na fala e, você é engraçado, seria legal ter você narrando os jogos. – Eu termino de falar e os meninos concordam comigo e, então a cabeça de Kaleb se levanta e ele fala olhando para Roy:

- Você vai tentar a vaga?

Roy parecia ser jeito, mas respondeu:

- Acho que sim, talvez. Sei lá.

- Deveria tentar, pelo menos assim a Sonserina vai ter um artilheiro que preste – Kaleb falou de forma meio vazia, mas abriu um leve sorriso de canto antes de sair do salão principal alegando que iria escrever para seu pai.

- Cara, nunca vi ele tão para baixo – Roy falou passando a mão em seus cabelos

- Pois é, as vezes as pessoas tinham muita expectativa de ser igual ao pai, e agora ele está decepcionado consigo mesmo e agora o povo fica comentando. – Eu falo e soa quase como um desabafo.

- Você está falando para ele ou para você mesmo? – Josh fala e eu não consegui identificar o tom que ele falava, mas consigo ver uma pitada de ironia presente e, ao ver nossas encaradas ele fala estendendo as mãos em rendição:

- Só para saber mesmo

- Você está decepcionado por ser você mesmo em vez de uma cópia do seu pai? – Scorpius falou de forma duvidosa e Roy o apoiou.

- Não, é só que.... Sei lá, as vezes as coisas estariam sendo melhores se eu estivesse na Grifinória, mesmo que eu não tivesse amigos como vocês.

Um silencio se instala até que Roy resolve quebrá-lo dizendo:

- Tá, essa foi a conversa mais depressiva que eu tive desde que eu nasci, então bora botar um sorriso nesses rostos e aceitar os ocorridos e vamos voltar para o salão comunal que eu estou necessitando de um banho. – Ele fala com um sorriso no rosto e eu rio por dentro.

- Muito inspirador, muito inspirador – Josh falou batendo palmas e se levantando.

Nós saímos do salão comunal e eu estava andando olhando para o chão quando de repente...Pá! Eu esbarro numa menina que também usava roupas da Sonserina e tinha todos os seus livros e anotações espalhados pelo chão do corredor, e vi que ela falou algo do tipo “Merda! ”, mas não consegui ouvir direito. Roy acabou não aguentando e começou a rir, já Scorpius começou a catar as folhas e Josh simplesmente falou:

- Oi priminha querida!

- Cale a boca e faça algo de útil, Thorne! Já falei que não quero ser associada a você – A menina fala, mas percebo uma pitada de ironia em sua fala o que faz com que Josh ria e comece a nos ajudar a pegar as coisas.

- Qual é Bea, eu sei que você me ama – Josh fala ainda rindo divertido e a menina não aguentou e acabou soltando um sorriso e, aí, eu reconheci ela. Ela era a mesma menina com quem Josh estava sentado ontem, a tal de Beatriz.

Eu termino de pegar os livros dela e Josh e Scor me entregam as folhas que estavam no chão e eu entrego para ela dizendo:

- Desculpa, eu não estava prestando atenção e....aí você sabe né? – Eu falei e percebi que ela estava brava e provavelmente estava se segurando para não me dar uma má resposta, mas assim que ela me olha ela simplesmente fala:

- Tudo bem, eu também estava distraída

- O que?! – Josh falou e a olhou com uma cara de dúvida – Quem é você e o que fez com minha priminha Beatriz Argent Lahey?! Por que minha prima mataria quem trombasse nela e desse uma desculpa tão trouxa assim.

Roy riu, eu ri, Scorp riu e todos os outros que prestaram atenção riram e eu ri ainda mais quando ela o mandou calar a boca e saiu andando e ele, obviamente, a seguiu e continuou com o seu interrogatório.

- Poxa! Já vou perder mais um amigo. – Roy falou e eu o encaro confuso – Já basta o Scorp com a Rose, agora eu também tenho você e a prima do Josh.

- Como assim?! – Eu pergunto enquanto descíamos as escadas,

- Você estava quase pior que o Scor quando ele vê a Rose – Roy fala rindo e Scorp fala alto:

- Ei!

- Isso não é.... - Eu começo, mas sou interrompido por Roy que fala:

- Nem tente negar o inegável!

- Pense o que quiser, a mente é sua. Não é problema meu se você pensa idiotices ou não – Eu falo e Scorp ri.

Quando chegamos no dormitório Roy ainda discutia comigo e Scorpius simplesmente ria e por vezes concordava com um de nós, mas todos nós paramos ao ver Kaleb, mas felizmente Roy quebrou o silencio falando:

- Eai? Como foi com o seu pai?

- Ele te desejou boa sorte – Kaleb fala friamente enquanto jogava a imitação de goles para cima e depois a pegava e jogava novamente.

- O que ele falou? – Roy falou se aproximando enquanto eu e Scor nos sentamos em uma cama mais afastada dos dois, mas ouvíamos atentamente tudo que eles falavam.

- Nada. Mas, sabe quando você sente a decepção da pessoa sobre você? É tipo isso.

Roy passa a mão no cabelo os despenteando e fala sem jeito:

- Você pode tentar entrar ano que vem, afinal ele não te proibiu de fazer os testes, só falou que seria melhor esperar.

- Que seja, não pretendo mais fazer isso. – Key fala se levantando e logo pergunta a nós:

- Vou dar uma volta, querem vir?

- Claro – Eu e Scor falamos em uníssono e, logo depois deixamos Roy sozinho na sala, mas pude ouvir ele se queixar dizendo:

- A culpa é sempre do Roy Coleman!

Nós demos uma volta em Hogwarts, paramos quando encontramos Josh e dois gêmeos conversando, acho que os nomes são Lysander e Lorcan. Nós ficamos lá conversando com eles por algum tempo até que estava próxima a hora do jantar e nós descemos ao salão para nos arrumarmos e no meio do caminho vimos Roy, Dough e outros meninos mais velhos conversando, o que eu percebi que deixou Kaleb com raiva.

No jantar nós nos sentamos juntos, mas Key parecia estar com raiva de Roy que tentava sem sucesso puxar assunto com o primo de consideração. Sim, os dois não são primos, mas como os pais são muito próximos acabaram por se intitularem de primos. Josh assim como eu e Scor ficou totalmente deslocado, então ignorou os dois e começou a conversar comigo e Scorpius.


Notas Finais


Explicação: Na minha visão Kaleb ficou frustado porque está acostumado a ser o melhor e, quando viu que Roy e Alvo o superaram em coisas que ele se julgava bom ele ficou bravo. E também entra a questão da família que contava com que ele entra-se na equipe em seu primeiro ano e com a expectativa de que o filho de um grande jogador de quadribol tinha que ser tão bom quanto os outros.
Aí, ele descontou a raiva em Roy que atraiu a atenção do capitão do time de quadribol da Sonserina e, que antes da aula tinha brincado que Kaleb não iria conseguir.

Deixem aí embaixo o que vocês acharam e se eu tenho que reescrever;
Valeu!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...