História Always Babygirl - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin, Jungkook, Rap Monster, V
Tags Imagine Com Jungkook
Exibições 134
Palavras 5.491
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI GALERA, tudo bom?
Voltei com mais 1 cap o/
E aliás esse é bem extenso. E mais emocionante creio eu :3
Espero que gostem :3
Boa leitura ❤
Obrigada pelos 103 fucking fav, vocês sao demais! Por isso nesse cap resolvi caprichar ahaha ❤
(Revisei mas meu corretor é um fdp, me desculpem se tiver erros )
O editor excluiu falas, mas ja as arrumei :3

Capítulo 4 - Amor certo, decisão errada.


Fanfic / Fanfiction Always Babygirl - Capítulo 4 - Amor certo, decisão errada.

 Duas semanas depois



Enfim chegou meu último dia na JK. Jin e eu, depois do trabalho íamos sair para comemorar, embora ele fosse contra minha saída. Jungkook ainda não aceitou o fato de eu querer sair da JK, mas é pro meu próprio bem. Sábado iríamos ir com sua família até sua casa, onde ocorreria o evento beneficente. Era tudo por uma boa causa, iriam levantar fundos para um orfanato. Steph estaria lá, eu não podia perder. Virei-me para Jin, era um grande evento, não poderia ir com minhas roupas iria precisar de ajuda:

- Será que você pode me ajudar? - o moreno me olhou com os olhos cerrados.

- E o que seria?

- Eu vou em um evento onde minha escritora preferida vai estar lá. Enfim, é um evento muito importante.

- Depois, ao invés de irmos comer. Vamos comprar. Ok? E já que está pedindo ajuda para um profissional nas horas vagas, de moda, não aceito não como resposta. Ok?  -

- Ok Jin - sorri e voltei ao trabalho.

Olhei rapidamente para sala de Jungkook, que ficava próxima, e ele estava sério, me encarando. Enviei uma mensagem para o mesmo:

S/N:“ É meu último dia aqui Jungkook”

JK: “ E você sabe que eu não aprovo isso, não sabe?”

Revirei os olhos e guardei o celular.

Jin e eu fomos almoçar. Passamos por algumas lojas, mas nada me agradava. Até que passamos por uma onde entramos. O vestido era lindo. Era curto e com decote coração coberto com algumas pedrarias. O experimentei, e fiquei encantada.

- Esse é o vestido s/n? - em um tom muito animado.

- SIM JIN, ESTE É O VESTIDO!

- Esse é o meu presente pra você, e eu não aceito não como resposta - dei um longo abraço no mesmo, já estava sentindo falta mesmo estando juntos ali.

Fomos interrompidos assim que o celular de Jin começou à tocar, ele se afastou um pouco. Fui até o provador tirar o vestido, estava realmente feliz com o presente, não sabia como agradecer Jin.-

- S/N? Eu preciso ir agora, um carinha que estou ficando aí, precisa de ajuda. Você se importa?

- Ah claro que não, fico muito feliz por você - dei um último abraço e Jin se foi.

Estava voltando pra casa, com o pensamento longe. Como seria depois? Não iria ver Jungkook com tanta frequência, isso me deixava aflita. Se eu sair, alguém seria contratado. Só de pensar que talvez possa ser uma mulher, me deixa com raiva. Estava com Jungkook, mas não sabia seus reais sentimentos, ele não os deixava tão claro o que as vezes me fazia sentir um pouco confusa, mas dos meus sentimentos ele sabia, era um pouco injusto. Cheguei em casa cansada, joguei minhas coisas sobre o sofá, chamei por minha mãe, mas parecia não estar em casa. Fui tomar meu banho. Fiquei debaixo do chuveiro por pelo menos 45 minutos. Coloquei meu roupão para sair, meu celular vibrava feito louco, havia muitas mensagens de Jungkook, atendi imediatamente.

- S/N? Onde você estava? - parecia muito impaciente. 

- Eu acabei de chegar. Aconteceu alguma coisa?

- Sai pra rua - e então desligou. Vesti uma roupa simples e então sai. 

Ele estava escorado em carro preto, vestia seu terno cinza. Uma de suas mãos estavam no bolso, e a outra carregava um grande buquê de rosas vermelhas. Me aproximei timidamente. Ao estar cada vez mais perto, Jungkook estendeu a mão, esbocei um sorriso singelo. O mesmo me puxou para um abraço:

- Achou que eu ia esquecer da minha garota ? - sua mão acariciou meu rosto - Isso é pra você - me alcançou as rosas . Meu sorriso de orelha à orelha era claro, mal conseguia esconder a felicidade que estava. As coloquei dentro do carro de Jungkook e entrei com ele.

- Elas são lindas Jungkook - finalmente o beijei. Espontaneamente escorei minha cabeça em seu ombro. Estávamos no banco de trás. Nossas mãos entrelaçadas. Suspirei aliviada de estar ali. Ao seu lado. Já era tarde demais, estava apaixonada e não podia mais tentar não me entregar, eu pertencia à ele. Retirei minha cabeça de seu ombro para poder olhá-lo.

- O que eu tenho que fazer pra você ficar? Eu quero ter certeza que nenhum engraçadinho vai querer algo com você.

- Jungkook, não. Eu já disse, eu não posso simplesmente ficar lá debaixo das suas asas. Você não tem controle nenhum sobre mim.

Sua boca se fecha, ficando reta, sem qualquer expressão.

- Ainda vai ser minha acompanhante amanhã, ou também não quer? . Revire os olhos, soltando sua mão e cruzando os braços, olhando pra frente, fazendo birra como uma adolescente.

- É claro que vou. Mas se continuar a me provocar.

- Não irei S/N. Só estou nervoso por você sempre ter respostas na ponta da língua.

- Amanhã nos veremos Jungkook.

Peguei as rosas e sai do carro.

- Thomas vai passar aqui amanhã.

Apenas o olhei. Mas ele estava encarando o outro lado. Como podia mudar de humor tão rápido?

Esperava ansiosamente por sábado. Estava chegando mais tarde que o normal. Mal via minha mãe, sabia que teríamos que conversar e ela faria perguntas, as quais não iria querer responder. Coloquei as rosas vermelhas em um vaso em cima de minha escrivaninha. Me deitei sobre o colchão frio. Observando as rosas sobre minha escrivaninha, me encolhi como uma criança com medo, e bem, eu estava com medo. Medo de não ser o que Jungkook queria, de não conseguir calar minha boca. Mas droga, eu tinha resposta pra tudo, ele sempre dificulta.



*********************************************

As luzes estavam apagadas, somente a luz que iluminava a minha mesa estava acesa. Havia uma caixa em minhas mãos, coloquei meus pertences. Desde minhas pastas e planilhas, até a última folha rabiscada. Dei uma última olhada ao redor. - Vou sentir falta daqui - e então me virei caminhando  até a porta de saída. Mas Jungkook estava trancando a porta.  Parecia estar bêbado. Seus olhos esbanjavam luxúria e raiva. “Não  tão cedo S/N”. O bafo quente e fedorento de vodka me fez revirar os olhos. Sem pensar duas vezes, continuei em frente à porta. Mas Jungkook está dificultando as coisas. “Você sabe que eu preciso ir agora, já está tarde”  tentava não olhar em seus olhos. “ Eu já disse que não tão cedo” o mesmo com um tapa, derrubou minhas coisas. Me deixando assustada. “Jungkook, por que você  está fazendo isso?”  ainda estava um pouco incrédula. Agachei-me para juntar minhas coisas mas jungkook as chutou. Me puxou forte pelo braço. Pressionou-me em uma mesa qualquer. “ Você transa comigo. E então vai embora? Que tipo de vadia você é? “  estava indefesa, toda sua força estava sobre meu braço. Relutei, mas quanto mais tentava sair, mais ele me apertava. “Jungkook. Do que você está falando? “ minhas lágrimas caíram involuntariamente, já não tinha controle delas. “ Não se faça de vítima. Você me usa. Transa comigo numa hora, e na outra vai embora? Eu te dei amor aquela noite na minha casa. E você decide ir embora?” desviei de suas mãos “Jungkook, não, eu te amo. Eu também te dei amor aquela noite” ele veio sombrio à minha procura, me agachei o máximo que pude. Pedindo que não me machucasse. “Por favor não”


Meu coração estava quase saindo pela boca. Coloquei a mão sobre a testa que suava frio. Sentei-me sobre a cama. Olhei o relógio e já eram quase na hora de levantar. Dormi mais do que o normal. Senti o cheiro de ovos e me senti um pouco zonza.

- Bom dia mãe - me sentei sobre o banco, estava enrolada em meu roupão. Sorri singela pra mesma que me oferecia uma xícara de café.

- Bom dia S/n. Tanto tempo que não nos vemos não é?

- Ah mãe. Você sabe como tem sido corrido. Vou poder ficar mais perto de você agora que não vou trabalhar mais na JK.

Me aproximei até a mesma. Dei um forte abraço e um beijo no rosto

     - Vai dar tudo certo. Hoje vou a um evento. Steph vai estar lá - dei leves pulos de comemoração.

- Mãe. Se você pudesse  escolher entre: trabalhar com quem ama. Ou tentar algo por si mesma, para ter experiência e saber que é boa no que faz. O que escolheria?

- Escolheria fazer algo por mim. Ouça s/n. Você pode encontrar muitos amores, ainda é jovem. Mas experiência profissional leva tempo. E você tem que se preocupar com seu futuro.

- Eu só queria saber. Pelo menos é uma mulher independente. Agora preciso me arrumar.

Dei-lhe um beijo, e corri para me arrumar. Ainda era cedo. Mas tinha toda a questão do cabelo, maquiagem. Já estava desesperada com isso. Não lidava muito bem com pincéis. Liguei a banheira. Sentei-me sobre a mesma, a água quente da torneira me deixava relaxada. Meu pensamento estava longe. Não conseguia parar de pensar em Jungkook, eu o desejava. Sentia meu corpo inteiro se estremecer pedindo o toque de suas mãos.




Os longos dedos acariciavam minhas costas nuas. As pontas dos mesmos, faziam com que meu corpo se arrepiasse. Estávamos novamente em sua banheira. Seu toque sobre minha região íntima era gentil. Estava sobre efeito de seus beijos. Enfeitiçada com o seu olhar doce e selvagem. O contato com a água quente e os seus dedos gélidos me tiraram do chão. “ Você não tem sido uma boa menina, quero castigá-la da melhor forma” . - Faça o que quiser Jungkook -me joguei completamente sobre a água quente.-

- S/N? Já fazem quase 1 hora que está ai. Tá tudo bem filha?

Acordei rapidamente. Minhas mãos estavam sobre minha intimidade. Eu Havia me tocado pensando em Jungkook? Ou era um sonho que queria que fosse realidade?

- Já estou indo - disse com a voz um pouco trêmula. Sai do banheiro vestida com meu roupão. Estava totalmente constrangida. Entrei o mais rápido que pude até meu quarto.

Abri meu notebook, me direcionando até meus emails. Ainda com meus cabelos molhados, vestida com um roupão.

Jeon Jungkook: “Mal consigo esperar por hoje a noite. Vou ter minha garota depois da festa?

Sorri um pouco tímida.  Decidi ser um pouco desafiadora:

Veremos Jeon. Sua garota irá te surpreender essa noite. Por favor. Não me distraía.”

Fiquei parada em frente ao computador, esperando a resposta de Jungkook.

Atualizava a página. Até que ela finalmente chegou.

Jeon Jungkook:” Me desculpe querida. Mas sinto que deveria castigá-la sempre por me distrair mesmo não estando aqui.

Do SEU Jungkook. XO”

Abracei a mim mesma.

Faltavam pouco para irmos. Vesti minhas meias ⅞ . Coloquei minha lingerie ousada. Aquele que ganhei de uma tia, mas nunca tive coragem de usar. Bem, essa era a hora. Estava de roupão ainda. Sentei em frente à penteadeira. Ajeitei meu cabelo em um coque, com alguns fios soltos na frente.” Na maquiagem nada exagerado “ pensei comigo mesma. Já estava quase pronta. Vesti aquele lindo vestido. E já estava pronta.

Fui até a cozinha lentamente procurando minha mãe. Assim que a vi de costas, caminhei o mais leve que pude para que os saltos não fizessem barulho.

- E então? - a mesma virou-se com um brilho nos olhos. Dei uma volta para a mesma ver o look completo.

- Ah mas você está linda s/n. Que vestido lindo!

- Não achou nenhum pouco estranho? Tá bom assim?

- Está ótimo. Um carro está parado aí na frente.

- Ah deve ser Thomas - peguei minha bolsa. Estava pronta pra sair.

- Quem é Thomas?

- Motorista da empresa. Tenho que ir - dei-lhe um beijo e fui logo saindo.

Um pouco tímida entrei no carro.

- Senhor Jeon disse para levá-la até sua casa.

Apenas concordei. Respirei fundo, estava com borboletas em meu estômago. Me perguntava se estava vestida adequadamente  e se Jungkook iria gostar. Chegamos, e Thomas abriu a porta para eu entrar. Tocava uma música, mas não via Jungkook. Havia muitas pessoas. Sua mãe foi a primeira à cumprimentar.  Sou surpreendida com duas mãos ao redor de minha cintura.

- Você está incrível S/N.

- Você também senhor Jeon.

- Steph está logo ali - apontou para uma mesa onde haviam outras mulheres que bebiam em suas taças rasas.

- Não sei como chegar até ela.

Fomos caminhando em sua direção. Ela parecia simpática. Jungkook se aproximou de meu ouvido - Agora é com você.

A mulher de cabelos longos loiros, e olhos castanhos extremamente claros. Ao perceber minha presença foi logo estendendo a mão. Me deixando mais à vontade.

- Sou uma grande fã Steph- apertei sua mão - Ah me chamo____!

- Gosta de escrever?

- Escrevia romances quando era adolescente. Mas nada sério.

- E você tem alguma coisa ai?

- Minhas histórias?

- Sim, suas histórias - estava boquiaberta.

- Tenho algumas delas.

- Me mande por e-mail - me alcançou um cartão - Estou precisando de uma secretária particular. Vou à Londres semana que vem -a mesma piscou - se me permite preciso me retirar. Foi um prazer s/n.

Ainda estava boquiaberta, precisava contar à Jungkook. O observei rindo com sua família. Descontraído.

Como ele podia ser tão maravilhoso? Me peguei olhando para aquele ser como uma tola. Acho que não sei mais como viver sem ele. Jungkook deu uma pausa com seus familiares e veio até mim.

- Vem - estendeu sua mão - Quero te mostrar algo.

O acompanhei  pelo grande quintal. Estávamos de mãos dadas. Jungkook tirou seu paletó e me cobrindo com o mesmo.

- Nós podemos ir embora se quiser -abraçou-me e beijou o topo da minha cabeça.

Assenti com a cabeça. Saímos sem que ninguém nos visse. Estava um pouco sonolenta. Acabei cochilando enquanto esperava o mesmo

“ Onde vamos? “ . Jungkook estava dirigindo, de repente não usava mais paletó.  Estava com uma camisa branca, vestindo calça jeans escura. Apenas sorri ao ver que estava mais tranquilo. Sua mão estava sobre minha perna. Levou a mesma próximo a boca e a beijou. “ Chegamos “ . Saímos do carro. Olhava em volta, mas havia apenas árvores, e uma grama impecável. A noite estava linda. As estrelas estavam extremamente brilhantes. Poderia compará-las com os olhos de Jungkook, que brilhavam tanto quanto elas.

- Finalmente vou ter minha garota -me puxou para um beijo. Tirei meus saltos. Estava descalça.

- Vamos? - estava sendo carregada para algum lugar.

Caminhamos e caminhamos, e finalmente chegamos.

- Feche os olhos - o mesmo foi me colocando devagar no chão - Agora pode olhar.

- UM CHALÉ? Ah Jungkook, é lindo! -

O garoto estava me observando, sorrindo.

- Vamos passar a noite aqui.

Fomos entrando, era tão aconchegante. Ela era totalmente enfeitada com flores, estava encantada com o lugar. O teto era de vidro, podíamos ver as estrelas quando deitassemos.Sempre sonhei em morar em um chalé.

- Agora somos eu e você.

Jungkook passou suas mãos em minha cintura, me pressionando em seu corpo. Seus olhos estavam cheios de amor, assim como os meus. Passei minha mão pelos seus cabelos, acariciando seu rosto com meus lábios. Até que encontrei sua boca. Nos beijávamos como se fosse a última coisa que faríamos. O mesmo me levantou, sentou-se sobre a cama, me colocando em seu colo. Levantei para tirar o vestido. Lembrei que estava vestida com minha lingerie. Parei em sua frente, o olhando com certa seriedade. Tirei lentamente o mesmo e deixei ao chão. Fiquei apenas de lingerie. Fui jogada sobre a cama em um ato rápido. Sua boca explorava minhas coxas. Arrancou minhas meias ⅞ com a boca, sem tirar seus olhos de mim. Leves mordidas foram depositadas sobre meu corpo, à cada toque uma sensação diferente. Agilmente, Jeon retirou sua camisa e calça. Ficando com seu abdômen à mostra. Dei leves mordidas sobre o mesmo. Subindo até sua boca. Sua mão deslizou até meu traseiro o apertando forte, depositando um tapa. Sorri enquanto nos beijamos. Jungkook soltou meus cabelos, me colocou novamente sobre a cama e retirou meu sutiã e calcinha. Senti seus dedos se aproximar, e sem que eu pudesse ter tempo de implorar, Jungkook me penetra, com certa força, me fazendo gemer alto. As investidas foram diminuindo, senti minha pele queimar. Mas havia entendido. Estávamos fazendo amor, e não apenas fodendo. Não como no escritório. Minhas mãos estavam sobre minha cabeça presas com uma das mãos de Jungkook. Estava nas nuvens com aquele homem sobre mim. Meu corpo ardia e pedia mais. Cada investida me faziam gemer ainda mais, já estava quase esgotada. Mas Jungkook não entregaria o jogo tão fácil. Beijou meu pescoço conforme me penetrava, o que fazia do momento ainda mais especial. Só conseguia ouvir nossos gemidos, e nossos corpos se chocando. Não podia negar, eu adorava ouvir seus gemidos perto de meu ouvido. As investidas ficaram mais forte, até que não conseguia mais aguentar e acabei chegando ao meu limite. Logo em seguida Jungkook se deitou sobre mim, com a respiração descompassada. Ainda sem falarmos nada, apenas acariciei seus cabelos. Aquele silêncio, apenas nossas respirações descompassadas e corpos suados. Jungkook dormiu logo em seguida vesti sua camisa e deitei-me. Logo adormeci.

 


Pela manhã


Acordei primeiro que Jungkook. Estava de bom humor, sentei-me em frente às árvores com minha xícara de chá, e a camisa branca de Jungkook. Pensei na noite passada a manhã inteira. Suas mãos sobre meus ombros, os massageando.

- Hmm - murmurei.

- Acordou cedo - depositou um breve beijo - Tenho que admitir que minha camisa fica melhor em você.

Sorri timida.

- Dormiu bem? - lhe ofereci minha xícara.

- Dormi muito bem. Vamos tomar  um banho? Já temos que voltar.

Fiz beicinho “mas já? “ estava tudo ótimo, até agora. Achei que íamos fazer amor de novo, quem sabe dessa vez naquele lago de águas cristalinas. Fomos tomar banho. Sai primeiro que ele. Já havia comprado roupas pra mim. Nem precisei me preocupar. Assim que Jeon se vestiu fomos embora. Ele me deixou em casa. Nos despedimos rapidamente. Me senti um pouco triste, achei que iríamos passar o final de semana juntos. Mas pensei errado.

Era cedo quando entrei. Pelo visto mamãe ainda estava dormindo. Silenciosamente fui até meu quarto. Carregava em mãos, meu vestido e sapatos. Sentei em frente ao meu computador, e lembrei do cartão que Steph havia me dado. “Vou à Londres  semana que vem”.


“Oi, não sei se vai lembrar de mim. Nos conhecemos ontem no evento beneficente dos Jeon. Queria enviar uma de minhas histórias.”


Li e reli diversas vezes, não queria ser chata, mas queria poder trabalhar com ela. Mesmo que administração e contabilidade fossem minha área. Também gostava de escrever. Enviei. Estava nervosa, não conseguia esperar. Deixei meu número para contato.


Algumas horas depois ouvi meu celular tocar. Atendi rapidamente.

- Oi. É a Steph, tudo bem ___?

- Steph….ah sim, sou eu.

Mal conseguia conter minha felicidade.

- Então. Você está disponível ?

- Claro, estou sempre. No momento sem emprego - sorri um pouco nervosa.-

- Então. Pode vir até Londres? A minha ex secretária se demitiu. Acabou desistindo. O vôo é amanhã às 9 horas. Meu agente Toby irá encontra-la.

- Claro Steph. Se pudesse iria até hoje.

- Está contratada. Preciso ir, até.

Me joguei sobre a cama feito uma criança. Abafei meus gritos com o travesseiro.

- Eu trabalhando pra Steph? Ah mal posso acreditar

Meus momentos de alegria foram interrompidos assim que lembrei de Jungkook. Mas acho que ele entenderá e ficará feliz por mim. E precisava falar com.minha mãe. Fui até o quarto da mesma. Bati na porta e entrei.

- Consegui um emprego - nos abraçamos, mas estava um pouco cabisbaixa.

- Qual o problema filha?

- É que terei que viajar amanhã para Londres.

- Amanhã? Bom se é o que você quer, então a apoio.

- É mãe. Obrigada - a abracei forte - vou fazer as malas.

Me afastei logo e fui fazer as malas. De alguma forma tinha que avisar Jungkook. Mas decidi não fazê-lo. Assim que fiz as malas me deitei para descansar. Dormi a tarde inteira, tentando repor as energias da noite passada.


Algum tempo depois



Sou acordada pelo despertador. São 6 horas da manhã. Levantei-me,fiz minhas higienes e fui me arrumar. Meu celular estava cheio de mensagens. Mas não iria respondê-lo. Se não iria dizer sobre a viagem. E não queria discórdia entre nós. Só serão alguns dias, e logo estarei de volta. Deixei um bilhete para mamãe. Peguei o táxi e fui para o aeroporto. Descendo a escada rolante, havia uma placa com meu nome. “Deve ser Toby” pensei comigo mesma. O homem alto de cabelos platinados e olhos esverdeados, estava sério. “ Permita-me” pegou minhas malas e as carregou pelo aeroporto. Estava escolhendo algumas revistas quando meu celular tocou. Havia esquecido que estava ignorando Jungkook. “ Olhe pra trás “ e eu o fiz, mas não vi ninguém. “ Você está doido Jungkook?” . “ A única pessoa doida aqui é você s/n. Por que não atendeu minhas ligações? “. “ Estou de viagem “ apertei os lábios por ter dito, a guerra iria começar. “ Aonde você tá? Vou ir agora”. “ Não Jungkook, é  a trabalho”. “Trabalho? Como assim?”. “ Tenho que ir Jungkook.” Desliguei o celular e fui até a sala de embarque. Encarava o chão pensando na noite passada. “ Está na hora “ disse Toby, nos direcionamos até o avião. Sentei ao seu lado. Dormi a viagem inteira.


JUNGKOOK ON



S/N estava me ignorando desde ontem. Enviei diversas mensagens. Liguei várias vezes. Mas nada. Me perguntava se ela estava chateada por termos ficado pouco tempo no chalé. Liguei novamente pela manhã, ela atendeu. Dizendo que estava indo viajar. Soquei a parede assim que ela desligou. Havia preparado uma viagem à Londres. Estava pensando em pedi-la em namoro, já estava preparando tudo. Mas ela saiu, sem me avisar. Ouvi Thomas entrar, estava em frente à lareira tomando vinho. “ Devo leva-lo até a casa da senhorita s/n? “ apenas ergui dois dos meus dedos, para que saísse.


S/N ON



Sou acordada com um toque no ombro. “Já chegamos? “ perguntei à  Toby que só assentiu com a cabeça. Fomos até um táxi. A cidade era linda, estava um pouco frio. Vesti um casaco comprido ao sairmos do táxi. Paramos em frente a um hotel. Toby levou as malas. Steph estava no grande salão, tirando algumas fotos. Me aproximei e a observei até que notou que eu estava ali.

- Ah que bom que chegou. Toma - me entregou uma agenda - Aí tem alguns dos meus compromissos durante a  semana. Quero que você ligue para Robson e diga à ele que eu não vou mandar a versão completa do meu livro. Preciso também que desmarque com Liam nossa revisão de capítulos, pois estarei fazendo uma sessão de fotos.

- Ah claro - estava um pouco embaraçada anotando o que ela pedia - Mais alguma coisa?

- Ah. Um café por favor.

Aonde eu ia comprar café?Quem é Liam? E quem é Robson? Estava completamente confusa. Mas continuei a fazer. Enquanto procurava um lugar onde vendessem café. Ligava para Liam. Como era grosseiro. Eu lá tenho culpa dela ser tão ocupada. Robson foi compreensivo. Cheguei com o café e a mesma agradeceu. Fiquei em função de alguns e-mails. E responder os fãs. Era ligações pra cá, ligações pra lá. Não toquei no meu celular o dia inteiro. Finalmente consegui subir pro quarto. Deitei-me sobre o colchão. Mas estava com fome, não havia comido nada desde que cheguei. Fui até a recepção. Um homem alto de cabelos castanhos claros estava de costas.

- Com licença?

O mesmo virou. Era um homem muito bonito. Um sorriso foi aparecendo em seus lábios.

- Gostaria de reservar um quarto?

- Ah não. Eu recém cheguei. Poderia me recomendar algum lugar onde eu possa comer?

- Ah, eu já estou de saída.  Se quiser posso ir com você.

A ideia parece ótima, mas recém nós conhecemos.

- Tudo bem.

Estava sem graça.  Ele era lindo. Me lembrava um pouco Jungkook.

- Aliás. Meu nome é Kim TaeHyung. E o seu?

- S/N.

- O que te trás a Londres? - estávamos  caminhando em direção à rua.

- Trabalho me trouxe à Londres - sorri meio sem graça.

- Trabalha no que?

- Na verdade virei assistente da minha escritora preferida.

- Steph? Cara, você vai precisar de muita sorte. Ouvi dizer que ela é bem malvada. 

- Não.  Ela não é malvada - estava um pouco irritada.

- Calma. Foi só o que eu ouvi.

- Me desculpa. Então onde é o lugar?-

Aqui.

Olhei ao redor e não vi nada demais.

- Aqui onde?

- Vem - me pegou pela mão

Descemos as escadas. Passamos por um museu, e depois mais escadas. E enfim um café. Era lindo. O visual era todo rústico.

-Tae…é lindo - puxou a cadeira para eu sentar, enquanto observava boquiaberta o lugar. Tae já estava fazendo o pedido assim que sentamos.

- Um chocolate quente e panquecas. Com cobertura de caramelo. Se você puder fazer uma carinha nas minhas panquecas, ficarei agradecido.

- Vou querer o mesmo. Até as carinhas nas panquecas -

Taehyung me olhou confuso, mas logo em seguida sorriu.Ele tinha um ar inocente. Mas sabia que não era tão inocente assim. Os inocentes podem ser tornar realmente safados.

- Carinhas nas panquecas? - uma de minhas sobrancelhas estavam arqueadas.

- É, eu adoro. Minha avó fazia. Sempre me faz lembrar dela.

- Ah, que fofura. Esse lugar. Como encontrou?

- Minha ex namorada - sorriu meio sem graça - Me trouxe aqui quando completamos 1 mês.

- E por que não estão mais juntos? - já estava desfrutando de minhas panquecas, enquanto ouvia atentamente sua história.

- Ela me traiu.

Me engasguei.

- Ela o que? Que horror.

- Aí ela tá aqui. Disfarça - Tae estava encarando o seu prato, tentando não olhar a garota que se aproximava.

- TaeHyung. Parece que continua colocando carinhas na panqueca.

Que garota atrevida. Já não gostei dela antes de conhecê-la. Ela estava vestida como garota de programa.

- Lee Boo Na.

- Ah e eu sou ____. -levantei-me para cumprimenta-la - Nós estamos um pouco ocupados. Tae e eu estamos vendo qual das panquecas tem o melhor sorriso. Se você puder não nos interromper. Ficaria agradecida.

- Como são estupidos - nos olhou com uma expressão de nojo e então saiu.

- ____ Você não precisava.

- Claro que precisava. Agora somos amigos.

Ficamos conversando uma boa parte do tempo. Até que meu celular tocou. Pedi licença e fui atender. Era um número desconhecido. Achei estranho mas resolvi atender. “Alô?”


Jungkook On



Estava de malas prontas para ir até Londres, beber e dormir sozinho.____ Ainda me ignorava. Seu celular ficou desligado um bom tempo. Já até havia desistido. Tomei whisky a noite inteira enquanto olhava para o celular. Não sabia se ligava ou a esperava. Peguei o celular de Gertrudes e resolvi ligar para ____, talvez ela pudesse atender, e o fez.

Ao ouvir sua voz ja me senti melhor. Quando ia responder, ouvi uma voz masculina desconhecida “ ____ podemos ir? Já paguei a conta” . Desliguei o celular. Me joguei atordoado sobre a cama. Ela estava me evitando porque estava com outro. Minha cabeça estava explodindo, não conseguia ficar de pé. “ Talvez se eu tivesse a pedido antes, isso não teria acontecido e ela estaria em meu braços “ . Meu pensamento me perturbava. Não queria pensar que ela está com outro. Mas tudo leva à isso. Sair sem me avisar. Me ignorar todo tempo.


S/N ON



Esperei alguns segundos mas ninguém respondeu. Taehyung se aproximou perguntando se podíamos ir. Balancei a cabeça assentindo e seguimos nosso rumo.

Aos becos escuros de Londres estavam rindo. Ouvindo situações embaraçosas um do outro.

- É sério. Eu coloquei sal ao invés do açúcar e servi pro meu chefe. Naquele momento pensei que ele fosse me demitir. Mas disse que sou esforçado e então não fui.

- Parou de por sal ao invés do açúcar?  

- Claro, por isso agora sou recepcionista.

- Bom chegamos. Tenho que subir.

Fiquei de frente para o mesmo, esperando ele se despedir.

- Obrigada por ir comigo até lá, me diverti bastante.

- Se precisar. Pode me chamar - nos abraçamos meio desajeitados. Tae segurou meu rosto e me deu um beijo. Apenas selamos os lábios.

- Me desculpa.

Seguiu o quarteirão correndo, acho que realmente havia ficado com vergonha. Passei a mão em meus lábios. Era como se sentisse a maciez ainda. Entrei meio confusa e atordoada. Tomei um longo banho e fui deitar.


- S/N ABRE A PORTA! - Ouvi algumas batidas na porta, mas estava zonza ainda.

- Já vai .

- Vamos pro Canadá. Arrume suas coisas.

- Mas eu nem tive tempo de… - foi interrompida por Toby, que pegou minhas malas ainda ao lado da cama.

- Steph tem uma sessão de fotos essa tarde. Precisamos de você.

- Tudo bem.

“ Estou indo pro Canadá” cliquei em enviar.

As sessões de fotos ocorreram bem. Voltamos à tarde para o hotel onde estávamos. Iria poder voltar somente para pegar algumas roupas e pertences. Não tive nenhuma resposta de Jungkook. O que me deixou preocupada.

“ Estou voltando. Se quiser me ver, vou estar no parque. Me avise por favor, senti sua falta.” E enviei sem pensar duas vezes.

Segui de volta à Seul. Na esperança de ver Jungkook, abraçá-lo. Sentir seu cheiro. Beijar seu corpo.

Cheguei em casa abraçando minha mãe. Estava sentindo sua falta. Não consegui falar com ela. Não por celular.

“ Senti sua falta” .

- Eu preciso ficar algum tempo fora. Steph está em uma tour com seu novo livro. Envolve fotos, e mais fotos. Sessão de autógrafos. Não sei quando voltarei. Mas eu te envio dinheiro. Tá ? - estava apressada

- Tudo bem querida.

- Mãe, eu te amo - a abracei forte mais uma vez - Mas agora preciso ir.

Caminhei em passos lentos até o parque. Estava com frio na barriga. E se Jungkook não aparecesse, então seria nosso fim. Queria a todo custo dizer o quanto eu senti falta. O quanto eu o amo. Percebi isso enquanto estava em Londres. Só pedia que ele estivesse lá.

Sentei-me esperançosa sobre o banco. Um sorriso fechado se formou. Lembrei do dia em que estávamos sentados aqui.



FlashBack on


“ Não quero errar com você por não saber comprar rosas e chocolates”


Já faziam 10 minutos que estava sentada ali. Ainda esperançosa, mas querendo ir embora. Fugir para o colo de minha mãe, e chorar. Reclamar sobre homens ser tão iguais. Mas vi um homem se aproximando, era Thomas. Com seu terno impecável e seu jeito formal de falar.

- Queira me acompanhar Senhorita ____ .

O fiz sem pestanejar. Entrei no carro e haviam garrafas nelas. Olhei Thomas pelo retrovisor, um pouco confusa.

- Isso é seu?

- Não senhorita, Senhor Jeon os comprou.

Não entendo. Quantas garrafas de whisky, vodka e vinho. Estava confusa e muito brava. Já montava minha fala quando o visse. Seus ouvidos iriam precisar de tampões.

Cheguei entrando, sem bater. Jungkook estava em seu escritório, sentado em sua cadeira. Virado de costas.

- Oi - disse tímida.

- Ora ora. Resolveu aparecer a grande s/n. Dona da verdade.

- Jungkook, você tem bebido? Eu vi as garrafas do carro. Você tá querendo bancar o adolescente mimado? Porque eu acho que…- sou imterrompida bruscamente.

- Você não acha nada. Você  não é nada. Eu bebi sim, mas não sai dormindo com ninguém.

- Do que você tá falando Jungkook? - me aproximei, ajoelhei-me no chão enquanto o mesmo encarava uma caneta sobre a mesa.

- Jungkook, eu vim até aqui dizer que estava sentindo sua falta. Do seu cheiro. Do seu beijo. De você - me aproximei para beija-lo, mas ele se levantou rindo debochado, me deixando no vácuo.

- Sentindo minha falta?

- Alguém pode me dizer que isso é uma pegadinha? Eu fui à Londres apenas pra trabalhar. Me desculpe se não avisei, achei que não faria diferença.

- Não fez, e você também não.

Estava completamente abalada. Fiquei totalmente sem argumentos e sem força para dizer alguma coisa. Talvez essse fosse o nosso fim. Mesmo que doesse em mim.

- Jungkook. Me diz que é mais uma de suas brincadeirinhas. Noite passada eu me entreguei, como todas as vezes em que estivemos juntos. Você não sentiu o mesmo? Eu podia jurar que estávamos sincronizados. Podia dizer que havia amor em seus olhos. Nós estávamos amando.

Minhas lágrimas involuntariamente caíram. Jungkook estava de costas pra mim. Esperei alguns segundos e então fui em direção à porta de saída. Com as lágrimas ainda mais fortes. “Por  favor, me leve até o aeroporto”. Thomas assentiu e me levou.


Jungkook on


A ouvi entrar na sala. Dando oi timidamente. Ouvi sua voz e queria abraca-la. Sentir seu cheiro doce e sua voz pedindo para que a solte pois meu abraço esta a sufocando. Mas tudo que fiz foi ficar cego pela raiva. Havia bebido desde sábado à noite. Pedi a Thomas que comprasse algumas garrafas para mim.

Fui compulsivo em dizer aquelas coisas à ____, detesto ve-la chorar. Queria abraca-la e dizer que senti sua falta, da suas respostas para tudo. Mas tudo o que fiz foi mágoa-la. O melhor à fazer seria deixa-la. Mas não seria capaz, eu a amo. Ela é minha paz. Ela quem quero proteger de tudo e todos. Não imagino um mundo sem ela. Droga. Por que tenho que beber? Se não tivesse enchido a cara o dia inteiro, _____  e eu, poderíamos estar conversando e aproveitando nosso tempo, mas fui um completo idiota. E ela nunca me perdoaria. Disse aquelas palavras para machuca-lá. Eu estava machucado. E agora estou magoado, por ter machucado quem realmente se importava comigo.Jogado ao sofá, percebi o qaunto havia sido estúpido. Peguei  meu carro e fui até o aeroporto.Liguei para Thomas " Sinto muito senhor, ela já embarcou". E foi assim que consegui estragar tudo. Liguei, mandei mensagens  mas não tive retorno.  


Notas Finais


E então, gostou? Espero que sim! :3
Esperavam algo a mais?:3
Até o próximo cap
Perguntinha: Se eu postar outras histórias vocês leriam?
Tenho uma fanfic Vhope, e uma do Hobi (que a propósito estou gostando muito de faze-la)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...