História Always By Your Side - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Jalil Kubdel, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mylène Haprèle, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain
Tags Adrienette, Alyno, Miraculous Ladybug, Sofrimento
Exibições 168
Palavras 953
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Mutilação, Nudez, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Desculpem-me a erros de escrita.

★ Boa leitura ★

Capítulo 3 - Chapter Three


No capítulo anterior

–Quem está aí com você? É sua namorada, é? –Falou Nino, desconfiado de quem seria, e se Adrien o contaria.

–Mas, Adrien, como irei comprar coisas, se não tenho dinheiro? Afinal, não seria nada de graça.

Marinette sorriu, ao ver que podia finalmente fazer amizade.

–Alya, Nino, essa é a Marinette. –Ele sorriu para ela, que estava encolhida no peito dele, ainda desconfiada com os dois, por algum motivo, ela estava abraçada em Adrien como se o conhecesse a anos.

No capitulo de hoje

Lembrava como se fosse ontem, que fora expulsa de casa pelo seu pai. Que soube que ela dançava Breake Dance sem que ele soubesse. Ela era dançarina de Ballet naqueles tempos quando pequena. Quando fora expulsa de casa, ela tinha apenas 10 anos, até agora ela morava na rua, ou pelo menos, um pouco antes disso, antes de um certo Agreste a resgatar.

"Como que ele confia em trazer uma estranha como eu, para dentro da casa dele, e agir como se eu fosse sua amiga de anos?!" Pensou ela.

Naquele exato momento, estava na cama de Adrien, tapada e escorada na cabeceira da cama, aos pés da cama, tinha um puff, onde Alya se sentou, estava frio naquela noite, era por volta das 23:47.

Alya e Nino iriam dormir lá naquela noite.
Ela observava os garotos jogando, ou melhor.. O garoto no qual ela mais admirava pot trazer a ela para dentro da dia casa, da sua bela casa.

Ouviram um ronco, de fome vindo de alguém.

–Alguém com fome ai? –Perguntou o modelo. Marinette queria dizer que estaria com fome, mas não queria se aproveitar da bondade do garoto, muito menos em um lugar que nem deveria estar.

–Eu to! –Falou o Nino.

–Eu também. –Falou a garota ao lado de Marinette.

Marinette ficou calada, não falará desde o susto que levou com a aproximação do Nino a algumas horas atrás.

–Mari? Está com fome? Quer comer ou tomar alguma coisa? –Perguntou o modelo, vendo que a garota estava muito calada, e que possivelmente não estava com fome ou sede , ou até mesmo ela não tava afim de falar nada perto dos dois novos amigos.

Começou a se sentir um pouco confortável perto dos dois. Mas não falou nadinha desde que os vira.

–Princesa, podemos conversar? –Ela assentiu, Alya e Nino se entreolharam, entenderam, e saíram do quarto, foram para a cozinha, sabiam que Adrien iria deixar que preparassem algo para eles. –Princesa, oque aconteceu? Você esta quieta desde cedo. –Falou ele preocupado.

–É q-que... E-eu não deveria estar aqui. –Falou ela cabisbaixa.

–Como assim, Princesa?

–Meu lugar não é aqui, meu lugar é aonde você me encontrou, Adrien. E pare de me chamar de princesa, eu não mereço tal tratamento. –Falou ela, Começando a chorar e soluçar.

–Princesa...M-Mari, seu lugar não é na praça, seu lugar não é na rua. O por que está assim? Não confia em mim?

–Confio, apenas... Eu não mereço tudo isso... Eu...E-eu... Eu mereço oque eu sempre tive desde os dez anos... –Ela disse se levantando. –Eu não mereço ficar perto de alguém como você. Sei que você quer me ajudar, mas eu não mereço tudo isso!! –Ela já estava em prantos , já havia saido de cima da cama do modelo, aonde ele havia sentado ao seu lado.

–Mari.. Não fale assim, eu coloquei você aqui dentro, porque me importo com você. Mari, você precisa de cuidados, carinho, e de comida, seu lugar não é na rua. –A essa hora, o modelo havia levantado da cama,e pegado na mão dela. –Mari, eu quero você bem. Não quero ver você gripada, e nem nada disso, quero ver você bem! –Ele olhou nos olhos dela, fazendo ela fazer o mesmo com os dele.

–Adrien, e-eu não posso aceitar tudo isso, eu sempre sofri bullyng e fui expulsa de casa pelos pais, não quero que isso aconteça de novo. Adrien.. Eu não quero ser expulsa daqui como fui expulsa da minha casa!! –Ele a abraçou, fazendo com que seus soluços e lagrimas, aumentassem.

–Eu nunca iria fazer isso com você, Mari. Eu nunca faria isso! Eu não teria motivos para te expulsar daqui, por mais graves que sejam! –Passaram alguns minutos assim, até que seu choro passou, e junto.. Seu soluço. –Agora, quer comer alguma coisa? Não sei quanto foi a ultima vez que você comeu e quero você saudável. E também sei de o "ronco de fome" de alguns minutos atrás, foi seu. –Ele falou desfazendo o abraço.

Ela deu um riso fraco, deu um mini abraço nele, e deu a mão para ele, que entrelaçou os dedos, abriu a porta de seu quarto. Que estava fechada e desceram, encontrando os dois amigos conversando.

–Vamos comer oque? –Perguntou o moreno.

–Vamos fazer macarronada? –Perguntou a cacheada, olhando para o loiro.

–Eu não sei fazer. Nunca me ensinaram a fazer. Algum dos dois sabe?

–Não. –Os dois responderam em coro.

–Eu sei fazer.. –A voz da azulada ecoou pela casa do loiro fazendo a cacheada e o moreno se assustarem, eles chegavam a pensar que a garota era muda, e até mesmo surda.

–Você sabe, Mari?? –Ela assentiu positivamente.

–Meus pais me ensinaram aos oito anos de idade, eu fazia muito por lá.–Ela falava tranquilo e baixo, mas o baixo possível para que os três escutassem.

-Então vamos fazer, você lembra como faz? –Perguntou a cacheada.

Ela assentiu, ela falou os ingredientes , enquanto o loiro pegava, ela ia misturando e falando as quantidades e tudo mais que pode ensinar a eles.

Aquela foi um dos dias mais felizes da vida dela.

Não faça igual as outras pessoas, não vá embora quando eu me apegar a você.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...