História Always Friends - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 6
Palavras 1.907
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi meus amores. Dei uma sumidinha mas agora tenho umas novidades pra vcs. A primeira é q a partir de hj serão postados p.o.v de apenas um personagem(* as vezes, n será sempre*). E começaremos a postar 2 caps por semana. Falem a opinião de vcs nos comentários q assim a gnt puder a gnt reponde. Bom capítulo e Bjão♡.

Capítulo 10 - CAPÍTULO 8


Fanfic / Fanfiction Always Friends - Capítulo 10 - CAPÍTULO 8

P.O.V LANA:

Sabe quando você pensa que seus sentimentos estão mais confusos que hétero em parada gay? Estou passando por essa luta interna. Meus sentimentos não condizem com meus atos e não sei como agir. Tudo porque um ser humano inútil veio para bagunçar meus sentimentos e brincar com a minha vida. Parece até aquelas músicas que você só ouve uma vez na vida mas fica grudada na sua cabeça que nem chiclete na sola do tênnis. É exatamente assim que me sinto em relação a Jackson. Esse nome me causa dores de cabeça de tanto que eu penso. Kate diz que eu penso demais e que era para eu parar com isso pois ia acabar com meu psicológico. Mas como sempre, eu não ouvi minha melhor amiga e acabo por me decepcionar com isso até os tempos atuais.

O despertador soa aos meus ouvidos e gemo em frustação por ter passado a noite em claro fazendo o que Kate menos faz. Pensando em como minha vida é uma coisa demôniaca.

Bagunço os cabelos e começo a fazer uma lista mental do que fazer hoje:

•Botar uma roupa bem larga

•Tratar de botar um sorriso bem largo no rosto para disfarçar a tristeza e confusão que rodeia meu subconsciente

•Não interagir com Jackson

•Odiar silenciosamente aquela vadia da Lauren

•Ir pra escola e depois me enterrar em séries e em sorvete.

Minha lista mental parecia maravilhosa então começei a realizá-la.

Caminho rumo ao banheiro e apoio as mãos na bancada da pia e olho no espelho a minha frente. Meus cabelos desengrenhados, minha pele pálida e era acompanhada por fundas e escuras olheiras e os olhos e nariz vermelhos. Desisto de me sentir bonita na frente do espelho e começo a encarar a realidade que me cerca. O garoto que não sei se gosto pegando a vadia que eu sempre quis matar.

Ligo a torneira e afogo meu rosto na água com o intuito de livrar meu rosto das cansadas feições que estávam expressas em minha face.

Termino de secar meu rosto e começo a escovar meus dentes enquanto passava um protetor térmico nos cabelos. Cuspo o resto de espuma de creme dental na pia e limpo na toalha minha boca. Começo a observar meu rosto na frente do espelho e eu fico imaginando porque não me sinto boa o suficiente, minha mãe vivia me falando quando eu não era uma frábrica de realizações das outras pessoas. Que elas tinham que me aceitar como eu era, e que se não aceitassem não eram boas o suficiente para ficar ao meu lado. Saudades da minha mãe me aconselhando quando eu precisava e quando eu não precisava. Sempre tão presente e feliz, queria puxar pelo menos alguma coisa dela que não seja aparência, atê porque eu e minha mãe somos idênticas em aparência. Somos duas loiras dos olhos castanhos.

Estava viajando me olhando na frente até que um barulho na porta me fez acordar do meu transe. Olho para a morena que estava com uma blusa enorme dos Lakers e com os cabelos bagunçados. Ela olha para minha face e faz uma expressão que não consigo decifrar. Ela chega perto de mim e se vira para o espelho a observando também. Kate tira uma mecha de cabelo da frente de seu rosto e fica ali se observando e com os olhos confusos fala:

-Lana por que não me sinto bem quando me olho no espelho? - Rio e falo:

-Kate, faça me o favor. Você é linda e metade da escola te quer.- Ela sorri murcha e fala:

-Mas quem eu quero não me quer. -Olho para minha amiga que parecia mais confusa que eu. Chego perto da mesma e apoio minha cabeça em seu ombro falando :

-Noite das meninas hoje. Estamos fedendo a choro e desespero. -Rio e a morena se junta a mim.

-Vamos para a escola, vamos nos atrasar. -Ela fala e vamos as duas para o closet já que Kate não queria usar suas roupas.

Pego um moleton enorme e preto e dou um pra Kate, pego leggings pretas também e um Vans preto. Kate botou um All Star da mesma cor. Kate amarra os cabelos em um coque frouxo e eu ponho uma touca escrito "Warrior" preta e branca. Saímos do closet e pegamos nossas mochilas para ir até a garagem do loft. Entro dentro do Porche branco de Kate a mesma começa a dirigir.

As ruas calmas nos cercavam no caminho até a escola.

Entramos no colégio e avisto Tay e Hadd brigando pela milésima vez. Olho para Kate que também finge o sorriso. Forço o meu junto e falo:

-Bom dia gente. -Tay olha para mim procurando algum rastro de tristeza mas disfarço e torço para que o mesmo não perceba.

-Bom dia lindas.- Tay fala e dá um beijo nas nossas testas.

-Bom dia gente, vamos entrar porque tenho que contar umas coisas pra vocês.-Hadd fala e vamos rumo a nossa sala.

Chegamos na mesma e vejo Jack e Lauren trocando carícias. Passo reto fingindo não me importar quando lá dentro eu já estava me corroendo. Sentamos nas cadeiras e lembro da listinha mental.

Começou a aula e eu olhava como Jack parecia feliz com Lauren, mas sou interrompida por Kate que fala:

-Lana você tá encarando. -Rio e falo:

-Estou odiando em silêncio.- Kate assente e volta a brincar de jogo da velha com Hadd. Olho de soslaio e vejo Tay me encarando, viro para o mesmo e mando um sorriso e o mesmo retrubui.

Olho para o quadro e começo a prestar atenção nas fórmulas que o professor passava no quadro. Mas depois de um tempo desviei minha atenção da aula para a minha infância. Tive uma infância complicada mas infelizmente tive que crescer, a realidade veio a tona fazendo todas os meus pensamentos virarem alucinações. E então eu conheci Tay, Jack, Kate, Logan e Hadd. Todos éramos pré-adolescentes inocentes e que não sabíamos de nada que esperava no mundo a fora.

Todos sofremos e foram esses momentos que formaram o que nós somos hoje.

Eu era baixa demais e era apelidada de anã, já Kate era um tanto magra demais e era apelidada de esqueleto, Hadd era julgado por gostar de rosa, Tay era maltratado pois tinha leve espinhas e cravos no rosto, Jack porque usava/usa óculos e era apelidado de quatro olhos e por fim Logan era apelidado de babá pois tinha que cuidar de Sky enquanto sua mãe trabalhava.

Foram traumas e buracos nas nossas auto-estimas mas estamos vivos não é? Tudo pode ser superado, desde um bullying na escola até o preconceito a sua sexualidade mas a questão é não se deixar levar pelo as pessoas pensão de você. Ou você vai cair nos padrões idiotas da nossa sociedade. Vai viver pelos outros e esquecerá o que seu próprio eu significa nessa sociedade toda errada.

Acordo dos meus pensamentos com a voz grave do meu professor falando:

-Senhorita Brown está tudo bem?- Todos olhavam para mim e depois fui reparar que estava fungando e lágrimas rolavam pela minha face.

-Estou sim mas eu posso ir até a cordenação?-O professor assente e todos voltam a prestar atenção na aula menos Jack que me olha com o semblante preocupado. Olho no fundo de seus olhos e viro a cara.

Fui dispensada por hoje e Tay me emprestou o carro já que ia lá pra casa depois da aula. Entro dentro de seu carro e ponho meus óculos escuros.

Dirijo devagar mas não vou para o loft e sim para a praia. Tiro meus tênnis e sinto a areia fofa me confortar. A praia estava vazia e o som das ondas quebrando era uma sinfonia linda para meus ouvidos. Sento-me na areia branca e desligo meu celular e corto ligação com o mundo pelo menos por algumas horas.

Já havia escurecido mas por incrível que pareça eu não me sentia sozinha. A companhia do mar me fazia sentir livre.

Quando eu me sentia só, minha mãe sempre tampava os buracos da minha solidão, mas agora, ela está no lugar onde nunca queria ter saído. Tudo estava tão confuso que minha vontade era dizer ao meu próprio subconsciente:" Game Over". Porque eu cansei de tentar, de me sentir forte quando por dentro há uma menina que não sabe o que faz. Jack é o motivo pelo qual meus ataques de ansiedade estão voltando. Kate sempre me acalmou e ela é a única que consegue me ajudar quando tenho crises de ansiedade. Tomos calmantes rotinamente para enganar a mim mesma que eles me ajudam. Mas no final, sei que quando os tomo, uma onda de depressão percorre meu corpo como se eu tivesse me matando. Queria apenas ser uma pessoa normal, mas em vez disso não consigo nem me controlar para não cair dura no chão. Tay e Kate sempre me ajudam, aconselham, acolhem, apoiam em tudo mas no final eu sei que eles tem medo de eu ter mais uma crise. Não tenho crises desde que tinha 16 anos e essa foi muito ruim. Lembro até hoje a sensação de não conseguir respirar e sentir meu peito queimar. Foi horrível porque nesse dia eu achei realmente que ia morrer. Mas então tudo ficou normal e aqui estou. Sentada na areia de uma praia deserta, às 22:00 pm pensando na vida cruel em que estou.

Depois de um tempo, quando sinto que minha alma foi aliviada, não me sinto limpa. Por isso, deixo minha bolsa largada na areia e corro para o mar.

O choque da minha pele quente com as frias águas do mar, me fizeram voltar para a realidade. A água me acalmava quando parecia que a 3° guerra mundial acontecia dentro do meu subconsciente.

Saio da água e vou até o carro, jogo minha bolsa no banco do carona e começo a dirigir para casa. As gotas de água deslizavam da minha pele para o banco de couro do carro, e por um momento quando abri a janela um sentimento de liberdade me invade. Tudo que eu sempre quis era ser independente e agora estou aqui, dirijindo um conversível as 23:50 da noite, nas ruas escuras e frias da Florida.

Chego no loft e a luz da sala está ligada. Olho para a janela principal e vejo Kate andando de um lado para o outro com Tay falando para ela se acalmar.

Entro dentro do loft e Kate arregala os olhos e fala :

-Você é doida? Eu tava preocupada e por que você tá molhada?- Ela fala com desespero e eu respondo com calma:

-Tava na praia, e eu vou subir para tomar um banho. Prepara as coisas pra noite das meninas. Te amo Tay.-Falo e dou um beijo na bochecha do meu melhor amigo. Ele dá um beijo na minha testa e em um de Kate, saindo porta a fora do loft. Subo as escadas deixando Kate sozinha em baixo. Vou para meu banheiro e turo todas as peças molhadas de água.

Entro embaixo do chuveiro gelado e sinto meus pelos arrepiarem-se. Lavo meus cabelos e meu corpo tirando todo resquício de areia. Sento-me no chão do box deixando a água friar bater brutalmente nas minhas costas.

Depois de 40 minutos saio do banheiro, ponho um moleton e um short de pijama. Desço as escadas e Kate já estava vendo "Querido John". Sento ao seu lado e ficamos em silêncio o filme inteiro.

O sono foi me invandindo e antes de pensar em algo, já havia sido pega pelo mesmo.


Notas Finais


Então galera, o q vcs acharam? Vai rolar umas tretas, desentendimentos e frustações e a da Lana só está começando.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...