História Always On My Mind (Imagine Xiumin - EXO) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Boys24, Exo, Hentai, Hocheol, Imagine, Romance, Xiumin
Exibições 99
Palavras 1.630
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eai pessoas ✌
Essa é minha primeira fanfic que posto hehe, então se estiver meio estranha, me desculpem. Fiz ela baseada em uma fic que escrevi uns anos atrás que eu gostei muito, então decidi refazer ela em uma versão kpop c:
Eu escolhi o Xiumin pois ele é meu utt e nunca acho muitas imagines com ele.
Esse capítulo é uma breve história do que aconteceu antes de a personagem ir à Coréia, então o Xiumin não vai aparecer por agora :v.
Bom agora chega de enrolar né?
Espero que gostem c:
~P.s.: o personagem Hocheol foi inspirado no Hocheol de Boys24.~

Capítulo 1 - Capítulo 1 - You Hurt Me


Fanfic / Fanfiction Always On My Mind (Imagine Xiumin - EXO) - Capítulo 1 - Capítulo 1 - You Hurt Me

Acordei de madrugada por conta de um sonho ruim que tive. Sentei na cama e esfreguei os olhos pra poder enxergar direito. Resolvo ver o horário, era 04:32 da manhã e percebo que tinha dormido por apenas 40 minutos. O motivo de não conseguir dormir era a angústia imensa que sentia aquela madrugada. Levanto e vou em direção ao banheiro, jogo uma água no rosto e me encaro por alguns minutos no espelho. Percebo que meus olhos estão cheios de água, e não era a água da torneira que eu tinha jogado no rosto. Eu estáva chorando e não era pouco. Seco as lágrimas e volto pro quarto, vejo que tem alguém no lado direito da minha cama e me lembro que era o homem que eu passei a noite anterior em claro. Me lembro do que ocorreu no dia anterior.

-------------------------- DIA ANTERIOR. SÁBADO, 18:38 P.M. --------------------------------------------------------------------

Era pra ter sido mais um final de semana feliz, ir pra casa de algum amigo, beber um pouco, cantar os karaokes e fazer com que os tímpanos dos vizinhos sangrem de tão alto que as caixas de som estariam. Porém tudo vai pro buraco quando eu estava voltando do mercado e vejo meu namorado beijando uma garota qualquer em um banco da praça da cidade. Não acreditando no que estava vendo, resolvo me aproximar, a cada passo alimentando a esperança de não ser ele e sim alguém que se parecia com ele. Mas pra minha decepção, era ele. A sacola que estáva na minha mão em questão de segundos encontra o chão e com o barulho que fez, despertou os dois do beijo nojento em que estavam. Um par de olhos verdes ficaram extremamente arregalados quando viram que a pessoa que derrubou aquela sacola era eu, sua namorada. Num pulo, ele se pôs de pé e veio em minha direção dizendo algumas frases clichês que os homens falam quando são pegos traindo. Porém eu já não conseguia ouvir nada, a raiva consumia cada célula do meu corpo e quando vi que ele se aproximava de mim, não pensei duas vezes e dei um murro na cara do canalha que estava na minha frente. Quando o mesmo caiu no chão, não me atrasei em lhe dar mais algumas porradas até que sinto umas mãos me tirarem de cima dele e me afastarem. Chorando, pego minha sacola, vou em direção do meu carro e dirijo às cegas pra casa do meu amigo. Chegando lá, estaciono o carro e pego meu celular que estáva tocando. Era uma ligação do Lucas, meu ex-namorado. Não atendo e desligo o celular. Desço do carro e entro na casa do Hocheol , meu amigo, que me recebeu com um sorriso enorme e que desapareceu em segundos ao ver que eu estava chorando.

-- (s/n), o que aconteceu? Por que você está chorando? - ele me perguntou se aproximando. Quando Hocheol chega mais perto, abraço ele e me acabo de tanto chorar. - Ele fez aquilo de novo?

Apenas faço que sim com a cabeça e ele me afasta, segura meu rosto com suas mãos macias e seca minhas lágrimas, pega seu celular e sai da sala onde estávamos. Percebo qual é a intenção dele e vou atrás, pra evitar que algo ruim aconteça com ele dessa vez. 

Hocheol era meu amigo de infância, sempre que acontecia algo, eu ia direto pra ele e ele pra mim, ele sempre me protegeu. Temos uma amizade muito forte, confiamos muito um no outro. Quando ele saiu daquela casa, eu tinha certeza que ele estáva com a intenção de ir na casa de Lucas surrar ele, pela segunda vez. Lucas já havia feito aquilo alguns meses atrás e em prantos me prometeu que não faria mais aquilo, dizendo que me amava. Que bela forma de demonstrar seu amor por mim, não é mesmo. Lucas só não foi parar no hospital daquela vez porque eu consegui tirar Hocheol de cima dele.

Corri até ele e segurei seu braço, ele estava tremendo de raiva.

-- Hocheol , não faça isso. Por favor -- eu disse em prantos, novamente. -- ele pode te matar dessa vez.

-- Quem vai morrer vai ser ele! -- ele disse me empurrando e acabei caindo no chão.

Hocheol era forte, então me machuquei quando caí no chão duro. Ele se apressa pra me levantar do chão.

 --(s/n)!! -- ele gritou, me pegou no colo e foi correndo pra dentro de casa. -- Meu Deus me perdoa! Não foi minha intenção fazer isso!

Minhas mãos estão todas raladas e sangrando. Ele entra em casa e me leva até o banheiro e lava minhas mãos. Percebo que ele está tremendo muito e seus olhos estão cheios d'água.

-- Eu odeio te ver machucada -- fecha a torneira e pega uma toalha para secar minhas mãos -- Eu quero te ver feliz de verdade (s/n)! -- ele me encara e começa a chorar -- Eu quero te fazer feliz de verdade (s/n)!

Eu que já estava chorando, choro mais ainda, pois sei que meus sentimentos por ele não passam de brotheragem. Mesmo assim, sem pensar muito, solto minhas mãos das dele, seguro seu rosto e o beijo. Um beijo meio desesperado e molhado devido ao choro. Paramos devido a falta de ar, ele abre um pouquinho seus olhinhos puxados e sorri, me pega no colo e me leva até meu quarto que tinha na casa dele (sim eu tenho um quarto só pra mim na casa dele), e me deita na cama. De repente ele se afasta um pouquinho:

-- Você quer continuar com isso? -- ele me pergunta -- Podemos parar por aqui se...

Eu o interrompo com um beijo. Eu mais do que nunca naquele momento desejava meu amigo, então respondi sua pergunta com atos. Deito ele na cama e nos beijamos novamente como se não houvesse amanhã.

----------------- DOMINGO, 09:30 A.M. -------------------------------------------------------------------------

Eu estava na cozinha de Youngjae preparando o café da manhã, ele ainda não havia levantado da cama. Era seu dia de folga, então resolvi fazer kimchi, era nosso prato favorito desde pequenos. Youngjae é coreano e fui praticamente criada por seus pais pois passava mais tempo na casa dele do que na minha própria, pois meus pais trabalhavam o dia inteiro. Aprendi a falar coreano ainda criança e, por culpa de seus pais, tenho um paladar de uma coreana nativa. Termino de fazer o prato, coloco numa bandeja e vou até o quarto. Pra minha surpresa Hocheol não estava mais na cama do meu quarto, então caminho em direção ao quarto dele. Ele estava mexendo em seu computador e dá um pulinho assustado quando percebe que estou entrando no quarto.

--Cheol-oppa, fiz kimchi pra você -- digo sorrindo andando em sua direção.

Ele entra na frente da tela do computador, escondendo de mim o que estava fazendo. Deixo a bandeja em cima da cama e vou mais pra perto ver o que ele tentava esconder de mim.

-- (s/n)! -- Ele faz biquinho e me afasta de perto do computador -- não tem nada pra você ver aqui.

Olho desconfiada pra ele, volto minha atenção para o monitor e empurro ele de leve pro lado.

--Você sabe que não pode esconder nada de mim Hocheol! -- Digo fazendo cosquinhas nele e ele cai no chão rindo. Aproveito para ver o que tinha no computador e quase caio no chão quando vejo o que era.

-- Era pra ser surpresa, mas você não sabe esperar. -- Hocheol diz olhando pra mim com um sorriso.

Na tela estava aberta um site de viagens e tinha duas passagens somente de ida para a Coréia do Sul. Ele sabia que sempre foi meu sonho ir pra lá. Enquanto ainda estou processando o que está acontecendo, sinto meus olhos cheios de água e dou uns pulinhos de felicidade:

-- Cheol-oppa eu te amo demais!!

Pulo no colo dele e ele começa a rir. Hocheol me encara por alguns segundos e coloca seu rosto mais perto do meu, fecho meus olhos e dou um beijinho nele, mas fomos interrompidos pelo barulho da campainha. Ele me coloca no chão e nos encaramos com uma expressão de "quem será? " e vamos juntos até a porta da entrada. Ao abri-la me deparo com Lucas, e ao me ver vestida somente com a camisa de Hocheol ele se altera, me empurra pra longe e vai na direção do meu amigo, já o socando e o jogando no chão.

Desesperada, corro na direção deles e começo a puxar Lucas pra trás na tentativa de tirar ele de cima do meu amigo, mas acabo levando um murro na cara e caio no chão novamente

-- Seu desgraçado! -- Hocheol grita, empurrando Lucas de cima dele, conseguindo ficar por cima e continuar a briga. 

Lucas leva um último soco de Hocheol e acaba parando de revidar. Hocheol sai de cima dele e vem na minha direção. Meu nariz não para de sangrar, meu rosto já estava uma mistura de sangue com lágrimas. Meu amigo pega uns guardanapos na cozinha, coloca no meu nariz e me pede pra segurar. Ele se levanta e vai atrás do seu celular. Lucas se senta no chão, sua cara estava toda sangrando. Ouço Hocheol ligar pra um amigo dele vir buscar Lucas e levá-lo pra algum pronto-socorro. 

Me Levanto do chão e vou atrás de Hocheol, ele estava sentado na minha cama com as mãos no rosto. Me aproximo dele e o abraço. Sinto suas mãos envolta de mim. Encosto meu rosto nos seus ombros e choro em silêncio.

-- Não se preocupe (s/n) -- ele disse enquanto passava suas mãos em meus cabelos -- Daqui à algumas semanas estaremos do outro lado do mundo, longe desse cara. 

Me aconchego mais em seus braços e por um instante tento esquecer da dor que estava sentido, tanto fisicamente quanto sentimentalmente, e acabo dormindo.



Notas Finais


Bom, foi isso c:
Espero que tenham gostado (ou se interessado pelo menos né kkk)
Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...